sexta-feira, 16 de abril de 2021

Israel celebra 73 anos de independência com a maior população desde a sua fundação

Os judeus representam mais de 73% dos habitantes e 46% da população global judaica já vivem no estado israelense.


FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO TIMES OF ISRAEL

O Estado de Israel completou 73 de anos de existência. (Foto: Yonatan Sindel/Flash90).

Nesta quarta-feira (14), Israel comemorou os seus 73 anos de independência. Dois dias antes, dos judeus celebrarem o Dia da Independência, a população na nação chegou aos 9.3700 milhões de habitantes, de acordo com o Escritório Central de Israel (CBS, na sigla em hebraico).

Deste número, 6,9 milhões são judeus, representando 73,9% da população; 1,96 milhões são árabes e 467 mil são pessoas de outros grupos.

Desde o Dia da Independência do ano passado, 167 mil bebês nasceram em Israel, 50 mil morreram e 16.300 mil imigraram para o estado israelense, segundo dados do CBS.

Quando o estado de Israel foi criado, em 1948, a população do país era de 806 mil pessoas. Desde então, 3,3 milhões imigraram para a nação.

Em 1948, apenas 6% da população global judaica de 11,5 milhões vivia em Israel. Em 2019, a estatística era de que 46% dos judeus passaram a viver no estado israelense.

A previsão do Escritório Central de Estatísticas é que quando Israel completar 100 anos de existência, em 2048, sua população terá cerca de 15,2 milhões de pessoas.

Israel tem uma população jovem, 28,1% são jovens, com idades entre 0 e 14 anos, e somente 12% dos habitantes tem 65 anos ou mais, conforme o CBS.

quarta-feira, 14 de abril de 2021

Países que perseguem a Igreja: cristãos são executados na Somália, assim que descobertos

Num país onde a Igreja não existe, se tornar cristão é um desafio que pode levar à morte.



FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE PORTAS ABERTAS

Cristãos somalis enfrentam o preconceito de extremistas islâmicos. (Foto: Portas Abertas)


POPULAÇÃO: 16,1 milhões
CRISTÃOS: Algumas centenas
RELIGIÃO: Islamismo
GOVERNO: República parlamentarista
LÍDER: Mohamed Abdullahi Mohamed
POSIÇÃO: 3º lugar na Lista Mundial da Perseguição

A República Federal da Somália, como é conhecida oficialmente, é uma nação localizada no Chifre da África. Antigamente, era um país conhecido por seu comércio relevante no mundo inteiro, fornecendo incenso, mirra e especiarias.

Tornou-se independente, em 1960, quando os protetorados britânico e italiano se uniram. Em 1969, o governo militar do presidente Siad Barre ganhou o poder, introduzindo o socialismo científico no país. Durante esse processo, propriedades de missões cristãs e igrejas, incluindo escolas e hospitais, foram apreendidas e os cristãos expulsos do país.

Uma nova lei, introduzida em 1974, deu às mulheres os mesmos direitos de herança que os homens. Líderes islâmicos que pregavam contra esse novo decreto foram presos ou executados. Essa natureza secular e reformista do governo terminou por abalar a identidade islâmica do povo somali. Isso resultou no surgimento e crescimento de uma militância islâmica radical.

Essas organizações, então, almejaram tornar a Somália em um Estado islâmico. O regime de Siad Barre e os militantes islâmicos compartilhavam seu maior inimigo: os cristãos. Durante o governo de Barre, extremistas usaram de sua influência para incentivar o governo a proibir a impressão, importação, distribuição e venda de literatura cristã no país.

Além disso, o Serviço de Segurança Nacional ameaçava, prendia, torturava e assassinava cristãos somalis. Outros perderam seus empregos e negócios. O país se transformou em um centro para o islamismo militante e lar de terroristas.

Pressão aos cristãos em nível extremo

Cristãos ex-muçulmanos enfrentam a pior forma de perseguição e são considerados um alvo de alto valor para as operações do Al-Shabaab. Na história recente do país, os convertidos a Jesus, ou acusados de se converter, têm sido assassinados imediatamente quando descobertos.

É impossível admitir publicamente a fé cristã na Somália, e a igreja não existe. Isso acontece porque o islamismo é considerado uma parte crucial da identidade somali e, se houver suspeita de que algum nativo tenha se convertido ao cristianismo, ele estará em grande perigo.

Como as mulheres cristãs são perseguidas

As mulheres cristãs podem ser agredidas sexualmente e casadas à força. As ex-muçulmanas mais jovens estão entre as mais vulneráveis na Somália. É comum que uma mulher suspeita de ser cristã seja agredida sexualmente, humilhada em público e até morta.

Não existem leis que tratam da violência doméstica e quase todas as mulheres somalis levam uma vida pré-determinada, com pouca possibilidade de mudança para crenças ou expressões pessoais.

Desafios para os homens cristãos

Todos os cristãos ex-muçulmanos na Somália enfrentam perseguição extrema. Na cultura somali, os homens são vistos como líderes que devem representar a fé islâmica e determinam a crença dos familiares.

Há muita pressão sobre os suspeitos de conversão, que podem ser obrigados a liderar as orações na mesquita, deixar a barba crescer, se casar com mais de uma esposa ou realizar rituais islâmicos em público.

Quando são descobertos, os cristãos têm a herança negada; quando meninos, não recebem educação e são levados para centros de reabilitação islâmicos, onde são forçados a se juntar às milícias islâmicas.

Nacionalismo religioso

Quem nasce na Somália é considerado um muçulmano. Abandonar a religião nacional é praticamente um crime. Os seguidores de Jesus são considerados “alvos preciosos” pelos jihadistas, que muitas vezes executam os “infiéis” no mesmo instante em que são descobertos.

Não há perspectiva de melhoras, pelo contrário, nos últimos anos a situação parece ter piorado na Somália. Os militantes islâmicos intensificaram os ataques aos cristãos, principalmente aqueles em posição de liderança.

Mesmo assim, os poucos cristãos somalis continuam firmes em sua fé. “Estávamos todos mortos, mas Jesus veio para nos salvar e nos dar uma nova vida. Deixo minha vida nas mãos dele. Estou tão entusiasmada que Deus está comigo onde quer que eu esteja; também estou feliz porque o Senhor ouve minhas orações”, disse Momina, cristã perseguida no Chifre da África.

segunda-feira, 12 de abril de 2021

Bíblia estará acessível em todos os idiomas até 2033, projetam tradutores

De acordo com o IllumiNations, mais de 1 bilhão de pessoas não têm acesso à Palavra de Deus em seu idioma.



FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO EVANGELICAL FOCUS

Mais de 1 bilhão de pessoas não têm acesso à Palavra de Deus em seu idioma. (Foto: Reprodução / UGCN)

Dez das principais organizações mundiais de tradução da Bíblia lançaram recentemente a campanha “Eu Quero Saber”, que visa “tornar a Palavra de Deus acessível a todas as pessoas até 2033”.

Essa aliança de tradutores da Bíblia é chamada de “IllumiNations” e inclui instituições como American Bible Society, Biblica, Deaf Bible Society, Lutheran Bible Translators, Seed Company, SIL International, United Bible Societies, The Word for the World, Pioneer Bible Translators e Wycliffe Bible Translators USA.

De acordo com o IllumiNations, mais de 1 bilhão de pessoas não têm acesso à Palavra de Deus em seu idioma, 3.800 comunidades de idiomas em todo o mundo não têm uma Bíblia completa e mais de 2.000 desses idiomas não têm um único versículo das Escrituras traduzido ainda.

O projeto espera que “95% da população mundial terá acesso a uma Bíblia completa, 99,96% terá acesso a um Novo Testamento e 100% terá acesso a pelo menos alguma porção das Escrituras em 12 anos”.

A maior campanha de tradução da Bíblia

“Imagine sua vida se você não conhecesse a verdade. Não conhecesse o amor incondicional de Jesus. Não conhecesse a palavra de Deus que altera a vida, porque ela não existia em sua língua. Essa é a dura realidade para mais de um bilhão de pessoas em todo o mundo”, diz a campanha.

E acrescenta: “Temos a missão de mudar isso, porque conhecer a Verdade muda tudo”.

Segundo seus criadores, a campanha "Quero Saber" é a maior campanha de tradução da Bíblia lançada nas mídias sociais e digitais e mostra depoimentos de 6 pessoas que ainda não têm acesso à Bíblia completa em seu próprio idioma.

A campanha compartilha testemunhos de seis pessoas que ainda não têm acesso à Bíblia completa em seu próprio idioma. (Foto: Reprodução / IllumiNations).

Os participantes da iniciativa podem patrocinar "um versículo bíblico traduzido em um idioma que aguarda a Palavra de Deus" por U$ 35. Eles também são incentivados a postar o versículo bíblico que “querem que o mundo saiba” nas redes sociais usando a hashtag #IWTKBible.

“Os tradutores estão no lugar, a estratégia está no lugar e, com o apoio dos cristãos dos Estados Unidos e do mundo, podemos ajudar cada pessoa na terra a acessar as Escrituras no idioma que melhor entendem”, apontou Bill McKendry, da campanha diretor criativo.

'Erradicar a pobreza bíblica’

Mart Green, diretor de investimentos do ministério da empresa de varejo Hobby Lobby, reuniu-se com parceiros de recursos e agências de tradução para formar IllumiNations em 2010, com o objetivo de traduzir a Bíblia em todas as línguas para todas as pessoas, "um 'Golias' de proporções bíblicas por gerações".

“Mas agora estamos à beira de um estilingue gigante; cada pessoa pode ter pelo menos uma parte da Bíblia em sua própria língua nos próximos 12 anos”, acrescentou.

De acordo com Green, “nenhum outro projeto de tradução das Escrituras na história foi tão ambicioso ou tão bem coordenado, e nunca antes os tradutores tiveram a habilidade, por meio da tecnologia e do software, de turbinar a tradução em um ritmo tão rápido. A estratégia, as pessoas e a tecnologia existem para fazer isso acontecer”.

“Você pode imaginar não ter a Bíblia em inglês ou em sua língua nativa? Um bilhão de pessoas ainda não sabem o que a Palavra de Deus tem a dizer a eles. Podemos ajudar a cumprir a Grande Comissão e erradicar a ‘pobreza bíblica’ nesta geração”, concluiu Green.

sexta-feira, 9 de abril de 2021

Apesar das perseguições, missionário indiano leva 760 pessoas ao batismo em um dia

O missionário Rashphal e sua equipe fazem cruzadas abertas em Uttar Pradesh, levando centenas a Cristo.



FONTE: GUIAME, ADRIANA BERNARDO

Fila de novos convertidos a Jesus para batismo nas águas. (Foto: Arquivo pessoal / Rashphal)

A organização Portas Abertas classifica a Índia como o país onde a perseguição aos cristãos mais cresceu, o que o coloca como o 10º na Lista Mundial da Perseguição de 2021.

Apesar dessas dificuldades, o cristianismo tem crescido na Índia, o que pode ser visto pelas enormes cruzada e pelos números de batismos realizados no país.

Em entrevista exclusiva ao Guiame, o missionário Rashphal falou sobre o trabalho que ele e sua esposa têm feito em Uttar Pradesh, uma das regiões onde os cristãos enfrentam perseguição dos radicais hindus.

Rashphal, que é pastor há 13 anos, entregou sua vida a Jesus após ser curado de câncer no sangue milagrosamente em 2008. Ele não mede esforços para pregar o Evangelho que o curou e salvou.

“Temos feito muitas cruzadas abertas, visitado os pobres e os leprosários, impedido centenas de abortos e batizado os novos crentes”, diz Rashphal, que era da religião Punjabi.

Mesmo em meio às perseguições e dificuldades, ele diz que, em um único dia, 760 pessoas foram batizadas.

Batismo nas águas atrai centenas, na Índia. (Foto: Arquivo pessoal / Rashphal)

“Veja o que estamos fazendo aqui”, disse o pastor, mostrando as fotos de centenas de novos cristãos em fila para receber o batismo nas águas do Haridwar, no início de abril.

“São pessoas que abandonaram alguma religião para se tornarem cristãos, como hinduísmo e islamismo”, diz o pastor, explicando que esse batismo foi fruto de uma cruzada no norte da Índia, realizada em lugares diferentes.

Rede de igrejas

O missionário é integrante da Connection Church, uma rede de igrejas global com mais de 470 casas-igrejas na Índia, 15 no Butão e 200 no Nepal, um dos países que vivenciou o crescimento mais rápido de cristãos no mundo, de acordo com números da World Christian Database.

A rede conta com 80 pastores que servem na Índia, no Nepal e no Butão, diz Rashphal.

O trabalho grandioso exige suporte, o que falta aos missionários indianos, segundo explica Rashphal: “Precisamos de 5.000 Bíblia em hindi para nossos novos membros da igreja e membros da igreja com hanseníase que cuidamos”.

“Estamos trabalhando no ministério, mas não temos apoio financeiro de qualquer lugar. Então, além de suas orações para que Deus continue nos ajudando, precisamos das Bíblias”, apela.

quarta-feira, 7 de abril de 2021

Missionária levou primeira pessoa a Jesus em país da África: “A Igreja nasceu”

Helen se mudou para o norte da África com a família e ganhou a primeira pessoa do país para Jesus.


FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO ETERNITY NEWS


Helen ganhou a primeira pessoa para Jesus num país no norte da África. 
(Foto: Eternity News).

Quando Helen se mudou para um dos países mais áridos do norte da África, nunca imaginaria que se tornaria uma missionária sem querer, ainda mais num país muçulmano, onde pregar o evangelho era proibido. Porém, Helen viveu a verdade de que Deus usa seus filhos nos lugares mais improváveis para realizar os propósitos mais inusitados.

Uma mulher cristã, chamada Helen, mora há 12 anos numa pequena cidade no Norte da África no meio do deserto. Seu marido trabalhava com saúde comunitária e ela educava os quatro filhos em casa.

“Às vezes, Deus permite que você esteja no lugar certo na hora certa. Você não sabe por que ou como, mas simplesmente está lá, confiando nele”, diz Helen.

A vida no deserto não foi fácil, mas Helen e a família se adaptaram com o tempo: “Estávamos rodeados de areia. Um ano, um visitante tentou encontrar solo. Ele cavou por horas e horas ... e não havia solo nenhum, apenas areia. Mas nossos meninos adoraram. Eles pensaram que estavam vivendo em uma caixa de areia gigante. Depois de um tempo, descobri que se você plantar coisas na areia e regá-las por tempo suficiente, elas crescerão, mesmo no deserto. Comecei a plantar tomates e eles cresceram. Então eu plantei uma ameixeira. Ela ainda está viva até hoje!”.

Mas o mais difícil para Helen foi fazer amizades e estar num país que não havia nenhum cristão para compartilhar a fé. A Igreja cristã havia desaparecido da região no século 11 e a maioria da população era muçulmana.

“Era um estado secular muçulmano, o que significava que, entre outras coisas, nossos telefones estavam grampeados e nossos contatos monitorados pelo governo. Tínhamos permissão para estar lá, como cristãos, mas estávamos sob suspeita. E isso significava que fazer amigos não era fácil”, relatou Helen.

Depois de um tempo no país, ela contratou uma senhora para ajudar no ensino dos filhos em casa. As duas se tornaram amigas e se encontravam para beber chá e conversar todas as manhãs.

Helen percebeu que a nova amiga era aberta para a espiritualidade e um dia leu um salmo para ela. “Um dia, nós duas passamos por uma Bíblia em um suporte no corredor. Por algum motivo, decidi mostrar a ela o Salmo 139 ‘Você me procurou, Senhor, e me conhece. Você sabe quando me sento e quando me levanto’. Mas eu também sabia que era um risco. Se ela denunciasse às autoridades, poderíamos ser expulsos do país”, lembra Helen.

Então, ela foi surpreendida pela nova amiga: “Mas enquanto eu lia o Salmo, ela me encarou. 'Isso é incrível!' ela disse. 'Eu sempre soube que Deus era assim. Por que ninguém me contou?’ Foi uma resposta instantânea à verdade, como se ela fosse dominada por ela”.

Helen começou a ler a Bíblia em árabe com a amiga e logo ela entendeu e recebeu o evangelho de Cristo, se tornando a primeira cristã local no país.

“Então, depois de mais alguns anos, havia centenas de crentes naquele país. É uma história mais longa e pode parecer repentina, mas era a hora certa. A igreja nasceu. Deus estava trabalhando de maneiras maravilhosas. Hoje em dia, a igreja naquele país ainda é pequena e frágil, mas está crescendo e Deus está trabalhando hoje, no deserto”, relatou Helen.

Helen aprendeu que Deus usa os meios mais simples para alcançar pessoas e que nossas atitudes tão rotineiras podem ter consequências relevantes para o Reino.

“Para mim, isso me mostrou que nunca sabemos o fruto que Deus trará das pequenas coisas, mesmo quando pensamos que não terá consequências, ou quando estamos apenas tomando chá e conversando com uma pessoa, no deserto”, concluiu Helen.

segunda-feira, 5 de abril de 2021

Um dia após a morte do pai, Yudi louva a Deus e prega: "Já não é sofrimento, é testemunho”

O apresentador acredita que seu pai aceitou a Cristo e disse que sua esperança é um dia reencontrá-lo no Céu.


FONTE: GUIAME

Yudi disse que sua esperança é um dia reencontrar o pai no Céu. (Foto: Reprodução/Instagram).

Na última sexta-feira (3), um dia após a morte do pai, o artista cristão Yudi Tamashiro fez uma live em sua casa, para louvar a Deus e pregar uma mensagem de esperança a seus seguidores.

Yudi pregou sobre esperança e consolo em meio ao luto. “Já não é mais um sofrimento, é um forte testemunho pra ajudar aqueles que estão caídos”, afirmou ele sobre o falecimento do pai.

Durante a live, o cantor revelou que teve uma visão antes de receber a notícia do falecimento do pai. Enquanto orava com sua mãe em casa, Yudi viu seu pai sendo batizado nas águas e, quando ele emergia, uma luz forte resplandecia sobre ele.

“Quando o telefone tocou, a minha prima foi avisada que meu pai tinha partido. Então, eu entendi que esses dias de oração e jejum foram para o meu pai ser salvo. E, se agora, eu estou sorrindo e com o olhar mais tranquilo, é porque eu sei que meu pai foi para a Glória”, contou.

O apresentador também disse que acredita que tudo acontece por um propósito de Deus: “Há um plano para tudo. Meu pai se foi, deixando uma linda história. E agora eu construo a minha história, construo a minha família e passo os valores do meu pai, que foi dado a ele por Deus, aos meus futuros filhos”.

Ao som de “Todavia Me Alegrarei”, o apresentador agradeceu e louvou a Deus pelo seu pai.

“Eu prometo crescer espiritualmente como homem, como filho e como pai dessa casa. Senhor, obrigado! Só tenho a Te agradecer. Me lembro de todos os momentos felizes que vivi com meu pai. Obrigada por ter amado minha mãe e ter mostrado para mim como ser um belo marido, como ser um homem de verdade.”

O jovem contou que acredita que seu pai aceitou Jesus como Senhor e Salvador de sua vida e que sua esperança é reencontrá-lo no Céu um dia: “Eu creio que o senhor aceitou a Jesus, eu creio que a sua conversa com o Senhor foi sincera e verdadeira. Eu sei que quando eu subir não será mais meu pai, será meu irmão, e estaremos com Deus”.

Para Yudi, sua missão é continuar testemunhando e pregando o evangelho a sua geração e a todos que necessitam.

O pai de Yudi, Nelson Tamashiro, faleceu aos 56 anos, depois de ficar duas semanas internado por complicações da Covid-19. A mãe do apresentador, Tânia, também esteve internada devido ao coronavírus, mas foi curada e recebeu alta na semana passada.

domingo, 4 de abril de 2021

A ressurreição de Cristo, fundamento da nossa esperança

Ele levantou-se dos mortos como primícias de todos aqueles que um dia ouvirão de seus túmulos a voz de Deus e sairão.


FONTE: GUIAME, HERNANDES DIAS LOPES


As melhores notícias do mundo vieram de um túmulo vazio. A tumba vazia de Cristo é o berço da igreja. Se a morte tivesse triunfado sobre Jesus, estaríamos desprovidos de esperança. A ressurreição de Cristo é a pedra de esquina da nossa fé, o alicerce da nossa esperança, a garantia absoluta de que caminhamos para um glorioso amanhecer e não para um ocaso tenebroso. A morte não tem mais a última palavra. Seu aguilhão foi arrancado e porque Cristo vive, podemos crer no amanhã.

Destacaremos três realidades benditas sobre a ressurreição de Cristo.

1. A ressurreição de Cristo é um fato incontroverso – Cristo ressuscitou e apareceu a Pedro, aos doze apóstolos, a mais de quinhentas pessoas de uma só vez, a Tiago e a Paulo. Várias testemunhas oculares presenciaram Jesus com um corpo de glória. Sua ressurreição não foi uma surpresa, mas uma profecia. Tanto o Antigo como o Novo Testamento anunciaram sua bendita realidade. Jesus a proclamou com clareza antes de ser entregue nas mãos dos pecadores. A ressurreição de Cristo abalou o inferno, fez estremecer os inimigos e perturba ainda hoje os céticos. Muitas foram as tentativas para negar esse fato incontroverso. Há aqueles que negam que Jesus tenha de fato morrido. Outros dizem que os discípulos roubaram o seu corpo. Outros afirmam que as mulheres foram ao túmulo errado no primeiro dia da semana. Mas, a ressurreição não é um embuste, mas uma verdade absoluta e incontestável. Se Cristo não ressuscitou, ele seria um lunático e não o Filho de Deus. Se Cristo não ressuscitou, um engano salvou o mundo. Se Cristo não ressuscitou, os mártires que verteram seu sangue morreram por uma causa tola. Se Cristo não ressuscitou, então, nós somos os mais infelizes de todos os homens.

2. A ressurreição de Cristo é uma verdade transformadora – A ressurreição de Cristo produziu um profundo impacto na vida dos discípulos. Eles estavam trancados de medo por causa da fúria dos judeus, mas quando a porta o túmulo foi aberta, eles foram trancados por falta de medo. Então, eles se dispuseram a ser presos, açoitados e mortos por causa dessa convicção. O poder da ressurreição inundou o coração deles de santa convicção e eles saíram a pregar, no poder do Espírito, a mensagem do Cristo ressurreto. Essa mensagem como rastilho de pólvora espalhou-se por todo o mundo. Corações endurecidos foram quebrados. Barreiras de incredulidade foram derrubadas. O império das trevas foi saqueado e uma multidão de pessoas foram salvas e, transportadas para o Reino da luz. Ainda hoje, a mensagem da ressurreição transforma vidas, restaura famílias e nos dá razão para cantar mesmo em face da morte.

3. A ressurreição de Cristo é uma esperança gloriosa – A ressurreição de Cristo é a garantia da nossa ressurreição. Ele levantou-se dos mortos como primícias de todos aqueles que um dia ouvirão de seus túmulos a voz de Deus e sairão. Paulo afirma que se Cristo não ressuscitou é vã a nossa pregação e vã a nossa fé. Se Cristo não ressuscitou ainda permanecemos nos nossos pecados e os que dormiram em Cristo pereceram. Se Cristo não ressuscitou somos falsas testemunhas de Deus e nossa esperança está fadada ao fracasso total. Mas, de fato Cristo ressuscitou como o primeiro da fila. A ele seguiremos. No último dia, quando a trombeta de Deus ressoar e quando se ouvir a voz do arcanjo, o Senhor Jesus descerá dos céus e os mortos sairão de seus túmulos. Teremos, então, um corpo incorruptível, poderoso, glorioso, espiritual e celestial, semelhante ao corpo da sua glória. Essa esperança não é algo vago, mas uma convicção gloriosa. Nosso corpo surrado pela doença, debilitado pelo peso dos anos, timbrado por fraquezas e deficiências se revestirá de uma beleza indescritível, de uma perfeição indizível e de uma glória inefável.

Por Hernandes Dias Lopes - pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil, escritor, membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil e diretor executivo da Editora Luz para o Caminho.

* O conteúdo do texto acima é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.