Google+ Followers

sábado, 19 de novembro de 2016

Rejeitada por ser albina, jovem africana encontra paz em Jesus: "Deus me fez bonita"

Em diversos países africanos, o albinismo é visto como uma "maldição" e bruxos elaboram diversas superstições sobre esse problema de pele.

O albinismo ainda é visto com preconceito e superstições em diversos países da África. (Foto: Reuters)
O albinismo ainda é visto com preconceito e superstições em diversos países da África. (Foto: Reuters)
A mãe da jovem Christine Nabukenya morreu quando ela tinha apenas oito anos de idade, durante o parto de um de seus irmãos.

Ela temia ir à escola por causa de um estigma que carregava desde o nascimento, por ser uma albina nascida na África.

Na África Subsaariana, pessoas com albinismo foram perseguidas, mortas e desmembradas. Além disso, túmulos de pessoas albinas também foram profanados.

Os curandeiros (bruxos) africanos disseminaram as superstições que as partes dos corpos de albinos contêm certos poderes mágicos. Segundo suas crenças, quando essas partes do corpo são usadas em seus rituais, essa "magia" é liberada e traz prosperidade a quem realiza o procedimento.

Por outro lado, as pessoas com albinismo também foram rejeitadas ou mortas pela razão oposta: eram apontados como amaldiçoados ou "pessoas que trazem má sorte".

Também existe a crença de que "o albinismo é uma punição de Deus" e que essa "doença" pode ser contagiosa. Essa era outra razão pela qual Christine temia ir à escola.

Após a morte de sua mãe, Christine foi encontrada pela missão 'Every Child Ministries' (ECM) e se envolveu em seus programas de sábado, dedicando-se à leitura da Bíblia, artesanato e alfaiataria.

Com seu envolvimento no ministério, ela acabou encontrando o amor de Deus e sua verdadeira identidade como filha dEle, por meio de um relacionamento com Jesus. Agora, ela quer transmitir essa verdade para outras crianças que se sentem desprezadas pela sociedade onde vivem.

Aos 14 anos, Christine exala confiança e hoje sonha com uma carreira profissional bem sucedida. Seu objetivo é se matricular em uma universidade para se tornar designer de moda e escritora, de acordo com a 'ECM'.

Ela também quer se envolver em programas de caridade para que ela possa "ajudar as crianças esquecidas da África a se tornarem crianças felizes e restauradas", como ela.

"Adoro conversar com as crianças sobre o albinismo. Eu tenho lhes trazer a auto-estima que eu tenho porque isso me ajudou a superar momentos difíceis. Se não fosse por isso, eu seria estigmatizada e não iria à escola", contou.

Hoje Christine fica maravilhada ao ver provisão de Deus e a maneira como Ele transformou sua vida.
"Se não fosse por Ele, talvez eu não tivesse ido à ECM. Creio que Ele me fez sentir bonita como eu realmente sou. Muito obrigado, Deus. Eu bendigo o seu nome".

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO GOD REPORTS

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Mel Gibson elogia cristão que inspirou personagem de seu novo filme: "Ele orava o tempo todo"

O novo filme "Hacksaw Ridge" conta a história de Desmond Doss, um soldado cristão que decidiu servir na Segunda Guerra Mundial sem pegar em armas, por causa de sua fé.

Mel Gibson. (Imagem: The Guardian)
Mel Gibson. (Imagem: The Guardian)

No tapete vermelho da estreia do filme "Hacksaw Ridge", no Centro Sheen (Nova York), na última quarta-feira (16), o premiado ator e diretor Mel Gibson falou sobre o soldado cristão Desmond Doss, que serviu na Segunda Guerra Mundial, e o incrível exemplo de fé que ele deu, por não negociar seus princípios e até mesmo aceitando "virar a outra face" para aqueles que zombaram dele.

"Hacksaw Ridge" é baseado na extraordinária história real de Doss (interpretado por Andrew Garfield), que serviu em Okinawa durante a mais sangrenta batalha no Pacífico e milagrosamente salvou 75 homens sem disparar um tiro.

Doss serviu como soldado do Exército dos EUA na Segunda Guerra Mundial, mas se recusou a carregar uma arma em combate por causa de suas crenças pessoais como um Adventista do Sétimo Dia. Consequentemente, pensou que seria mais apropriado servir como médico durante a guerra.
"Você não pode deixar de se inspirar quando ouve falar dessa história. Quando eu li o roteiro me senti tocado. É uma história que vale a pena contar. Se você vai passar 18 meses ou dois anos em um projeto, também pode certificar-se de que é uma história vale a pena contar e definitivamente isso que aconteceu", disse Gibson em entrevista ao The Christian Post.

O filme detalha o heroísmo de Doss, um médico do Exército, cuja única arma no campo de batalha durante a guerra era a oração. O soldado cristão teve a chance de salvar a vida de mais de 75 homens, durante um confronto, em Okinawa.

"Só mais um Senhor", orou Doss, enquanto carregava sozinho seus companheiros de infantaria.
"Desmond estava operando em outro reino. Em uma situação onde os homens vão para a guerra e a maioria é reduzida ao nível dos animais, ele conseguiu se manter superior, com seu propósito e pôde explorar sua virtude. Ele se moldou nessa experiência", continuou Gibson. "Ele dizia a si mesmo que não era ele quem fazia isso. Algo maior do que ele estava fazendo. Ele disse que estava orando o tempo todo".
Desmond Doss recebe medalha de honra do então presidente dos Estados Unidos, Harry S. Truman. (Foto: Daily Mail)

Em "Hacksaw Ridge" há uma cena em que Doss é posto à prova por membros do seu pelotão que o agrediram e tentavam forçá-lo a revidar. Em vez disso, o soldado cristão decidiu seguir o exemplo de Jesus e "dar a outra outra face", algo que Gibson sustenta é muito difícil de fazer.

"É muito difícil. Mesmo quando estávamos filmando aquela cena, Andrew e eu estávamos pensando: 'Cara, se alguém fizesse isso comigo, eu revidaria com um soco na cara'. Mas foi foi muito importante que ele não fizesse isso e que ele fosse melhor do que isso ou acima disso", disse Gibson.

"Ele não se importava com o que as pessoas pensavam dele - e muitos pensavam que ele era algum tipo de covarde ou algo assim, mas ele não era, claramente. Ele foi um dos mais corajosos de todos os tempos. Ele ão negociou suas convicções e eu acho que ser capaz de ir tão longe e não revidar, amaldiçoando as pessoas que nos ferem, é uma grande decisão", acrescentou.

Gibson confessou que dar a outra face é algo que ele tem dificuldade em fazer, mas afirmou que admira Doss por seu grande exemplo de fé e auto-controle.

Quando perguntado sobre o impacto que a história de Doss poderia causar nesta geração, Gibson disse: "Bem, ele viveu tudo isso em um tempo antes do nosso, e desde então já tem havido pessoas incríveis, que fizeram coisas inspiradas por seu exemplo".

"Eu acho que qualquer um pode olhar para uma história como esta e avaliar a si mesmo. Nós somos testados em determinadas circunstâncias e aqui nós temos um homem comum fazendo coisas extraordinárias em circunstâncias incrivelmente difíceis. Se ele pode fazê-lo, por que outras pessoas não conseguiriam o mesmo?", questionou Gibson.

Reconhecimento
Em outubro de 1945, o inspirador soldado recebeu a Medalha de Honra do Congresso, entregue pelo Presidente Harry S. Truman. Antes de ser dispensado do exército em 1946, Doss já tinha desenvolvido a tuberculose.

Ele morreu em 23 de março de 2006, aos 87 anos de idade e foi enterrado no Cemitério Nacional de Chattanooga, no Tennessee.

"Hacksaw Ridge" é o primeiro filme de Gibson, desde o sucesso de "Apocalypto" e "A Paixão de Cristo". Com Andrew Garfield como protagonista, o filme também estrelou Sam Worthington, Luke Bracey, Teresa Palmer, Hugo Weaving, Rachel Griffiths e Vince Vaughn. O roteiro foi escrito por Andrew Knight e Robert Schenkkan.

"Hacksaw Ridge" já foi lançado nos Estados Unidos e tem previsão de estreia no Brasil para 17 de janeiro de 2017.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN POST

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Encorajando a Igreja a cuidar e testemunhar

SUDESTE ASIÁTICO


Anos de islamização em certos países do Sudeste da Ásia têm impedido calma e lentamente a igreja de crescer e seus membros de se desenvolverem. Isso a tem tornado infrutífera e ineficaz para impactar a comunidade de maioria muçulmana. Um treinamento da Portas Abertas está sendo aplicado para fortalecer a igreja para cumprir seu chamado: cuidar corajosamente uns dos outros e testemunhar todas as nações.

"Pastores e líderes têm medo, os crentes têm medo. Todo mundo está com medo! - exclamou Edmund*. O líder trabalhou com cristãos convertidos do islamismo por mais de 20 anos neste país do Sudeste Asiático. Ele disse que a igreja é hesitante quanto a evangelizar muçulmanos ou receber novos crentes em estava se referindo à hesitação de igrejas abertas para alcançar os muçulmanos malaios ou acolher novos crentes em seu meio.

Depois de conhecer o Senhor, a primeira coisa que um crente de origem muçulmana faz é juntar-se a uma igreja. Afinal, os grupos de ex-muçulmanos que se reúnem em casas estão escondidos e são desconhecidos dos novos convertidos. Mas, infelizmente, eles são muitas vezes orientados a irem a uma igreja registrada que pode ser fechada a qualquer momento e seus líderes são severamente perseguidos. No entanto, sem o apoio de outros cristãos, os grupos de cristãos ex-muçulmanos que se reúnem em casas continuam a ser pequenos, frágeis e segregados.

A Força Invisível
Para ajudar a mobilizar as igrejas abertas para o trabalho com ex-muçulmano apesar dos riscos, a Portas Abertas desenvolve lições sobre os princípios bíblicos de perseguição do estudo Permanecendo Firme através da Tempestade em um módulo para seminários teológicos chamado Teologia da Perseguição e Discipulado. O treinamento visa equipar estudantes de seminários teológicos que são e serão líderes da igreja.

"Nosso mandato é promover a consciência e a prontidão para a perseguição, que às vezes é considerado um tabu aqui. Ouvimos respostas como: "Tente não usar a palavra perseguição porque isso vai incomodar as pessoas." É estranho descobrir que em uma instituição de treinamento cristão, eles não assumirem o fato de que a perseguição é real”, compartilha um coordenador do projeto que acredita que as pessoas são mal-preparados para a perseguição se não estiverem cientes do que está acontecendo.

Um bom número, no entanto, estava aberto a aprender mais sobre a verdade inquietante como eles viram notícias após notícias de atrocidades realizadas por grupos fundamentalistas ao redor da Terra.
Em comparação com essa intensidade, a perseguição no Sudeste Asiático parece pálida, se não invisível. No entanto, sua força invisível pode ser igualmente letal. Lentamente, ela se enreda e paralisa sua presa - a Igreja - sem que ela perceba isso. "A perseguição aqui vem em forma muito sutil, mas muito perigosa. A igreja está agora começando a pagar um custo alto por seus anos de ignorância ou apatia", diz o treinador.

Uma das ameaças sutis é a islamização, a inculcação dos valores islâmicos nas escolas que visam os alunos da pré-escola até a universidade. Outra é a implementação da Lei Sharia que gradualmente tira os cristãos de sua liberdade religiosa.

*Nome alterado por motivo de segurança

Fonte: www.portasabertas.org.br

terça-feira, 15 de novembro de 2016

CONVITE 7º CONGRESSO DA UNIÃO FEMININA DO MINISTÉRIO SÃO PAULO


Gêmeas são curadas de câncer após oração de seus pais: "Elas são um verdadeiro milagre"

Elas nasceram em 2007, levando muita alegria para seus pais. Mas aos dois meses foram diagnosticadas com câncer de fígado. Após as orações de seus pais, e ainda na segunda sessão de quimioterapia, as garotinhas estavam curadas.

Neste ano, as meninas vão comemorar mais um aniversário, livre do câncer. (Foto: Reprodução).
Neste ano, as meninas vão comemorar mais um aniversário, livre do câncer. (Foto: Reprodução).
Em uma verificação de rotina, duas gêmeas foram diagnosticadas com câncer de fígado. A intensa fé e as fortes orações de seus pais fizeram o milagre acontecer. Quando Isabella e Madelein nasceram em 2007, elas foram o grande motivo da alegria de seus pais. Tudo era felicidade até que os médicos detectaram um inchaço estranho em seus estômagos.

"Você podia até ver a mudança no tom da pele delas, depois que o médico começou os exames. Eu podia ver os rostos das minhas filhas mudarem. No fundo a gente sabia que aquilo não estava normal”, disse o pai para o site CBN.

O casal Alyssa e Michael Dunn tiveram de enfrentar a triste notícia de que suas filhas gêmeas, de apenas dois meses, tinham um tipo raro de câncer no fígado. Em seguida, os médicos recomendaram que as meninas se submetessem à quimioterapia, apesar de correr riscos. A toxicidade poderia resultar em cicatrizes, além de provocar um atraso no desenvolvimento dos bebês, ou até mesmo a morte.

Elas foram separadas para começar o primeiro dos quatro tratamentos. Enquanto isso, a família e os amigos começaram a orar por um milagre. Mas a situação das garotinhas começou a piorar de forma drástica. Elas ficaram mais doentes e cada vez mais se queixavam de dor. “Eu mal podia toca-las de tanta dor que elas sentiam. Parecia que elas poderiam se quebrar”, disse a mãe.

"Tudo o que a gente poderia fazer era confiar no Senhor e colocar nossa fé nEle. Acreditávamos que Deus realmente poderia curar elas", disse Michael, o pai. Na segunda quimioterapia, as meninas começaram a rir e brincar. “Ao longo dos tratamentos eu não via mais nenhuma evidência da doença. Um dia recebi um telefonema. Era o hospital dizendo que minhas filhas estavam curadas. Uau! Eu não podia acreditar, Glória a Deus!", disse Alissa, a mãe.

Neste ano, as meninas vão comemorar mais um aniversário, livre do câncer. "A cada ano é uma celebração para nós, pois percebemos que elas são um verdadeiro milagre", disse Michael. "O fato delas estarem curadas do câncer é realmente um milagre e é muito gratificante ver como essas coisas acontecem", disse o Dr. Taub.

Confira o testemunho (com legendas em espanhol):


FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO SITE CBN


segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Cristãs são ameaçadas por vizinhos

Elas distribuíam presentes para as crianças do vilarejo onde vivem, quando decidiram evangelizar alguns conhecidos; agora elas estão sendo ameaçadas
Quirguistão
Ainagul*, de 40 anos e sua filha Raushana*, de 14, são cristãs e quando souberam de um projeto de “entrega de presentes para crianças” elas decidiram se envolver. Então, fizeram de sua casa um ponto de entrega das mercadorias e também ajudaram pessoalmente a distribuir para todos os pequenos do vilarejo.
Pouco tempo atrás, as duas decidiram evangelizar pela vizinhança enquanto distribuíam os presentes. Elas tomaram o cuidado de abordar apenas as pessoas que já conheciam e falaram sobre Jesus. Infelizmente, a ideia não agradou a todos e assim que chegaram em casa, foram ameaçadas e xingadas pelos vizinhos descontentes. Eles disseram que se elas quisessem continuar vivendo ali, teriam que negar a Cristo.
Eles deixaram claro que estavam decididos e foram violentos em suas palavras. Um líder cristão e alguns irmãos da cidade vizinha decidiram tirá-las dali por algum tempo, para protegê-las. No momento, elas estão escondidas e necessitam de orações. 
*Nomes alterados por motivos de segurança.
Pedidos de oração
  • Ore por Ainagul e Raushana, que Deus as proteja e que lhes dê estratégias para seguir em frente com sua fé em Cristo.
  • Ore pedindo a Deus para acalmar os vizinhos e que eles mudem de atitude em relação aos cristãos.
  • Peça ao Senhor para quebrantar os corações duros e que esses vizinhos também sejam tocados pelo amor de Cristo, tendo suas vidas transformadas.
www.portasabertas.org.br

domingo, 13 de novembro de 2016

Líderes evangélicos pedem a José Serra que Brasil mude de postura e apoie Israel

O Brasil já teve um posicionamento desfavorável a Israel em 20 votações de projetos sobre Israel na ONU. Pastores pediram a José Serra que essa postura seja mudada.

Líderes evangélicos se encontraram com o ministro das Relações Exteriores. (Foto: Izys Moreira - Assessoria de Imprensa)
Líderes evangélicos se encontraram com o ministro das Relações Exteriores. (Foto: Izys Moreira - Assessoria de Imprensa)
Na última quinta-feira (10), um grupo de líderes evangélicos se reuniu com o ministro das Relações Exteriores, José Serra, no Itamaraty, para pedir que o Brasil reveja sua postura diante de situações, como a resolução da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) que acabou ignorando a relação dos judeus com locais considerados sagrados em Jerusalém, como o Monte do Templo.

Na votação do dia 13 de outubro, o Brasil contestou o conteúdo e a forma como a proposta foi apresentada, mas acabou votando a favor do texto.

Segundo o deputado e pastor Roberto de Lucena (PV - SP), o tema é de preocupação também dos evangélicos brasileiros e o encontro teve como objetivo, expressar esse sentimento às autoridades que representaram o Brasil na votação.

“Viemos aqui para afirmar que 1/4 da população brasileira é composta de cristãos evangélicos e que essa parcela significativa da população deseja ser ouvida neste tema tão sensível e importante para nós. Apoiamos este novo posicionamento do Brasil, reconhecemos o esforço que vem sendo feito, mas pedimos ainda mais empenho no sentido de que o texto continue evoluindo para o adequado e justo”, explicou Lucena, que liderou o grupo na visita a José Serra.

Além de pedir mais equilíbrio no texto da Unesco, Lucena pediu ao ministro que reavalie votos do Brasil em 20 outras resoluções da Organização das Nações Unidas (ONU), nas quais o posicionamento também foi desfavorável a Israel.

“Como evangélico, cristão e deputado, não posso compactuar nem apoiar qualquer governo que aprove textos parciais e desequilibrados, claramente prejudiciais a Israel", destacou.
Pastores pediram ao ministro das Relações Exteriores, José Serra, posicionamentos mais equilibrados em decisões sobre Israel. (Foto: Izys Moreira - Assessoria de Imprensa)

Resposta
José Serra afirmou estar empenhado para encontrar uma saída e comentou suas expectativas sobre a próxima sessão deliberativa.

“Vamos nos mobilizar novamente acerca deste tema na próxima sessão deliberativa ano que vem”, disse o ministro, assegurando que se não houver avanços, o Brasil poderá votar contra. A 201ª Sessão Deliberativa do Comitê Executivo da Unesco está prevista para ocorrer em abril de 2017.

Manifesto
Durante o encontro, os líderes evangélicos entregaram um manifesto assinado pelo Cristãos Brasileiros e simpatizantes, afirmando que o Brasil tem um laço de unidade com Israel e não estará de acordo com posições contrarárias à nação judaica.

No texto, os assinantes exigem que “com a mesma firmeza de princípios que defende um lar nacional para o povo árabe-palestino, que a Diplomacia brasileira defenda expressamente, de forma pública e textual, o direito de Israel existir como uma nação judaica, tendo como sua capital indivisível a Cidade de Jerusalém”.
Um manifesto assinado por lideranças cristãs a favor de Israel foi entregue a José Serra, durante a reunião. (Foto: Izys Moreira - Assessoria de Imprensa)
Segundo o apóstolo Paulo de Tarso Fernandes, “o primeiro impulso do grupo era de uma posição de confronto com o governo, mas o deputado Roberto de Lucena tem sido um interlocutor importante para mostrar os esforços e os avanços conquistados pelo Itamaraty”. 

“Bendito são os que abençoarem Israel e malditos àqueles que amaldiçoarem Israel”, lembrou o líder, ao comentar a importância da iniciativa.

Os líderes afirmaram que estão reunindo milhões de assinaturas de evangélicos a favor de Israel e que o documento será entregue ao ministro José Serra logo após a Festa do Purim, realizada no dia 8 de março de 2017. A celebração relembra a história bíblica de Ester, que ajudou a salvar os judeus no Império da Pérsia.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA ASSESSORIA DE IMPRENSA