Google+ Followers

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Ordem dos Pastores Batistas critica ideologia de gênero: "Não tem respaldo legal, nem bíblico"

Em documento oficial, a Ordem dos Pastores Batistas reivindicou o direito das igrejas cristãs se posicionarem de forma bíblica sobre questões como homossexualidade e ideologia de gênero.


Ideologia de gênero. (Foto: Getty)
Ideologia de gênero. (Foto: Getty)

A Ordem dos Pastores Batistas do Brasil decidiu se posicionar oficialmente sobre as questões relacionadas a homossexualidade e ideologia de gênero, emitindo um documento elaborado e aprovado em assembleia do dia 18 de abril e intitulado "Declaração sobre homossexualidade, identidade de gênero, orientação sexual, uniões homo e poliafetivas".

Logo no início do documento, a organização justifica a relevância deste pronunciamento oficial, citando o contexto em que a sociedade pós-moderna brasileira e até mesmo algumas igrejas evangélicas se encontram, por muitas vezes influenciadas pela "interpretação equivocada das terminologias e significação das palavras" - o que as leva a reconhecer estas questões como algo "completamente natural".


"O tema identidade de gênero e orientação sexual tem sido amplamente divulgado pelos meios de comunicação e sido objeto de discussão não apenas na sociedade, mas também no âmbito governamental e, especialmente, na obtenção de interpretação impositiva que busca cercear a liberdade de consciência e expressão, além de inserir terminologia e conceituação estranha aos Códigos Legais de nossa Nação causando inúmeros conflitos e interpretação equivocada das terminologias e significação das palavras", destacou o documento.


Primeiramente, o texto expôs o posicionamento da Ordem dos Pastores Batistas do Brasil sobre a questão da homossexualidade, citando trechos bíblicos para embasar sua declaração oficial.


"Do ponto de vista da compreensão bíblica, a homossexualidade é claramente discutida como sério afastamento, desvio e disfunção em relação à natureza humana e em relação aos propósitos originais da criação conforme temos nos textos a seguir: Lv 18.22; 20.13; Is 3.9; Rm 1.24-27; 1 Co 6.9-10; 1 Tm 1.9-10; Ap 21.8, 27). Consequentemente, tais práticas não são compatíveis com os ensinos bíblicos, nem com a natureza humana criada por Deus", acrescentou.


Ideologia de gênero
O documento também se pronunciou enfaticamente contra a ideologia de gênero, destacando que este formato dado à "luta pelo respeito à identidade de gênero" não tem qualquer respaldo científico, legal, nem bíblico.


"A ciência não possui estudos conclusivos comprovados e representativos que demonstrem alguma alteração morfofuncional cerebral que seja determinística, desde o seu nascimento, naqueles que dizem ter tendência ou comportamento homossexual ou que adotem outras 'identidades de gêneros", afirmou o texto.


"É necessário ainda considerar que afirmações como as de que a identidade de gênero tem fundamentação cientifica, carecem da própria segurança de pesquisa científica séria com reduzida curva estatística demonstrativa, sem linha histórica de acompanhamento desde a infância, portanto, insuficiente para aplicar ao gênero humano em sua inteireza populacional", destacou.


Ainda ressaltando as incoerências científicas da ideologia de gênero, o documento destacou que esta linha de pensamento chega a ignorar a própria biologia.


"Essa ideologia de gênero, então, é uma ideologia da ausência de sexo neurobiogeneticamente falando. É uma crença que afirma que os dois sexos — masculino e feminino — são meras construções culturais e sociais, não existindo, neste caso, papel neurobiogenético inscrito na natureza humana, antes formas sociáveis de desempenhar uma ou mais funções (gênero)", expõe outra parte do texto.


"O que se deseja afirmar com essa opção ideológica é que as diferenças entre o homem e a mulher, fora as óbvias diferenças anatômicas e neurobiogenéticas, não correspondem a uma natureza fixa que torne alguns seres humanos homens, e, outros, mulheres. Portanto, o ser humano pode abranger várias identidades de gênero excluindo totalmente o sexo dentro do que entendemos ser a identidade sexual de criação, conforme explicamos no item sobre as bases bíblicas a respeito do tema", acrescentou.


Concluindo sua crítica à ideologia de gênero, devido à distorção que esta traz à compreensão dos papéis de homem e mulher (biológicos e sociais), a Ordem dos Pastores Batistas afirmou que esta linha de pensamento pós-moderna não tem qualquer respaldo no guia de fé e prática dos cristãos: a Bíblia.


"Em resumo, ainda que tribunais estejam tomando decisões fundamentadas na hermenêutica jurídica ampliativa ao recepcionar a ideologia e a cultura que se tenta implantar e não a letra da Constituição Federal e do Código Civil, entendemos que os argumentos ideológicos de gênero acima descritos não possuem respaldo nestes instrumentos legais e nem na concepção divina para a criação, conforme temos nas narrativas da Bíblia que seguimos como fonte de verdade", finalizou.


O documento foi assinado pelos pastores: Hist. Carlos César Peff Novaes, Adv. Genilson Vaz, João Reinaldo Purin Júnior, Dr. Luiz Roberto Silvado (recém-eleito presidente da Convenção Batista Brasileira), Dr. Pedro Moura, Dr. Lourenço Stelio Rega (relator) e pode ser conferido na íntegra, clicando aqui.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA IGREJA BATISTA DE BACACHERI

domingo, 23 de abril de 2017

Igreja que não faz missões, tem que nascer de novo, afirma missionário

Juan Carlos Boggiano lembra que “Todos somos convocados para levar o evangelho, sem distinção de igrejas e denominações, precisamos nos unir para fazer a obra”.

por Cristiano Medeiros
Igreja que não faz missões, tem que nascer de novo

Pastor Juan Carlos Boggiano (37), peruano, está à frente da Igreja Quadrangular do Peru – Rei dos Reis, na cidade de Arequipa, local onde desenvolve um trabalho missionário, que além de levar o evangelho atende pessoas carentes e deficientes físicos.
A liderança da igreja (que não é filiada a Igreja Quadrangular do Brasil) é compartilhada com pastor Juventino Arrendondo, mexicano. Ambos atuam no ministério local e também buscam apoio para manter a obra.
Em conversa com o Gospel Prime, Juan convida as pessoas a visitarem a obra desenvolvida no Peru. “Uma coisa é falar, outra é você visualizar a realidade da obra missionária”. Ele comentou que a Assembleia de Deus no Brasil tem auxiliado. “Várias pessoas têm ajudado a manter esse projeto. Deus prometeu que levantaria grandes servos para ajudar. Desta forma o Senhor tem nos abençoado grandemente”, declarou.
A igreja peruana iniciou suas atividades há três anos sem nenhuma estrutura física e mão-de-obra humana. “Hoje são cerca de 70 membros e com pequenos grupos evangelísticos alcançamos muitas famílias. Temos encontro de casais, jovens, escola bíblica, crianças. No ano passado foram batizadas 17 pessoas. Estamos realizando um trabalho assistencial nas escolas através de doações de computadores para alunos carentes, assim eles podem apreender com mais facilidade”, comentou o missionário.
Atualmente a igreja mantém um trabalho nas Cordilheiras dos Andes, há 250 km da região central de Arequipa. Duas vezes ao mês atendem a pessoas doentes, cadeirantes, e deficientes físicos. Após o terremoto, que atingiu o local em 2015, foram doadas dez cadeiras-de-rodas para pessoas necessitadas.
“Nossa vida está totalmente debaixo da dependência do Senhor”. Juan deseja retornar ao Brasil para construir uma igreja. Sua esposa o questionou o porquê de ser no Brasil. E sua resposta foi que Deus o ordenou erguer uma igreja forte, que irá manter a igreja no Peru. A família está intercedendo em oração e provavelmente será em Campinas, estado de São Paulo.
Crianças evangelizadas
Crianças evangelizadas

Realidade das missões no Peru

As dificuldades são muitas no Peru. “Temos escassez de alimentos, estradas destruídas, rios transbordando devido às enchentes, preço elevado, precariedade na habitação e saúde, enfim são muitos os problemas”, desabafou pastor Juan.
O missionário acredita que a situação que o país enfrenta é devido à resistência ao evangelho. “Tudo que está acontecendo é fruto da dureza do coração do povo peruano. O Senhor retirou sua mão sobre o Peru. O governo aprovou a ideologia do gênero, casamento homossexual, não aceitam o evangelho, são idólatras, misticistas. Apenas 1% da população é evangélica. As pessoas só aceitam o evangelho quando estão com suas vidas totalmente destruídas. Nosso país precisa ver Deus agir. Creio na esperança de um real avivamento para todo o Peru”.
Pastor Juan comenta que uma igreja que não tem visão missionária, é uma igreja que necessita nascer de novo.
“Todos somos convocados para levar o evangelho, sem distinção de igrejas e denominações, precisamos nos unir para fazer a obra. Devemos amar a Deus sobre todas as coisas. Nada adianta irmos à igreja nos cultos durante a semana e no restante dos dias esquecer-se de Deus. Devemos amar ao próximo como a nós mesmos”.
Cristãos peruanos
Cristãos peruanos

Herança missionária

Pastor Juan nasceu em lar cristão, em Piura, Peru. Sua mãe, Lucila Farfan se converteu através de um programa evangélico americano que era transmitido no Peru. Com dois anos de conversão, passando por problemas familiares, ela decidiu entregar Juan a Cristo, se Carlos, seu esposo aceitasse a Jesus como seu Salvador. Após o nascimento de Juan, Carlos se converteu. Na época Carlos, engenheiro civil, construía uma grande casa para a família fazer festa e se confraternizar. Mas este não era o plano de Deus. Com o passar dos anos a residência começou a receber missionários, sendo que o primeiro recebido foi o jovem Jesuel Alves, missionário da JOCUM, vindo de Santos, Brasil.
Desde seus 14 anos Juan se sentia incomodado por Deus, como se Ele estivesse requerendo o compromisso missionário de sua vida.  Ele se formou em engenharia geológica, e com a carreira trabalhou com a exploração de minérios no Peru.

Fuga e encontro com seu chamado

Na tentativa de fugir de sua chamada missionária, com sete meses de casado, veio para o Brasil. Após dois meses de sua chegada em São Paulo, sua esposa, viajou em seu encontro trazendo um filho de cinco meses no colo e grávida.
Ele e sua família tinham apenas visto de turista, temporário. Um dia estava na Praça da Sé, desesperado e chorando, disse consigo que não fugiria mais de seu chamado, mas pediu a Deus que o ajudasse. Nesse momento ouviu uma voz o chamando seu nome. A princípio não acreditou nesse chamado, depois a voz se repetiu. Era um velho amigo Manoel Rivera. Ele lhe deu abrigo e apoio na Igreja Brasil para Cristo.
Alguns meses se passaram e o Senhor continuou o tocando sobre seu propósito missionário. Trabalhando em uma empresa de sondagem iria viajar para um novo projeto, quando Deus falou fortemente com sua esposa. O casal foi orar para seguir a vontade e direção do Senhor. Juan não viajou e começou a congregar na Igreja Luz para as Nações. Essa os enviou para as Missões Jocum, e após um período iniciaram trabalho em várias frentes missionárias no Brasil e também na Bolívia.
Após um tempo seu pai ficou doente e retornaram ao Peru em 2009. Juan teve que voltar a trabalhar na mineração para custear o tratamento de seu pai. Ele e sua esposa abriram uma empresa de transporte de minerais. Deus voltou a falar com o casal que era necessário depender dele. Em 2014 encerraram as atividades da empresa e começaram a trabalhar na igreja local de forma integral. “Uma vez me questionaram se com minha profissão já conseguiria sustentaria a obra. Eu respondi que o Senhor me convocou para essa missão, e que os recursos ele nos daria. Deus me queria em busca de almas”.
Fonte:https://noticias.gospelprime.com.br

sábado, 22 de abril de 2017

Turquia está preparando o caminho para o Anticristo, defende teólogo

Pastor Joel Richardson acredita que o Anticristo será islâmico

por Jarbas Aragão

Turquia está preparando o caminho para o Anticristo

Enquanto o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, continua a consolidar seu poder, tentando fazer com que sua nação restaure o antigo Império Otomano, especialistas em profecia apontam que isso pode ser uma preparação para a chegada do Anticristo.
“Eu tenho dito isso há 12 anos”, lembra o pastor Joel Richardson, “a Turquia irá se tornar uma nação islâmica radical”. Ele é autor dos best-sellers “O Anticristo Islâmico” e “A Besta que vem do Oriente Médio” e especialista em escatologia.
Richardson acredita as tensões entre as potências islâmicas sunitas da Turquia e da Arábia Saudita moldarão o Oriente Médio nos próximos anos. O fato de Erdogan ter feito ameaças à União Europeia e falado em guerra só alimenta a preocupação dos estudiosos sobre uma unificação do mundo islâmico ao redor de uma figura como o presidente turco, que seria um califa.
O especialista em geopolítica Steven Cook disse recentemente que a vitória eleitoral de Erdogan significa “o fim” da Turquia como a conhecemos e o ressurgimento do Império Otomano, que dominou grande parte do Oriente Médio – incluindo Israel – por 500 anos.
Richardson, que acompanha de perto a política do Oriente Médio pois seu ministério tem se dedicado a difundir o Evangelho na região, argumenta que a Turquia acabará liderando a coalizão de nações islâmicas contra Israel, profetizada por Ezequiel.
“Acredito que a Turquia vai liderar a coalizão do Anticristo”, disse ele, apontando para a batalha de Gogue e Magogue. Mas, antes, a Turquia precisará conquistar o apoio do Irã, antiga Pérsia, ou simplesmente anexá-la como parte deste emergente império neo-otomano turco”, afirmou o teólogo.

A religião do Anticristo

Em seu livro mais recente “Mistério: Babilônia”, Richardson lembrou que ela é “uma entidade religiosa e uma entidade econômica, que exerce uma influência corruptora”. O pastor não tem dúvidas que se trata do islamismo.
Afinal, “Meca é a maior cidade de idolatria já conhecida, pois cerca de 1,26 bilhão de pessoas curva-se cinco vezes por dia em sua direção. Em seu centro está um ídolo, conhecido como Kaaba, que está encharcada de paganismo”, sublinha.
“Quando você olha para a Al-Qaeda, para o Estado Islâmico, Boko Haram, Abu Sayyaf, Al-Shabaab, qualquer um desses grupos radicais, o Talibã… eles encontram sua gênese ideológica na Arábia Saudita”, insiste Richardson.
“Eles encontram seu financiamento da Arábia Saudita, que é a fonte [do Islamismo], é o ventre desse derramamento de sangue que estamos vendo em toda a Terra. Cristãos desaparecendo do Oriente Médio, sendo atacados na Europa. De onde vem isso?”.
Em sua análise, o último império mundial será a união dos países islâmicos. “O Islã não é simplesmente outra falsa religião, mas a maior de todas as falsas religiões. É o maior numericamente e em força. Na história humana, nunca houve uma falsa religião tão grande quanto o Islã. De muitas maneiras é o cenário perfeito Anticristo, que trará uma falsa religião perfeita”, encerra.

Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Objetivo de Satanás é convencer as pessoas que ele não existe, diz Billy Graham

Evangelista deseja advertir cristãos para não ignorar “artimanhas” do inimigo


Objetivo de Satanás é convencer que ele não existe, diz Graham
O evangelista Billy Graham usou sua coluna semanal para lembrar a todos – os cristãos em especial – que uma das artimanhas mais bem-sucedidas do diabo é convencer as pessoas de que ele não existe. Contudo, alerta o pregador de 98 anos, é importante entendermos que o inimigo trabalha tanto hoje quanto fazia no passado.
Um leitor escreveu para o site da Associação Evangelística Billy Graham, perguntando por que parece que as igrejas não falam mais sobre Satanás. A resposta do evangelista é que a Palavra de Deus é imutável e citou 1 Pedro 5: 8, que diz: “Sejam sóbrios e vigiem. O diabo, o inimigo de vocês, anda ao redor como leão, rugindo e procurando a quem possa devorar”.
“Embora jamais devêssemos fazer do diabo o foco de nossa atenção (pois só Cristo é digno dessa honra), precisamos estar atentos a seus planos e protegidos contra seus ataques”, assegurou. “O principal objetivo de Satanás é impedir os planos de Deus de todas as maneiras possíveis”.
Às vezes, Graham assevera, os ataques satânicos são muito abertos e óbvios, mas muitas vezes ele opera de maneiras ocultas e sutis, procurando enganar as pessoas e afastá-las de Cristo.
Referindo-se aos ensinamentos de Jesus, sublinhou que “Quando o Diabo mente, fala a sua própria língua, pois é mentiroso e pai da mentira (João 8:44)”.
Para o evangelista que mesmo afastado dos púlpitos continua seu ministério pela internet,   “Se você achar que o Diabo não existe, logo baixará a guarda e deixará de se precaver contra seus ataques”, lembrou aos seus leitores. Se fizer isso, será mais fácil cair em suas armadilhas, garante.
A preocupação de Graham é que pesquisas recentes mostram que no século 21, mesmo os cristãos parecem ignorar o que a Bíblia ensina sobre as realidades espirituais. No ano passado, o Instituto Gallup apontou que apenas 61% dos americanos acreditam que Satanás é real.

Realidade brasileira

No Brasil, a última pesquisa nacional sobre esse tema foi realizada pelo Datafolha 10 anos atrás. Segundo o Instituto, quando indagados sobre a existência do Diabo, 75% disseram acreditar “totalmente”, 9% “têm dúvidas” e 15% “não acreditam”.
Questionado sobre o que ocorre após a morte, 60% disseram acreditar “totalmente”, sendo que 64% creem que algumas pessoas vão para o céu ou para o inferno (58%). Com informações de Gospel Herald

Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Pastor alerta pais sobre filhos envolvidos com bruxaria: "Proteja sua família"

O líder da Convenção Batista do Sul nos EUA disse que os pais precisam estar atentos aos sinais dos filhos, para que eles não se percam no mundo do ocultismo.

A Wicca continua a ser eficaz no fato de ter novos membros. (Foto: Reprodução).
A Wicca continua a ser eficaz no fato de ter novos membros. (Foto: Reprodução).
Ashley Mortimer é uma das bruxas mais conhecidas de sua comunidade. Ela disse que seus pais, que são cristãos, não se importaram tanto quando contou para eles sobre sua nova religião, porque consideram a prática de Wicca aceitável. “Pelo menos você tem uma fé”, disse sua mãe na época.

Hoje Ashley é diretora do Centro de Estudos Pagãos, conselheira da Fundação Doreen Valiente e membro proeminente da comunidade pagã local e nacional, incluindo a Nottingham Pagan Network, Pagan Pride e Nottingham Empyrean, além de ser representante da federação pagã, de acordo com seu site.

Mas ela foi criada com pais que sempre fizeram parte da igreja evangélica, na Inglaterra. "Eu sabia que não seria popular, os adolescentes têm uma preocupação com essas coisas", disse ela ao The Independent. "E eu me lembro de ter ouvido de meus pais: 'Nós não queremos ritos pagãos nesta casa!'"

Depois que a irmã de Ashley se revelou ateia, seus pais readaptaram a visão sobre as novas práticas em casa. "Acho que minha mãe ganhou alguma perspectiva quando minha irmã se declarou ateia. Minha mãe havia me dito: ‘Pelo menos você tem fé, mesmo que seja um pouco equivocada’. Ela é muito pragmática em relação à fé”, ressaltou.

Um perigo próximo demais

Sites como o “ThoughtCo” encorajam os pais a não se preocuparem se uma criança começa a experimentar rituais pagãos ou a brincar com bruxarias. “Primeiramente, compreenda que alguns adolescentes vêm ao paganismo porque soa como uma maneira de divertimento, de rebelar-se contra os pais”, diz o site.

Afinal, o que poderia ser mais irritante para os pais do que fazer com que a pequena Susie (boneca) apareça na casa da avó usando um pentagrama gigante e anunciando: “Eu sou uma bruxa, e eu faço feitiços”. Para as crianças que caminham para o paganismo como forma de rebelião, as chances de crescer longe do cristianismo são grandes.

Ex-bruxa

Beth Eckert, que praticou feitiçaria antes de se converter a Jesus, diz que enquanto era membro do Wicca e tinha atitudes pagãs, isso a oferecia uma falsa sensação de segurança. "Quando você pratica a Wicca e o paganismo, você está concentrando sua energia no poder do eu, dando a si mesmo o senso de que você controla as circunstâncias da vida e as pessoas ao seu redor”, comentou.

“Quando isso não funciona, você começa a procurar um poder maior, que é realmente o poder das forças espirituais ocultas", disse a ex-bruxa. "Uma vez que você aproveita o poder das forças espirituais ocultas, você está alinhando sua alma com elas e dando-lhes acesso completo ao seu ser, para fazer o que quiserem”, alertou.

“Wicca e paganismo é a prática de busca de poder e significado na vida para aqueles que estão perdidos e machucados, e é a maneira que o diabo tem de enganar essas pessoas”, ressaltou.

Alerta aos Pais

O pastor William G. Wells, da Convenção Batista do Sul diz que os pais devem ter uma responsabilidade tripla. Por que os adolescentes são atraídos pela Wicca? O pastor acredita que é o “apelo de ter ‘informações privilegiadas’ sobre como o mundo funciona nos bastidores, e obter poder que os outros não têm. Alguns adolescentes se sentem impotentes e sozinhos e procuram ganhar algum tipo de vantagem sobre seus pais”.

Para outros, Wicca é simplesmente uma moda, um segredo divertido compartilhado com amigos próximos. Independentemente da motivação, a Wicca continua a ser eficaz no fato de ter novos membros.

“Você precisa proteger sua família e não deixar que seus filhos se encontrem solitários, pois eles podem ser atraídos para o ocultismo. A Wicca se tornou o refúgio ideal para solitários, usuários de drogas e aqueles que lutam com a homossexualidade ou depressão. Então, se você acredita que seu filho está se envolvendo em bruxaria ou saindo com pessoas assim, procure a ajuda do pastor ou conselheiro da sua igreja”, disse o pastor.

“Os pais cristãos têm um dever triplo no que diz respeito à feitiçaria: compreender a natureza da ameaça, proteger suas famílias da influência da bruxaria e, o mais importante, chegar aos adolescentes para evitar a perda de toda uma geração”, finalizou.

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Família perdoa assassino que matou idoso ao vivo no Facebook: “Ele é amado por Deus”

O idoso foi escolhido ao acaso por um criminoso que transmitiu o assassinato ao vivo pelo Facebook. Em entrevista ao vivo, sua família declarou o perdão e o amor de Deus.

Em entrevista ao vivo, a família declarou o perdão e amor de Deus. (Foto: Reprodução/CNN)
Em entrevista ao vivo, a família declarou o perdão e amor de Deus. (Foto: Reprodução/CNN)
Um idoso que voltava de um almoço de Páscoa na tarde de domingo (16) em Cleveland, no estado norte-americano de Ohio, foi escolhido ao acaso por um criminoso que transmitiu o assassinato ao vivo pelo Facebook.

Robert Godwin, de 74 anos, foi friamente assassinado por Steve Stephens, de 37 anos. Mesmo com o crime brutal, os filhos da vítima declararam em entrevista ao vivo na CNN o perdão e amor de Deus pelo assassino.

“Eu, sinceramente, posso dizer que não tenho nenhum sentimento de ódio em meu coração contra este homem, porque eu sei que ele é um indivíduo doente”, disse Debbie Godwin na noite de segunda-feira.

“Eu juro que eu não poderia fazer isso se eu não conhecesse a Deus”, Debbie acrescentou. “Se eu não o tivesse como meu Deus e meu Salvador, eu não poderia perdoar esse homem”.

Sua irmã, Tonya Godwin-Baines, concordou sobre a necessidade de perdão. “O que eu mais quero guardar do meu pai é o que ele nos ensinou sobre Deus... Como a temer a Deus, como amar a Deus e como perdoar. Cada um de nós perdoamos o assassino”.

Com a voz embargada, Godwin-Baines disse que tem se fortalecido por causa de sua fé e reconhece o sofrimento de outras pessoas que estão envolvidas no caso. “Perdemos o nosso pai, mas uma mãe perdeu seu filho, seus filhos perderam um pai”, disse ela.


O assassino Steve Stephens, de 37 anos (à esquerda) e a vítima Robert Godwin, de 74 anos. (Foto: Reprodução)
As filhas falaram com orgulho do exemplo de fé e perdão dado por seu pai, que deixou dez filhos e 14 netos. “É exatamente o que nossos pais nos ensinaram. Eles não apenas falavam, eles viviam”, Godwin-Baines acrescentou.

No dia seguinte da entrevista à CNN, o criminoso foi encontrado morto na cidade de Erie após uma rápida perseguição policial na manhã desta terça-feira, informou a polícia do estado da Pensilvânia.

“Steve Stephens foi visto nesta manhã por integrantes da Polícia Estatal da Pensilvânia no condado de Erie. Após uma breve perseguição, Stephens se suicidou com um tiro”, informou a corporação pelo Twitter.

Quando questionada sobre qual mensagem deixaria para o assassino de seu pai, Debbie expressou compaixão: “Eu só quero que ele saiba que, mesmo em seu pior estado, ele é amado por Deus. Deus o ama, mesmo com todas as coisas ruins que ele fez com o meu pai”.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE CNN


terça-feira, 18 de abril de 2017

Fundo do governo de Israel poderá financiar Terceiro Templo

Criação da Fundação da Herança do Monte do Templo é importante passo político

por Jarbas Aragão
Fundo do governo de Israel poderá financiar Terceiro Templo

O terceiro templo pode ter ficado um pouco mais perto de ser construído, após a Fundação da Herança do Monte do Templo ter recebido 550.000 dólares como orçamento para “restauração”.

A iniciativa da ministra da Cultura de Israel, Miri Regev e do ministro para Jerusalém, Ze’ev Elkin, propuseram que essa nova fundação fosse criada para promover a ligação judaica com o Monte do Templo. Ela será responsável pela “pesquisa, informação e defesa” da herança histórica e religiosa dos judeus com o local sagrado, onde foram construídos o templo de Salomão e o Segundo Templo.

A nova fundação operará junto com o Fundo de Patrimônio do Muro Ocidental, que já é financiado pelo governo e administra o Muro Oriental, ou Muro das Lamentações. A estrutura era o muro de contenção para a base onde o Templo restaurado por Herodes esteve até o ano 70.

Apesar dos protestos de deputados que temem a ira dos muçulmanos que controlam o Monte do Templo desde 1967, muito comemoraram a decisão.

O deputado Yehudah Glick, que é rabino e tem ligações com o Instituto do Templo, afirmou: “Depois de muitos e longos meses, alegro-me que nossos esforços tenham finalmente produzido frutos. Este é um bom momento e graças a Deus finalmente chegamos lá, apesar do atraso de 50 anos o governo israelense reconheceu que o Monte do Templo é um sítio nacional, é nosso.”

Enfatizou também: “Precisamos declarar claramente: O Monte do Templo é o fundamento da história do povo judeu e do retorno à terra desde o início do sionismo”.

Embora a nova Fundação não tenha anunciado planos de construções, acredita-se que esse é um importante passo político, que poderá facilitar uma futura edificação.

A controvertida resolução da UNESCO de outubro de 2016 estabeleceu que será usado apenas nomes muçulmanos para se referir aos locais sagrados da Cidade Velha de Jerusalém e criticou severamente Israel por seus “abusos provocadores que violam a santidade e a integridade” da área.

Desde então os políticos judeus vinham pedindo um posicionamento mais enfático do primeiro-ministro Netanyahu sobre o assunto. O texto da proposta de criação da Fundação, declarava que o governo de Israel “deve ser responsável por impedir a distorção da verdade histórica”.
Profecia cumprida

Em junho deste ano será comemorado o aniversário de 50 anos da reunificação de Jerusalém. As forças israelenses conseguiram recuperar a totalidade da sua capital das mãos da Jordânia em 1967.

Contudo, como parte das negociações, o general Moshe Dayan decidiu deixar a administração do Monte do Templo com os muçulmanos, que consideram o local santo por abrigar duas importantes mesquitas: al-Aqsa e o Domo da Rocha.

Para os estudantes da profecia, embora seja incompreensível como as autoridades judaicas tivessem concordado, isso será resolvido quando o tempo tiver chegado. Afinal, segundo as profecias de Daniel, o falso Messias – Anticristo – terá de fazer um acordo “com muitos” para trazer paz a Israel.

Acredita-se que isso envolverá a questão da soberania do Monte do Templo em Ezequiel, o profeta descreve uma visão em que Deus revela os detalhes de um templo restaurado.

Ainda que esteja localizado no centro do centro de Jerusalém, os muçulmanos não o reconhecem como território israelense e impedem que seja feito no local a realização de orações por parte de judeus e de cristãos.

Paralelo a isso, existe um anseio crescente da parte de muitos judeus para que eles retomem não só as orações, mas também os sacrifícios. Por isso o interesse do governo em voltar a investir no local e promover sua importância religiosa causou tanto impacto. Com informações WND

Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br