Google+ Followers

sábado, 1 de outubro de 2016

Pai consagra filha a Deus após o parto e emociona internet; assista

Marcos Vinicius apresentou a Deus a filha Anna Clara logo após seu nascimento. As imagens já tiveram mais de 3,7 milhões de visualizações no Facebook.e plus

O vídeo que registra um pai consagrando sua filha a Deus logo após o momento do parto tem 
O vídeo que registra um pai consagrando sua filha a Deus logo após o momento do parto tem comovido multidões de usuários do Facebook. O nascimento de Anna Clara aconteceu em 2011, mas foi publicado nas redes sociais apenas no dia 5 de agosto, pelo cantor gospel Josias Lemes.

“Te apresento e consagro a ti nessa hora, Jesus, a Anna Clara, a sua serva”, disse Marcos Vinicius Santos, o pai da criança, no início de sua oração. “Que possa enchê-la de unção, intrepidez, ousadia, que possa abençoá-la muitíssimo, alargar suas fronteiras, apartá-la de todo mal.”

“Que as Tuas potentes mãos sejam sempre com ela, pai. Em nome de Jesus, que ela seja cheia do Teu Espírito Santo. Eu e a mãe dela Te agradecemos por essa benção, em nome de Jesus, porque ela é um milagre. Saber que não poderíamos tê-la, mas o Senhor nos concedeu essa benção. Te agradecemos em nome de Jesus. Amém!”, finalizou a oração.

As imagens já tiveram mais de 3,7 milhões de visualizações e foram compartilhadas por cerca de 68 mil pessoas até a publicação desta notícia.

A cantora e missionária Flávia Afonso, mãe de Anna Clara, agradeceu nos comentários do vídeo o carinho das pessoas, que se emocionaram com a atitude do pai. “Obrigada pelas lindas palavras, gente. Nossa filha tem 5 anos hoje”, disse ela.

Anna Clara hoje tem cinco anos, segundo a mãe Flávia Afonso. (Foto: Reprodução/Facebook)

FONTE: GUIAME

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Adolescente abandona o Islã após ouvir a voz de Deus: "Ele me recebeu como eu estava"

O jovem começou a ouvir pensamentos que o incentivava a saber mais sobre o cristianismo. Foi quando ele começou a visitar algumas igrejas e conheceu o verdadeiro Deus.

Após o culto, o pastor se aproximou dele e o convidou para sua casa, onde eles conversaram sobre o céu. (Foto: World Watch Monitor).
Após o culto, o pastor se aproximou dele e o convidou para sua casa, onde eles conversaram sobre o céu. 
(Foto: World Watch Monitor).

Mehdi costumava seguir os passos de seu pai, que não era um muçulmano devoto, pois ele amava mais o dinheiro do que a fé. Ele foi criado em um lar no Irã e foi ensinado que o dinheiro pode comprar amigos, respeito e satisfação.

No entanto, Mehdi tentou ser um bom muçulmano para ganhar a paz de espírito, apesar de achar difícil. "Às vezes eu tentava fazer minhas orações regularmente, mas vivia esquecendo e acabava dormindo sem orar, ou então saía com meus amigos”, ele lembra. “Como muçulmano, muitas vezes, eu tinha a sensação de que eu estava falhando em muitos aspectos", contou.

Um dia, Mehdi pensou: "Eu não sou um bom muçulmano, o que significa que não vou para o céu. Então, o que devo fazer?". Mais tarde, uma voz interior, vinda de Deus, o respondeu: "Vá e descubra mais sobre o cristianismo".

Uma ideia diferente começou a invadir a sua mente. Ele perguntou a si mesmo: “Por que eu estaria interessado no cristianismo, quando sei que ser cristão é um grande perigo no Irã? Por que eu iria me arriscar à prisão ou à morte, quando estou tendo uma boa vida?”

Ele tentou esquecer o pensamento, mas não conseguiu. Ele tentou visitar algumas igrejas para saber mais sobre o cristianismo, mas foi rejeitado nas primeiras por medo de ele ser um agente do governo.

A conversão

Mehdi finalmente encontrou aceitação em uma igreja "clandestina". Pela primeira vez, ele viu o que acontece durante o culto. "A sensação que tive quando entrei na igreja foi algo que eu nunca senti antes", disse.

Após o culto, o pastor se aproximou dele e o convidou para sua casa, onde eles conversaram sobre o céu. O pastor explicou o conceito do céu cristão, dizendo que é um lugar onde o espírito do homem fica totalmente em paz com o seu Criador.

Mehdi foi surpreendido. "No Islã, o céu é um lugar onde você pode ter todos os tipos de coisas que você não teve na terra - diferentes tipos de mulheres para a sua satisfação, vinho, etc. Eu não tinha ouvido falar sobre a ideia cristã do céu antes, mas de alguma forma, suas palavras sobre o céu fizeram todo o sentido para mim", ressaltou.

O pastor também disse a ele sobre Deus, como um Pai amoroso, alguém que o conhecia como pessoa. Mehdi disse que percebeu que o Deus cristão era muito diferente de Alá, que parecia longe e que fica irritado com coisas pequenas. "O Deus cristão me recebeu como eu estava. Ele me criou com minhas fraquezas. Ele até usou minhas fraquezas para que eu fosse mais parecido com ele. Esta era uma das grandes diferenças: não era um deus que me puniria por qualquer coisa pequena", disse.

Depois da conversa, ele finalmente se converteu ao cristianismo. Seus pais não ficaram satisfeitos com sua decisão, mas isso não chegou a ser um problema. Mehdi decidiu deixar o Irã não por causa do medo de sua segurança, mas pela segurança de seus pais, que estariam em apuros por permitir que seu filho deixasse o Islã e se convertesse ao cristianismo.

"Eu tinha 18 anos quando saí de casa. Agora tenho 27 e não voltei para o Irã desde então. Eu não vejo minha família há 10 anos. É um grande sacrifício. Apesar de tudo, eu sou, sem dúvida, feliz e agradecido", finalizou Mehdi.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN TODAY

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Judeu incrédulo se entrega a Cristo e declara: "Deus não está no mundo da fantasia"

O escritor Andrew Klavan explica que descobriu que Deus não é apenas uma fantasia da mente humana, mas é real e pode senti-lo nos momentos cotidianos.

Andrew Klavan apresenta programas sobre a arte e o pensamento humano. (Imagem: Youtube)
Andrew Klavan apresenta programas sobre a arte e o pensamento humano. (Imagem: Youtube)

Um judeu incrédulo acabou entregando sua vida a Cristo e hoje afirma que a sociedade não reconhece o quão poderosa é a atual corrente intelectual da descrença, uma cultura onde o ateísmo é a configuração padrão e alertou que "essa corrente intelectual está levando as pessoas para um um mar de mentiras".

Em uma recente entrevista ao site 'Christian Post' o autor Andrew Klavan falou mais sobre como ele teve uma experiência pessoal com Deus e sobre o seu novo livro "The Great Good Thing: A Secular Jew Comes to Faith in Christ" ("A Grande Coisa Boa: Um Judeu Incrédulo que se Entregou a Cristo", observa que ele está fazendo muito mais do que simplesmente compartilhar o testemunho de sua conversão ao cristianismo.

Os críticos têm inequivocamente elogiado seu trabalho — alguns o têm chamado de um "mestre contador de histórias".

"Minha história não era só a minha história", disse Klavan. "Foi realmente uma história que afetou um monte de gente".

"Como, obviamente, nem todo mundo é judeu, nem todo mundo tem a minha educação", continuou ele, "estamos vivendo em um mundo onde a suposição é que se você é uma pessoa inteligente, uma pessoa perspicaz, uma pessoa sofisticada, você não acredita em Jesus".

Aqueles que procuram uma leitura inteligente, perspicaz e sofisticada não precisam ir mais longe do que as memórias de Klavan. Pungente e muito bem escrito, Klavan descreve sua jornada para até a fé cristã, narrando suas perguntas profundas e emoções em um livro cativante.

Klavan, de 62 anos, foi criado em Great Neck (Long Island, EUA), mas agora reside em Hollywood Hills, Califórnia, com Ellen, sua esposa de 36 anos, com quem tem dois filhos. Depois de ter passado a maior parte de sua vida profissional como um roteirista de novelas, hoje Klavan investe seu tempo como roteirista e é o anfitrião da 'Amostra Klavan Andrew', um podcast de cultura e política no site do jornal 'The Daily Wire'.

Apesar de não ser de uma família judia religiosa — seus pais nem sequer acreditavam em Deus — seu pai garantiu que ele estava ligado à sua herança. Mas Klavan entendeu que o judaísmo em sua maioria era sem sentido; os rituais religiosos não significavam nada para ele. Como ele relata no livro, suas objeções eram contra o bar mitzvah e ele disse que via a Páscoa judaica ("Pessach") como algo "cômico".

Desde que se entregou a Cristo, observa o autor — e muito a contragosto de seus amigos judeus — Jesus permitiu que Klavan experimentasse o seu judaísmo.

Como um adolescente curioso, para grande desgosto de seu pai, ele começou a ler o Novo Testamento e seu interesse intelectual no cristianismo acompanhou a então nova leitura.

"Eu achava que a religião importava, porém eu pensei nisso como um mito vivo que forma a mente humana e expressa os nossos medos e desejos mais íntimos. Muitos dos pensadores que eu conhecia e lia rejeitavam o poder da religião sobre a vida das pessoas. Eles achavam que a fé era apenas uma relíquia do passado, algo supersticioso da humanidade".

Ao contrário de seu pai, Klavan não está particularmente preocupado com o anti-semitismo, crescente nos Estados Unidos, mas está mais preocupado com a crescente hostilidade contra os judeus na Europa.
Andrew Klavan. (Imagem: Youtube)

A resposta, Klavan opina, é bastante evidente: "As pessoas odeiam os judeus, porque elas odeiam a Deus".

"Os judeus são o povo escolhido de Deus e que trouxe a noção de Deus de volta para a humanidade, depois que ela foi perdida após a queda. Eles eram a porta para Deus voltar a entrar no mundo e as pessoas os odeiam por isso. Indo um pouco mais longe, as pessoas odeiam os judeus, porque eles odeiam a Deus e você [ateu ou incrédulo] odeia a Deus porque você se odeia. Eu realmente acho que essa é a incapacidade de aceitar o pecado original, essencialmente", destacou.

Klavan destacou o quão importante é experimentar mais de Deus, enquanto a cultura contemporânea julga que apenas o que fazemos "racionalmente" é válido, enquanto o sentimos é "inválido".

Entre outras coisas, Klavan observou que a experiência subjetiva de se apaixonar por sua esposa ao longo de muitas décadas foi uma espécie de "epifania". O amor mostrou-lhe que só porque algo pode ser subjetivo, isso não significa que não seja real.

"Isso me levou a começar a pensar: 'Agora, espere um minuto, talvez se você pode se enganar em suas percepções subjetivas, então talvez você pode estar certo em suas percepções subjetivas", disse Klavan.

Ao longo do caminho, a rejeição ao ateísmo por parte de Klavan foi, em parte porque ele descobriu verdades importantes em lugares onde muitos cristãos devotos raramente olham. Klavan disse ao 'Christian Post' que um dos compromissos mais importantes que teve com uma obra de arte foi do autor e filósofo francês Marquês de Sade.

"De Sade escreveu alguns dos livros de pornografia mais sádicos, algumas das coisas mais repugnante que já li. Seus livros são atados à filosofia ateísta e quando eu li aquela filosofia ateísta e eu vi que a pornografia que a acompanhava, eu disse a mim mesmo 'isso é o ateísmo honesto. Isso é simplesmente o verdadeiro ateísmo, o mais verdadeiramente fundamentado que eu já vi'. Eu entendi que se você quisesse ser um ateu, aquela era a lógica e ela me deu as costas. Então virei as costas e afastei-me dele", contou.

Klavan também destacou que os cristãos podem ser mais atenciosos sobre como eles se envolvem com os intelectuais e com a cultura em geral.

"A única coisa que eu gostaria de ver os cristãos fazerem é: parar de condenar a arte que não ecoa imediatamente suas crenças mais profundas. Porque eu realmente acredito que toda grande arte está falando a verdade. Deus é o Senhor no mundo real, ele não é Deus da terra da fantasia. Quando você fecha as pessoas, escondendo feiúra da vida, desde o aspecto físico da vida, a paixão, a luxúria que estão na Bíblia e nas artes, você fecha as pessoas fora do verdadeiro Deus", ele disse.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN POST

terça-feira, 27 de setembro de 2016

"Toda vez que eu orava para Alá, ouvia uma voz dizendo: Jesus, Jesus", diz ex-muçulmano

Depois de ouvir o nome de Jesus durante suas orações à Alá, o homem conheceu mais sobre Deus após aceitar o convite de conhecer uma igreja.
Deus respondeu suas orações de uma forma incrível. (Foto: Reprodução).
Deus respondeu suas orações de uma forma incrível. (Foto: Reprodução).

Um ex-muçulmano teve seu mundo virado de cabeça para baixo quando começou a ouvir “Jesus! Jesus” toda vez que orava para Alá. Ele ficou extremamente confuso e implorou para que ele parasse de ouvir as vozes. Foi aí que uma amiga o convidou para ir à igreja.

Depois de frequentar a congregação, ele ainda não estava convencido. Mas sua amiga, Rosie, não desistiu e continuou a falar com ele sobre Jesus. Então, ele decidiu que iria tentar mais uma vez e foi em uma igreja diferente. Ele fez uma oração: "Jesus, se você é meu Salvador, hoje é o dia que você precisa me mostrar. Caso contrário, eu voltarei a ser um muçulmano novamente".

Então, algo notável aconteceu. "Na igreja, começaram a cantar e minha alma ardeu", disse o homem. "Nesse momento eu me perguntei o que estava acontecendo. Estava sentindo um imenso amor, com muitas emoções misturadas. Eu estava amando tudo aquilo e não queria que parasse. Agora eu sei que o Espírito Santo me batizou. Mas, na época, eu não tinha essa ideia", explicou.

"No meu coração e na minha mente, eu conheci a Deus. E eu entendo que Jesus é meu salvador. Eu comecei a ler a Bíblia. A Bíblia se tornou como um alimento. Estou estava me alimentando da palavra de Deus", pontuou.

"Eu comecei a orar por revelação. Eu acordava no meio da noite, dizendo: ‘Deus, você precisa me mostrar o caminho’ e isso se tornou uma obsessão", disse ele.

Deus respondeu suas orações de uma forma incrível. "Um dia eu acordei, saí do quarto e vi à minha direita uma imagem enorme de luz. Esta luz era o rosto de Jesus. Era tão lindo, senti um amor muito grande sobre mim, naquele momento. Eu tive uma revelação do próprio Jesus. Deus desceu e me mostrou Jesus", contou.

"Agora eu não paro mais de orar. Estou amando ser cristão, e eu estou amando Deus. Ele mudou completamente a minha vida. Eu sou uma pessoa completamente diferente", finalizou.

Assista o incrível testemunho (em inglês): 



FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO SITE HELLO CHRISTIAN

domingo, 25 de setembro de 2016

Investindo seus próprios recursos, cristã alimenta milhares de sem-teto

Prestes a completar 30 anos, Lauren quer fazer refeições para 30 mil pessoas
Investindo seus próprios recursos, cristã alimenta milhares de sem-teto
Investindo seus próprios recursos, cristã alimenta milhares de sem-teto

por Jarbas Aragão 
FACEBOOK

Uma cristã de Woodbridge, estado da Virginia, Estados Unidos, está atraindo a atenção da mídia por causa de uma campanha humanitária. Prestes a completar 30 anos, seu projeto é fazer uma “festa” onde irá alimentar 30.000 pessoas.

Mãe solteira, Lauren Puryear não é milionária e vive no padrão médio dos cidadãos americanos. Contudo, ela decidiu fazer mais pelo “próximo” após visitar uma espécie de acampamento de sem tetos em sua cidade. Chamada de “cidade de tendas”, trata-se de um ajuntamento de barracas de pessoas que por diversos motivos hoje vivem nas ruas.

Quando começou a falar com os moradores daquele local, ela perguntou do que eles mais precisavam. A resposta foi unânime: comida.

Lauren fez algo a respeito e decidiu preparar refeições que levava pronta em marmitas. Porém, ela descobriu que poderia fazer muito mais se comprasse alimentos em grandes quantidades em uma rede varejista da cidade.

Ao ver um cupom promocional no jornal, conseguiu comprar 425 latas de legumes por um preço irrisório. “Eles ficaram empilhados na cozinha do meu apartamento numa pilha que chegava ao teto”, conta. Resolveu usar o conteúdo das latas para preparar uma refeição quente, adicionando carne de frango e alimentou mais de 300 pessoas.

Para ela, a oportunidade de auxiliar tanta gente foi algo transformador. Ela ouviu de um senhor de uns 50 anos, que aquela era a primeira refeição quente que ela comia depois de três dias.

Desejando alimentar mais pessoas sem comprometer toda a sua renda, ela começou a pedir doações e usar todas as promoções que a rede varejista oferece. “Esses cupons baixam o preço tremendamente”, comemora. Recentemente, ela serviu 1.200 cachorros-quentes para os sem teto. O preço de cada um foi muito abaixo do que seria caso comprasse metade disso com o preço normal em um supermercado.

Recentemente, para celebrar seu aniversário, alimentou mais de 1.000 pessoas numa espécie de festa ao ar livre. A experiência, segundo ela, foi “a sensação mais tremenda que tive depois do meu parto.”

Seu próximo alvo é distribuir “refeições boas e saudáveis” para 1.500 pessoas. Como seu trabalho voluntário começou a ficar conhecido, atraiu mais voluntários dispostos a ajudá-la. São pessoas de classe média baixa, que simplesmente querem distribuir o pouco que tem com aqueles que possuem menos que elas.

O grande objetivo de Lauren, marcado para 2017, quando ela completa 30 anos é alimentar 30.000 pessoas. Por causa da sua fé cristã e baseada no texto bíblico de João 13: 34-35, ela deu início a uma ONG chamada “Por amor aos outros”. Segundo o site oficial, seu objetivo é “melhorar a vida das pessoas de todas as origens, oferecendo oportunidades que lhes permitam viver uma vida com propósito.” Além de dar comida, Lauren Puryear trabalha para que essas pessoas tenham um emprego e voltem a ter seu próprio sustento. Com informações Gospel Herald

Fonte: noticias.gospelprime.com.br