domingo, 23 de fevereiro de 2020

Pastor filiado ao PSOL que sairá no carnaval: o verdadeiro Jesus é o da Mangueira

O pastor evangélico e ator Henrique Vieira
Imagem: Arquivo pessoal
WILL R. FILHO

Repudiado por 23 pastores evangélicos do Rio de Janeiro, que afirmaram não o reconhecer como pastor evangélico, Henrique Vieira continua fazendo declarações polêmicas envolvendo a doutrina cristã, entre elas a de que o verdadeiro Jesus Cristo será apresentado pela escola de samba Mangueira, em seu desfile no carnaval 2020.

Vieira será uma das pessoas que vão interpretar a pessoa de Jesus Cristo no desfile da Mangueira este ano, o qual terá como tema “A Verdade Vos Fará Livre”. Para o pastor, ex-vereador de Niterói e filiado ao PSOL, será a verdadeira representação do Messias.

“Será um Jesus de amor, justiça e defesa dos corpos oprimidos”, disse Vieira. “Numa época em que se usa tanto o nome de Cristo para estimular o ódio, o preconceito, a violência, a opressão, a Mangueira vai levar para a avenida o verdadeiro Jesus da Bíblia”.

A visão de Henrique Vieira retrata com precisão a reinterpretação da Bíblia Sagrada sob às lentes da ideologia marxista, onde a utilização de jargões políticos como “justiça social” e “luta contra a opressão” são frutos de uma noção distorcida acerca do propósito salvífico do Evangelho de Cristo.

É o que explica o renomado teólogo Dr. Russell Shedd em seu livro “A Justiça Social e a Interpretação da Bíblia”, onde o mesmo desconstrói a ideia de líderes da esquerda que tentam reduzir a mensagem do Reino de Deus aos aspectos mundanos, reinterpretando a mensagem da salvação em termos políticos e não eternos.

Neste mesmo sentido, o pastor apologista John MacArthur, autor de inúmeros livros no meio evangélico, também comentou em uma análise feita no Grace to You: “Os evangélicos que estão dizendo mais e falando mais alto hoje em dia sobre o que é chamado de ‘justiça social’ parecem ter uma perspectiva muito diferente”.

“A retórica deles certamente aponta uma direção diferente, exigindo arrependimento e reparações de um grupo étnico pelos pecados de seus ancestrais contra outro. É a linguagem da lei, não o evangelho – e pior, reflete o jargão da política mundana, não a mensagem de Cristo”, afirmou MacArthur.

Para Vieira, no entanto, “ao longo da história, muitas vezes o cristianismo não compreendeu bem Jesus. Em nome de Jesus se legitimou as Cruzadas, a colonização violenta da América, a escravidão”.

“Provavelmente hoje matariam Jesus de novo, e matariam Jesus em nome de Jesus”, completou o ativista, segundo informações do UOL.

sábado, 22 de fevereiro de 2020

Família relata experiência com Deus após sobreviver a incêndio: “Ele nos livrou da morte”

Viviane Romeiro e sua família sobreviveram a um incêndio em sua casa em Jundiaí (SP) e testemunham o agir de Deus após o incidente.


FONTE: GUIAME, LUANA NOVAES

O casal Bruno e Viviane Romeiro e seus filhos, Lucca, Théo e Luan. (Foto: Arquivo pessoal)

O choro do pequeno Luan acordou Viviane Barreto Romeiro na madrugada de 13 de Janeiro de 2019, na residência da família em Jundiaí, no interior de São Paulo. Mas o cheiro de fumaça e o clarão embaixo da porta do quarto do bebê a fez agir com rapidez para salvar a família.

Viviane, 37 anos, diz que o incêndio foi iniciado por um curto circuito no ventilador do quarto do bebê. Quando viu as chamas, ela rapidamente tirou Luan do berço enquanto seu marido, Bruno Romeiro, tirava os outros dois filhos do casal, Lucca e Théo, hoje com 8 e 6 anos de idade.

Na época do incidente, a família morava em Jundiaí há apenas dois anos — eles vieram de Campo Grande (MS), depois que o trabalho de Bruno foi transferido para São Paulo. Depois de perder tudo por causa do incêndio, eles encontraram na nova cidade um apoio que marcou suas vidas.

“Os vizinhos nos ajudaram imensamente com tudo, fizeram doações, e nos ajudaram a voltar para a mesma casa no condomínio”, conta Viviane ao Guiame. “Hoje temos amigos que fizemos após o acidente, mais chegados que irmãos. Foi algo que marcou nossas vidas física e espiritualmente”.

“Perdemos tudo o que estava na parte de cima do sobrado, mas Deus nos livrou da morte e nosso bebê também”, acrescenta Viviane, agradecida.

A família perdeu muitos bens, entre documentos, objetos e lembranças. No quarto do casal, a impressora e o computador derreteram, mas o HD que continha o projeto musical de Viviane, gravado em Campo Grande ao vivo em 2017, ficou intacto.


A família perdeu muitos bens, entre documentos, objetos e lembranças. (Foto: Arquivo pessoal)

Ela viu isso como um sinal para continuar o ministério de louvor, no qual havia dado uma pausa. “Quando eu vi o HD intacto e o livramento que Deus deu às nossas vidas, eu tive a coragem de retomar e seguir em frente na finalização do projeto que Deus me deu em 2015, com o título de ‘Santidade e Avivamento’”, conta.

Dois meses depois do incêndio, Bruno foi desligado da empresa que o transferiu para Jundiaí. Foram três meses sem trabalho, mas com um “tempo incrível em família”.

“Isso nos uniu ainda mais e nos alinhou para o chamado de Deus para nós. Meu marido, que achava que seu chamado pastoral era algo muito distante, entendeu que era hora de tomar uma postura e se matriculou na faculdade de Teologia”, diz Viviane.

Hoje, a família sente-se grata a Deus “pelos livramentos, pela graça, pela misericórdia que nos alcançou e por suas promessas, que têm se cumprido em nós e através de nós, uma a uma, para Sua glória e manifestação do Seu Reino”.

“Não quisemos voltar para o Mato Grosso do Sul e permaneceremos aqui, até que Deus mude a direção, se Ele quiser. Dissemos sim ao Seu chamado para a nossa família”, acrescenta Viviane. “Nosso corações foram avivados, fomos batizados pelo fogo literalmente! O Espírito Santo, nosso amigo e consolador, tem cuidado de cada detalhe em nós”.

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2020

Pastor relata "curas sobrenaturais" de pessoas infectadas pelo coronavírus na China

Através de fontes na China, o pastor Frank Amedia contou que muitas pessoas infectadas pelo coronavírus têm sido curadas pelo poder de Deus.


FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHARISMA NEWS

Membros da equipe médica se abraçando em uma ala de isolamento em um hospital em Zouping, no leste da China. (Foto: Stringer/AFP)

O pastor Frank Amedia, através do ministério Pouts Shield, tem uma estreita aliança com a comunidade cristã na China. Em entrevista a Steve Strang, fundador da revista Charisma, ele disse que pessoas infectadas pelo coronavírus estão sendo curadas e o Evangelho está sendo pregado.

“Tivemos relatos de cristãos sendo curados deste vírus pelo poder de Deus e pela cura de Deus”, diz Amedia. “Minhas fontes me dizem a mesma coisa, sempre que há esse tipo de problema — como aconteceu com a SARS”.

O pastor diz que o coronavírus, agora batizado de COVID-19, é a terceira praga a atingir a China no período desta geração. No entanto, ele ressalta que o governo é opressor, as procuram ajuda em outro lugar — é aí que a igreja tem a oportunidade pregar o Evangelho.

“Nos disseram que as pessoas estão vindo em multidões para as igrejas, igrejas domésticas, porque há evangelismo nas ruas, de pessoa a pessoa, há cura sobrenatural”, afirma.

Amedia também disse que há muitas informações sobre o coronavírus que não são relatadas pela mídia. Até esta quarta-feira (19), a Organização Mundial da Saúde informou que o número de mortos na China chegou a 2.114 e o total de casos confirmados no país é de 74.639.

Segundo fontes da Amedia, no entanto, o número de mortes e infecções é muito maior do que os meios de comunicação estão retratando. O pastor acredita que o número de mortes está na casa das dezenas de milhares.

“O que ouvimos é que, enquanto isso estava sendo suprimido pelo governo da China, pessoas estavam morrendo em Wuhan, que é a capital da província de Hubei, na área central da área industrial da China”, diz Amedia.

“Nos disseram que as pessoas estavam morrendo antes mesmo da internação. Os hospitais não sabiam o que fazer com elas. Disseram para voltarem para casa, mas elas estavam morrendo. E a maioria das histórias que estamos recebendo é que muitas delas foram cremadas rapidamente — algumas cremadas e nem sequer identificadas para suas famílias, que ainda procuram pessoas”, reporta.

O vírus também não é restrito a Wuhan, mas está espalhado por toda a China, que estabeleceu quarentenas em diversas áreas, indica Amedia, baseado em relatos de cristãos e empresários chineses.

Amedia diz que há registros de mais de 2 milhões de assinaturas de chineses pedindo transparência, verdade e liberdade de expressão na China.

A suposta origem do coronavírus

As autoridades chinesas acreditam que o coronavírus se originou em um mercado de Wuhan que vendia frutos do mar e carne de animais selvagens, incluindo morcegos e víboras.

Seguindo suposições de especialistas internacionais, Amedia acredita que o vírus foi originado laboratório P4, localizado a cerca de 32 quilômetros do mercado que originalmente se acreditava ser o ponto de partida do vírus.

O senador americano Tom Cotton, do Arkansas, também acredita nisso, embora suas palavras tenham sido rotuladas como teoria da conspiração. “Não temos evidências de que essa doença tenha se originado lá”, disse o senador, “mas devido à duplicidade e desonestidade da China desde o início, precisamos pelo menos fazer a pergunta para ver o que as evidências dizem, e a China que agora não está dando provas sobre essa questão”.

“Talvez nunca saibamos a verdade completa, mas Deus ainda pode continuar a se mover poderosamente nessa situação horrível”, disse o fundador da Charisma. “É por isso que os cristãos de todo o mundo devem continuar orando para que esse vírus seja contido e eliminado. Mas também devemos orar para que, em resposta a essa epidemia assustadora, as pessoas continuem se voltando para Jesus Cristo e criando um avivamento na China”.

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

Missionários iniciam igreja debaixo de árvore na Amazônia e levam pessoas ao batismo

Mesmo sem um templo, moradores da comunidade Portelinha se reúnem para cultos com missionários. Adolescentes estão sendo preparadas para o batismo.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DAS MISSÕES NACIONAIS

Os missionários Ednardo Neves e Gabriela Muzy plantaram a Igreja Batista Missionária no interior do Amazonas. 
(Foto: Missões Nacionais)

Debaixo de uma árvore, com as cadeiras das casas e uma luz improvisada, missionários iniciaram uma igreja na comunidade de Tonantins, no interior do Amazonas.

O casal Ednardo Neves e Gabriela Muzy são um dos 81 missionários efetivos da Junta de Missões Nacionais da Igreja Batista entre os ribeirinhos. Após 10 meses do início do trabalho, os dois têm visto a plantação de igreja se concretizar.

Em janeiro deste ano, Ednardo e Gabriela realizaram o primeiro culto de oração da Igreja Batista Missionária no bairro Portelinha.

“Mesmo sem ter o templo, com a simplicidade da igreja primitiva, temos nos reunido para cultuar e clamar ao Senhor. Debaixo de uma árvore a igreja está crescendo, firmada na Palavra de Deus”, contou a missionária Gabriela.

Na primeira semana de fevereiro, o casal se juntou a irmãos da igreja, vizinhos e voluntários para realizar um mutirão e começar a construção do alicerce do templo da igreja no local.

“Têm sido momentos de comunhão e muita oração, temos visto o agir de Deus, o envolvimento de pessoas em Sua Obra. Louvamos ao Senhor pela vida de cada um que tem participado, seja na mão de obra, oferta ou oração”, celebrou ela.


Voluntários fizeram mutirão para começar a construção do alicerce da igreja no local. (Foto: Missões Nacionais)

No domingo (16), Gabriela disse que terminou o estudo com um grupo de adolescentes que estão se preparando para o batismo no próximo final de semana. “Louvado seja Deus pela vida dessas meninas”, comemorou.

A Amazônia possui uma população em torno de 24 milhões de pessoas e tem cerca de 35 mil comunidades ribeirinhas. Nessa região, as Missões Nacionais tem se empenhado na evangelização por meio do barco O Missionário, que conduz caravanas de igrejas pelas comunidades, dos Radicais Amazônia, líderes treinados e capacitados no Centro de Formação Missionária da Amazônia e, também, por meio do Programa Novo Sorriso da Amazônia, que tem como objetivo erradicar a cárie nas comunidades com missionários presentes.

Atualmente, as Missões Nacionais contam com 64 projetos de plantação de igrejas e, em 2019, foram realizados 104 batismos entre os ribeirinhos.

sábado, 15 de fevereiro de 2020

Michelle Bolsonaro e Juliano Son apresentam projeto do sertão na embaixada de Israel

O projeto missionário fundado por Juliano Son foi apresentado pela primeira-dama como alternativa para contribuir com o desenvolvimento do sertão Nordestino.

FONTE: GUIAME


Juliano Son ao lado da primeira-dama Michelle Bolsonaro e do embaixador israelense Yossi Shelley. 
(Foto: Pátria Voluntária)

A primeira-dama Michelle Bolsonaro visitou a embaixada de Israel na quarta-feira (12) em Brasília para apresentar os projetos sociais desenvolvidos pelo Instituto Livres, fundado pelo pastor Juliano Son.

A convite do embaixador Yossi Shelley, Michelle e Juliano discutiram como o projeto missionário pode contribuir com o sertão Nordestino, focando no abastecimento de água, combate à fome, promoção de atividades educacionais e atendimento médico.

“Combinando tecnologias hídricas israelenses, e com a dedicação do Instituto Livres à estas causas, será possível amenizar os efeitos da seca na região, que é um dos maiores problemas locais”, disse Yossi Shelley em comunicado.

O embaixador israelense disse que a primeira-dama destacou a importância de ações como a do Instituto Livres para ajudar a quem mais precisa. “Para ela, a união em torno de uma causa comum e a solidariedade permitem melhorar a vida das pessoas”, afirmou.


Ministro Osmar Terra, ministra Damares Alves, primeira-dama Michelle Bolsonaro, embaixador Yossi Shelley, pastor
Juliano Son e o secretário Fabio Wajngarten. (Foto: Pátria Voluntária)

Também estiveram presentes no encontro a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, e o ministro da Cidadania, Osmar Terra, reforçando o apoio do governo Bolsonaro aos projetos.

“Eles destacaram que a administração do presidente Jair Bolsonaro apoia diversos projetos para trazer melhoria na qualidade de vida da população do Nordeste”, disse Shelley.
Na quinta-feira (13), Juliano Son comentou o encontro e disse que “o amor de Deus por quem vive em estado de vulnerabilidade” é a razão dos projetos do Instituto Livres no sertão.

“Temos muito trabalho pela frente, mas iremos juntos, amém?! Avançaremos se formos juntos”, disse Juliano nas redes sociais. “Aos que oram conosco, vamos compartilhar dos frutos desse encontro na medida em que eles se consolidarem. Quanta esperança! Celebrado seja o Senhor!”

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2020

Colégios cristãos gravam vídeos para alertar sobre 'brincadeira' viral da internet

O 'desafio da rasteira' se espalhou rapidamente pela internet, porém pelo menos um colégio Batista e um Adventista já se mobilizaram para conscientizar os alunos.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA REVISTA ENCONTRO / NOTÍCIAS ADVENTISTAS

Alunos posam com pedido para que colegas recusem brincadeiras perigosas. (Foto: Davner Toledo / Notícias Adventistas)

Uma 'brincadeira' que acabou viralizando na internet nos últimos dias tem preocupado pais e educadores, devido ao alto risco que ela oferece. Vídeos que somam cada vez mais visualizações mostram três pessoas lado a lado. As duas que estão nas pontas pulam juntas e quando a do meio tenta saltar mais alto, as outras duas a desequilibram, chutando seus pés e a fazendo cair no chão.

Tornando-se popular entre crianças e adolescentes, o "desafio da rasteira" tem registrado muitas quedas que chegam a ter resultados graves, nos quais as pessoas batem as costas ou a cabeça no chão. Colégios cristãos já estão se mobilizando com vídeos que trazem alertas contra a prática.

Ainda não se sabe ao certo quem inventou o tal desafio. Porém, há influenciadores digitais que têm ajudado a disseminar a 'brincadeira', como no caso de Robson Calabianqui, também conhecido como Fuinha.

Conhecido por fazer pegadinhas, ele teve a ideia de repetir a brincadeira com sua própria mãe e publicar o vídeo nas suas redes sociais. Após a repercussão negativa, ele tirou o vídeo do ar e postou outro com um pedido de desculpas.

"Como influenciador eu errei, e como humorista eu falhei. Peço desculpas a todos vocês", disse Robson, em um vídeo publicado por ele no TikTok e no Instagram.

Conscientização

Como resposta à viralização do "desafio", pelo menos dois colégios cristãos já lançaram vídeos para conscientizar sobre o perigo dessa prática.

"Infelizmente, os adolescentes querem reproduzir tudo que veem na internet", disse Dina de Souza Melo, diretora pedagógica do Colégio Batista de Varginha, que lançou uma campanha contra a ‘brincadeira’ na última quarta-feira.

Em um vídeo gravado por Diná, os alunos do 9º ano, Thaís Conte e os irmãos Edmar e Eduardo Alvarenga falam sobre o perigo do tal “desafio”. A repercussão já tem sido positiva, segundo a diretora.

"Recebi muitas mensagens de incentivo. Teve uma aluna, do oitavo ano, que disse: 'tia Diná, muito obrigada por cuidar da nossa segurança'", contou ela.
Colégio Adventista de Vitória também se mobilizou para lançar um vídeo de conscientização em seu canal do Youtube.

No vídeo do Colégio Adventista, Esther de Oliveira, 13 anos; Sara Silveira de Melo Moura, 12 anos; e Nicolas Eduardo Freitas Goulart, 13 anos, estimulam as pessoas a negarem o desafio e valorizarem a vida e as amizades.

Mudando o ponto de vista


Em depoimento para o site ‘Notícias Adventistas’, a psicopedagoga Maria Tereza Samora, explicou que a internet está cheia de brincadeiras realmente perigosas.

“Esses jovens praticam ações que visam descobrir o limite do seu próprio corpo, ter sensação de euforia ou sensação de relaxamento. Tudo por motivações de busca em pertencer em determinado grupo. Quem pratica não tem noção do real perigo que corre. Infelizmente muitos casos terminam em morte ou sequelas graves”, destacou.

Por isso ela reforçou que é importante que as escolas mudem o ponto de vista da ‘brincadeira’, mostrando que quem ganha de verdade é quem se recusa a participar do desafio.

“Ganha o desafio quem tiver a coragem de dizer não. Essa é a mensagem”, explicou.

terça-feira, 11 de fevereiro de 2020

LEITURA DA BIBLIA EM 1 ANO

Plano de Leitura da Bíblia em 1 ano

PLANO DE LEITURA DA BÍBLIA EM 90 DIAS

Plano de Leitura da Bíblia em 90 dias


Mulher de 99 anos lê a Bíblia pela 61ª vez: “Deus me mostra algo novo todas as vezes”

Miss Helen começou a ler a Bíblia em 1942, quando os EUA entraram na Segunda Guerra Mundial.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO BAPTIST & REFLECTOR E CHRISTIAN HEADLINES

Miss Helen fará 100 anos em março. (Foto: Reprodução/Baptist & Reflector)

“Miss Helen”, como é conhecida em sua igreja, tem 99 anos e já leu a Bíblia 60 vezes ao longo de sua vida. Recentemente ela iniciou sua 61ª jornada pelas Escrituras dizendo que “Deus me mostra algo novo todas as vezes”.

A idosa é membro da Igreja em Station Hill, em Spring Hill, Tennessee, e sua a leitura bíblica serve de inspiração para os demais membros, diz pastor Jay Strother, que é o atual dirigente da congregação.

O plano de leitura da Bíblia faz parte do desafio anual da igreja, e de acordo com o pastor Strother tem o lema: "A igreja inteira na palavra inteira”.

A primeira vez que a Srta. Helen leu a Bíblia inteira foi quando os EUA entraram na Segunda Guerra Mundial. O desafio daquele ano foi "Leia a Bíblia em 42 [período em que o conflito estava na metade]".

Além de ler a Bíblica com afinco, a idosa ainda comparece ao culto todos os domingos de manhã.

O pr. Strother perguntou a ela: "Senhorita Helen, por que você ainda faz isso?" Ela respondeu: "Deus sempre me mostra algo novo."

"Ela disse que você acha que [já] ouviu essas histórias, mas toda vez que leio ou a ouço sendo lida, pego algo novo", disse.

O compromisso da Srta. Helen de ler as Escrituras, disse o Pr. Strother, deve convencer e inspirar outros cristãos a ler sua Bíblia.

"Você pode ler a Bíblia inteira em voz alta em cerca de 72 horas", disse o pastor. "Então, apenas um pouco mais no tempo em que as pessoas costumam assistir TV - o americano típico em duas semanas - você pode ler a Bíblia."

O Pr. Strother acrescentou: "Portanto, não temos tempo, não escolhemos o horário".

Mais de 550 pessoas se inscreveram para o desafio depois que a Srta. Helen se comprometeu a ler a Bíblia novamente, disse o Pr. Strother.

"Adoro a ideia de que nossos santos mais velhos podem mostrar o caminho para dar esse exemplo para nós", disse ele.

Helen fará 100 anos em março.