Google+ Followers

quarta-feira, 25 de abril de 2018

Renascimento de Israel é uma das principais profecias da Bíblia, segundo estudioso

O autor Joel Rosenberg diz que o renascimento de Israel em 1948 é uma das principais profecias do Antigo Testamento.

O renascimento de Israel em 1948 é uma das principais profecias do Antigo Testamento. (Foto: Joel Rosenberg)

Estamos vivendo no fim dos tempos bíblicos? A questão que tem feito parte do meio cristão nos últimos dois milênios, vem sendo analisada por muitos estudiosos da Bíblia como o autor Joel Rosenberg.

Embora Rosenberg reconheça que a Bíblia não define uma data para o retorno de Jesus, ele acredita que os sinais indicam que a humanidade está caminhando rumo ao cumprimento das profecias e vivendo seus últimos dias.

“Eu não sei quando, eu não tenho uma data. Mas se você olhar para todas as profecias, há uma surpresa. Podemos ver muito caos global. Mais cristãos foram mortos no século passado do que em qualquer outro momento da história da humanidade”, disse Rosenberg à Pure Flix.

De acordo com o autor, o renascimento de Israel em 1948 é uma das “principais profecias” do Antigo Testamento, conforme os relatos do livro de Ezequiel. Ele também observa que as menções a “Gogue, da terra de Magogue” em Ezequiel 38 anunciam o surgimento de um líder da Rússia.

“Um dia, o futuro líder da Rússia vai formar uma aliança com o Irã, com a Turquia e alguns outros países hostis para cercar e atacar Israel nos últimos dias”, disse Rosenberg, acrescentando que esses eventos podem levar centenas de anos para acontecerem.

O estudioso acredita que as atividades da Rússia na Síria e as relações com outros países hostis, como Irã e Coreia do Norte, devem deixar os cristãos em alerta.

“Eu não sei o que fazer com isso, mas não é bom. Vladimir Putin é mais perigoso para os Estados Unidos e nosso modo de vida do que o islamismo radical. Eu acho que a maioria dos americanos ainda não entendem dessa maneira”, avalia.

Independentemente dos acontecimentos, Rosenberg afirma que é essencial os cristãos orarem pela paz em Jerusalém e nas nações vizinhas. Ele também ainda encorajou os cristãos a fornecer ajuda humanitária aos afetados pela carnificina que tem acontecido no Oriente Médio.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE PURE FLIX

terça-feira, 24 de abril de 2018

Irã diz que está pronto para atacar Israel a qualquer momento: “Os dedos estão no gatilho”

A Guarda Revolucionária Iraniana ameaçou destruir Israel, uma semana depois do ataque à uma instalação iraniana na Síria.

Caminhão militar transportando mísseis diante do retrato do líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei. (Foto: Getty Images)

O vice-comandante da Guarda Revolucionária Iraniana ameaçou destruir Israel última na sexta-feira (20), momentos antes de iniciar as orações islâmicas em Teerã, capital do Irã.

O General de brigada Hossein Salami afirmou que “o dedo está no gatilho e os mísseis estão prontos”. Ele ainda alertou: “A qualquer momento que o inimigo conduzir algo contra nós, nós os lançaremos”.

Se dirigindo a Israel, Salami prosseguiu em seu discurso: “Nós te conhecemos muito bem. Você está exposto a um grande dano porque você não tem profundidade, você está cercado em todas as direções e não tem para onde fugir, a não ser para cair no mar. Não confie em suas bases militares porque elas estão no campo de tiro e podemos atacá-las e impedi-las [de operar]”.

“A resistência hoje é muito mais forte do que era no passado. Não pense que as novas guerras serão como a Segunda Guerra do Líbano”, Salami acrescentou. “Não coloque sua esperança nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha. Quando eles chegarem, você já terá desaparecido, portanto, não faça cálculos incorretos”.

Referindo-se à presença americana na Síria, Salami observou que o Irã aprendeu como superar o inimigo e prejudicar seus interesses estratégicos. Os Estados Unidos foram derrotados na Síria porque os americanos não tinham uma política clara, e cada ação que tomam faz com que pareçam ridículos, como a operação que fizeram há alguns dias, porque não têm estratégia. Hoje estamos muito mais fortes do que nunca em todas as áreas”.

Em resposta às ameaças do Irã, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu se pronunciou durante um evento em homenagem aos 70 anos de Israel, em Tel Aviv. “Estamos certos de nossas capacidades para nos proteger com nosso próprio poder”, destacou.

Conflitos

O discurso de Salami acontece uma semana depois que Israel atacou um avançado sistema de defesa aérea iraniano e uma instalação de drones na Síria. O ataque visou armamentos que poderiam ter reduzido a liberdade de ação da Força Aérea de Israel no espaço aéreo sírio.

“Foi a primeira vez que atacamos alvos iranianos ativos, tanto instalações quanto pessoas”, disse uma fonte militar israelense, segundo Thomas Friedman, colunista do New York Times.

Os sete iranianos mortos no ataque são membros da Força Quds, um ramo da Guarda Revolucionária que supervisiona operações no exterior, e um deles como comandante de uma unidade de drones, segundo Friedman.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE HAARETZ

segunda-feira, 23 de abril de 2018

CERTIFICADO DE DISCIPULADO

Se desejar obter modelo para editar, envie uma solicitação
juntamente com endereço de e-mail para receber o arquivo.

01

Especialista diz que pais podem evitar o suicídio dos filhos por meio da oração

Donna Rice afirma que quanto mais o pai se relaciona com seu filho, mais os fatores de risco diminuem.

Para Donna Rice, o relacionamento dos filhos com os pais é de grande importância. (Foto: Reprodução).

A tecnologia e uma cultura sexualizada estão impulsionando o aumento das taxas de suicídio entre adolescentes, de acordo com uma ativista de segurança na Internet e evangelista que foca seu ministério em alertar famílias sobre os perigos da tecnologia. Ela afirma que esta é uma batalha espiritual, em primeiro lugar.

Um recente relatório do Centers for Disease Control and Prevention (CDC) revela que o suicídio entre meninas adolescentes atingiu uma alta, tendo dobrado nos últimos 10 anos, e nesse mesmo período a taxa subiu 30% entre os meninos adolescentes.

Em 2015, 524 mulheres com idades entre 15 e 19 anos e 1.537 homens nessa mesma faixa etária se mataram nos Estados Unidos, mostra a análise.

Donna Rice Hughes, presidente do grupo de defesa da segurança na Internet “Enough is Enough” (Basta é Basta, em tradução livre), disse em uma entrevista por telefone ao site The Christian Post que o aumento dramático na taxa de suicídio é muito triste, mas não surpreendente, considerando que "nossa cultura criou uma tempestade perfeita para o emocional, sexual e mental de nossos jovens".

"É uma mistura tóxica em todos os lugares onde você olha", disse ela, observando quantas crianças estão vivendo em lares desfeitos, a ‘pornificação’ da sociedade e as demandas sexuais de adolescentes e garotas pré-adolescentes. Além disso, você acrescenta a cultura da maldade e cyberbullying", comentou.

Rice ainda mencionou que quase todas as jovens que passaram por ela nos últimos 15 anos lidaram com algum tipo de distúrbio alimentar. "Os pesquisadores devem começar a fazer estudos com aqueles que tentaram o suicídio para descobrir o que realmente está acontecendo em suas vidas, em vez de apenas dizer que é ansiedade ou depressão”, colocou.

Relacionamento com os pais

Quando Donna Rice fala com os pais, ela sempre enfatiza que os relacionamentos são de grande importância. "Quanto maiores os diálogos, quanto melhor um relacionamento com os pais, os fatores de risco diminuem. Deus deu aos pais, filhos para serem pais, para serem mordomos de sua inocência, para serem administradores de sua segurança e para ajudá-los a lidar com as pressões da vida", ressaltou.

"Os pais também precisam entender que não importa quão inteligentes, brilhantes ou quão bem ajustados seus filhos pareçam ser. Há tantas coisas silenciosas acontecendo nos corações e nas mentes dessas crianças que um pai pode nunca reconhecer, a menos que eles procurem por isso", disse ela, lembrando de como as crianças são boas em esconder as coisas de seus pais.

“Eles precisam ser lembrados de que esta é uma guerra espiritual, ela acrescentou. A oração é absolutamente fundamental. Muita gente pensa que a oração é o último recurso. A oração é o primeiro trabalho. E eu diria a qualquer pai para estar constantemente orando por seus filhos, constantemente abençoando-os. E peça ajuda ao Espírito Santo, porque você não será capaz de conseguir tudo sozinho", finalizou.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN POST

domingo, 22 de abril de 2018

Jesus é mais poderoso que Maomé segundo o Alcorão, afirma ex-imã

Líder muçulmano se converteu ao comparar o Alcorão e a Bíblia

por Jarbas Aragão

Resultado de imagem para senior citizen
Mario Joseph

No meio da gravidez os médicos sugeriram que a mãe de Mario Joseph abortasse, por causa de uma grave infecção no útero. Sendo uma muçulmana devota, ela se recusou.

“Os médicos tentarem fazer com que ela matasse o bebê (eu), mas como uma boa devota de Allah, não aceitou o conselho deles”, explicou Joseph, que nasceu na Índia.

Em meio à crise da gravidez, sua mãe orou: “Allah, a ti pertence a vida, por isso eu sei que só tu podes dar e tirar a vida. Se deres vida a este bebê, te entregarei este bebê”.


Joseph sempre ouviu em casa que seu nascimento foi um milagre, mas o voto que sua mãe fez ao Islã teve consequências indesejadas. “Como eu fui consagrado a Allah, meus pais não me colocaram na escola normal. Minha infância foi muito ruim”, lembra.

Aos oito anos, ele foi para um colégio muçulmano para que pudesse se preparar desde cedo para se tornar um imã, líder islâmico de uma congregação. Com cerca de 10 anos de estudo, ele atingiu esse objetivo.


Na mesquita, ele pregava que Jesus Cristo não é Deus. “Para mim, Allah era o único deus e como ele nunca se casou, não haveria possibilidade de ele ter filhos. Por isso eu pregava que Jesus não era Deus”.

Até que um dia alguém lhe perguntou “Quem é Jesus?”. Embora o imã Mario Joseph tinha certeza que Jesus não era Deus, não sabia ao certo como responder àquela pergunta.

Passou a estudar o Alcorão exaustivamente, buscando uma resposta. “Quando li com calma, achei o nome do profeta Maomé em quatro passagens do Alcorão, mas o nome de Jesus está em 25 passagens”, afirmou ele.

A partir de então começou a se perguntar: “Por que o Alcorão fala mais o nome de Jesus que o de Maomé?”. Outra questão que achou ainda mais estranha foi ver que o único nome de mulher citado no Alcorão é o de “Mariam”, ou seja, Maria, a mãe de Jesus.


Em outras passagens do Alcorão o imã encontrou Jesus sendo chamado de “Palavra de Deus” e “Espírito de Deus”. Uma delas diz até “Jesus Cristo”, o seu título, que significa “ungido”, “enviado”.

“O Alcorão menciona Jesus curando um cego de nascença e um homem com lepra. Curiosamente, também diz que Jesus ressuscitou os mortos, que foi para o céu, que ainda está vivo e que virá novamente”, destaca Joseph. O imã percebeu que Maomé nunca curou nenhum doente nem ressuscitou mortos. “Ele morreu. De acordo com o Islã, não está vivo e não voltará”, compara.

Como imã muçulmano, ele se deparou com todas essas diferenças entre Jesus e Maomé, mas ainda não estava pronto para chamar Jesus de Deus. Mesmo assim, já percebia que Jesus era um profeta maior que Maomé.

Voltando para a sala de aula


A decisão de Joseph foi procurar seu professor no colégio islâmico e indagar: “Como Allah criou o universo?”. A resposta foi que ele criou o universo “através da palavra”.

“Essa palavra é o criador ou a criação?”, insistiu Joseph. Esperando a resposta do professor, lhe ocorreu o seguinte pensamento: “Se meu professor disser que a Palavra é o Criador, então Jesus é o Criador, e os muçulmanos deveriam ser cristãos. Se ele disser que a Palavra é a criação, então como Deus criou a Palavra?”.

Naquele momento o professor se irritou, percebendo que estava preso numa outra lógica. “Ele ficou muito bravo, me empurrando para fora da sala, disse: “A palavra não é o Criador nem a criação, agora saia daqui”.

Depois daquela discussão, Joseph foi para casa e abriu o Alcorão aleatoriamente. O livro abriu na Surata 10, cujo verso 94 diz: “Porém, se estás em dúvida sobre o que te temos revelado, consulta aqueles que leram o Livro antes de ti”. Ele sabia que “o Livro” era como os cristãos chamavam a Bíblia.

Confuso, ele fez uma oração: “Allah, diga-me o que devo fazer, pois o Alcorão diz que Jesus ainda está vivo e que Maomé está morto. Em quem devo acreditar?”. Alguns dias depois, ele tomou uma decisão que mudaria sua vida.

Estudando a Bíblia

“Eu decidi estudar a Bíblia e fui ao Centro de Retiro Divino.” Ali começou a ler o Novo Testamento e logo se deparou com o primeiro versículo do evangelho de João em árabe: “No princípio era a Palavra e a Palavra estava com Deus e a Palavra era Deus”.

“Então o Alcorão Sagrado diz que Jesus é a Palavra de Deus, agora a Bíblia Sagrada também diz que Jesus é a Palavra de Deus”, concluiu. Quando chegou no versículo 12 recebeu um grande impacto. “Aquela foi uma palavra tão linda para mim. Dizia que Jesus dá a todos que o recebem o poder de se tornar filho de Deus”.

Ele também ficou fascinado pelo ensinamento de Jesus sobre a oração, que começa com a palavra Abba (pai). “Não consigo expressar minha alegria sempre que chamo meu Deus de pai e sempre que penso que o Criador do universo é meu pai, fico com uma alegria que não consigo expressar… está além da minha experiência… é uma experiência que não posso explicar”, comemora.

Quando o poder da Palavra e do Espírito Santo tocou seu coração, o imã exclamou: “Eu preciso de Jesus, porque quero ser um filho de Deus e chamar meu Deus de ‘pai’”.

Naquele momento, ele nasceu de novo!
A família descobre

Porém, ele estava longe de casa há muito tempo. Seus pais achavam que ele estava na mesquita e os membros da mesquita pensavam que ele estava em casa. “Quando eles se comunicaram, começaram a procurar por mim em todos os lugares”, lembra.

Quando seu pai chegou ao centro de retiro, sabendo que era um local cristão, ficou furioso. “Meu pai chegou lá e me espancou até eu ficar inconsciente”, revela.

Quando Joseph recuperou a consciência, estava em um pequeno quarto e sem roupa. “Eu estava completamente nu. Minhas mãos e pernas estavam presas com muita força. Já não conseguia falar porque havia pó de pimenta em minha boca, nariz, olhos e em todas minhas feridas, para me causar ainda mais dor.”

Seu pai achava que fazer aquilo com o filho era obedecer à lei do Alcorão, que estabelece punições para aqueles que rejeitam o Islã. “Eles não me deram comida nem água. Dentro de poucos dias eu fiquei desidratado e com meus lábios racharam. Eu estava tentando lamber um pouco de sangue para molhar a garganta, quando meu irmão passou urina na minha boca. Ele disse que aquele era o castigo para quem acredita em Cristo.”

Depois de 20 dias confinado no pequeno quarto, Joseph desmaiou. “Meu pai entrou e removeu as amarras. Viu que eu não estava acordado. Mesmo assim, me enforcou com bastante força para saber se eu ainda vivia. Quando fez aquilo, eu não consegui mais respirar. Ao abrir meus olhos, vi uma grande faca na mão dele”.

“Chegou a sua hora”, disse o pai de Joseph. “Se você disser que precisa de Allah, vou deixar que você viva. Se disser que precisa de Jesus, eu vou te matar”.

Ele conhecia seu pai e sabia que não era apenas uma ameaça. Contudo, algo estranho e inesperado aconteceu. “De repente, uma luz brilhou em minha testa. Algo caiu sobre mim e houve uma espécie de choque elétrico. Senti algo passando por minhas veias. Eu não conseguia me controlar, havia tanta energia em mim. Puxei a mão do meu pai e gritei ‘Jesus!’.

Naquele momento, seu pai caiu no chão, em cima da faca. “Em seu peito havia uma grande ferida e ele sangrava. Saia algum tipo de espuma de sua boca e ele começou a gritar”, explica.

Seus familiares correram para ver o que estava acontecendo. “Eles achavam que meu pai estava morto. Levaram ele para o hospital na mesma hora. Quando saíram, esqueceram de trancar meu quarto pelo lado de fora.”

Ainda sentindo aquela “explosão de energia sobrenatural”, Joseph saiu da sala, vestiu as roupas de seu pai e sai de casa. Chamou um táxi que passava pelo local e o taxista era cristão! Eles conversaram e o motorista pagou uma refeição para Joseph e o levou para outra cidade.

“Naquele dia, entendi que Jesus está vivo. Eu sei que ele está presente em todos os lugares”, disse o ex-imã.

Apesar das perseguições, Mario Joseph já prega o evangelho há quase 20 anos. Ele já fez campanhas em diferentes lugares do Oriente Médio. “Meu Jesus está vivo e ele está me protegendo”, comemora.

“Se você me perguntar como me tornei cristão, não foi por causa de meu pai, minha irmã, nem alguma figura religiosa. Foi o Alcorão Sagrado que me levou ao cristianismo”. Com informações de God Reports

Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br

sábado, 21 de abril de 2018

Mulher é curada na farmácia após ser evangelizada por judeu messiânico, em Israel


Um judeu messiânico evangelizou uma mulher enquanto orava por sua cura na porta de uma farmácia em Israel.


Imagem ilustrativa. Farmácia do Hospital Hadassah Ein Kerem, localizado no subúrbio de Jerusalém. (Foto: Shutterstock)

Qualquer lugar ou momento podem ser ideais para manifestar o amor de Jesus Cristo. O judeu messiânico Ron Cantor levou a mensagem do Evangelho a uma mulher enquanto orava por sua cura na porta de uma farmácia em Israel.

Ron, que é líder na Tiferet Yeshua, uma congregação de língua hebraica em Tel Aviv, estava de passagem num shopping em Mevasseret Zion, um subúrbio de Jerusalém. Ele foi até uma farmácia quando notou que uma mulher à sua frente estava com uma forte dor nas costas.

“Então a mulher com dor parou do lado de fora da farmácia inexplicavelmente (como se Deus estivesse fazendo ela esperar para que eu orasse por ela) enquanto eu pagava pelo meu item. Obviamente, eu deveria orar por ela”, ele contou no blog Messiah’s Mandate.

Assim que a mulher ameaçou ir embora, Ron correu para fora da farmácia. “Com licença. Você disse à funcionária da farmácia que tem dor nas costas?”, ela respondeu que sim. “Posso orar por você? Acredito que Deus vai curar suas costas bem aqui”, ele afirmou.

A mulher ficou assustada com a proposta, mas acabou cedendo. “Eu orei por ela em nome de Yeshua (Jesus em hebraico) e pedi para ela checar as costas. Toda a dor foi embora! Ela estava em choque”, celebra Ron.

“Expliquei que Deus a curou porque Ele quer conhecê-la e quer que ela O conheça. Ela ficou muito grata e eu perguntei se ela poderia esperar um minuto. Eu corri para o carro e peguei meu livro de testemunhos em hebraico”, conta Ron. “Eu corri de volta e lá estava ela. Expliquei que Deus a ama, e que a cura foi apenas o começo. Ele quer mais. Ela não tinha ideia do que eu estava falando, mas agora ela tem toda a informação que precisa”.

Ron acredita que sem a manifestação da cura, provavelmente, aquela mulher não estaria interessada em ouvir sobre Jesus. “Quando alguém experimenta a presença de Deus, ou um pequeno milagre como a cura das costas, eles abrem o coração para ouvir o Evangelho”, observa.

O judeu messiânico avalia também que Deus entrega os dons do Espírito Santo para que as pessoas sejam suas testemunhas. “Devemos ser proativos em usá-los, não passivos. Dê uma chance e você ficará surpreso com a forma como Deus te apoia. Ele está mais ansioso para te usar, do que você está para ser usado por Ele”.

“Há pessoas feridas por aí que precisam ouvir a verdade. Nós somos o plano de Deus para alcançá-los”, ele conclui. “Não há plano B. Neste mundo, somos como Jesus”.


FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE CHARISMA NEWS

sexta-feira, 20 de abril de 2018

Israel comemora 70 anos promovendo concurso bíblico na TV

Netanyahu afirmou que “a Bíblia é a rocha da nossa existência”


por Jarbas Aragão

Benjamin Netanyahu e Ezriel Shilat

Em meio às comemorações dos 70 anos de Israel, foi realizado no Teatro de Jerusalém e transmitido em cadeia nacional de televisão o Concurso Internacional da Bíblia. Trata-se de uma competição de conhecimento bíblicos, onde adolescentes judeus de vários países respondem perguntas sobre relatos do Antigo Testamento, além de questões sobre geografia e história de Israel.

Ao todo, foram 4.000 alunos competido, de 41 nações. Todos os finalistas passaram por fases preliminares em seus países de origem. Este ano, além dos nascidos em Israel, havia representantes de Estados Unidos, México, Argentina, Panamá e África do Sul.

A competição entre os 16 participantes de ambos os sexos contou com a presença do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e do ministro da Educação Naftali Bennett, além de outras autoridades.


O premiê afirmou que “a Bíblia é a rocha da nossa existência” e que o heroísmo de figuras bíblicas como Sansão, Gideão, Josué e o rei Davi continuam inspirando as futuras gerações.

“Os versículos da Bíblia fazem parte do que define nossa existência em nossa terra natal… Aqui estão nossas raízes, se Deus quiser, para sempre”, disse Netanyahu.


Bennett disse em seu breve discurso que o Concurso da Bíblia é um dos pontos altos do Dia da Independência. “Se olharmos para as nações do mundo, não encontraremos nenhuma outra que celebre sua independência promovendo um livro. Nosso livro é o Livro dos livros. Encontramos nele a essência de nossa independência e nossa identidade como uma nação nesta terra”.

O vencedor foi Ezriel Shilat, 17 anos, que é estudante de teologia judaica e o segundo lugar ficou com Oriah Cohen, moradora de Haifa, norte de Israel. Com informaçõesJerusalém Post

Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br

quinta-feira, 19 de abril de 2018

Israel faz 70 anos, como “cumprimento da grande profecia”

O ressurgimento do estado de Israel foi milagroso, acredita historiador


por Jarbas Aragão

Ore por Israel

Israel iniciou hoje (18) as celebrações de seu septuagésimo aniversário de independência. Em 14 de maio de 1948, David Ben Gurion anunciou o estabelecimento do Estado judeu. Quase dois mil anos depois de ter “desaparecido”, Israel voltar a tomar o seu lugar entre as nações.

O vice-ministro de Diplomacia Pública e historiador de Israel, Michael Oren, lembro que poucas horas depois de seu ressurgimento, seis nações árabes atacaram o país, inconformados com a decisão da ONU de permitir que os judeus reocupassem a terra de seus antepassados.

Ele aponta para os elementos da “Guerra da Independência”, que ocorreu entre maio de 1948 e janeiro de 1949. “Havia 600 mil pessoas aqui, mais ou menos do tamanho de uma cidade ocidental de porte médio. Eles tinham pouco armamento e combateram seis exércitos árabes ao mesmo tempo. Israel não tinha economia forte, nem aliados e parte de sua população eram sobreviventes vindos da Europa depois do Holocausto!”, destaca.

Após desse “batismo de fogo”, Israel não apenas sobreviveu, também prosperou muito. “Nossa economia tem uma das maiores taxas de crescimento do mundo. Temos um dos exércitos mais poderosos do mundo; somos líderes mundiais em tecnologia e Israel regularmente fica nas listas de países mais poderosos do mundo”, resume Oren.

Para ele, “Em perspectiva histórica, a situação de Israel não é menos que um milagre.”

O sentimento do primeiro primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu é o mesmo. Durante a Conferência de Mídia Cristã, em outubro de 2017, o premiê foi perguntado “por que Israel tenta ajudar tantas outras nações quando está cercado de inimigos por todos os lados?”

Tikun Olam – a reparação do mundo

Netanyahu disse à plateia: “Porque somos uma luz para as nações. É o cumprimento dessa grande profecia. Na verdade, é isso que Israel está fazendo. Vocês podem ver isso acontecendo em lugares como Haiti, Filipinas ou México”.

Ele deu vários exemplos, destacando que, quando Israel enviou ajuda ao México após o recente terremoto devastador no ano passado, os mexicanos os aplaudiram nas ruas.Terremoto no México

“Eles simplesmente amam Israel e você vê isso em muitos lugares ao redor do mundo. As pessoas dizem, o que vocês estão fazendo? A resposta é: Estamos cumprindo nossos valores mais profundos, Israel é uma luz para as nações”, assegurou.

Mas há outra profecia que está se cumprindo: Israel não está apenas indo para as nações, mas agora as nações estão vindo para Israel.

Isso aconteceu de diferentes maneiras. A recente convenção Our Crowd atraiu para Jerusalém 10.000 pessoas, de 90 países de todo o mundo. Era um encontro de inovação e investimento de alta tecnologia.

Jonathan Medved, o fundador da Our Crowd, explicou que o que está acontecendo hoje é um reflexo do que aconteceu em Israel por 4.000 anos. “Nós somos chamados de a nação startup. Sempre fomos sonhadores aqui em Israel, desde o tempo de Abraão e dos profetas, sempre houve notícias incríveis vindo deste país”, afirma.

Shahar Shilo, consultora do Museu da Torre de Davi, na entrada da Cidade Velha de Jerusalém. Ele lembra que muitos acreditam que o espaço fazia parte do palácio do Rei Herodes onde, há dois mil anos, ocorreu o julgamento de Jesus.

O especialista assegura que, desde a sua fundação, Israel preservou os locais históricos e bíblicos, escavou seu antigo passado e abriu suas portas para pessoas de todas as religiões. Ele diz que essa é uma das missões especiais de Israel.

“O turismo é muito mais do que apenas ganhar dinheiro. O turismo é fazer amigos. Pelo turismo criamos parceria com pessoa de todo o mundo. Estamos sempre dizendo, antes de vir para Israel quando você lê a Bíblia, você só imagina. Quando visita Israel, cada história, seja sobre Paulo, Pedro, Maria ou Jesus. Tudo é vívido e vibrante, eu diria em full HD ou 4k. Algo acontece em sua alma e você nunca mais será o mesmo”, descreve, entusiasmado.

Seja ajudando o mundo através do alcance humanitário, trazendo inovação para os investidores globais ou sendo administrando os lugares bíblicos, muitos acreditam que estes são simplesmente um cumprimento da missão de Israel para o mundo – Tikun Olam – o princípio judaico de reparar o mundo. Como o profeta hebreu Isaías escreveu há quase 2.700 anos, ser, de fato, uma luz para as nações. Com informações de CBN

Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br