Google+ Followers

sábado, 8 de abril de 2017

Mais de 3 mil ex-muçulmanos são batizados durante campanha de oração

Apesar da intensa perseguição religiosa, missionários realizaram uma campanha de 21 dias de jejum e oração, batizando ex-muçulmanos no Oriente Médio, Ásia e África.

Batismo. (Foto: Christian in Pakistan News)
Batismo. (Foto: Christian in Pakistan News)
A perseguição religiosa em diversos países Oriente Médio, Ásia e África não diminuiu sua intensidade, porém muitos cristãos também não estão se intimidando diante deste quadro preocupante.

É o caso da organização "Bíblias para o Oriente Médio", que tem se empenhado corajosamente em pregar o Evangelho em países onde o simples fato de ser cristão pode levar as pessoas a todo tipo de violência ou até mesmo à morte.

Durante o mês de março, a organização missionária promoveu uma campanha de 21 dias de jejum e oração, convidando igrejas de todo o mundo a intercederem pelos cristãos e missionários que têm se dedicado a evangelizar nos países de maioria muçulmana.

O pastor Paul* (nome fictício, por razões de segurança) é um dos líderes da organização e celebrou os bons resultados da campanha.

"Pela graça de Deus, apesar dos contratempos e da perseguição, mais de 3.000 ex-muçulmanos foram recentemente batizados em todas as igrejas da Assembléia de Deus Amoroso (ALG) no Oriente Médio, Ásia e África", contou o pastor.

Paul explicou que todos estes ex-muçulmanos batizados, foram evangelizados e discipulados durante a própria campanha.

"A Bíblias para Oriente tinha os evangelizado e preparado para testemunhar Jesus Cristo, sendo batizados nas águas. Que bênção tremenda ver como os nossos 21 dias de jejum e oração envolveram a todos!", disse.

O pastor reconheceu que os cristãos envolvidos na campanha se viram em meio a lutas por diversas vezes, mas Cristo os ajudou a vencer os obstáculos.

"Satanás tentou estragar o ministério muitas vezes, mas nosso Senhor Jesus Cristo destruiu todos os planos do mal", celebrou.

Em uma igreja na Ásia, Paul e outros crentes recém-batizados chegaram a ser apedrejado por extremistas religiosos, logo após uma das cerimônias de batismo. Mas o pastor afirmou que este tipo de perseguição pode gerar um importante aprendizado na caminhada cristã.

"Em sua epístola aos Filipenses, o apóstolo Paulo falou de conhecer a comunhão dos sofrimentos do Senhor e seu objetivo de experimentar o poder de Sua ressurreição (Fl 3,9-11). Nós também temos este desejo", contou.

Devido à intensa perseguição religiosa, a organização missionára Bíblias para o Oriente Médio trabalha de forma cautelosa e não divulga fotos ou vídeos de seus cultos ou batismos, para não expor seus missionários e os recém-convertidos a um perigo ainda maior nos países onde vivem.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA BÍBLIAS PARA O ORIENTE MÉDIO

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Brasil deve ter mais equilíbrio em decisões sobre Israel, dizem líderes evangélicos

Em uma reunião articulada pelo deputado Roberto de Lucena (PV - SP), pastores pediram ao ministro das Relações Exteriores que o Brasil se oponha à perseguição sofrida por Israel na ONU.


Líderes evangélicos se reuniram com o ministro das relações exteriores, Aloysio Nunes. (Foto: Assessoria de Imprensa)
Líderes evangélicos se reuniram com o ministro das relações exteriores, Aloysio Nunes. (Foto: Assessoria de Imprensa)

Na última quarta-feira (5), o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes recebeu lideranças evangélicas nacionais para debater sobre a postura do Brasil nas votações realizadas pela Organização das Nações Unidas (ONU) que afetam questões relacionadas a Israel.

O encontro articulado pelo deputado federal Roberto de Lucena (PV-SP), antecede a 201ª Sessão Deliberativa do Conselho Executivo da Unesco, que se realizará nos dis 26 e 27 de abril, em Paris (França).

Justificando a relevância do encontro entre pastores e o ministro, Lucena explicou que esta é uma importante manifestação do sentimento dos cristãos brasileiros com relação à resolução 199 da UNESCO, que ignorou os laços do povo de Israel com locais historicamente importantes de Jerusalém, como o Monte do Templo e o Muro das Lamentações.

“Viemos aqui trazer ao nosso chanceler e à diplomacia brasileira o apoio de parcela significativa do povo evangélico que se sente representado por essas lideranças - e temos a compreensão de que nosso sentimento é compartilhado pela grande maioria dos cristãos nacionais, com relação ao esforço do Brasil para que o texto da resolução 199 da Unesco sofresse importantes evoluções no sentido de ser mais justo, equilibrado e imparcial, até chegar à resolução 200. Ainda não é o texto ideal. Nossa expectativa é de que a resolução 201 avance ainda mais nessa direção. A maioria da população brasileira é cristã e os cristãos tem Israel como sua segunda Pátria”, destacou Roberto de Lucena.

Durante a reunião, o apóstolo Paulo de Tarso Fernandes expôs ao ministro que, mesmo reconhecendo a realidade dos árabes e mulçumanos que vivem na região, diversas questões históricas têm sido desrespeitadas no texto da resolução.

“Notadamente a ONU tem se posicionado contra Israel, por isso é importante que o governo brasileiro passe a considerar esta importante parcela de nossa população que apoia a nação Judaica”, disse Fernandes, buscando esclarecer que a maioria dos evangélicos defendem Jerusalém como a capital indivisível de Israel.

Aloysio Nunes respondeu aos pastores que o Brasil vai continuar se empenhando em combater qualquer possibilidade de desequilíbrio em suas decisões de voto.

"Nosso esforço é para que as próximas resoluções sejam mais equilibradas e justas. Temos uma posição suprapartidária de mais de 30 anos de busca de paz entre palestinos e israelenses", disse o ministro, que reconheceu a contribuição do movimento evangélico na construção do posicionamento brasileiro.

Orando pelo Brasil e por Israel

A apóstola Valnice Milhomens Coelho apontou a reunião como um avanço e lembrou que os pastores aproveitaram a oportunidade para orar pelo ministro.

“Começamos a ser ouvidos e isso é muito importante para os cristãos. Além disso, foi uma grata coincidência ser o aniversário do ministro e podermos orar por ele”, disse.

Responsável pelas igrejas G12 no Brasil, o apóstolo Laudjair Carneiro Guerra ecoou a opinião de Valnice Milhomens.

"Achei que a reunião foi muito produtiva, pois o ministro tomou conhecimento do carinho e do amor do Brasil por Israel e ouviu nossos argumentos para que o país se posicione a favor dos nossos irmãos”, concluiu.

Contextualização

Em abril de 2016, o voto do Brasil durante a 199ª Sessão Deliberativa do Conselho Executivo da Unesco - ainda sob o Governo do PT - foi frontalmente contrário a Israel.

Já na 200ª sessão do Conselho Executivo da Unesco, realizada em outubro do mesmo ano, se tornou mais nítida uma nova postura na condução do tema pelo atual governo, que atuou para a revisão do texto aprovado.

O encontro com o ministro das Relações Exteriores também contou com a presença dos apóstolos Francisco Maia Nicolau, Joaquim José da Silva Jr, Neuza Itioka, Paulo Tércio Lopes Silva, Leoníldio Lima de Oliveira e Marcus Arrais Fima. A representante da Ordem dos Advogados do Brasil seccional do DF, Clarita Costa Maia acompanhou toda a audiência no Itamaraty.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA ASSESSORIA DE IMPRENSA

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Uma grande ameaça para a igreja no México

MÉXICO

“Os cartéis estão muito bem organizados e podem seguir todos os nossos movimentos; não se pode ir a lugar algum sem proteção”



Um dos líderes da igreja no México forneceu uma nova visão sobre o tipo de perseguição que os cristãos na América Latina estão enfrentando em áreas controladas por cartéis de drogas. O pastor que pediu anonimato por razões de segurança disse a um dos colaboradores da Portas Abertas que “sem pagar tributos a eles” as igrejas não podem permanecer funcionando. Essa informação já foi divulgada em nosso site através de algumas matérias, entre elas Igrejas no alvo dos cartéis de drogas. Mas agora o líder dá novos detalhes.

“Os cartéis estão muito bem organizados e podem seguir todos os nossos movimentos. Não se pode ir a lugar algum sem proteção. Estamos falando de locais muito próximos à capital do país, o que significa que, o problema que costumava ser típico das cidades do norte, que fazem fronteira com os Estados Unidos, está se tornando um problema comum para todo o México”, explica. Infelizmente, segundo um dos colaboradores da Portas Abertas “a maioria dos casos não são relatados”.

“É uma das ameaças mais significativas para a igreja no México. De acordo com um funcionário do governo, apenas 10% dos casos são denunciados e formalmente levados ao tribunal”, disse ele. Muitas igrejas já foram fechadas pelos traficantes e vários pastores foram mortos. De acordo com pesquisas, “na última década, 31 líderes cristãos morreram em incidentes violentos com os cartéis de drogas”.

Fonte: https://www.portasabertas.org.br

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Ajude a organização Médicos Sem Fronteiras a salvar vidas

A MSF atua de forma neutra, imparcial e independente, oferecendo ajuda médica sem discriminação de raça, religião, nacionalidade ou convicções políticas. Assista ao vídeo, clicando abaixo.

Resultado de imagem para médicos sem fronteiras africa


CONHEÇA MSF

Médicos Sem Fronteiras (MSF) é uma organização humanitária internacional sem fins lucrativos que leva ajuda médica de emergência a vítimas de conflitos armados, epidemias, fome, desastres naturais e exclusão do acesso à saúde.


Para garantir o acesso às pessoas que mais precisam de cuidados, MSF atua de forma neutra, imparcial e independente, oferecendo ajuda médica sem discriminação de raça, religião, nacionalidade ou convicções políticas.

Criada por médicos e jornalistas em 1971, a organização tem também o compromisso de denunciar o sofrimento das pessoas que atende e os obstáculos encontrados na tentativa de oferecer ajuda.


Os trabalhos de MSF em campo são desenvolvidos por profissionais de saúde, logística e administração e outras áreas, que se dispõem a enfrentar contextos dos mais desafiadores para levar alívio às pessoas. MSF atua em mais de 60 países.

ATUAÇÃO

Estar no lugar certo, na hora certa. Médicos Sem Fronteiras (MSF) mantém um monitoramento constante das áreas mais propensas a emergências e com acesso restrito a serviços de saúde para estar sempre pronta para agir.


Uma vez identificada uma necessidade, profissionais da organização vão a campo avaliar o cenário para estruturar uma resposta adequada, que pode ser de curto, médio ou longo prazo, envolvendo o desenvolvimento de instalações médicas fixas, como hospitais e centros de nutrição, ou móveis, para atendimento externo.

As equipes de MSF oferecem cuidados básicos e especializados de saúde, atuando tanto na prevenção de doenças - conduzindo campanhas de vacinação, realizando serviços de saneamento básico e suprimento de água limpa e atividades de conscientização - quanto com seu tratamento.

Malária, HIV/Aids, tuberculose, cólera, sarampo e meningite são algumas das doenças mais comumente tratadas pela organização, que também presta assistência a vítimas de violência, inclusive sexual, oferecendo apoio psicológico e cirurgia.

A atuação ágil e independente de MSF é possível graças às contribuições generosas e constantes de doadores do mundo inteiro, que permitem que a organização possa se planejar.

Em 2015, o número de doadores internacionais chegou a mais de 5.7 milhões e o total arrecadado foi de 1,44 bilhão de euros. Confira na tabela abaixo como foram aplicados nossos recursos em 2015.


Projetos de assistência médica e humanitária – 1,05 bilhões/euros – 82%


Ações para conseguir mais doadores – 163,8 milhões/euros– 13%

Custos administrativos – 61,3 milhões/euros– 5%

Para fazer sua doação, clique aqui.

FONTE: MÉDICOS SEM FRONTEIRAS

Cerca de 500 igrejas foram fechadas e 423 mesquitas construídas, no Reino Unido

Em dezesseis anos, mais de 500 igrejas espalhadas por Londres foram transformadas em casas particulares. Enquanto isso, o número de mesquitas se multiplicou.

Mesquita na região leste de Londres, localizada no distrito de Whitechapel. (Foto: Mary Knox Merrill/STAFF)
Mesquita na região leste de Londres, localizada no distrito de Whitechapel. (Foto: Mary Knox Merrill/STAFF)
Nas últimas duas décadas, cerca de 500 igrejas cristãs foram fechadas enquanto 423 mesquitas muçulmanas foram construídas no Reino Unido, segundo um relatório publicado no último domingo (2) pelo Instituto Gatestone.

O relatório destacou que, desde 2001, mais de 500 igrejas espalhadas por Londres foram transformadas em casas particulares. Enquanto isso, o número de muçulmanos cresceu para quase um milhão de fiéis.

Segundo estatísticas do Instituto de Pesquisa Social NatCen, entre 2012 e 2014, o número de britânicos que se identificam como anglicanos caiu de 21% para 17% da população, representando uma diminuição de 1,7 milhões de pessoas. A Igreja Anglicana (também conhecida como Igreja da Inglaterra) é a denominação cristã estabelecida oficialmente no país.

Dados da mesma pesquisa também revelam que as pessoas que não seguem religião alguma já superam o número de cristãos na Inglaterra e no País de Gales.

Com o declínio do cristianismo, a Grã-Bretanha tem adquirido uma identidade cada vez mais islâmica, segundo o Instituto Gatestone ao avaliar o cenário das cidades inglesas.

Birmingham, a segunda maior cidade da Inglaterra, hospedou alguns jihadistas que promoveram ataques no país e defendeu o uso dos alto-falantes públicos pelas mesquitas britânicas, para que pudessem chamar os muçulmanos à oração.

O instituto também revelou que o número de tribunais muçulmanos baseados na sharia (legislação islâmica) em Londres tem aumentado. Atualmente, cerca de 100 tribunais funcionam oficialmente na cidade.

“Estes tribunais rejeitam o caráter inviolável dos direitos humanos — os valores de liberdade e igualdade que são a base do direito inglês”, advertiu o instituto.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE THE CHRISTIAN POST

terça-feira, 4 de abril de 2017

Billy Graham alerta sobre livros de autoajuda: “A Bíblia também pode te orientar”

Para o evangelista, embora os livros tenham orientações prontas e rápidas, a Bíblia pode ser encarada como o manual da vida.

Para o evangelista, a Bíblia pode ser encarada como o manual da vida. (Foto: BGEA)
Para o evangelista, a Bíblia pode ser encarada como o manual da vida. (Foto: BGEA)
Muitas pessoas buscam livros que dão respostas prontas e práticas para os dilemas que enfrentam na vida — isso envolve até mesmo a literatura cristã, que usa alguns trechos da Bíblia para oferecer visões prontas sobre diversos temas.

Para o evangelista Billy Graham, embora os livros de autoajuda tenham orientações prontas e rápidas, a Bíblia Sagrada é um livro completo que pode ser encarado como o manual da vida.

“A Bíblia pode nos orientar e ensinar como devemos viver”, disse ele em um artigo publicado no site The Kansas City Star. “Foi Deus quem nos deu a Bíblia e Ele nunca poderia nos enganar, como declarou um escritor de Salmos: ‘Todas as tuas palavras são verdadeira’" (Salmo 119: 160)”.

Na prática, como a Bíblia pode oferecer respostas? Primeiramente, Graham lembra que as Escrituras irão revelar mais sobre Deus e Seu amor por você.

“Deus não criou apenas o universo, Ele criou você. Ele te ama e quer que você descubra o que significa ser Seu filho”, o evangelista orienta. “A Bíblia também irá te dizer como Deus demonstrou o Seu amor por nós, vindo à Terra na pessoa de Jesus Cristo, que entregou Sua vida pela nossa salvação”.

Graham observa que a Bíblia também é capaz de ensinar a melhor maneira de se viver. “Se Deus nos criou, não acha que faz sentido tentar descobrir como Ele espera que a gente viva? A Bíblia não apenas nos ensina os princípios da vida, mas também mostra como Deus pode nos ajudar a vivê-los”, disse o pastor.

“Acima de tudo, a Bíblia nos indica para Jesus Cristo e para a nova vida que Deus nos oferece, através da fé Nele. Deus quer mudar sua vida e fará isso, se você convida Cristo para entrar em sua vida”, Graham orienta.

“Por que não fazer isso hoje? A promessa de Jesus é para você: ‘Eu sou a luz do mundo. Quem me segue, nunca andará em trevas, mas terá a luz da vida’ (João 8:12)”, ele acrescenta.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE THE KANSAS CITY STAR

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Irã obriga mulheres a usarem véu islâmico até dentro das igrejas

Algumas mulheres têm obedecido às ordens da "polícia moral" do Irã, mas outras estão se recusando a usar o véu - conhecido como 'hijab' - nas igrejas, em atitude de protesto.



O uso do hijab tem sido exigido de mulheres, até nas igrejas. (Foto: The Independent)
O uso do hijab tem sido exigido de mulheres, até nas igrejas. (Foto: The Independent)

As mulheres que entram em igrejas cristãs no Irã já podem ser advertidas se não estiverem usando um 'hijab' [v[véu islâmico], comumente exigido em locais públicos, no país.

Um episódio ocorreu quando mulheres estavam entrando em uma catedral da cidade de Isfahan e foram informadas pela "polícia moral" do Irã que elas tinham que usar véus islâmicos, até mesmo dentro de um templo cristão.

Enquanto algumas mulheres obedeceram, outras retiraram seus véus em um ato de desafio e protesto. Muitos expressamente se opuseram ao fato de serem forçadas a usar os véus em um lugar de culto cristão, onde não seriam aplicadas leis islâmicas.

A "polícia moral" do Irã é muitas vezes brutal ao aplicar estas normas, conhecidas como "leis de modéstia". As mulheres que infringem as leis são por vezes detidas ou mesmo espancadas.

Uma mulher que não teve o seu nome revelado compartilhou com a campanha "Minha Liberdade Furtiva", a sua experiência após ser confrontada pela 'polícia moral'.

"A foto que eu enviei mostra a Igreja Vanak, de Isfahan. Foi ridículo! Duas funcionárias nos culparam pela vestimenta que estávamos usando, o que é uma vergonha, não é?", protestou.

A mulher também sugeriu uma situação de certa forma inversa, na qual os muçulmanos seriam reprimidos em um país de maioria cristã.

"Como os muçulmanos americanos reagiriam se [suas mulheres] fossem forçadas a entrar em suas mesquitas sem hijab [véu]? Por que deveríamos aguentar tal desgraça para as mulheres em nome da lei? Isso não é um tipo de bullying?", questionou.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO HEATSTREET

domingo, 2 de abril de 2017

Mais de 200 cristãos foram assassinados este ano na Nigéria

Radicais muçulmanos fazem ataques "incessantes", com mortes, sequestros e estupros

Resultado de imagem para latest news in nigeria
Mais de 200 cristãos foram assassinados este ano na Nigéria


Ataques de muçulmanos da etnia fulani às comunidades predominantemente cristãs na Nigéria, deixaram mais de 200 mortos este ano, além casas e fazendas destruídas. O ataque mais recente foi a uma igreja evangélica durante o culto no domingo, 19 de março.

Dois cristãos foram assassinados na aldeia de Oshugu, região central do país. O ataque gerou uma fuga em massa, onde centenas de pessoas saíram da área com medo das ameaças feitas pelos radicais islâmicos.

“O ataque à nossa aldeia ocorreu pela manhã, enquanto estávamos dentro da igreja”, disse um sobrevivente, identificado apenas como Ittah. “O líder de nossa vila e uma outra pessoa morreram, e muitos ficaram feridos. O triste é que estes fulani têm atacado nossas comunidades e ninguém faz nada para impedir isso”.

Segundo documentos encaminhados à Assembleia Nacional da Nigéria, desde janeiro os jihadistas mataram mais de 200 pessoas e feriram outros 500. A petição cita ainda casos de estupro e sequestros.

Aminu Suleiman, um dos líderes do movimento que pede providências ao governo, lamentou. “Estamos feridos e angustiados. Estamos morrendo como resultado dessa destruição da nossa atividade econômica e perda de nossas terras”. Ele ressaltou que os radicais são pastores de gado que invadem as terras dos cristãos, os ameaçam e depois ficam com as fazendas para si.

Esse tipo de investida não é novidade. Há registros desde 2014 de um movimento crescente que atinge os estados da região central como Bauchi, Kaduna, Taraba e Adamawa.

Em alguns casos, os pastores Fulani estavam acompanhados de mercenários islâmicos vindos de fora da Nigéria somente para atacar aldeias cristãs. O maior massacre, em fevereiro de 2016, deixou um saldo de 300 cristãos mortos no estado de Benue.

Segundo dados da Missão Porta Abertas, apesar dos cristãos perfazerem 51,3% da população nigeriana, o país ocupa o 12º lugar na lista perseguição ao cristianismo.

A região norte da nação é dominada pelos radicais do Boko Haram, que vem tentando expandir seu território fazendo incursões aos estados no centro da Nigéria. A ineficiência do governo parece que tem servido de estímulo para o aumento dos ataques. Com informações de Assist News

Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br