Google+ Followers

sábado, 31 de dezembro de 2016

Homem se recusa a negar Cristo, mesmo sendo eletrocutado pelo Estado Islâmico

Ele foi pendurado de cabeça para baixo, recebeu choque elétrico, foi agredido com pregos, amarrado com arame farpado e recebeu sal em suas feridas. Mesmo assim, ele não negou a Cristo.

O piloto jordaniano Maaz al-Kassasbeh foi queimado vivo pelo Estado Islâmico em 2015. (Foto: Reprodução)
O piloto jordaniano Maaz al-Kassasbeh foi queimado vivo pelo Estado Islâmico em 2015. (Foto: Reprodução)
Por se recusar a negar Jesus Cristo, um homem foi amarrado no teto de uma cela e torturado com pregos e arames farpados por militantes do Estado Islâmico (EI), em Mossul, no Iraque.

A história de Carlos (nome fictício por razões de segurança), que hoje está refugiado na Jordânia, foi compartilhada com missionários da organização Christian Aid Mission.

Quando o EI invadiu Mossul, em 2014, o grupo deu aos cristãos quatro opções: deixar a cidade, se converter ao islamismo, pagar uma taxa de proteção (jiyza) ou ser morto.

Quando Carlos se recusou a cumprir as exigências do EI, os terroristas o levaram para um local desconhecido e o penduraram de cabeça para baixo, sendo segurado apenas por uma perna.
"Eles me torturaram com choque elétrico, me bateram com paus presos a pregos e me amarraram com arame farpado", lembrou. "Eles puseram sal em minhas feridas, eu gritava por causa da dor intensa".

A tortura continuou até que Carlos foi até o tribunal, onde um juiz lhe disse que ele teria que se tornar muçulmano para manter sua vida a salvo. "Eu recusei e disse: 'Se eu morrer, vou morrer orgulhoso, porque eu sou cristão'. O juiz respondeu: 'Você será baleado e executado no dia 26 de setembro".

Naquela data, o levaram aos arredores de Mossul para ser morto. No entanto, antes da execução, um superior informou que recebeu ordens para deixar Carlos ali mesmo. Os militantes o agrediram e o lançaram para fora do carro.

"Eu tentei andar, mas depois de um tempo, minhas feridas me fizeram cair e desmaiar", disse ele.
Quando Carlos recuperou a consciência, ele notou que estava em um hospital de Kirkuk, no nordeste do Iraque.

"Eles disseram que não conseguiriam tratar minha perna no Iraque e que ela precisava ser amputada", ele lembra. "Mas eu fui para a Espanha e minha perna foi tratada lá através de uma organização. Graças a Deus eu posso andar agora”.

Antes do conflito no Iraque, o país abrigava mais de 1,5 milhões de cristãos. Hoje, mais de 80% dos seguidores de Cristo abandonaram a nação, restando menos de 275 mil fiéis no local.

"O mundo nunca viu uma crise humanitária tão intensa desde o Holocausto como no Iraque e na Síria. É um genocídio cristão. Nossas igrejas estão sendo destruídas, nossos museus dizimados, mulheres e crianças eliminadas por causa de sua fé”, disse o ativista dos direitos humanos Mark Arabo ao site The Gospel Herald.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

"Jesus guia minha vida", diz Rainha Elizabeth durante mensagem de Natal

“Milhões de pessoas seguem Seus ensinamentos e encontram Nele a luz que guia suas vidas. Eu sou uma delas”, disse a monarca britânica no domingo.


A Rainha Elizabeth II aproveitou o Natal para falar sobre Jesus Cristo. (Foto: Reprodução/YouTube)
A Rainha Elizabeth II aproveitou o Natal para falar sobre Jesus Cristo. (Foto: Reprodução/YouTube)

Todos os anos, a maioria dos líderes mundiais aproveitam o Natal para levar uma mensagem de esperança para a população. Na Inglaterra, a Rainha Elizabeth II aproveitou a data para falar sobre o principal motivo da comemoração: Jesus Cristo.

Em um vídeo de sete minutos, a monarca de 90 anos afirmou que o exemplo de Cristo ajuda os seres humanos enxergarem o grande valor das pequenas coisas. Ela usou o exemplo do Filho de Deus para incentivar as pessoas a continuarem fazendo pequenos atos de bondade.

"No Natal, a nossa atenção é atraída para o nascimento de um bebê que aconteceu há cerca de dois mil anos. Ele era o mais humilde dos primórdios e seus pais, José e Maria, não pensavam que fossem importantes”, disse ela.

“Jesus Cristo viveu discretamente durante maior parte de sua vida e nunca viajou muito. 

Ele foi rejeitado por muitos, embora não tivesse feito nada de errado. No entanto, milhares de milhões de pessoas agora seguem Seus ensinamentos e encontram Nele a luz que guia suas vidas. Eu sou uma delas, porque o exemplo de Cristo me ajuda a enxergar o valor de fazer pequenas coisas com grande amor”, acrescentou a Rainha.

Sua mensagem de Natal foi gravada no Palácio de Buckingham, residência oficial e principal local de trabalho da Monarca do Reino Unido, em Londres. Com o tema "inspiração", seu discurso foi publicado no último domingo (25).

Seguindo o exemplo de seu pai, o Rei George V, Elizabeth fez sua primeira transmissão ao vivo pela rádio em 1952. Em 1957, seu discurso de Natal foi televisionado pela primeira vez.

Fé pública da Rainha
A declaração pública da fé da Rainha Elizabeth em Cristo não é atual. Ela escreveu detalhes sobre sua crença em um livro publicado em abril de 2016, marcando a comemoração de seu 90º aniversário, com o título “The Servant Queen and the King She Serves” (“A Serva Rainha e o Rei que Ela Serve”, em tradução livre).

"Eu tenho sido — e continuo sendo — muito grata por suas orações e a Deus, por Sua benignidade. De fato, tenho visto a Sua fidelidade”, escreveu ela no prefácio do livro.

A Rainha escreveu detalhes sobre sua crença em um livro. (Foto: Reprodução)

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Após 10 cirurgias plásticas, cantora confessa que focar na beleza não é o plano de Deus

Heidi estava no auge de sua fama quando ficou obcecada por cirurgia plástica. Hoje ela pede para que as mulheres não foquem na beleza exterior.

Refletindo sobre si mesma no vídeo, Heidi diz que ela foi um "modelo ruim" na área da beleza. (Foto: Divulgação).
Refletindo sobre si mesma no vídeo, Heidi diz que ela foi um "modelo ruim" na área da beleza. (Foto: Divulgação).
Ela passou por mais de 10 procedimentos de cirurgia plástica, mas agora a cantora Heidi Montag Pratt, ex-estrela do reality musical “The Hills”, está alertando as mulheres para se concentrarem em sua beleza interior, dada por Deus. Em um novo vídeo para o canal Faithwire, Heidi diz que focar na beleza exterior não é “o plano de Deus”.

Ela afirma que as mulheres precisam basear seus valores na beleza interior. "É difícil neste mundo e eu sinto que a pressão de ser linda pelos padrões do mundo está cada vez maior”, diz.

"Eu sinto que há mais ódio, crítica e negatividade em relação às mulheres. E eu não falo só das cristãs, mas de todas elas. Por isso, é importante enfrentar essas críticas e ter nossos valores baseados em quem somos, na nossa beleza interior. O fato da beleza ser temporária mostra que focar nela não é o plano de Deus para nós", afirmou.

Heidi estava no auge de sua fama em “The Hills” com seu marido Spencer Pratt, quando ela ficou obcecada por cirurgia plástica. A longa lista dos procedimentos que ela fez incluiu levantamento de sobrancelha, trabalho no nariz, queixo e dois alargamentos de mama.

Valorizar as diferenças
Refletindo sobre si mesma no vídeo, Heidi diz que ela foi um "modelo ruim" na área da beleza. Agora ela está implorando para que as mulheres possam ouvir o que Deus diz sobre elas e possam também valorizar as coisas que as tornam diferentes das outras.
"É importante ouvir a Deus. Não devemos nos comparar com outras pessoas. Isso é completamente diabólico e os planos do inimigo são opostos ao que Deus quer para nossas vidas", disse ela.

"Se continuarmos assim, estaremos longe de Deus e estaremos fazendo diferente do que deveríamos fazer. Todas devemos ser diferentes e não focar apenas na beleza exterior. Isso é devastador. Eu oro e espero que possamos nos livrar disso a cada dia”, finalizou.

Confira o vídeo na íntegra:

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN TODAY

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Cristãos podem enfrentar 5 anos de prisão por comemorarem o Natal, em Brunei


Cristãos e outras minorias podem celebrar o Natal, mas devem fazer isso de modo privado. Além disso, eles precisam antes avisar as autoridades.

A proibição de Natal é justificada sob as novas leis. (Foto: Reprodução).
A proibição de Natal é justificada sob as novas leis. (Foto: Reprodução).

Qualquer pessoa que seja encontrada celebrando o Natal em Brunei (que fica no Sudeste Asiático) poderá enfrentar até cinco anos de prisão, segundo uma declaração do sultão do estado que é rico em petróleo. Brunei firmou sua proibição de Natal no ano passado por temer que a celebração aberta leve a população muçulmana a ser expulsa.

Cristãos e outras minorias podem celebrar o Natal, mas devem fazer isso de modo privado. Além disso, eles precisam antes avisar as autoridades. Os líderes religiosos islâmicos da região promoveram a proibição, advertindo que adotar as “armadilhas do Natal” equivale a imitação de outra fé, proibida em algumas interpretações do Islã.

Funcionários do Ministério de Assuntos Religiosos também teriam visitado empresas locais para garantir que eles não estão exibindo decorações de Natal, incluindo chapéus de Papai Noel e banners com saudações natalinas.

O sultão Hassanal Bolkiah, que governou a antiga colônia britânica por quase 50 anos, introduziu a proibição do Natal em 2014, no mesmo ano em que Brunei adotou um código penal mais rígido, baseado na sharia islâmica e incluindo punições como a amputação.

A proibição de Natal é justificada sob as novas leis. A punição por celebrar a data é uma multa de 20 mil dólares até cinco anos de prisão. Ou ambos.

A proibição encontrou resistência - a campanha de mídia social #MyTreedom, que incentiva os cristãos em países como a Arábia Saudita e o Irã a postar imagens de si mesmos comemorando o Natal, inclui várias contribuições de moradores de Brunei. Pelo menos 65% da população de 420 mil habitantes de Brunei são muçulmanos.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO INTEPENDENT.CO

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Jovens falam sobre santidade antes do casamento: "Estamos na contramão do descartável"

Muitos jovens são adeptos ao movimento Eu Escolhi Esperar, que já conta com mais de 2 milhões de seguidores no país.


Juntos há quase um ano, Amanda e Jonielson pretendem se preservar até o casamento. (Foto: Ísis Capistrano/G1 AM)
Juntos há quase um ano, Amanda e Jonielson pretendem se preservar até o casamento. (Foto: Ísis Capistrano/G1 AM)

Em um mundo de prazeres passageiros e relacionamentos descartáveis, muitos jovens optaram por valorizar a aliança do casamento e os princípios bíblicos que acompanham a decisão.
Para casais como a administradora Amanda Souza, 25, e o personal trainer Jonielson Soares, 26, esperar dentro dos conceitos bíblicos é a melhor escolha.
Antes de conhecer Jonielson, Amanda chegou  a escrever uma carta para Deus pedindo para que o próximo namoro fosse com uma pessoa que segue os mesmos princípios que ela. “Dois dias depois ele puxou conversa comigo”, disse ela ao G1.
Jonielson tinha participado do seminário "Eu Escolhi Esperar" em 2015 e estava decidido que não queria algo fora do propósito da campanha. “Passamos um mês em oração e depois assumimos o compromisso. Desde o início conversamos que nosso namoro tem como objetivo o casamento e por isso vamos nos preservar para isso”, explicou.
O casal se preserva sem beijos ou sexo, e irá seguir assim até o casamento. Estabelecer princípios bíblicos nos relacionamentos é uma das propostas do movimento criado em 2011, que já angariou mais de 2 milhões de seguidores de diversas no país.
Segundo o idealizador da campanha, pastor Nelson Júnior, 40, o movimento foi criado com o intuito de ajudar jovens em seus principais dilemas, especialmente a sexualidade.
“É uma campanha de preservação para o casamento e a importância de se preservar para o matrimônio e quais são as consequências disso. Nós acreditamos muito que o sexo é mais que prazer. A gente vai na contramão do descartável”, explicou.
Um dos jovens casais que escolheu estar firme neste propósito é a universitária Nayanne Mesquita, 18, e o estudante Tiago Ramos, 18, que estão juntos há dois anos. Para Nayanne, a diferença de um relacionamento sem sexo é a cumplicidade. “Somos mais amigos, conversamos muito, tem muito companheirismo. Nós oramos juntos todos os dias”, contou.

Nayanne e Thiago dizem que a parceria é essencial no namoro. (Foto: Ísis Capistrano/G1 AM)
Mesmo que os amigos tirem sarro, eles não dão a mínima importância. “Tenho uma pessoa que vai estar sempre do meu lado, é a ela que tenho que valorizar. Não é uma paixão efêmera e nós oramos juntos para que Deus providencie o futuro que agrada a ele”, disse Tiago.
Não é preciso ser virgem para aderir ao movimento. Segundo o pastor Nelson, 70% das pessoas que estão na campanha não são mais virgens. "Por mais que elas tenham tido experiências, ainda não se casaram e se identificam com o movimento porque desejam que o próximo namoro não tenha intimidade sexual até o casamento”, explica.
Esse é o caso de Milena Aguiar, 19. “Meu parceiro é meu primeiro namorado, mas decidiu esperar comigo. Com Deus tudo é possível, Ele nos faz forte”, ressalta.
O movimento serve de apoio não apenas para casais, mas também para jovens solteiros.
“Quando se espera, qualquer decisão tem 99% possibilidade de dar certo. Principalmente quando são escolhas que vão impactar a vida inteira”, disse Marília Sá, 27.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE G1

domingo, 25 de dezembro de 2016

O Natal da Igreja Perseguida

Você já imaginou como é comemorado o Natal em países onde o cristianismo é proibido? Para muitos cristãos, o dia 25 de dezembro é um dia de festa e também uma ocasião para se alegrar pelo nascimento de Jesus Cristo. Mas há lugares em que se você preparar uma festa de natal pode atrair muitos problemas.

Saiba como será o Natal de alguns cristãos neste ano e lembre-se deles em suas orações:

Nomes e algumas fotos foram alterados e outros não divulgados por motivos de segurança.

Deve ser discreto
“Para nós, o Natal é uma data muito especial. Cantamos e adoramos a Deus, oramos uns pelos outros e pelo nosso país. Mas tudo isso deve acontecer em segredo, em nossas casas e não na igreja. Nunca tivemos uma árvore de Natal e não usamos enfeites para não chamar a atenção dos muçulmanos”, disse Saadia*, uma cristã perseguida.


As últimas semanas foram tensas
Extremistas islâmicos estão agitados nessa época do ano. Eles andam ameaçando os cristãos que abriram igrejas em construções comuns e não em edifícios públicos. Destruições e mortes continuam acontecendo independente do Natal. Nossos irmãos indonésios pedem orações.


O toque de recolher vai se estender até 25 de dezembro
Várias igrejas foram ameaçadas e avisadas sobre as consequências que terão de enfrentar caso comemorem o Natal. Extremistas islâmicos pregaram cartazes com o seguinte alerta: “Não é permitido adorar a Deus e celebrar o Natal sem permissão prévia”. O serviço de segurança de Estado anunciou a paralização imediata dos serviços de internet e toque de recolher até 25 de dezembro.


Chorar com os que choram
No começo do mês, cristãos foram atacados durante um culto em Cairo, no Egito. Muitas crianças e mulheres morreram. “Admito que é muito difícil expressar em palavras a profundidade da tristeza e da dor que enche nossos corações”, disse um parceiro da Portas Abertas no país. “Por favor, junte-se a nós em orações durante esses dias tristes, especialmente durante os próximos dias para que aqueles que perderam seus queridos possam encontrar conforto no Senhor". Cristãos estão enfrentando grandes batalhas nesse Natal. Que nossos irmãos egípcios possam ter um novo amanhecer de esperanças e que a luz de Jesus brilhe sobre os cansados e feridos.


Há esperança!
Rafael*, de 21 anos, escolheu permanecer na Síria com mais alguns amigos para preparar atividades para as crianças nesse Natal. A preparação já começou e dentro da programação tem: Teatro contando a história do nascimento de Jesus, estábulo vivo, árvore de natal para as crianças enfeitarem e outras atividades. Ele sente que tem uma tarefa de cuidar das crianças da igreja na aldeia onde ele vive: "Quando eu me coloco no lugar de uma criança, penso se conseguiria ou não viver sem atividades divertidas, sem brincar, sem celebrar o Natal e a Páscoa. Por isso, tentamos organizar eventos para as crianças da igreja ".


Além de decorações e árvores de Natal
Comemorar o nascimento do salvador é uma decisão corajosa e até ousada para a igreja em Bangladesh, mas eles entendem que dessa forma podem compartilhar o amor de Jesus e fazer com que os bengaleses compreendam o significado dessa data e também experimentem a alegria e a paz que eles sentem por serem cristãos.


A oração não deve cessar
“Olá, irmãos! Eu sou Maryam. Eu e minha família nos convertemos a Jesus há 10 anos. Somos membros de uma igreja doméstica em nosso país e no Natal nos reunimos na casa de alguém da igreja e celebramos esse grande dia com louvores e orações a Deus. Este ano não podemos celebrar com toda a igreja por motivos de segurança. Por causa disso, convidamos dois amigos para celebrar e orar conosco. O Natal é um momento de alegria para os cristãos iranianos, mas também um tempo de medo. As investigações policiais são intensificadas nessa época. Neste Natal, vamos todos orar por aqueles que não podem celebrar o Natal em liberdade”.


Galeria de fotos do Natal
Encenação do nascimento de Jesus no Dia de Oração pela Síria


“Jesus nasceu” escrito por velas no deserto de Omã


Em um campo de refugiados no Iraque, fizeram uma tenda na época de Natal com estábulo e uma árvore de Natal. Na tenda está escrito: “Lar é onde Jesus está”.


Mãe e filha em celebração do Natal na Colômbia






Família cristã após a comemoração do Natal no Oriente Médio

www.portasabertas.org.br