Google+ Followers

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Missionária morreu para salvar crianças judias do nazismo, na Segunda Guerra

Jane Haining foi professora de crianças judias em uma escola na Hungria e se recusou voltar ao seu país de origem, para protegê-las do nazismo.

A escocesa Jane Haining foi missionária na Hungria e ajudou salvar crianças judias, durante a Segunda Guerra Mundial. (Imagem: Guiame)
A escocesa Jane Haining foi missionária na Hungria e ajudou salvar crianças judias, durante a Segunda Guerra Mundial. (Imagem: Guiame)
Uma missionária escocesa que morreu ajudando a proteger as estudantes judias do regime nazistana Hungria deve ser homenageada em sua cidade adotiva de Budapeste.

Jane Haining foi uma missionária da Escola Missão Escocesa ("Scottish Mission School") durante a Segunda Guerra Mundial e será o foco de uma nova exposição no Centro Memorial do Holocausto na capital húngara.

Sua história tinha sido "negligenciada" pela cidade, disse o porta-voz Zoltan Toth-Heinmann sobre a missionária da Igreja da Escócia (Protestante), descrevendo-a como uma figura "única e importante".

Haining teve seu retorno à Escócia exigido pelos oficiais da Igreja da Escócia - devido ao ambiente de guerra e opressão que se instalou na Alemanha da época - mas se recusou, dizendo: "Se essas crianças precisam de mim em dias de sol, quanto mais elas precisam de mim nos dias da escuridão?".

Ela foi presa em 1944, acusada de trabalhar a favor de judeus e levada para Auschwitz-Birkenau, onde morreu aos 47 anos.

A missionária cresceu em Dunscore, perto de Dumfries (Escócia), e Toth-Heinmann visitou a Igreja do 'Queen's Park' em Glasgow, onde ela congregou antes de se mudar para Budapeste, em 1932.

"A história de Jane Haining é uma parte importante da história do Holocausto em Budapeste, e às vezes, para o público em geral, pode ser negligenciada", disse ele.

"Ela era única, porque todos os outros personagens da vida real nessa história - socorristas, vítimas e perpetradores - eram pessoas locais", acrescentou. "Ela foi a única que teve a chance de escolher entre ficar lá para arriscar sua própria vida, salvando crianças ou simplesmente partir de volta para a Escócia".

Toth-Heinmann também lembrou que queria que o maior número possível conhecesse a história de Jane e espera que a exposição "ilustre seu heroísmo aos visitantes".

Ele disse: "O principal objetivo será a educação dos jovens para que eles possam aprender que às vezes é importante fazer sacrifícios".

"Temos vários itens relacionados à sua vida - artefatos, fotografias e documentos - que, juntamente com os testemunhos de alguns de seus ex-alunos, aproximarão sua história dos visitantes", explicou.

O Reverendo Ian Alexander, secretário do conselho missionário mundial da Igreja da Escócia, disse: "A história de Jane Haining é dramática, mas também verdadeiramente inspiradora para nós".

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN TODAY

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Cristãos ajudam sobreviventes de desastre que matou mais de 400 pessoas, em Serra Leoa

Fortes chuvas causaram deslizamentos na última segunda-feira, deixando mais de 3 mil pessoas sem moradia.

Os deslizamentos deixaram mais de 3 mil desabrigados. (Foto: Reuters).
Os deslizamentos deixaram mais de 3 mil desabrigados. (Foto: Reuters).
Cristãos e outros grupos humanitários estão se unindo ​para ajudar o que estão chamando de a pior devastação de Serra Leoa, que deixou cerca de 400 pessoas mortas, e mais de 600 desaparecidos. As fortes chuvas provocaram inundações, que por sua vez causaram  deslizamentos na última segunda-feira (14).

"Vi várias casas desaparecendo, estradas completamente afastadas. Em uma ponte vi duas pessoas que já estavam mortas sendo puxadas para fora da água. Em apenas uma das comunidades em que trabalhamos, 60 pessoas morreram e 300 perderam suas casas. Uma das igrejas foi atingida pelo deslizamento de terra", disse Gaston Slanwa, representante da Tearfund em Serra Leoa, de acordo com The Guardian.

A Reuters informou que estão lutando para "encontrar espaço para todos os mortos", lidando com as consequências catastróficas de um deslizamento da montanha na cidade de Regent. "Nosso problema aqui é o espaço. Estamos tentando separar, quantificar e examinar rapidamente e depois emitiremos certificados de óbitos antes do enterro", disse Owiz Koroma, chefe do depósito central em Freetown.

Número de mortos
O presidente Ernest Bai Koroma ordenou que todos os moradores de Regent e outras áreas inundadas em torno de Freetown evacuassem imediatamente, enquanto o chefe principal Seneh Dumbuya compartilhou que teme o aumento do número de mortos para mais de 500. Koroma lutou contra lágrimas quando visitou Regent na segunda-feira, informou a BBC News.

"Comunidades inteiras foram eliminadas. Precisamos de apoio urgente agora", disse o presidente. "Esta tragédia de grande magnitude mais uma vez nos desafiou a nos unir, ficar um ao lado do outro e nos ajudar uns aos outros". Issatu Koroma, cujo filho e sobrinho estão desaparecidos no deslizamento de terra, disse a repórteres:

"Tudo se foi. Perdemos tudo. Nossa casa, tudo. A lama caiu com a água tão rápido e meu filho não escapou. Nós o encontramos deitado na lama. Ele era apenas um menino. Eles levaram seu corpo com os outros para um lugar que eu desconheço. Deus ajuda Serra Leoa. Por que somos amaldiçoados? O que devemos fazer agora?", questionou.

A pior de todas
James Chfwelu, diretor nacional de organização cristã World Vision em Serra Leoa, disse ao primeiro ministro que a devastação foi "a pior que este país já viu". "Em primeiro lugar, queremos ser reais e apenas dizer que isso é doloroso, isso é algo que foi inesperado, mas acho que a palavra de esperança para aqueles que sobreviveram é que, mesmo que estejam nesta situação desesperada, seja ferida, órfã ou sem-teto, eles estão muito melhores do que aqueles que realmente morreram. Foram muitas vidas perdidas", disse Chfwelu.

"Para aqueles que sobreviveram, estamos levando a Palavra de Deus com esperança em vez de preocupá-los com a situação". O Tearfund pediu aos cristãos que orassem. "Por favor, orem pelo conforto de Deus para as centenas de famílias afetadas, para os nossos parceiros da igreja que trabalham incansavelmente para ajudar os membros da comunidade local e para melhorar o acesso que nos permite alcançar aqueles que estão precisando desesperadamente, oferecendo alimento também", exortou.

O porta-voz da Cruz Vermelha, Abu Bakarr Tarawallie, alertou que pelo menos 3 mil pessoas ficaram desabrigadas e precisam de moradia, assistência médica e alimentos. "Também temos medo de surtos de doenças como cólera e febre tifoidea", disse Tarawallie. "Nós só podemos esperar que isso não aconteça", finalizou.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN POST

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

“Se preparem para a vinda de Jesus Cristo”, anuncia ex-presidente da Nigéria

Olusegun Obasanjo alertou sobre a segunda vinda de Jesus Cristo durante um discurso numa igreja.

Olusegun Obasanjo foi presidente da Nigéria entre 1999 e 2007. (Foto: Reprodução)
Olusegun Obasanjo foi presidente da Nigéria entre 1999 e 2007. (Foto: Reprodução)
O ex-presidente da Nigéria, Olusegun Obasanjo, alertou sobre a segunda vinda de Jesus Cristo durante um discurso realizado em uma igreja no último sábado (12).

“Vocês precisam estar completamente preparados para a segunda vinda do nosso Senhor, não há acordo”, disse Obasanjo na Igreja Fé Apostólica Choir no estado de Ogun, na Nigéria.

Obasanjo, que foi presidente do país entre 1999 e 2007, aproveitou o momento de louvor para dizer que a adoração é uma indicação do que será o céu.

“Jesus Cristo veio ao mundo para nos mostrar o caminho para a salvação e para a vida eterna. Temos uma boa herança e temos tudo para nos orgulhar", disse ele, segundo a Agência de Notícias da Nigéria.

O político falou ainda sobre a situação do país africano e sua mudança diante da fé. “A Nigéria pode ser consertada por Deus, mas devemos convidá-Lo para as nossas vidas. O que temos que fazer com este país está em nossas mãos. A graça de Deus é abundante quando não abusamos dela”, afirmou.

A Nigéria tem sido marcada nos últimos anos por uma crise econômica provocada pelos conflitos contra o grupo terrorista Boko Haram, que tem assassinado tanto cristãos como muçulmanos.

Embora o governo tenha dito que o grupo extremista islâmico foi coagido no ano passado, o líder do grupo, Abubakar Shekau, ressurgiu para declarar que não há espaço para que os cristãos convivam com muçulmanos no país.

A imprensa nigeriana estima que a guerra contra o Boko Haram já resultou em pelo menos 20 mil vítimas desde seu início em 2009, tendo cristãos como principal alvo do grupo.
Adebayo Adeniran, superintendente distrital da Igreja Fé Apostólica na África Ocidental, aproveitou a reunião do último sábado para convocar os cidadãos a promover a convivência pacífica, independentemente das diferenças religiosas e políticas.

“Os ombros do nosso país serão elevados entre a cortesia das nações. Todos os nigerianos, independentemente da religião, devem orar pela ressurreição daquilo que a nossa nação perdeu”, declarou Adeniran.

“Os nigerianos devem permanecer pacientes diante da intolerância política e religiosa, da insegurança e das dificuldades econômicas. Deus nos fará triunfar sobre tudo isso”, disse ele.
FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE THE CHRISTIAN POST

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Ex-funcionário do Facebook prevê “apocalipse digital”

Antônio se refugiou em uma ilha afastada para se proteger

por Tiago Abreu

Resultado de imagem
Ex-funcionário do Facebook prevê "apocalipse digital"

Antonio García Martínez trabalhou por dois anos como gerente de produto do Facebook. Atualmente, decidiu deixar a vida tecnológica, foi para uma ilha no norte dos Estados Unidos e constrói um abrigo para se defender de um ‘apocalipse tecnológico’ que acredita estar vindo.

Ele morava na cidade de San Francisco, um dos polos da indústria tecnológica nos Estados Unidos, mas por acreditar que existirá uma catástrofe social daqui a alguns anos, decidiu mudar de vida.

Antonio afirma que o principal problema será a falta de empregos pela automação de atividades, o que ocasionará conflitos sociais. Martínez, então, não vê o futuro com bons olhos.

“Dentro de 30 anos, metade da humanidade não terá trabalho. E a coisa pode ficar feia, pode haver uma revolução. É por isso que estou aqui. Em San Francisco, eu vi como o mundo será daqui cinco a dez anos”, afirmou ele.

“Você pode não acreditar que está vindo, mas está – e tem a forma de um caminhão sem motorista prestes a te atropelar”, acrescentou Antonio García Martínez em entrevista a BBC.

O ex-executivo escolheu sua residência em um barco que se localiza na ilha de Orcas, no estado de Washington, perto da fronteira com o Canadá. Também possui terras na ilha e, atualmente, está a construir um abrigo caso haja necessidades futuramente.

Além da segurança estrutural, Martínez está armado com um fuzil AR-15 e diz que toda essa infraestrutura lhe garantiria uma segurança durante um tempo do caos. Ainda, escolheu o local por causa da posição remota e do fator estratégico de se posicionar perto da fronteira.

“Ninguém me conhece aqui. E dá para ir nadando ou de caiaque até o Canadá se a situação exigir”, contou. Também destacou, como vantagens, o clima e a fertilidade da terra.

Além de ter trabalhado no Facebook com marketing digital, Antonio desenvolveu uma start-up de anúncios digitais que, mais tarde, foi vendida para o Twitter. Martínez é doutor em Física pela Universidade da Califórnia.

Autor da obra Chaos Monkeys: Obscene Fortune and Random Failure in Silicon Valley, Antonio falou da sua experiência ao trabalhar no Facebook e suas outras atividades de investimento de start-ups.

Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Arqueólogos buscam indícios do tabernáculo bíblico nas ruínas de Siló

Expedição achou uma grande quantidade de ossos, que pode ser de animais sacrificados

por Jarbas Aragão
Resultado de imagem

Arqueólogos buscam indícios do tabernáculo bíblico


Munidos de pás e de muita fé, uma equipe de arqueólogos norte-americanos faz escavações nas colinas da antiga cidade de Siló, na atual Cisjordânia. Eles seguem as pistas oferecidas pela Bíblia sobra a localização do Tabernáculo, ou a Tenda do Encontro, onde ficava a Arca da Aliança.

O trabalho da Associates for Biblical Research (ABR) que dura cerca de dois meses ainda não ofereceu resultados concretos. Na verdade, várias outras escavações já foram realizadas no sítio arqueológico de Tel Shiloh desde o século passado. Obviamente, encontrar vestígios do histórico tabernáculo, que abrigava as famosas tábuas dos Dez Mandamentos, seria um grande feito.

O pastor Scott Stripling, que há 20 anos é professor na Universidade Batista de Houston, nos EUA, e diretor de escavações da ABR, afirma: “há quem diga que a Bíblia não é confiável, mas para nós a Bíblia é um documento histórico sério”.

Em entrevista à Fox News, Stripling insistiu: “Estamos confiantes de que o tabernáculo repousou em Siló. Foi ficou montado em Siló por volta do ano 1400 a.C., Josué 18:1 menciona isso”.

Maior quebra-cabeça do mundo

Até o momento, as escavações revelaram 10 enormes jarros de cerâmica que seriam anteriores à construção do Primeiro Templo. Os arqueólogos destacam que podem ser um indício de que o local foi abandonado abruptamente, conforme é descrito na Bíblia.

Nessas escavações, foram encontradas cerca de 2 mil peças de cerâmica além de 700 objetos, que incluem 250 moedas, joias, ferramentas, armas de metal e de pedra, pedaços de vasos de pedra usados em rituais judeus, e um kobaat, cálice ritual que provavelmente era usado em práticas religiosas.

Mas até agora, não há sinais inequívocos de onde ficava o tabernáculo. “É o maior quebra-cabeças do mundo”, avalia o professor. Usando as técnicas arqueológicas mais modernas, incluindo tecnologia digital, sua equipe acredita que poderá encontrar provas da história narrada na Bíblia.

Eles se preparam para escavar durante os próximos 20 anos, embora acreditem que os resultados esperados aparecerão antes.

A escavação mais recente desenterrou nas fortificações do norte da cidade antiga uma grande quantidade de ossos de animais. Stripling acredita que eles podem estar relacionados aos sacrifícios de animais no local sagrado. “Achamos uma enorme quantidade de ossos. Você tem 350 anos de sacrifícios, para onde todos esses ossos vão?”, questiona, numa referência ao tempo aproximado em que o Tabernáculo ficou em Siló.
Escavações em Siló
Escavações em Siló

Os ossos estão sendo meticulosamente analisados pela ABR. “A Bíblia especifica quais animais deveriam ser sacrificados e também diz que eram animais jovens”, lembra o chefe da expedição. “Se esses ossos combinam com os animais do sistema de sacrifício bíblico e a idade especificados, então podemos ter uma clara evidência que o tabernáculo ficava aqui perto”, comemora.

O grupo espera receber resultados da análise óssea – feita nos Estados Unidos – nas próximas semanas.

Segundo a Bíblia, Moisés indicou os preceitos, segundo o que teria sido dito por Deus, para a construção da Arca da Aliança, onde seriam guardadas as tábuas dos Dez Mandamentos.

Os arqueólogos acreditam que o tabernáculo que alojou a Arca só pode ter sido instalado em Siló, que teria sido o grande lugar de oração dos israelitas antes da construção do Primeiro Templo, em Jerusalém.

A pesquisa da ABR está focada num local específico. As dimensões de um “tel” ou “monte” no centro das ruínas da antiga Siló correspondem as descrições bíblicas do tabernáculo, insistem eles.


História recontada

As Escrituras afirmam que o Tabernáculo era o cento da adoração dos judeus durante pelo menos 350 anos na antiga cidade de Siló, até ser destruído pelos filisteus no ano 1.050 a.C., Stripling disse à Fox News. Recontando a história bíblica, ele diz que a Arca da Aliança foi perdida para os inimigos, mas logo voltou às mãos dos israelitas após a intervenção divina.

Estudiosos apontam que a Arca da Aliança foi levada para Jerusalém pelo rei Davi por volta do ano 1.000 a.C. Ela estava no Primeiro Templo, construído por seu filho Salomão, mas desapareceu da narrativa bíblica quando a cidade santa foi destruída pelos babilônios, em 587 a.C.

Até hoje existem múltiplas teorias sobre seu destino. Enquanto algumas pessoas acreditam que o ouro dos objetos sagrados e da Arca foi derretido pelos babilônicos, outros alegam que a Arca foi levada para o Monte Nebo, na Jordânia, enquanto outros afirmam que está na Etiópia.

Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br

domingo, 13 de agosto de 2017

Água em vinho: Descoberta fábrica de talhas na Galileia

Objetos são semelhantes aos usados por Jesus em seu primeiro milagre  

por Jarbas Aragão

Água em vinho: Descoberta fábrica de talhas na Galileia

Arqueólogos israelenses descobriram uma oficina de produção de vasilhas de pedra com 2.000 anos de idade na Galileia, norte de Israel. No local eram fabricados recipientes similares aos usados por Jesus para transformar água em vinho, o primeiro milagre narrado nos Evangelhos.
“O hábito de os judeus daquela época usarem vasilhas de pedra por razões religiosas é algo bem documentado nas fontes talmúdicas e no Novo Testamento”, explicou nesta quinta-feira (10) Yardena Alexandre, arqueóloga do Instituto de Antiguidades de Israel, que destaca o caráter ritualístico do material encontrado.
Os vasos eram fabricados com cerâmica durante o Império Romano. Mas os judeus consideravam o material impuro e inapropriado para os rituais de purificação pela sua possibilidade de ruptura. Por isso começaram a fabricar utensílios de pedra.
“É possível que os grandes recipientes de pedra do tipo mencionado nas Bodas de Caná da Galilea fossem produzidos localmente”, aponta Alexandre. Para ela, a descoberta “proporciona uma evidência fascinante do lugar central da pureza ritualística na vida cotidiana dos judeus galileus no tempo de Jesus”.
As escavações começaram após os achados durante os trabalhos de construção de um centro esportivo e, segundo os especialistas, apontam que os residentes desta zona há 2.000 anos seguiam “meticulosamente” as normas judaicas.
Yonatan Adler, professor da Universidade de Ariel e diretor das escavações, revela que “esta oficina fabricava principalmente canecas e tigelas de vários tamanhos. Os produtos finalizados foram comercializados em toda a região na Galileia. Nossos achados fornecem provas impressionantes de que os judeus eram escrupulosos em relação às leis da pureza”.
O local da escavação é o antigo vilarejo de Reineh, que fica ao lado de Caná, cidade mencionada no Evangelho de João como o local aonde Jesus realizou o famoso milagre, durante um casamento.
Segundo a Bíblia, ele pediu que os servos colocassem água em grandes vasos de pedra, que provavelmente foram feitos no local agora descoberto.
“Mas até agora, neste sítio arqueológico, não encontramos a produção de vasos grandes”, disse Adler. “Provavelmente os usados pelo povo de Caná foram produzidos ou aqui ou em um local exatamente como este, nesta mesma área”. Com informações Daily Mail
Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br

sábado, 12 de agosto de 2017

Palestinos admitem que Israel poderá construir Terceiro Templo no lugar das mesquitas

Classificado de “imaginário", edificação seria plano para “judaizar” Monte do Templo

por Jarbas Aragão

Palestinos admitem que Israel poderá construir Terceiro Templo
Tayeb Abdel Rahim, principal assessor do presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, reclamou publicamente esta semana dos “planos da ocupação para judaizar Al-Quds [Jerusalém] e construir uma sinagoga em preparação para edificarem seu Templo imaginário”.
Segundo ele, “devemos ter cuidado… porque Netanyahu está ferido e tentará se vingar e completar seu plano… ele já abriu os portões para os colonos [judeus] profanar e contaminar nossos lugares sagrados e expulsar nosso povo”, discursou, falando em nome de Abbas.
Para o líder palestino, seria preciso a intervenção dos EUA para que se inicie logo um novo “processo de paz”.
Ao mesmo tempo, o primeiro-ministro da Autoridade Palestiniana Rami Hamdallah, veio a público reclamar que Israel está em campanha para “falsificação da história”, após as recentes resoluções da UNESCO reconhecerem apenas o direito dos muçulmanos ao Monte do Templo  e ao Túmulo dos Patriarcas em Hebrom.
Os islâmicos ignoram a ligação judaica com esses lugares, apesar deles serem mencionados centenas de vezes no Antigo Testamento. Enquanto Israel comemora em 2017 os 50 anos da reunificação de Jerusalém, os palestinos emitiram um documento acusando-os de promover uma “falsificação da narrativa histórica da Cidade Santa”.
Na tentativa de causar intimidação, os palestinos estão pedindo a intervenção da “comunidade internacional” para protege-los e seus locais sagrados. Para isso, pediram que as Nações Unidas rejeitem qualquer proposta para a candidatura de Israel a cargos na organização, pois isso seria considerado um incentivo ao seu “colonialismo” e “desobediência ao direito internacional”.

Crise política e religiosa

As tensões entre Israel e Autoridade Palestina voltam a incluir questões religiosas. Geralmente, os líderes palestinos não abordam a possibilidade da construção do Terceiro Templo como algo plausível.
A última vez que isso aconteceu foi em 2013, quando um dos responsáveis islâmicos por Al-Aqsa alegou que os judeus planejavam destruí-la e para isso usavam produtos químicos para corroer os alicerces da mesquita para que ela desabasse.
A Mesquita de Al-Aqsa e o Domo da Rocha ficam no alto do Monte do Templo, local considerado sagrado por islâmicos. No mês passado, palestinos e israelenses tiveram disputas violentas em relação ao local, após o governo de Israel decidir aumentar a segurança e colocar detectores de metal e câmeras para coibir os ataques terroristas.
Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br