Google+ Followers

sábado, 15 de abril de 2017

Israel 70 anos: Poder-se-ia fazer nascer uma terra num só dia?

A última geração predita por Jesus

por Eli Simberg

Israel 70 anos: Poder-se-ia fazer nascer uma terra num só dia?

É importante considerar que, segundo a profecia de Jeremias, a Nação de Israel NUNCA deixou de ser uma nação perante Deus, pois até hoje ninguém pôde parar as leis que regem o Universo a fim de fazer com que o SENHOR rejeitasse completamente a geração dos filhos de Israel para sempre.

Assim diz o Senhor, que dá o sol para luz do dia, e as ordenanças da lua e das estrelas para luz da noite, que agita o mar, bramando as suas ondas; o Senhor dos Exércitos é o seu nome. Se falharem estas ordenanças de diante de mim, diz o Senhor, deixará também a descendência de Israel de ser uma nação diante de mim para sempre. Assim disse o Senhor: Se puderem ser medidos os céus lá em cima, e sondados os fundamentos da terra cá embaixo, também eu rejeitarei toda a descendência de Israel, por tudo quanto fizeram, diz o Senhor. Jeremias 31:35-37

De fato, existem textos que demonstram que algumas das gerações dos filhos de Israel foram desprezadas pelo Senhor por causa dos pecados (2 Reis 17:20), mas lembre-se que não podemos cair no erro da generalização até porque os planos do Eterno estão firmados sobre os remanescentes – Romanos 9:27.

Digo, pois: Porventura rejeitou Deus o seu povo? De modo nenhum; porque também eu sou israelita, da descendência de Abraão, da tribo de Benjamim. Romanos 11:1
Israel é a peça chave que faltava no cenário mundial para que o desfecho profético ocorra.

Note que Jesus ao ler um pequeno texto no rolo do profeta Isaías, ele mencionou que aquele trecho se cumpriu no período em que Ele estava entre nós, enquanto que o restante do texto menciona os juízos futuros que recairão sobre a humanidade – Lucas 4:17-20 / Isaías 61:1-2

O SENHOR falou através dos profetas que os filhos de Israel iriam para o exílio, mas retornariam à sua Terra ANTES do retorno do Messias – Ezequiel 11:16-17 / Zacarias 14:1-4 / Isaías 56:1-8.

Assim diz o Senhor DEUS, que congrega os dispersos de Israel: Ainda ajuntarei outros aos que já se lhe ajuntaram – Isaías 56:8.

No capítulo 24 do evangelho de Mateus, Jesus narra os acontecimentos que ocorrerão antes de seu retorno à Terra, e um detalhe que me chama a atenção é que Jesus diz que não passaria aquela geração sem que todas as coisas acontecessem.
Que geração é aquela que Jesus mencionou?

E é justamente aqui que muita gente se confunde e até desmerece a profecia, pois a geração da época de Jesus passou, as guerras e doenças fazem parte de nosso cotidiano e Jesus não voltou.

Primeiramente devemos considerar que parte da profecia mencionada por Jesus, com base nos escritos do profeta Daniel, se cumpriu quando Jerusalém e o Templo foram destruídos pelo império romano. O ofício sacerdotal foi tirado e o Templo profanado pelo general Tito, quando se relacionou sexualmente com uma prostituta sobre um dos rolos bíblico.

De lá para cá as guerras, os conflitos e doenças continuaram afligindo o mundo, os judeus foram para o exílio (galut) e muitas profecias aparentemente perderam o sentido. Os pais da teologia moderna se esforçaram para descontextualizar e espiritualizar alguns textos bíblicos e assim defenderem o equivocado argumento de que a Igreja substituiu Israel, uma vez que a nação deixou de existir POLITICAMENTE até o ano de 1948.

Em 1947 iniciou-se as negociações entre judeus exilados e políticos da Comunidade Internacional para que a Nação de Israel voltasse a ser reconhecida internacionalmente, após o término do Mandato Britânico na “Palestina”.

Os judeus no exílio viviam um tempo de tensão pois foram transformados em indesejáveis exilados de guerra, porém guardavam um fio de esperança em poder retornar a Terra Prometida e reiniciar uma nova vida dentro de seus termos histórico e bíblico. E novamente o SENHOR entra em ação.

Quem jamais ouviu tal coisa? Quem viu coisas semelhantes? Poder-se-ia fazer nascer uma terra num só dia? Nasceria uma nação de uma só vez? Mas Sião esteve de parto e já deu à luz seus filhos. Isaías 66:8

Em 14 de Maio de 1948 cumpriu-se a profecia, e o plano tendencioso político de extermínio dos judeus cada dia torna-se mais frustrado junto com a doutrina da substituição.

A nação de Israel, apesar das dificuldades, tem se demonstrado importantíssima para o cenário tecnológico mundial onde ocupa as primeiras posições em diversas áreas, na agricultura, medicina, ciências, telecomunicações e informática.

Os meios de comunicação vendem a ideia de que Israel vive às custas dos EUA, porém a realidade é que o mundo vive às custas dos avanços tecnológicos de Israel que chega até você através de diversos acordos governamentais.

Por outro lado, infelizmente, o fictício governo palestino utilizou os bilhões de dólares doados pela Comunidade Internacional durante os últimos 69 anos apenas para enriquecer a família Arafat, na França, e de alguns outros líderes palestinos (em Dubai) que tentam a todo custo destruir Israel e vendem uma propaganda enganosa a você, recheada de vitimismo que reflete, na realidade, os interesses e as consequências de um desgoverno interno.

No próximo ano, em 2018, a nação de Israel completará seu 70º aniversário e entrará para a reta final de uma geração (Salmos 90:10).

O cenário mundial deixa transparecer seu ódio pela Nação de Israel, mesmo tirando proveito de toda benfeitoria e avanços tecnológicos que possibilitam o bem-estar de quase todos cidadãos no mundo, principalmente daqueles que usam telefone móvel e computadores.

Até mesmo em algumas questões bélicas a tecnologia de Israel supera a Americana. O governo de Israel, por exemplo, compra dos EUA apenas carcaças e motores de seus “potentes” aviões, que sofrem um UPGRADE quando recebidos pela IDF (Israel Defenses Forces).

Segundo as profecias revelam, a vinda de Jesus está atrelada a existência da Nação de Israel para que as nações da Terra se levante contra nós, ocasionando então a Guerra do Armagedon e finalmente o Grande e Terrível dia do SENHOR.

Eis que venho como ladrão. Bem-aventurado aquele que vigia, e guarda as suas roupas, para que não ande nu, e não se vejam as suas vergonhas. E os congregaram no lugar que em hebreu se chama Armagedom. Apocalipse 16:15,16

Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem; e todas as tribos da terra se lamentarão, e verão o Filho do homem, vindo sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória. … Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que todas estas coisas aconteçam. Mateus 24:30-34

Porque eu ajuntarei todas as nações para a peleja contra Jerusalém; e a cidade será tomada, e as casas serão saqueadas, e as mulheres forçadas; e metade da cidade sairá para o cativeiro, mas o restante do povo não será extirpado da cidade. E o Senhor sairá, e pelejará contra estas nações, como pelejou, sim, no dia da batalha.

E naquele dia estarão os seus pés sobre o monte das Oliveiras, que está defronte de Jerusalém para o oriente; e o monte das Oliveiras será fendido pelo meio, para o oriente e para o ocidente, e haverá um vale muito grande; e metade do monte se apartará para o norte, e a outra metade dele para o sul. Zacarias 14:2-4

Fonte:https://artigos.gospelprime.com.br

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Adolescentes querem ser transgênero por que está na moda, alerta psiquiatra

Disforia de gênero também seria induzida pela cultura e traumas sexuais
Adolescentes querem ser transgênero por que está na moda, alerta psiquiatra
por Jarbas Aragão

Um renomado psiquiatra australiano está fazendo uma grave denúncia: crianças e adolescentes estão se identificando como transgêneros por acharem que isso está em alta.

O Dr. Stephen Stathis, diretor de uma clínica de gênero em um hospital infantil de Brisbane, na Austrália, é responsável por diagnosticar casos de disforia de gênero, caracterizada por uma forte e persistente sensação de identificação com o gênero oposto, além de desconforto com o seu próprio sexo.

Ele diz que muitos adolescentes estão apenas confusos sobre sua sexualidade ou pensam que isso os tornará “populares”. O especialista reclama que a mídia tem transformado a situação em “tendência”, o que influenciaria facilmente os mais novos.

“Um deles me disse, ‘Doutor Steve… eu quero ser transgênero, é o novo negro”, relata. Ele disse ter visto meninas querendo se identificar como transgênero após terem disso estupradas. “As meninas dizem: ‘Se eu fosse homem não teria sido abusada”, acrescentou.

Alguns foram convencidos que sua vida será melhor caso mudem de sexo a ponto de fazerem algo drástico sem pensar nas consequências. “Vi até automutilação genital, de quem tentou cortar o próprio pênis”, lamenta.

A Austrália passou recentemente a oferecer um novo “serviço de gênero”, de responsabilidade do Estado, no Hospital Infantil Lady Cilento, onde ele trabalha. Eles esperam receber cerca de 180 crianças este ano.

O objetivo da maioria dessas crianças e jovens confusos sobre sua sexualidade é começar a tomar bloqueadores da puberdade ou fazerem um tratamento com hormônios.

Contudo, a grande maioria dos paciente está simplesmente passando por uma fase comum no início da adolescência, ressalta Stathis. Apesar de dizerem que não se sentem bem no corpo que possuem, no momento em que atingem a puberdade, a maioria volta a se identificar com o seu sexo de nascimento.

Ao chegarem na fase adulta, já superaram esses sentimentos de confusão a respeito do sexo.

Como esse tipo de confusão sobre gênero geralmente é temporária e os bloqueadores hormonais causam danos permanentes, o doutor Stathis passou a exigir que os pacientes recebessem um acompanhamento na área da saúde mental. Isso fez com que um número elevado deles mudasse de ideia.
A coisa certa?

Catherine McGregor, conhecida advogada de causas LGBT na Austrália, afirmou que as crianças “tendem a fazer a coisa certa quando sentem que estão no corpo errado”. Ao mesmo tempo, diz que é preciso haver controles adequados para assegurar que não ocorram erros prematuros.

O psicólogo infantil Michael Carr-Gregg confirmou que existe 250 crianças sendo assistidas na unidade que trata da disforia de gênero no Hospital Infantil Royal, em Melbourne. Uma década atrás, havia apenas uma criança pedindo ajuda, compara. Segundo ele, “pesquisas indicam que 2,7% das crianças se enquadram nesta categoria”.

Curiosamente, a única igreja a se pronunciar sobre o caso até agora foi a Comunidade de Cristo Porta Aberta, em Cranebrook. A pastora Susan Palmer, que é lésbica e lidera a congregação voltada para a comunidade LGBT, declarou não ver problema que a criança receba acompanhamento logo que a questão seja detectada.

“A maioria dos meus conhecidos que fizeram a transição sabiam desde muito cedo que algo não estava bem, como se a mente e o corpo não estivessem em sintonia”, sublinhou.

“Uma criança é fortemente influenciada por seus cuidadores e sei que os pais podem ficar excessivamente preocupados. Eles realmente podem coagir ou influenciar as crianças quando tudo que elas estão fazendo é apenas explorar algo que não está indo na direção que eles realmente gostariam.” Com informações de Life Site News

https://noticias.gospelprime.com.br

quinta-feira, 13 de abril de 2017

“Jesus não morreu como mártir, mas como salvador”, diz Billy Graham

Na semana que antecede a Páscoa, o evangelista Billy Graham explica a importância da morte e ressurreição de Jesus para a humanidade.

Billy Graham explica a importância da morte e ressurreição de Jesus para a humanidade. (Foto: Reprodução)Billy Graham explica a importância da morte e ressurreição de Jesus para a humanidade. (Foto: Reprodução)

Nesta semana, muitos cristãos irão celebrar a Sexta-Feira Santa, que relembra a crucificação de Jesus Cristo e sua morte no Calvário. Em um artigo publicado nesta quarta-feira (12) no jornal Daily News, o evangelista Billy Graham explica a importância da morte e ressurreição de Jesus para aqueles que têm fé.

“Para os cristãos, a morte de Jesus é um dos eventos mais importantes da história. Em Gálatas 6:14, Paulo declarou: ‘Quanto a mim, que eu jamais me glorie, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, por meio da qual o mundo foi crucificado para mim, e eu para o mundo”, disse Graham.

O que torna a morte de Jesus um acontecimento tão especial? Graham esclarece que, antes de mais nada, ela é importante por causa de sua natureza - Jesus era Deus na forma de homem.

“Ao longo da história, muitos tiranos e megalomaníacos afirmaram sua divindade, mas somente Jesus Cristo era realmente Deus, que veio do céu e retornou ao céu”, explica o evangelista. “Ele provou não só por suas ações milagrosas, mas por sua ressurreição dentre os mortos. Jesus declarou com exatidão: ‘Eu e o Pai somos um’ (João 10:30)”.

A morte de Jesus também foi única por causa dos efeitos que ela teve, esclarece Graham. “Sua morte não foi de um mártir, sua morte foi de um salvador! Ele veio ao mundo por uma razão: se tornar o sacrifício final e completo pelo pecado. Estamos separados de Deus e merecemos seu julgamento mas, na cruz, Cristo tomou sobre si os nossos pecados e o nosso julgamento”, ele afirma.

Em um artigo anterior, Graham explica por que o dia da morte de Jesus é chamado de "Sexta-feira Santa".

"É porque a morte de Jesus não foi um erro trágico ou um acidente inesperado, era parte do plano eterno de Deus para o nosso bem. O Filho de Deus era perfeito e sem pecado, mas na cruz, todos os nossos pecados foram transferidos para Ele. Ele se tornou o sacrifício final pelos nossos pecados”, explica o evangelista.

“Se Jesus nunca tivesse ido à cruz, você e eu não teríamos perdão e nenhuma esperança de viver eternamente na presença de Deus. Por ele ter morrido por nós, temos esperança para hoje e para a eternidade”, ele acrescentou.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE GOSPEL HERALD

quarta-feira, 12 de abril de 2017

"A perseguição religiosa existe porque o diabo tem medo", diz fundador da JOCUM

Loren Cunningham afirmou que a perseguição religiosa está ligada ao crescimento do cristianismo e alertou que o maior avivamento da História está a caminho.

Loren Cunningham durante pregação na Coreia do Norte. (Foto: YWAM)
Loren Cunningham durante pregação na Coreia do Norte. (Foto: YWAM)
O fundador do grande movimento missionário juvenil internacional 'YWAM' (JOCUM) acredita que "o maior despertar espiritual que o mundo já conheceu" está prestes a acontecer e que em 2033 a Bíblia será impressa em todas os idiomas do mundo.

Loren Cunningham, fundador da organização cristã 'Youth With a Mission', disse em uma entrevista a Steve Strang em um podcast do grupo Charisma que mesmo à luz de todas as notícias sobre a saída de muitos americanos da Igreja, é importante revisitar a História, observando um padrão de 500 anos em todo o relato bíblico. O Ano de 2017 é o 500º aniversário da Reforma Protestante. Em 1517 Martinho Lutero pregou suas 95 teses, esboçando suas objeções à Igreja Católica Romana, à porta de um templo, em Wittenberg, Alemanha.

"Outros 500 anos vieram, não por causa da História, mas porque Deus tem feito algo pela História", disse Cunningham. "O que eu vejo no mundo é que estamos preparados para o maior despertar espiritual que o mundo já conheceu".

Esse avivamento começará com o povo de Deus, mas o juízo também começa ali, uma limpeza necessária, explicou. Mas enquanto isso, ateus, pessoas com animosidade em relação Deus "estão sendo preparadas", disse ele.

Os sinais na natureza são evidência deste movimento de vinda com os desastres naturais que ocorrem mais e mais. Esses eventos são perturbadores na vida de milhares de pessoas, observou Cuningham.

"Também temos o terrorismo, guerras e rumores de guerras. Isto ainda são rumores para a maioria entre nós, mas ainda há guerra no Afeganistão, Iraque e outros lugares", continuou Cunningham.

"Então, quando começamos a entender o que Deus está fazendo, precisamos entregar uma Bíblia para cada lar no mundo, pelo menos parte da Palavra de Deus. E, ao fazê-lo, veremos como resultado as coisas maravilhosas que Deus está fazendo", acrescentou

Com a tecnologia de hoje, Cunningham prevê que em poucos anos versões de áudio da Bíblia vão ser gravadas nos idiomas da terra que ainda não têm nenhum trecho das Escrituras traduzido. O missionário ainda afirmou que ele e suas equipes estão empenhando em cumprir esta missão.

O 'Christian Post' observou no mês passado que a organização 'Wycliffe Associates' celebrou recentemente seu 75º aniversário ministerial traduzindo a Bíblia nas línguas nativas das pessoas, observando que hoje "mais de 550 línguas têm a Bíblia completa e mais de 2.400 têm o Novo Testamento ou outros livros da Bíblia já traduzidos".

No entanto, aproximadamente "1.800 outras línguas estão esperando que o trabalho de tradução da Bíblia para seu próprio idioma comece, embora os métodos de novas tecnologias estejam fazendo com que o processo seja muito mais rápido que nas décadas anteriores".

Cunningham reiterou que a maior colheita de almas para Reino que o mundo já conheceu é atual é pode ser acompanhada por diversas notícias.

"Está acontecendo na China. Eles são o lugar número 1 do mundo onde cada vez mais pessoas estão se entregando a Cristo. Não é por acaso que eles também são a maior nação do mundo, 1,4 bilhão de pessoas", disse ele .
No entanto, com a grande colheita, outra coisa está no horizonte: a crescente perseguição.
Em julho do ano passado (2016), Yu Jie, ativista cristã da China afirmou em entrevista à revista First Things, que "quanto maior a perseguição, maior é o avivamento". A perseguição, de fato, foi severa, mas o avivamento, de acordo com Yu, é algo que separa o "joio do trigo".


Defesa e ataque
O fundador da JOCUM explicou que esta dura relação entre avivamento e perseguição religiosa tem explicações no âmbito espiritual.


"A perseguição religiosa acontece porque o inimigo está com medo", disse Cunningham.
"Durante a perseguição, o crescimento do Reino de Deus é muito mais rápido, porque Jesus disse: 'Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura'. Agora isso significa que todos têm de ouvir, porque têm o direito, porque Jesus morreu por eles, mesmo que eles não saibam que têm esse direito".

O missionário também destacou que todo ser humano não tem só o direito de ouvir o Evangelho, mas também de ler e estudar sobre ele.

"Em segundo lugar, eles têm direito à Bíblia, porque Deus só tem um livro, e ele vai estar em todas as 7.092 línguas do mundo", disse ele, acrescentando que até o ano de 2033, ele acredita que a Palavra de Deus escrita estará traduzida em todas as línguas.

De acordo com o presidente da Wycliffe, Bob Creson, anteriormente "costumava levar 25 anos para traduzir o Novo Testamento, mas agora leva em média sete anos, graças a um software que auxilia no processo e maior participação e dos nativos nas comunidades locais".

Cunningham acrescentou que cada cristão tem um papel a desempenhar nesta colheita maciça de almas para Deus.

"Não tenha medo ao pensar que você não pode ser parte disso, porque teria que se esconder em algum lugar. Apenas faça o que Ele lhe diz e obedeça. Escute, obedeça e então não desista do seu chamado", afirmou.

Loren Cunningham e sua esposa Darlene iniciaram a JOCUM em 1960, uma organização interdenominacional sem fins lucrativos, cujo objetivo principal sempre envolver os jovens no trabalho missionário.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN POST

terça-feira, 11 de abril de 2017

"Sem Deus a gente não teria forças para prosseguir", diz mãe de criança curada do câncer

Noah tem apenas cinco anos, mas já é vencedor de uma batalha que começou aos nove meses, quando ele foi diagnosticado com leucemia.

Foram dias de lutas, até que no 35º dia foi detectado o sucesso no transplante da medula. (Foto: Reprodução).
Foram dias de lutas, até que no 35º dia foi detectado o sucesso no transplante da medula. (Foto: Reprodução).
Quando um adulto passa por tratamentos contra o câncer, vem o desânimo e muitas vezes a depressão também. Vencer esse desafio é um verdadeiro milagre. Mas, quando uma criança comemora o fato de estar livre da doença, não faltam motivos para celebrar junto. É o caso de Noah Brito Nadalini que tem apenas cinco anos. Ele gosta de jogar futebol e ama os animais.

E mesmo sendo tão novinho, ele já tem muito o que contar para as pessoas. É que aos nove meses ele foi diagnosticado com Leucemia Mieloide Aguda. Foi levado ao médico quando seus pais perceberam que ele estava com uma tosse que não parava mais. Na época também foi detectado um inchaço na região do abdômen. Um exame de sangue foi solicitado e acusou a suspeita do câncer.

Quando a doença foi descoberta o menino foi rapidamente internado e passou 40 dias sob avaliação médica. “O pai dele chorava bastante. Eu fiquei em choque. Não deu tempo de chorar. A única coisa que eu queria saber era como a gente ia proceder. Eles explicaram que seriam várias sessões de quimioterapia e que o tratamento seria bem pesado, porque o tipo de câncer que o Noah tinha era mais raro em criança, então ele desenvolvia muito rápido. Ele precisaria com urgência do transplante de medula óssea”, disse Camila Brito, mãe de Noah.

Logo no início do tratamento, as quimioterapias foram bem aceitas pelo corpo do menino, porém, depois de um tempo elas não surtiram mais efeito, pois as células do câncer estavam se desenvolvendo muito rápido. Nesse momento era preciso um transplante de medula, mas não poderia ser feito enquanto essas células não fossem combatidas. Um medicamento contribuiu para que isso acontecesse e o transplante foi realizado.

A batalha continua

Apesar de ter vencido uma fase da guerra contra o câncer, o menino Noah enfrentou mais uma dificuldade. A medula óssea oriunda da Alemanha, de um cordão umbilical com 83% de compatibilidade, deveria reagir bem no organismo de Noah. Apesar disso, o resultado, que deve acontecer normalmente entre o 15º e 20º dia depois do transplante, não aconteceu. Então, a única solução seria usar o material dos pais, que mesmo sendo apenas 50% compatível, era o procedimento indicado naquele momento.

“O Noah já estava no 30º dia e a medula dele ainda não tinha pego. Nós orávamos muito a Deus! O médico nos dizia que não daria certo, que entendia a nossa fé, mas que já tinha visto muitos casos de transplantes e sabia que depois do 30º dia a medula não pegava mais, e que precisaríamos de um segundo transplante”, explicou a mãe.

O milagre chegou

Foram dias de lutas, até que no 35º dia foi detectado o sucesso no transplante da medula. E até hoje, os pais não esquecem as palavras do médico: “Se vocês têm fé, então agradeçam ao Deus de vocês, porque isso é muito difícil de acontecer, foi uma coisa que eu nunca vi antes em toda a minha carreira”. A mãe diz que só Deus poderia ter feito aquilo: “Foi um milagre de Deus, nos mostrando que Ele estava ao nosso lado”, ressalta.

O poder da Oração

De acordo com Camila, diversas pessoas passaram a orar por seu filho. O pastor Ivan Saraiva mobilizou muitas pessoas por meio de uma campanha para interceder pela cura do menino. A força transmitida por pessoas que a família nem ao menos conhecia foi muito importante para passar por tudo isso. A mãe crê que sem Deus a caminhada não seria possível.

“Deus foi essencial nisso tudo, porque sem Ele a gente não teria forças para prosseguir. Já tínhamos ouvido bastante de muitos pacientes que desistem de lutar, continuam recebendo a medicação em si, mas eles desistem de lutar por isso, então isso é muito prejudicial ao tratamento. Eu nunca senti Deus tão perto quanto naqueles momentos. Ele realmente estava naquele hospital segurando a nossa mão”, finaliza Camila.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO SITE NOTÍCIAS ADVENTISTAS

“Páscoa não se resume a coelhos e ovos, mas ao sacrifício de Jesus”, diz Nick Vujicic

O evangelista alerta cristãos a não cederem à "comercialização" da Páscoa, mas permanecerem firmes no verdadeiro sentido da celebração.

Vujicic é conhecido por sua mensagem inspiradora de como ele superou a depressão e uma vida sem membros. (Foto: Reprodução).
Vujicic é conhecido por sua mensagem inspiradora de como ele superou a depressão e uma vida sem membros. (Foto: Reprodução).
Nick Vujicic, conhecido no mundo inteiro por ter superado seu nascimento sem os braços e as pernas, disse em uma mensagem sobre a Páscoa que o feriado se resume ao sacrifício de Jesus Cristo, e não a coelhos e ovos de chocolate.

"Com a Páscoa em breve se aproximando, eu quero levar você a se concentrar no amor implacável e reconfortante fornecido a nós por Cristo. Muitas pessoas associam a Páscoa com coelhos e ovos, mas esses elementos são mentirosos. Quero levar você a se concentrar no sacrifício que Cristo fez", escreveu Vujicic em seu no Facebook no último domingo (9).

"Apesar de nossa desordenada e pecaminosa humanidade, Jesus se sacrificou como um ato de amor real, para que possamos ser inteiros. Não posso esperar para seguir este caminho e experimentar o amor de Deus juntos". O evangelista citou Marcos 8:31, que diz:
“E começou a ensinar-lhes que importava que o Filho do homem padecesse muito, e que fosse rejeitado pelos anciãos e príncipes dos sacerdotes, e pelos escribas, e que fosse morto, mas que depois de três dias ressuscitaria”.

Vujicic é conhecido por sua mensagem inspiradora de como ele superou a depressão e uma vida sem membros. Além de vários continentes, o líder do ministério Life Without Limbs também levou sua mensagem para prisões estaduais em toda a América, pregando que há sempre esperança na vida, mesmo nas situações mais difíceis.

"Deus está usando a história de Nick de esperança e confiança para alcançar aqueles que estão presos. A Life Without Limbs está distribuindo um vídeo para que prisões possam usar por meio de capelães e voluntários durante os estudos bíblicos", disse o ministério em novembro.

Comércio

Sobre a Páscoa, a Federação Nacional de Varejo ressalta que o feriado destinado a celebrar a Ressurreição de Cristo tem sido cada vez mais comercializado desde a década passada, com os gastos da Páscoa atingindo bilhões já em 2017.

A maioria das despesas da Páscoa cai sob as categorias de doces, incluindo ovos de Páscoa do chocolate, alimentos, presentes, cartões, roupas, e outros bens materiais. Mas os líderes evangélicos americanos e pastores têm insistido que os cristãos e as pessoas de todas as esferas da vida precisam se lembrar do verdadeiro significado da Páscoa.

O reverendo Albert Mohler, presidente do Southern Baptist Theological Seminary em Louisville, disse ao Christianity Today em 2008: "Todos os ovos de Páscoa e o coelhinho são ainda mais estranhos ao propósito da Páscoa do que o Papai Noel é para o Natal", disse. "Pelo menos o Papai Noel foi baseado em um homem que existiu. Eu me pergunto se até mesmo algumas igrejas cristãs estão fazendo a conexão entre a morte de Cristo e a ressurreição e a vitória sobre o pecado", finalizou.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN POST

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Israel, a profecia de Isaías e o montão de ruínas na Síria

Peso de Damasco. Eis que Damasco será tirada, e já não será cidade, antes será um montão de ruínas. Isaías 17:1

por Eli Simberg

Resultado de imagem
Israel, a profecia de Isaías e o montão de ruínas na Síria

Me recordo que no ano de 2005, quando imigrei para Israel, ao estudar as Escrituras e fazer comparações à luz do contexto profético sobre os fatos que ocorriam no Oriente Médio percebi que algo diferente iria acontecer.

Cheguei em Israel no término da II Intifada Palestina, quando o ex-primeiro ministro Ariel Sharon concedia parte do território de Israel aos palestinos. Quando a pequena cidade israelita de Gush Katif era indexada ao território de Gaza em troca de uma paz que não existiu, mas trouxe grandes prejuízos a Israel e aos próprios palestinos.

A consequência daquela infeliz negociação política permitiu ao Hamas tomar o controle geral da cidade de Gaza e expulsar, perseguir e exterminar árabes cristãos e também os membros do Fatah, partido político de Abbu Mazen (Abas), o atual representante palestino reconhecido pela comunidade internacional.

Em Janeiro de 2010, Majed El Shafie, presidente da One Free World International, disse à CBN que os cristãos em Gaza eram atacados quase diariamente.

“Os cristãos da Autoridade Palestina estão enfrentando perseguições. Suas casas, suas igrejas – eles são atacados quase todos os dias”, disse Shafie. As escolas cristãs também foram atacadas, veículos incendiados, equipamento roubado e professores ameaçados por militantes islâmicos do Hamas.

De fato, o cenário político mundial está mudando, principalmente nos últimos 69 anos, quando o Estado de Israel foi restabelecido num complô político interessado em exterminar o restante dos judeus que sobreviveram o holocausto e eram indesejados principalmente pelos europeus. Os judeus não eram mais cidadãos na Europa, mas passaram a ser refugiados de guerra por causa do regime nazista.

Meu avô, sobrevivente do holocausto, inicialmente foi recusado de viver no Brasil e teve que procurar asilo na Argentina até que conseguisse a documentação que permitisse sua imigração ao território brasileiro.

A história se repetia, ONU e seus ilustríssimos representantes aprenderam muito com Pôncio Pilatos em relação ao dia da condenação de Jesus.

Pilatos não via nenhum mal na pessoa do Mestre. Porém permitiu que seus soldados o espancassem e crucificassem em troca de seus interesses político (João 19:1-3). Na realidade Pilatos conhecia a popularidade e o potencial de Jesus (Lucas 4:37) e sabia que Ele não representava os interesses dos simpatizantes de um governo corrupto.

Em 1947-48 não foi diferente, as mentes mais brilhantes na política da época repartiram de forma absurda as Terras de Israel, não como uma estratégia que trouxesse paz, porque não trouxe, mas que ocasionasse de fato um conflito que causasse o extermínio dos judeus exilados que se atrevessem retornar a Terra de Israel.

Os planos da ONU deram errado e Israel e Jerusalém se tornaram uma pedra pesada entre as nações (Zacarias 12:1-3 / Isaias 66:8).

As nações planejaram absurdamente a criação de um Estado Palestino, Gaza e Cisjordânia, subdivididos dentro do território de Israel demonstrando que as intenções eram más desde o início e as consequências das ignorâncias e do desgoverno serão desastrosas:

Congregarei todas as nações, e as farei descer ao vale de Jeosafá (Vale do Juízo); e ali com elas entrarei em juízo, por causa do meu povo, e da minha herança, Israel, a quem elas espalharam entre as nações e repartiram a minha terra. … E também que tendes vós comigo, Tiro e Sidom, e todas as regiões da Filístia? É tal o pago que vós me dais? Pois se me pagais assim, bem depressa vos farei tornar a vossa paga sobre a vossa cabeça. Joel 3:2-4

Arafat criou o título “Palestina” e classificou de palestinos os árabes que viviam em Israel durante o mandato britânico. Se tudo ocorresse como o planejado, e com base nos códigos e leis de guerra, os judeus perderiam o direito a Terra de Israel caso perdessem a Guerra da Independência iniciada pelos países árabes e aliados.

A ONU, por sua vez, “lavaria as mãos” como o cínico Pôncio Pilatos, pois aparentemente tentou “ajudar” os judeus na criação de um Estado indesejado internacionalmente, mal dividido intencionalmente e que sofre preconceituosos ataques e sanções impostas pela própria organização até hoje.

Em 2017 Jerusalém completará 50 anos desde sua reconquista e reconstrução e no próximo ano, em 2018, a Nação de Israel completará 70 anos. Estamos vivendo os tempos preditos pelo Profeta Daniel e por Jesus, conforme mencionado em Mateus 24. Somos a última geração!

Um dos fatos que me deixa atônito é que nos últimos 10 anos, e principalmente depois da Primavera Árabe, a sensível “estabilidade” no Oriente Médio deteriorou demasiadamente.

Vivi nos últimos meses uma onda de esfaqueamento incitada por líderes políticos e religiosos palestinos. Também presenciei três conflitos palestinos contra Israel iniciadas por ataques do Hamas, a II Guerra do Líbano, depois que o Hizb Allah (Hezbollah – Partido de Allah) lançou um ataque contra o exército de Israel e sequestrou alguns soldados.

Depois disso iniciou-se a Primavera Árabe e seus vários levantes que sacudiram principalmente a Líbia, o Egito e castiga fortemente a Síria e ameaça consideravelmente o Líbano, a Jordânia.

A Síria está um verdadeiro caos, o conflito atingiu o auge da ganância política e religiosa. Vemos todo tipo de atrocidades ocorrendo no país, porém a ONU permanece calada, a mídia praticamente sumiu e levou o pessoal dos direitos humanos junto, comprovando que esses organismos são manipulados e manipuladores, meros sensacionalistas.

E para finalizar não posso deixar de observar que Damasco, a capital da Síria, está destroçada e em ruínas, cumprindo-se o anúncio do profeta Isaías, que disse:

Peso de Damasco. Eis que Damasco será tirada, e já não será cidade, antes será um montão de ruínas.Isaías 17:1

Jesus nos deixou os sinais que precedem o dia de sua volta.

Mateus 24: 7 Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em vários lugares. 8 Mas todas estas coisas são o princípio de dores…. 21 Porque haverá então grande aflição, como nunca houve desde o princípio do mundo até agora, nem tampouco há de haver…. 30 Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem; e todas as tribos da terra se lamentarão, e verão o Filho do homem, vindo sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória.

Fonte: https://artigos.gospelprime.com.br

domingo, 9 de abril de 2017

Cristã que foi presa na Coreia do Norte diz que manteve sua fé: "Deus é minha rocha"

Myoung-Hee havia fugido da Coreia do Norte e acabou se convertendo ao cristianismo na China. Quando voltou à sua terra natal para visitar sua família, foi presa por causa de sua fé.

Cristãs norte-coreanas cantam hinos. (Foto: BBC)
Cristãs norte-coreanas cantam hinos. (Foto: BBC)
Uma 'desertora' da Coreia do Norte colocou sua vida em risco ao voltar para o seu país e contar à sua família cristã que ela aceitou Jesus Cristo como seu Salvador.

Em uma entrevista publicada pela agência 'World Watch Monitor', uma mulher norte-coreana, que tem 40 anos e agora vive com sua família na Coreia do Sul, detalhou suas experiências de vida, tendo fugido para a China depois de se formar no segundo grau, ser sequestrada e vendida como escrava para um agricultor chinês e depois permanecido presa em um campo de trabalho norte-coreano.

A mulher, que usou o pseudônimo 'Myoung-Hee' por razões de segurança, explicou como descobriu há mais de 40 anos que seus parentes estavam vivendo clandestinamente como cristãos na Coreia do Norte.

Atualmente a Coreia do Norte classifica-se consistentemente como o país onde ocorre a mais intensa perseguição aos cristãos e Myoung-Hee soube da maneira mais difícil que sua família praticava o cristianismo.

Ela detalhou a noite em que seu pai chorou muito, depois que seu tio fora executado por causa de sua fé, junto com outros 10 cristãos. Embora os outros membros de sua família fossem cristãos praticantes, ela chegou à suposição de que era a fé de seu tio a causadora da morte dele e se revoltou contra o cristianismo na época.

Em vez de ler a Bíblia, Myoung-Hee decidiu se concentrar nos estudos e leu muitos livros que foram traduzidos do russo, o que lhe deu o desejo de buscar a vida fora da Coreia do Norte.

Depois de terminar o ensino médio na Coreia do Norte, ela decidiu fugir sozinha do país. Myoung-Hee disse que foi para a fronteira chinesa, atravessou o rio a nado e continuou andando até que ela viu uma aldeia.

"Fui raptada por traficantes de seres humanos e vendida para um fazendeiro chinês. Ele não era tão ruim quanto a maioria dos chineses que compram mulheres norte-coreanas", explicou. "Eu tive um filho com ele, mas nunca consegui me sentir bem com sua família".

Myoung-Hee acreditava que sua sogra chinesa sempre agia de forma suspeita, porque frequentemente saía sem explicar para onde estava indo. Pouco tempo depois, Myoung-Hee seguiu sua sogra em uma noit e soube que aquela senhora saía escondida de casa para ir à igreja.

"Vi que aquela era uma reunião cristã, o que me deixou desconfortável, porque sempre fui contra o cristianismo, mas minha curiosidade me dominou e decidi ficar ali para assistir", disse ela. "Eu realmente acabei querendo aprender mais sobre Deus".


A conversão

Myoung-Hee mais tarde reconheceu Jesus como seu salvador e se tornou uma cristã, assim como sua própria família na Coreia do Norte. Seu desejo de voltar para casa e se reencontrar com sua família cresceu de maneira tão forte que ela convenceu seu esposo a permitir que ela voltasse para sua terra natal, mesmo correndo o risco de ser presa, torturada ou até mesmo morta pela polícia norte-coreana. Agora, além de desertora, ela era uma cristã.


Mesmo que Myoung-Hee não tenha sido presa quando inicialmente em sua fuga da Coreia do Norte, ela acabou sendo presa em sua ao retornar para o seu país.

Depois que as autoridades descobriram quem ela era e de onde ela era, enviaram-na para um campo de concentração mais próximo de sua cidade natal, que era menos seguro do que a prisão na qual ela estava antes.


Perseverança

Foi sua fé cristã que lhe permitiu manter a esperança enquanto esteve presa, de que um dia ela ainda iria se reunir com sua família de origem. Ela lembrou que precisava se apoiar em certos versículos bíblicos que havia memorizado, particularmente uma passagem do Salmo 62, que diz: "Deus é minha rocha e minha salvação".


A oportunidade de fugir daquele campo de concentração surgiu em uma noite, quando os guardas da prisão se embriagaram e esqueceram de trancar as portas. Ela saiu pela porta e continuou correndo.

"Eu não parei de correr até eu ver uma placa apontando para a região onde ficava a minha casa", ela explicou.

Myoung-Hee contou que o momento da sua chegada à casa de seus parentes foi uma das experiências mais incríveis que já viveu.

"Foi a experiência mais alegre de todas. Nós ficamos muito felizes em nos ver novamente", disse ela. "Pela primeira vez, todos nós adoramos a Deus juntos, como uma família. Eu também participei de pequenos cultos domésticos de outras famílias cristãs".

Depois de se reunir com sua família na Coreia do Norte, Myoung-Hee sentiu o chamado para evangelizar seu marido e seu filho que estavam morando na China. Embora ela estivesse bem consciente de que poderia ser presa novamente, ela contou à 'World Watch Monitor': "nada poderia intimidar minha paixão por Cristo".

"Meu marido e meu filho tinham que ouvir o Evangelho também", ela afirmou.

Em sua viagem de regresso à China, ela disse que era abençoada pela ajuda que recebia de pessoas ao longo do caminho e chegou sem ser seqüestrada ou presa. Ela foi capaz de ministrar a seu marido e filho, que também se tornaram cristãos.

"Há tantos pais cristãos na Coreia do Norte que não podem compartilhar sua fé com seus filhos, isso me parte o coração", disse ela. "Eu também fui vítima disso, mas graças às orações de outras pessoas, fui encontrada por Deus".

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN POST