sexta-feira, 9 de fevereiro de 2024

Igreja nos EUA recebe familiares de reféns israelenses: "É uma batalha espiritual"

Duas mulheres compartilharam com a Igreja Batista Prestonwood, em Dallas, as histórias de seus familiares ainda mantidos como reféns em Gaza.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA FOX NEWS


Liel Slifer [à esq.], Dalia Cusnir [centro], e o pastor Jeremiah Johnston falam sobre a situação em Israel na Igreja Batista Prestonwood. (Foto: Batista Prestonwood)

Recentemente, uma megaigreja batista em Dallas acolheu os familiares de duas pessoas mantidas como reféns pelo Hamas em Gaza. A iniciativa foi uma demonstração de solidariedade da comunidade cristã com Israel e seus cidadãos, em resposta ao aumento do antissemitismo.

No dia 28 de janeiro, Dalia Cusnir e Liel Slifer estiveram junto com o pastor Jeremiah Johnston durante os cultos na Igreja Batista Prestonwood, onde compartilharam suas experiências e destacaram a situação de seus familiares.

Aquele fim de semana coincidiu com o Dia da Memória do Holocausto, uma lembrança anual que ocorre no aniversário da Revolta do Gueto de Varsóvia.

Na quinta-feira, em uma entrevista à Fox News Digital sobre o evento, o pastor sênior Jack Graham enfatizou a importância de mostrar solidariedade para com Israel.

“Tivemos a honra de receber em Prestonwood as famílias afetadas pelas atrocidades cometidas contra os israelitas pelos terroristas do Hamas”, disse Graham, acrescentando que a sua congregação ficou “profundamente comovida” com as histórias de Slifer e Cusnir.

“O Hamas ainda mantém brutalmente mais de 100 pessoas como reféns e é imperativo que continuemos a amplificar as suas histórias e a pedir a sua libertação imediata”, acrescentou.

‘Batalha espiritual’

Graham ressaltou que a comunidade cristã deve "estar ao lado de nossos amigos judeus e de nossos amigos em Israel e exigir a libertação imediata dos reféns... Esta é uma batalha espiritual que afeta o mundo inteiro, e continuaremos lutando até que todos estejam em segurança em casa."

Cusnir, que vive em Israel, é cunhada de Eitan Horn e Yair Horn. Os dois irmãos foram capturados no Kibutz Nir Oz em 7 de outubro.

O pastor Jeremiah Johnston assegurou às duas mulheres as orações de sua igreja. (Foto: Batista Prestonwood)

Slifer, que é de Dallas, é prima de Carmel Gat, uma das últimas reféns ainda em confinamento. Gat foi sequestrada em 7 de outubro enquanto visitava seus pais no Kibutz Be'eri.

Falando à congregação da Igreja Prestonwood, Cusnir disse que estava ali para representar a voz de seus dois cunhados, Eitan e Yair, que são irmãos de seu marido, Amos. Ela compartilhou que seu marido foi convidado a ir à casa de Yair na véspera do ataque, mas decidiu não ir.

"Eles simplesmente pararam de nos responder. Não tínhamos ideia do que estava acontecendo."

"Quando o ataque terrorista começou, por volta das 6h30, eu estava em casa", disse Cusnir, e ela imediatamente correu com os filhos para o quarto seguro da família. A primeira coisa que ela fez foi ligar para Eitan e Yair, que relataram que estavam bem onde estavam, dentro de seu próprio bunker.

‘Chocados’

Uma hora depois, no entanto, a situação era completamente diferente.

“Ficamos chocados com os horrores que vimos”, disse Cusnir, quando as imagens do ataque começaram a ser transmitidas pela televisão israelense.

“A última mensagem que recebemos deles foi às 7h30”, disse ela. "Eles simplesmente pararam de nos responder. Não tínhamos ideia do que estava acontecendo."

Inicialmente, Cusnir e sua família tentaram encontrar explicações para o repentino silêncio dos dois homens. Talvez, pensaram eles, as baterias dos celulares tivessem acabado ou os sinais dentro do quarto seguro não estivessem sendo recebidos corretamente.

Naquela noite, porta-vozes do exército informaram a eles que tinham ido à casa de Yair no kibutz, mas nenhum dos homens estava lá.

Inicialmente, os dois irmãos foram classificados como "desaparecidos", pois ainda não haviam identificado todos os corpos no kibutz.

‘Algo errado’

Foi somente em 25 de novembro, quando a primeira leva de reféns começou a ser libertada, que Cusnir e sua família receberam a notícia de que Eitan e Yair estavam, de fato, sendo mantidos como reféns em Gaza.

“Esperamos e oramos para que eles ainda estejam vivos e que os veremos de volta o mais rápido possível”, disse Cusnir.

Slifer, que estava no Texas durante o ataque, compartilhou que levou um momento para processar o que estava acontecendo enquanto recebia imagens e vídeos do Kibutz Be'eri.

Semelhante à reação de Cusnir, Slifer "inicialmente não achou que algo estava errado", disse ela, enquanto recebia mensagens de texto de seus primos durante o ataque.

Além de Carmel, seu irmão Alon, sua cunhada Yarden e sua sobrinha, Geffen, estavam todos visitando o Kibutz Be'eri.

Hamas terrorists still brutally hold over 100 people hostage, including family members of those in the Dallas/Ft. Worth community. This morning, we welcomed family members of those held by Hamas to church to tell their stories. Please watch & please pray for these captives to be… pic.twitter.com/Mfb8UdgnCr— Jack Graham (@jackngraham) January 28, 2024

“E então eles ficaram em silêncio”, ela contou.

"Os terroristas invadiram a casa deles", disse ela, "e mataram os primos um por um."

A mãe de Gat, Kinneret, foi morta. Slifer mesma viu o corpo de Kinneret em um vídeo postado pelo Washington Post.

"Tivemos que ligar para a família dela em Israel e dizer-lhes: 'Embora ainda não tenhamos encontrado o corpo, achamos que ela provavelmente foi assassinada'", disse Slifer, contendo as lágrimas. "A filha dela, Carmel, foi levada."

“O Hamas é uma organização de terroristas – eles vieram até nós, mas também têm outros alvos.”

Alon e Geffen conseguiram escapar de seus sequestradores. Yarden foi feita refém e libertada em novembro de 2023, relatou Slifer.

“Carmel ainda é mantido como refém em Gaza”, disse Slifer. "Ela é apenas seis meses mais velha que eu. Costumávamos dormir na casa dos avós dela em Israel."

Quando um grupo de crianças foi libertado, relataram que Gat estava seguro e saudável.

Até o momento não houve atualizações sobre seu status dessas pessoas desde então.

‘Não se esqueçam’

Cusnir deixou uma mensagem simples para a comunidade batista de Prestonwood: "Continuem falando sobre o que está acontecendo e não se esqueçam."

“Isto não é apenas contra Israel”, disse ela. “O Hamas é uma organização de terroristas – eles vieram até nós, mas também têm outros alvos.”

Cusnir diz que a situação dos reféns é uma “coisa humanitária”.

"Não se trata de um pedaço de terra. Não se trata de direita, de esquerda – isto é só porque eles querem destruir o povo judeu, e não apenas o povo judeu."

Ela continuou: “Precisamos da sua ajuda para manter esta mensagem como algo humanitário”.

Slifer manifestou um sentimento semelhante.

“Prestonwood sempre estará ao lado de Israel.”

Jack Graham, pastor sênior da Igreja Batista de Prestonwood, encontra-se com os familiares dos reféns em Gaza. (Foto: Batista Prestonwood)

"Isto não é política; isto não é esquerda versus direita, judeus versus cristãos. Isto é o bem e o mal", disse Slifer. “É uma batalha entre o bem e o mal. E precisamos de todos vocês, todos os dias, para serem expressivos e solidários.”

“Isso não está afetando apenas a nós, está afetando o mundo”, disse Slifer.

O pastor Johnston garantiu às duas mulheres que oraria por suas famílias e por Israel.

“Prestonwood sempre estará ao lado de Israel”, disse ele.

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2024

Novo relatório alerta sobre desenvolvimento de bomba nuclear do Irã: “Perigo Extremo”

Conforme analistas, o Irã já tem urânio suficiente para a construção de seis bombas atômicas em um mês.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE THE JERUSALEM POST

Sistema de mísseis durante o exercício militar na Bulgária. (Foto: Governo dos EUA)

Há anos que o mundo vive em estado de alerta quanto aos planos que o Irã tem de construir uma bomba nuclear e desencadear uma guerra atômica.

Em maio do ano passado, o Ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, disse que o Irã já acumulou material físsil suficiente para 5 bombas nucleares. Além disso, a ONU já vem alertando sobre o perigo que o país representa por conta de seu grande estoque de urânio.

Conforme o The Jerusalem Post, um novo relatório agora aponta para uma ameaça ainda maior: “O relatório do Instituto de Ciência e Segurança Internacional está alertando sobre a proximidade do Irã de se tornar um perigo nuclear, elevando o seu nível de ameaça para ‘Perigo Extremo’, a mais alta das suas seis classificações”.

Essa é a primeira vez que o Irã apresenta perigo extremo. Vale lembrar que o programa nuclear iraniano existe desde 1990, ou seja, há mais de três décadas que o país árabe trabalha para ser uma potência nuclear.

‘Irã pode construir 6 armas atômicas’

Conforme o relatório, o Irã tem material “mais que suficiente” para ter bombas nucleares. O estoque de urânio altamente enriquecido é capaz de gerar explosivos poderosos.

“O urânio em si não é o único componente necessário para fabricar uma arma nuclear, embora seja de longe o mais difícil de encontrar. Se o Irã quisesse enriquecer ainda mais o seu urânio — de 60% até atingir 90% — poderia fazê-lo rapidamente”, continua o relatório.

“Além disso, seu estoque pode produzir seis armas atômicas em um mês. E, após cinco meses de produção de urânio, poderia ter o suficiente para produzir doze”, especificou.

Estamos perto de ver uma guerra nuclear?

Já faz tempo que o Irã não respeita as regras impostas de outros países quanto ao seu plano nuclear e não tem cooperado com os inspetores nucleares internacionais, nos últimos anos, conforme denuncia o relatório.

Embora haja temores, não há como saber se a humanidade está perto de ver uma guerra nuclear acontecendo. Os “rumores de guerra” são evidentes, principalmente quando os relatórios apontam para a possibilidade do Irã ter armas atômicas.

Segundo uma matéria do Guiame, de setembro de 2022, “77% dos evangélicos acreditam que o Irã usará armas nucleares para destruir Israel. Não é uma opinião aleatória, mas tem base nas declarações do próprio líder supremo do Irã, Aiatolá Khamenei”.

“Mesmo que o Irã desista de seu programa nuclear, a determinação deste país para destruir Israel não vai enfraquecer”, disse seu representante na Guarda Revolucionária, Mojtaba Zolnourdisse, em 2015.

O que a Bíblia diz?

O “princípio das dores” é descrito no livro de Mateus (24.7,8): “Nação se levantará contra nação, e reino contra reino. Haverá fomes e terremotos em vários lugares. Tudo isso será o início das dores”.

De acordo com a Bíblia, “guerras, rumores de guerras e rebeliões” devem acontecer antes da segunda vinda de Cristo, conforme os textos de Mateus 24.6 e Lucas 21.9. São sinais do fim dos tempos, mas conforme o alerta de Jesus: “Ainda não é o fim”.

A rivalidade entre nações e reinos se dá pelos mais diversos motivos: disputa por territórios e terras, diferenças étnicas, religiosas, econômicas e culturais, ideologias e até por posse de recursos como água e minérios.

A história humana é marcada por conflitos, e raríssimos foram os anos nos quais nenhuma guerra aconteceu no planeta. O século 20, por exemplo, ficou marcado por confrontos em diferentes partes do mundo, sendo que alguns deles foram extremamente traumáticos e marcantes — entre eles, as duas Guerras Mundiais.

Agora, em pleno século 21, as pessoas se perguntam se a situação pode ser pior que no século passado. Ao que tudo indica, as guerras estão cada vez mais frequentes e as notícias de guerras não param de chegar.

Enquanto isso, conforme o pastor Lamartine Posella, que comentou sobre o assunto, o papel da Igreja é continuar orando para que Deus estabeleça a paz. “Quando chegar a hora, chegará. Mas, enquanto isso, estamos ‘na brecha’ orando pela paz e por Israel. Vamos orar!”, concluiu.

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2024

Cristãos na Noruega defendem Israel em comício histórico contra o antissemitismo

A filial norueguesa da Embaixada Cristã Internacional em Jerusalém organizou a manifestação em Oslo.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO ALL ISRAEL NEWS

Manifestação cristã pró-Israel em frente ao parlamento norueguês (Foto: International Christian Embassy Jerusalem - ICEJ)

Centenas de cristãos na Noruega realizaram uma manifestação em apoio a Israel e contra o antissemitismo, desencadeado em meio à guerra de Israel contra a organização terrorista Hamas.

A manifestação, considerada histórica para o país escandinavo, aconteceu em frente ao parlamento nacional em Oslo.

O evento foi organizado pela filial norueguesa da Embaixada Cristã Internacional em Jerusalém (ICEJ).

Tradicionalmente marcado por um forte apoio a organizações palestinas, como a OLP (Organização para a Libertação da Palestina) e posteriormente a Autoridade Palestina (AP), a Noruega viu a participação de várias denominações cristãs, incluindo membros das igrejas luterana, católica e pentecostal.

"Foi uma demonstração histórica de apoio cristão a Israel em nossa nação devido à ampla participação de líderes e organizações cristãs. Nada parecido jamais aconteceu durante minha vida", afirmou Dag Øyvind Juliussen, diretor nacional da ICEJ-Noruega.

Antissemitismo crescente

A manifestação cristã pró-Israel também pediu uma maior ação para enfrentar e combater o crescente antissemitismo global.

Em uma declaração conjunta, as denominações cristãs manifestaram tristeza pelo massacre de israelenses ocorrido em 7 de outubro, assim como pela crescente incidência de antissemitismo no mundo.

"Estamos abalados pelo ataque a Israel em 7 de outubro, e é com profunda tristeza que testemunhamos a guerra contínua e o aumento global do antissemitismo e do ódio em relação aos judeus. Como cristãos, sentimos uma responsabilidade especial em defender nossos irmãos judeus, especialmente considerando a história da igreja, marcada por sentimentos antijudaicos e perseguição. Não podemos permanecer em silêncio diante dessa realidade", dizia a declaração conjunta.

Os cristãos pró-Israel também manifestaram sua oposição à organização terrorista Hamas, condenando sua ideologia antijudaica e a carta que preconiza a erradicação do Estado judeu.

"O antissemitismo é um elemento significativo na guerra entre Israel e o Hamas. As declarações do Hamas de que desejam repetir o 7 de outubro uma e outra vez até que Israel deixe de existir demonstram a ideologia antissemita fundamental do Hamas, conforme expresso em suas cartas de 1988 e 2017. Condenamos veementemente tais declarações. O elemento antissemita na guerra e no conflito entre Israel e o Hamas não pode ser ignorado ou esquecido."

Preservação da vida judaica

Abordando os desafios locais na Noruega, os grupos cristãos apelaram aos responsáveis para que intensifiquem os esforços na proteção das instituições judaicas e na preservação da vida judaica no país mais ao norte da Europa.

Atualmente, cerca de 2.000 judeus residem na Noruega, um país pouco povoado, com uma população total de aproximadamente 5,5 milhões, ocupando uma área ligeiramente maior que o estado do Novo México.

Em 1947, a Noruega apoiou o Plano de Partição da ONU, que propunha a divisão do Mandato Britânico da Palestina em um estado judeu e um estado árabe. No entanto, após a Guerra dos Seis Dias em 1967 e a subsequente administração israelense sobre a Judeia e Samaria, internacionalmente conhecida como Cisjordânia, o governo norueguês tornou-se cada vez mais crítico de Israel, especialmente em relação à política de construção de comunidades judaicas nos territórios disputados de Jerusalém.

Judeus e árabes

Na década de 1990, a capital da Noruega desempenhou um papel fundamental no Processo de Paz de Oslo, que buscou, sem sucesso, resolver o conflito no Oriente Médio entre judeus e árabes na Terra Santa.

Em 2022, Israel criticou a decisão da Noruega de rotular os produtos exportados de comunidades judaicas na Judeia e Samaria.

"Esta decisão não contribuirá para o avanço dos laços entre Israel e Palestina e terá um impacto negativo nas relações bilaterais entre Israel e Noruega, bem como na relevância da Noruega para promover as relações entre Israel e os palestinos", declarou o Ministério das Relações Exteriores de Israel.

No mês passado, Israel e a Autoridade Palestiniana concordaram que os fundos congelados, arrecadados por Israel em nome da Autoridade Palestina, seriam transferidos para um fundo fiduciário norueguês. Esses recursos serão exclusivamente destinados à administração na Cisjordânia controlada pela Autoridade Palestina, e não para a Faixa de Gaza, que é governada pelo Hamas.

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2024

Suíça: Pessoas “sem religião” ultrapassam os religiosos pela primeira vez

Nos últimos 50 anos, a proporção de "nenhuma" afiliação religiosa entre a população suíça tem crescido constantemente.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO EVANGELICAL FOCUS

Igreja Saint-Ursanne, Suíça. (Foto: Unsplash/Loriane Magnenat)

Pela primeira vez na história suíça, o número de pessoas sem afiliação religiosa superou aqueles que seguem uma religião, conforme indicado pelas estatísticas do Serviço Federal de Estatística Suíço (FSO).

Em 2022, aqueles sem filiação religiosa, com uma proporção de 34%, ultrapassaram numericamente os católicos romanos (32%) e os protestantes reformados (21%), grupos que vêm diminuindo em tamanho nos últimos anos.

Os entrevistados restantes indicaram ser muçulmanos (5,9%) ou pertencer a outras comunidades cristãs (5,6%).

Ao longo das últimas cinco décadas, a parcela da população suíça identificada como "nenhuma" afiliação religiosa tem experimentado um crescimento constante. Partindo de apenas 1% em 1970, essa proporção alcançou 20% em 2010 e, desde então, aumentou mais de 13 pontos percentuais.

Região, idade e sexo

As estatísticas revelam variações significativas de cantão para cantão [região administrativa suíça]. Nas cidades de Basileia (56%) e Neuchâtel (53%), a maioria da população não possui afiliação religiosa, contrastando com os cantões centrais da Suíça, como Nidwalden (24%), Obwalden (22%) e Uri (19%), onde a proporção é inferior à metade.

A menor percentagem de não crentes é observada no Cantão de Appenzell Innerrhoden (15%), que mantém uma forte tradição católica romana.

Os indivíduos sem filiação religiosa, identificados como "nenhum", também apresentam uma distribuição etária distinta.

Apenas 16% daqueles com 75 anos ou mais não possuem afiliação religiosa. Em termos proporcionais, a faixa etária mais expressiva para pessoas sem filiação religiosa situa-se entre os 25 e 34 anos, totalizando 42%. Além disso, a ausência de afiliação religiosa é mais prevalente entre os homens, representando 36%, em comparação com as mulheres, que correspondem a 31%.

Razões para abandonar a religião

O estudo indica que uma parcela significativa só abandonou a religião em fases mais avançadas da vida. Aproximadamente metade deles tinha anteriormente filiação à Igreja Católica Romana, enquanto 40% eram membros da Igreja Protestante (ERKS nacional).

A razão principal para a renúncia é a perda de fé ou a ausência dela, conforme indicado pelo estudo (15% e 17%, respectivamente). Outro terço não estava de acordo com as declarações e opiniões sobre determinadas questões da comunidade religiosa à qual pertenciam.

Além disso, pouco menos de um terço das pessoas sem filiação religiosa se identificam como algo ou definitivamente espirituais.

A religião ou espiritualidade também têm um papel considerável ou muito importante em algumas situações para pessoas sem afiliação religiosa, como em momentos difíceis da vida (28%) ou em casos de doença (22%). Aproximadamente 30% desses indivíduos não acreditam em um ou mais deuses, mas sim em um poder superior.

Evangélicos: qual é a nossa missão aqui

Com base nestes dados, os cristãos evangélicos que são membros de igrejas livres, incluindo batistas, irmãos, pentecostais, independentes, entre outros, estão agrupados dentro dos 5,6% das "outras comunidades cristãs".

O codiretor da Aliança Evangélica Suíça declarou ao Evangelical Focus em 2020 sua observação sobre o processo de secularização "rápido e radical" na Suíça.

De acordo com Andi Bachmann-Roth, aproximadamente 200 mil evangélicos estão presentes na Suíça, em uma população total de mais de 8,7 milhões de pessoas.

“Percebemos que agora somos minoria e isso às vezes pode levar à frustração. Mas em todo este recuo vejo sobretudo uma oportunidade. Obriga-nos a perguntar-nos novamente: por que estamos aqui como cristãos? E qual é a nossa missão?”, disse nesta entrevista.

quarta-feira, 31 de janeiro de 2024

Café ☕️ com Deus Salmo 1:1-3

A fidelidade do cristão



Café ☕️ com Deus Salmo 1:1-3

Antissemitismo aumentou 235% desde o início da guerra Israel-Hamas, diz relatório

O relatório também evidencia um aumento de 33% nos ataques violentos em 2023 em comparação com o ano anterior.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO JERUSALEM POST


O antissemitismo mais severo desde a década de 1930. (Foto: Unsplash/Cole Keister)

O relatório anual referente ao período de 2023 a janeiro de 2024 sobre o combate ao antissemitismo, publicado pelo Ministério da Diáspora em conjunto com a Organização Sionista Mundial e a Agência Judaica, revelou um aumento significativo nos incidentes antissemitas em todo o mundo.

Segundo o relatório, durante o período de outubro a dezembro, o antissemitismo se tornou seis vezes maior, um nível recorde.

Os dados revelam que os incidentes antissemitas representam um aumento de 235%, em comparação com os números registrados nos meses de janeiro a setembro de 2023.

Geograficamente, os incidentes estão dispersos globalmente, com destaque para os EUA, que registram 43% dos incidentes relatados, seguidos pela Europa, com 35%.

O relatório também evidencia um aumento de 33% nos ataques antissemitas de natureza violenta em 2023 em comparação com o ano anterior. De acordo com as estimativas, 48% desses ataques estavam relacionados à Operação Espadas de Ferro.

Dos ataques, 46% ocorreram nos EUA. Em segundo lugar, está a Grã-Bretanha, com 16%, seguida pela Alemanha, com 9%. França e Canadá apresentaram 6% cada, enquanto a Austrália registrou 2,5%.

Ao examinar cada país individualmente, segundo o relatório, a França apresentou o maior aumento de eventos antissemitas, alcançando 1000%, seguida pelo Canadá com 800%, Austrália com 738%, Estados Unidos com 337%, e Alemanha com 320%.

‘Maior desde a década de 1930’

O Ministro dos Assuntos da Diáspora, Amichai Chikli, afirmou: "Este ano foi diferente de qualquer outro. O ódio a Israel em todo o mundo é o mais severo desde a década de 1930 do século anterior."

"Os judeus de todo o Ocidente se sentem inseguros. Os judeus que falam hebraico são espancados no metrô das capitais da Europa. Os judeus que carregam bandeiras [israelenses] nas ruas são assassinados”.

"As observações antissemitas mais severas são feitas pela Autoridade Palestina. A nossa principal recomendação é passar da fase defensiva para a fase ofensiva. Temos de abrir processos contra o Hamas e as organizações palestinas por causa do antissemitismo e da incitação ao terror. A Autoridade Palestiniana educa ao terror e paga terroristas, e temos que saber como combater isso com as ferramentas adequadas", concluiu.

segunda-feira, 29 de janeiro de 2024

Arqueólogos encontram evidências dos primeiros cristãos no Monte do Templo

As pequenas moedas descobertas sugerem presença cristã pré-muçulmana no local mais sagrado da religião judaica.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO TIMES OF ISRAEL

Monte do Templo; no destaque, peso de vidro do Museu Britânico. (Foto: Unsplash/Robert Bye/Museu Britânico)

Arqueólogos afirmaram em um artigo recente que a descoberta de duas moedas da era bizantina sugere a presença cristã no Monte do Templo antes da conquista muçulmana de Jerusalém. Essas evidências podem até indicar a existência de uma igreja primitiva no local.

Os objetos foram encontrados pelo Projeto de Peneiração do Monte do Templo, que desde 2004 tem descoberto artefatos ao peneirar meticulosamente toneladas de sujeira e detritos removidos do local sagrado para o judaísmo.

Esses materiais foram descartados sem critério fora dos muros da Cidade Velha pela autoridade muçulmana Waqf durante um projeto de construção em 1999.

Os pequenos artefatos, um feito de vidro e outro de latão, pesam apenas 0,6 gramas cada. A análise sugere que possivelmente eram pesos imperiais oficiais, de um tipo exigido pela legislação bizantina do século 6 para estar presente nas principais igrejas.

Itens associados a igrejas

O projeto de peneiração já recuperou "muitos artefatos que podem ser atribuídos à era bizantina", incluindo itens diretamente associados a igrejas. Estas descobertas, “juntamente com os pesos recentemente descobertos sugerem que pode até ter havido uma igreja bizantina no Monte do Templo”, conforme relatado pelo jornal.

O artigo intitulado "Dois pesos bizantinos notáveis do Monte do Templo de Jerusalém" foi publicado no periódico Israel Numismatic Research e tem autoria de Haim Shaham, Zachi Devira e Gabriel Barkay, sendo estes dois últimos os codiretores do Projeto de Peneiração do Monte do Templo.

O Monte do Templo foi o espaço que abrigou o primeiro e o segundo templos bíblicos. O lugar, considerado o ponto crítico na Cidade Velha de Jerusalém, é o terceiro mais sagrado do Islã, após Meca e Medina. O monte abriga a Cúpula da Rocha e a Mesquita Al-Aqsa.

A presença cristã no Monte do Templo não tem sido um ponto central para os historiadores e frequentemente é subestimada pelas autoridades, segundo o Times of Israel.

‘Arquitetura da igreja primitiva’

Ao longo dos anos, o projeto de peneiração "encontrou muitos pisos sofisticados do período bizantino, que só eram usados ​​em edifícios monumentais. Também encontramos pedaços de telas da capela-mor, que é um elemento da arquitetura da igreja primitiva, e muitas pedras de mosaico da era bizantina, o que significa que alguém investiu muito em pisos", conforme relatado por Shaham, coautor do estudo, especialista em moedas antigas e estudante de doutorado em arqueologia na Universidade Bar-Ilan.

Os pesos recém-descobertos também seriam associados a uma igreja, disse ele: “Temos todo esse material bizantino que mostra que algo estava acontecendo, mas até uma década atrás, o consenso era que durante o período bizantino o Monte do Templo estava desolado. Mas, na verdade, muita coisa aconteceu durante a era bizantina e, pelo que descobrimos, pode ser confortavelmente associado a uma igreja.”

Shaham ressaltou que a concepção de uma igreja anterior à presença muçulmana no local não é uma certeza, porém, afirmou que "temos que pesar a explicação mais simples sobre por que os pesos estão ali, e o simples é sempre o melhor".

Colinas de Golã

Pesos semelhantes foram identificados em outra igreja bizantina, em Sussita, nas Colinas de Golã. Portanto, “a ideia de pesos oficiais dentro de uma igreja bizantina já foi estabelecida no Levante”, disse ele.

O peso de vidro é modelado a partir de "um busto imperial com um halo acima de um monograma em forma de cruz, ladeado por dois bustos menores".

Ele possui aproximadamente 17 milímetros de diâmetro e 2 milímetros de espessura, conforme observado pelos autores. O artefato apresenta um monograma que indica "de Euthalios", indicando claramente "um oficial bizantino de alto escalão sob cuja autoridade os pesos foram fabricados. Esses pesos provavelmente foram produzidos e distribuídos em uma oficina oficial central em Constantinopla, entre 550-650 d.C."

O segundo peso, confeccionado em liga de latão, apresenta um formato quadrado, com dimensões de 13 milímetros para cada lado e 1,6 milímetros de espessura. O peso possui uma incrustação prateada delicada, exibindo as letras gregas kappa e delta, que os arqueólogos interpretam como uma indicação do valor de peso, sugerindo 4 queratina ou quilates. Esses tipos de pesos quadrados eram predominantemente produzidos durante os séculos 5 e 6 d.C.

'Depósito de lixo'

Os autores observaram que o pequeno tamanho e o peso preciso de ambos os artefatos os tornam extremamente raros.

O recém-estabelecido Império Islâmico conquistou Jerusalém em 638 d.C. dos bizantinos cristãos, também conhecidos como Império Romano Oriental. Registros muçulmanos da época destacam que o Monte do Templo foi negligenciado e utilizado para descarte de lixo antes da construção da Cúpula da Rocha no local.

"Com base nisso, os historiadores presumiram que o Monte do Templo era um depósito de lixo", mas isso pode ser um exemplo de história sendo narrada pelos vencedores, argumentou Shaham.

Outra hipótese em relação aos artefatos bizantinos, segundo ele, é que um edifício bizantino no Monte do Templo poderia ter sido previamente destruído pelo Império Persa Sassânida. O breve controle deste império sobre Jerusalém, de 614 a 630 d.C., resultou em grande caos na cidade.

sexta-feira, 26 de janeiro de 2024

Pacientes têm experiência com Jesus em cirurgia, após serem evangelizados por médicos

Após uma explosão na Libéria, vítimas se entregam a Cristo no hospital missionário da Samaritan's Purse.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE SAMARITAN'S PURSE

Os médicos apresentaram Jesus aos pacientes. (Foto: Reprodução/Samaritan's Purse)

Sobreviventes de uma explosão no final de dezembro, na Libéria, estão experimentando o amor de Deus através de uma equipe médica da missão Samaritan's Purse.

A explosão ocorreu no dia 26 de dezembro em Totota, condado de Bong, a 130 quilômetros de Monróvia, capital do país.

Segundo o portal UOL, o policial Malvin Sackor, informou que o incidente aconteceu depois que alguns moradores se reuniram ao redor de um caminhão para tentar recuperar combustível.

De acordo com Francis Kateh, médico-chefe da Libéria, 74 mortes foram registradas.

Dezenas de sobreviventes gravemente feridos foram levados para uma instalação médica estadual local e para a ELWA (Eternal Love Winning África), um dos hospitais missionários parceiros da missão.

A Samaritan's Purse enviou cinco médicos especializados em cuidados com queimaduras para a ELWA.

Segundo a enfermeira Joany McDougall, a equipe da ELWA estava cansada depois de dois dias cuidando dos 22 sobreviventes que foram enviados para lá.

Joany contou que essa tarefa teria “sobrecarregado até um hospital nos Estados Unidos”. Porém, seus esforços incansáveis salvaram vidas.

“Se você não tratar adequadamente esses pacientes com rapidez, eles morrerão em 24 a 48 horas”, disse ela.

Equipe médica. (Foto: Reprodução/Samaritan's Purse)

Experiências com Deus

A Equipe de Resposta Médica a Desastres (DART) da Samaritan's Purse começou a trabalhar imediatamente.

Eles passaram horas limpando e corrigindo feridas profundas, um procedimento doloroso que eventualmente levou a enxertos cirúrgicos de pele.

“Louvamos a Deus que esses procedimentos diários ajudaram a salvar vidas e permitiram que nossa equipe ministrasse o amor de Jesus, compartilhando a verdade do Evangelho em meio ao medo e sofrimento”, relatou a missão.

O médico Josh Verner, testemunhou: “Vimos Deus trabalhando em nossos pacientes e na equipe do hospital”.

E continuou: “A equipe passou por várias noites seguidas sem dormir, vendo os pacientes falecerem. Agora, há alegria entre eles. Eu me lembro de um paciente dizer que não queria sair da sala de cirurgia porque é onde Jesus está”.

Todas as manhãs, enquanto os pacientes eram levados para o tratamento, eles compartilhavam o que Deus lhes ensinou. Incluindo um, que havia recebido Jesus como seu Senhor e Salvador, no hospital.

Depois de anos longe da igreja, vários outros começaram a frequentar a capela do hospital diariamente.

“A dor que estavam experimentando tinha um propósito. Um dos meus pacientes começou a orar durante os tratamentos, sussurrando: 'Jesus. Jesus. Jesus’. E eu dizia: 'Ele está aqui'”, contou Joany.

A enfermeira disse que a equipe médica teve dificuldades para se despedir.

“Eu chorei quando nos despedimos. Mas tenho esperança de que Jesus está com eles e que o hospital vai continuar o trabalho”, concluiu ela.