Google+ Followers

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Funcionários de Hillary Clinton zombam de cristãos e pastores exigem pedido de desculpas

Uma petição está circulando entre católicos e evangélicos, expressando o repúdio a declarações dadas por funcionários de Hillary Clinton sobre o "conservadorismo e a fé ilegítima" dos cristãos.
Hillary Clinton fala em púlpito de Igreja Metodista, em maio de 2016. (Foto: Reuters)  
Hillary Clinton fala em púlpito de Igreja Metodista, em maio de 2016. (Foto: Reuters)

Uma carta está circulando entre líderes católicos e evangélicos que exigem da candidata presidencial democrata, Hillary Clinton, um pedido de desculpas pela "intolerância de alto nível contra o cristianismo, expressa por seus funcionários de campanha", como revelado por um informativo do WikiLeaks terça-feira.

"Como líderes cristãos (Católicos e Evangélicos), nós coletivamente expressamos a nossa indignação com a retórica degradante e preocupante, usada por aqueles de dentro da campanha Clinton - e aqueles associados à campanha - para descrever nossas comunidades", diz a carta em uma cópia obtida pelo site 'Christian Post'.

A declaração aponta para e-mails divulgados recentemente pelo WikiLeaks nesta semana, nos quais a diretora de comunicação da campanha de Clinton, Jennifer Palmieri e seu parceiro do Centro para o Progresso Americanos, John Halpin zombavam da linha conservadora do catolicismo como uma "surpreendente ilegitimidade da fé". O CEO da 'News Corporation', Rupert Murdoch e o editor-chefe do 'Wall Street Journal', Robert Thomson também foram ridicularizados na troca de emails, por serem católicos.

"O artigo mais recente de Ken Auletta para o 'New Yorker' começa com o ponto de vista que tanto Murdoch, quanto Robert Thompson, editor do 'Wall Street Journal' estão usando para criar seus filhos católicos. Friggin Murdoch batizou seus filhos na Jordânia - mesmo local onde João Batista teria batizado Jesus", escreveu Halpin em uma mensagem de 2011 para Podesta e Palmieri.

Em resposta ao e-mail vazado, a petição emitida pelos líderes cristãos declarou: "E-mails recentemente divulgados, claramente ridicularizam, humilham e difamam os católicos romanos e evangélicos. É fortemente preocupante que o Presidente da Campanha de Clinton, John Podesta, tenha sido copiado nestes e-mails entre Jennifer Palmieri (atual diretora de comunicações da campanha de Hillary) e um colega de Podesta, funcionário do do Centro para o Progresso Americano. A recusa de Podesta em levantar objeções o faz igualmente parte desta expressão de intolerância. É indesculpável. É vergonhoso. É anti-americano".

A declaração observou ainda que, apesar das diferenças teológicas significativas entre católicos e evangélicos, ambos se identificam em sua indignação com a campanha de Clinton e exigiu que a candidata Democrata "peça desculpas imediatamente".

"Historicamente, os evangélicos e católicos tiveram diferenças teológicas significativas, que remontam à Reforma Protestante. Apesar dessas diferenças, há um respeito mútuo e uma habilidade para que ambos trabalhem juntos em questões importantes de interesse mútuo", disse o comunicado.

"Os e-mails [dos funcionários de Hillary Clinton] divulgados pelo WikiLeaks revelam um desprezo a todos os cristãos conservadores, e nós - católicos e evangélicos - nos identificamos em nossa indignação e nos unimos em nosso pedido para que Hillary se desculpe imediatamente pelo comportamento cristofóbico de seus associados", concluiu o texto.

O comportamento da campanha de Clinton parece refletir a atitude de um grupo pequeno, mas elitizado dos americanos visto como cristofóbicos, que revelam sinais de hostilidade para com os cristãos, destacados por sociólogos como David Williamson e George Yancey em seu novo livro, "So Many Christians, So Few Lions: Is There Christianophobia in the United States?" ("Tantos Cristãos, Tão Poucos Leões: Existe Cristofobia nos Estados Unidos?", em uma tradução livre).

"A imagem geral, que se faz dos cristãos é de que eles estão atrasados, não têm ​​pensamento crítico, são infantilizados, não gostam de ciência e querem interferir na vida de todo mundo", explicou Yancey em uma entrevista anterior ao Christian Post.

"Mas, pior ainda, [os cristofóbicos] vêem os cristãos comuns pessoas manipuladas por líderes cristãos e que votam exatamente da maneira que esses líderes querem. Eles acreditam que esses líderes estão tentando criar uma teocracia para forçar todo mundo a aceitar as suas crenças cristãs. Então, para alguns cristofóbicos, esta é uma luta pela nossa sociedade e nossa capacidade de avançar em direção a uma sociedade progressiva. Os cristãos são muitas vezes vistos como a 'grande força do mal que bloqueia a nossa sociedade de atingir este paraíso progressivo", acrescentou.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN POST

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Como uma esposa cristã pode incentivar seu marido a crer em Jesus

A Bíblia diz que o marido descrente é santificado por meio da mulher — e vice-versa. Diante disso, veja algumas formas de ajudar seu companheiro a descobrir os caminhos da fé.

Veja algumas formas de ajudar seu marido a descobrir os caminhos da fé. (Foto: Reprodução)
Veja algumas formas de ajudar seu marido a descobrir os caminhos da fé. (Foto: Reprodução)

Ser uma esposa temente a Deus é um grande presente recebido por muitos maridos. Se manter uma esposa temente é algo difícil nesta geração, onde todos são bombardeados pelas coisas passageiras deste mundo, como a beleza, dinheiro e poder.

Em 1 Coríntios 7:13-14, a Bíblia indica que se uma mulher tem marido descrente, e ele se dispõe a viver com ela, ela não deve se divorciar. Pois o marido descrente é santificado por meio da mulher, e a mulher descrente é santificada por meio do marido.

Veja algumas formas de levar o seu casamento à plenitude de Deus e incentivar seu marido a se voltar à Cristo:

1. Priorize Jesus em seu casamento

Maridos que não amam a Deus podem ter dificuldade de entender por que suas esposas amam tanto a Deus. Porém é o amor de uma mulher por Deus que lhe permite amar seu marido, mesmo que ele seja imperfeito.

Só é possível viver em amor, paciência e compreensão através de Cristo, que é o único que pode quebrar o coração endurecido de seu marido.

Do mesmo modo, mulheres, sujeitem-se a seus maridos, a fim de que, se alguns deles não obedecem à palavra, sejam ganhos sem palavras, pelo procedimento de sua mulher, observando a conduta honesta e respeitosa de vocês. (1 Pedro 3:1-2)

2. Motive seu marido a confiar em Deus

“Melhor é viver no deserto do que com uma mulher briguenta e amargurada” (Provérbios 21:19).

Embora muitos maridos não conheçam este versículos, eles podem confirmar o que diz esse trecho da Bíblia. O grande engano é ser uma esposa cristã que não teme a Deus: afirma que O conhece, mas leva seu companheiro para longe Dele.

Uma mulher temente a Deus confia Nele para satisfazer suas necessidades. Em vez de constantemente reclamar de alguma coisa (a menos que seu marido realmente precise mudar), ela entrega o assunto a Deus, que fará amorosamente o que precisa ser feito. Isso irá incentivá-lo a perceber a soberania e bondade de Deus.

3. Ore por seu marido

Esposas tementes a Deus nunca deixam de orar por seus maridos, independentemente das suas necessidades ou preocupações. Quando uma mulher ora por seu esposo, ela convida Deus para intervir e fazer o que só Ele pode em seu casamento.

Se seu caso for contrário — você é homem e sua esposa não teme a Deus — siga os mesmos conselhos e continue buscando sua transformação. Não espere que ela mude antes de você.

Esposas, se vocês não se sentem suficientemente tementes a Deus, não desanimem. Ame a Deus a cada momento mais, mesmo que seus maridos não façam o mesmo.


FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE CHRISTIAN TODAY

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

"Deus pode usar tragédias para voltar nossos corações a Ele", diz Billy Graham

"Nós podemos ser fortes, bem sucedidos e acreditar que a vida vai ser sempre assim. Mas quando ocorre uma catástrofe, percebemos que isso não é verdade", afirmou o evangelista.

Aos 97 anos, o pastor Billy Graham é um dos maiores evangelistas dos últimos tempos ainda vivo. (Foto: Associação Evangelística Billy Graham)
Aos 97 anos, o pastor Billy Graham é um dos maiores evangelistas dos últimos tempos ainda vivo. (Foto: Associação Evangelística Billy Graham)

Enquanto o furacão Matthew já causou cerca de 12 mortes nos Estados Unidos e quase 900 no Haiti, o evangelista Billy Graham foi questionado se catástrofes naturais poderiam ser um instrumento do julgamento de Deus.

Deus pode "certamente" utilizar "desastres naturais para nos dizer muitas coisas", assim como ele pode usar outras momentos difíceis e tragédias para fazer com que os nossos corações se voltem a Ele", disse o pastor de 97 anos, de acordo com o site da Associação Evangelística Billy Graham.

O evangelista também lembrou que as catástrofes podem servir para nos lembrar sobre "a brevidade da vida".

"Nós podemos ser fortes, bem sucedidos e acreditar que a vida vai ser sempre assim - mas quando ocorre uma catástrofe, percebemos que isso não é verdade", afirmou.

O evangelista citou a passagem bíblica de Isaías 38:17 em sua resposta: "Foi para o meu benefício que tanto sofri. Em teu amor me guardaste da cova da destruição; lançaste para trás de ti todos os meus pecados".

Após causar um estrago catastrófico no Haiti, o furacão Matthew chegou à Carolina do Sul (EUA) no último sábado. O número de mortos nos subiu para pelo menos 11 nos Estados Unidos, de acordo com o 'New York Times'. Entre os estados mais afetados estão a Flórida, Geórgia, Carolina do Sul e Carolina do Norte.

"As catástrofes também pode nos lembram da nossa necessidade de ajudar os outros e não apenas nos preocuparmos com nós mesmos e nossos problemas", disse Graham aos leitores. "Eu nunca vou esquecer a maneira como o desastre une pessoas de diferentes origens, especialmente nas igrejas", diz ele, acrescentando que seu filho, Franklin Graham visitou algumas das áreas furacão afetadas pelo furacão, com Associação Billy Graham e a Bolsa do Samaritano.

A Bolsa do Samaritano enviou 20 toneladas de suprimentos de emergência para a população necessitada do Haiti em suas aeronaves 'DC-8', que saíram dos EUA na última quinta-feira (6). Agora, a organização cristã se prepara para enviar mais mantimentos nos próximos dias.

Billy Graham também citou Gálatas 6:2 para encorajar os cristãos a fornecerem ajuda, assim como muitos grupos já têm feito em resposta ao desastre.

"Levai as cargas uns dos outros e, desta forma, cumpram a lei de Cristo", diz o versículo.

"Nós não necessariamente sabemos por que Deus permite que desastres naturais aconteçam, às vezes parece até que Satanás está por trás disso", conclui Graham. "Mas o tempo para se preparar para as crises da vida é agora, não quando elas se revelam. A sua fé e confiança estão em Cristo? Você está procurando viver por Ele todos os dias, não importa o que aconteça?", questionou o pastor.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN POST

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Homem que era adorado como deus se converte ao cristianismo, na Ásia

Htin se tornou líder de uma aldeia formada por 500 famílias e passou a receber adoração como um deus. Sua história mudou depois que ele foi evangelizado por um pastor.

O jovem passou a receber adoração como um deus. (Foto: Reprodução)
O jovem passou a receber adoração como um deus. (Foto: Reprodução)

Com apenas 5 anos, Htin Khin se preparava para se tornar um proeminente líder espiritual na aldeia onde vivia, na Ásia. Ele foi enviado por seus pais a uma instituição religiosa, onde cresceu aprendendo os rituais e atividades de sua crença.

Htin finalmente se tornou líder de uma aldeia, formada por 500 famílias, aos 20 anos. Por ser bem versado nas práticas e crenças de sua religião, todos os moradores obedeciam suas direções. O jovem passou a ser rodeado por comidas fartas, itens preciosos e a receber adoração como um deus.

Cerca de 400 jovens foram discipulados por Htin ao longo dos anos, nos moldes de sua religião. Ele construiu 20 novas instituições religiosas e treinou muitas crianças, assim como foi treinado dentro de sua fé.

Htin nunca tinha ouvido falar sobre Jesus até seus 41 anos. O Evangelho de Cristo chegou à seu conhecimento quando ele conheceu o pastor Tamkinat, que foi enviado pela organização missionária Gospel for Asia para ministrar em uma vila próxima.

"Você conhece Jesus Cristo?", perguntou o pastor Tamkinat. "Eu não sei quem é Jesus Cristo", Htin respondeu.

Nesse instante, o Tamkinat passou a explicar a Htin quem era Cristo e quais eram as diferenças entre o cristianismo e sua religião. Isso foi possível porque o pastor também havia crescido na mesma tradição, e sabia exatamente como ajudar o líder religioso a compreender a verdade sobre Jesus.

Depois de ouvir os ensinamentos do pastor, Htin decidiu aprender mais. Os dois homens passaram a ser amigos e Tamkinat pode compartilhar da Palavra de Deus.

A história de Htin Khin teve uma mudança radical depois que ele participou de uma conferência cristã de quatro dias. Ali ele compreendeu e reconheceu Jesus como Salvador de sua vida.

Ao final dos encontros, ele declarou ousadamente que abandonaria seu legado de mestre religioso para seguir os passos de Jesus Cristo. Embora tenha que enfrentar a insatisfação dos moradores de sua aldeia, Htin permanece nos caminhos do Senhor, clamando por Sua orientação e proteção.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE GOSPEL FOR ASIA

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Mulher ressuscita após ter visão de Jesus e evangeliza sua família muçulmana

Sabina conta que - como em um sonho - se viu no fundo de um poço, quando Jesus lhe apareceu, estendo a mão para tirá-la dali. Sua 'ressurreição' e o relato sobrenatural surpreenderam os médicos.

O testemunho de Sabina está gerando bons frutos. (Foto: Crosswalk)
O testemunho de Sabina está gerando bons frutos. (Foto: Crosswalk)

Uma mulher que passou dois dias em um necrotério, após ser dada como morta pelos médicos, surpreendeu a muitos, quando de repente voltou à vida.

Sabina, que havia viajado para visitar seu filho na Rússia, entrou em coma por dois dias, antes de ter sua morte confirmada pelos médicos. Ela foi então levada para o necrotério, onde seu corpo foi mantido com outros cadáveres por mais dois dias.

Testemunhando o fato ao jornalista Steve Rees, ela lembrou que, na época, viu-se no fundo de um poço sem chance de escapar. Então ela viu uma árvore na parte superior do poço e um de seus ramos crescia, se estendendo em sua direção.

De repente, o ramo se transformou em uma mão e ela ouviu Jesus dizendo para segurá-la.

"Se você segurar a minha mão, vou trazê-la de volta à vida", foram as palavras que ela o ouviu dizer. Quando ela estendeu a mão e agarrou a mão de Jesus, Sabina acordou no necrotério. Seu corpo estava coberto com um lençol branco, do pescoço até os pés. Ela podia ouvir as vozes das pessoas ao seu redor.

Quando ela se sentou, os funcionários do hospital ficaram assustados e correram para fora da sala. Quando eles voltaram, encontraram-na ainda sentada, dizendo-lhes para não se preocupar, porque ela estava realmente viva. Ninguém poderia conseguia imaginar o que teria acontecido com ela, mas a equipe lhe deu comida, água e roupas, além de ajudá-la a visitar seu filho em outro hospital.

Sabina voltou para sua casa na Ásia Central, surpreendendo sua família. No primeiro domingo de seu regresso para casa, ela foi a uma igreja evangélica e entregou sua vida a Cristo.

A comunidade onde ela morava era majoritariamente islâmica e, embora seus parentes fossem os primeiros a ficarem perplexos com sua conversão, posteriormente, todos os seus filhos, sua mãe e uma sobrinha também entregaram suas vidas a Cristo, abandonando o islamismo. Alguns deles até mesmo passaram a se dedicar integralmente a seus novos ministérios.

Uma de suas filhas, Aisha, casou-se com um ocidental chamado Jamal, que sentiu-se movido a servir a Deus no Oriente Médio e assim, o casal atendeu ao chamado missionário para compartilhar o amor de Deus em um dos países majoritariamente islâmicos do Oriente Médio.

Batismo em massa de refugiados na Alemanha. (Foto: Reuters)

Frutificando
Jamal disse que o testemunho de sua sogra (Sabina) abriu muitas portas para que eles compartilhassem a mensagem do evangelho.

"Eu compartilhei brevemente a história da minha sogra e, como resultado, os alunos ficaram mais interessados em aprender sobre Jesus. Dois dias depois, ele já estava com um grupo de cerca de 30 muçulmanos", disse ele.

O missionário viu como Deus transformou o coração dos muçulmanos, fazendo com que eles se entregassem a Cristo, incluindo seu grande amigo, que agora também é um seguidor de Jesus.

Jamal e Aisha agora estão ministrando em campos de refugiados sírios, onde eles não apenas compartilham a mensagem do evangelho, mas também levantam fundos para ajudar as pessoas a aquecerem suas tendas durante o tempo frio. O milagre que Deus tinha feito a Sabina continua a abrir as portas para o evangelho até hoje.

Refugiados
Na verdade, o agir de Deus entre os muçulmanos continua, enquanto os relatórios sobre conversões maciças do islamismo ao cristianismo continuam a surgir nos campos de refugiados. Uma congregação cristã disse que só neste ano (2016), batizou 600 pessoas que deixaram a fé muçulmana e abraçaram o cristianismo.

No entanto, também houve dúvidas de que alguns requerentes de asilo estivessem alegando sua conversão ao cristianismo, somente para não ser deportado para os seus respectivos países de origem.

Gottfried Martens, pastor da Igreja Evangélica Luterana em Berlim, Alemanha, admitiu isso poderia ser verdade. No entanto, ele viu isso como uma oportunidade para desafiar a fé dos muçulmanos.

"Eu sei que há pessoas que vêm aqui porque elas têm alguma esperança de permanecer em um abrigo", disse o pastor. "Estou os convidando a se juntar a nós, porque eu sei que quem vem aqui não ficará desamparado".

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO ASSIST NEWS

domingo, 9 de outubro de 2016

Jovens cristãos terão conferência no deserto

EGITO

Ore por esse grande encontro da juventude cristã egípcia, que tem como principal objetivo orar por aqueles que decidiram pregar o evangelho no país

09-jovens-orando-conferencia-egito
jovens-orando-conferencia-Egito

Nesse mês de outubro, cerca de 12 mil jovens cristãos egípcios estarão reunidos em uma grande conferência no deserto. Haverá momentos de adoração e diversas pregações com o objetivo de colaborar com a vida espiritual de vários fieis que decidiram viajar pelo país a fim de pregar o evangelho.

O país ocupa o 22º lugar na Classificação da Perseguição Religiosa e tem se mostrado cada vez mais hostil ao cristianismo, criando inclusive leis que são incompatíveis com as normas internacionais relativas à liberdade de religião. As restrições por parte do governo são cada vez maiores e apresentam atitudes discriminatórias por parte das autoridades. A violência contra a igreja acontece tanto de forma física quanto moral.   

Recentemente, um líder cristão da região do Sinai foi executado durante uma pregação por militantes do Estado Islâmico que chegaram declarando a jihad (luta islâmica). Os policiais egípcios também estão cada vez mais violentos. A impunidade e a insegurança aumentam a cada dia. Mas os jovens cristãos estão dispostos a brilhar na escuridão, apesar dos desafios e das dificuldades. “Nós não seremos detidos porque temos a luz de Jesus brilhando sobre nossas vidas. E nós brilhamos em público, o que nos traz uma tremenda oportunidade de viver o verdadeiro evangelho”, declara e conclui um dos jovens.

Pedidos de oração

*Ore pela presença do Espírito Santo sobre todos os participantes dessa conferência.

*Que muitos estudantes cristãos possam viver como sal e luz e que seu testemunho seja claramente visto por seus colegas e professores. Ore por eles.

*Peça ao Senhor para protegê-los e que tenham sabedoria durante a ministração da Palavra e nas conversas pessoais sobre Jesus.

Fonte: www.portasabertas.org.br