sexta-feira, 20 de maio de 2022

Mulher judia reencontra filha 80 anos após serem separadas na Segunda Guerra Mundial

Mãe e filha se encontraram em 7 de maio, no Canadá, quando Gerda Cole fez aniversário.


FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN POST

Gerda Cole (à esq.) se reúne com sua filha, Sonya Grist em 7 de maio de 2022. (Foto: YouTube/Toronto Sun)

Um reencontro levou uma filha a conhecer sua mãe biológica após 80 anos. A separação aconteceu quando uma judia canadense de 98 anos colocou sua criança para adoção depois de escapar da perseguição durante a Segunda Guerra Mundial.

Mãe e filha se encontraram em 7 de maio, quando Gerda Cole fez aniversário. Ela fugiu de sua casa em Viena, Áustria, em 1939 para escapar do aumento do antissemitismo.

Gerda foi colocada em um transporte infantil para a Inglaterra quando ela tinha 15 anos. Três anos depois, ela deu à luz sua filha, Sonya Grist.

Na época, Gerda fio aconselhada pelo comitê de refugiados na Inglaterra a escolher a adoção devido à sua situação financeira e a abster-se de mais contato com a criança. Após a guerra, Gerda emigrou para o Canadá, depois de obter três diplomas universitários, decidiu viajar pelo mundo e visitar escavações arqueológicas em Israel e Chipre.

O reencontro

O reencontro entre mãe e filha aconteceu graças à ajuda de Stephen Grist, neto de Gerda, após saber que sua avó biológica ainda estava viva enquanto procurava por seu nome e antecedentes.

Em entrevista ao The Toronto Sun, Sonya Grist disse que seus pais adotivos teriam mantido muitos detalhes sobre a adoção em segredo. Mesmo sem informações, seu filho ajudou a traçar sua genealogia. A princípio, a família de Grist acreditava que Greta estava morta.

“O governo austríaco permitiu que qualquer pessoa que pudesse traçar sua ascendência até pessoas que deixaram a Áustria no início dos anos 1930 – eles poderiam solicitar a cidadania austríaca”, contou Stephen Grist ao The Sun.

"Eventualmente, descubro que Gerda, a mãe biológica de minha mãe, tem um enteado e entro em contato com o enteado no Facebook, e digo: 'Estou faltando uma última informação. Só preciso da certidão de óbito de Gerda para poder terminar o pedido de cidadania austríaca. Então, você pode me ajudar com isso?' E ele disse: 'Você não vai encontrar o atestado de óbito dela porque ela ainda está viva e morando em uma casa de repouso no Canadá.' E eu fiquei tipo, 'Oh, meu Deus! A mãe da minha mãe ainda está viva e tem 97 anos [e] completando 98 (sábado)!".

O primeiro contato

Stephen contou a sua mãe as notícias sobre mãe biológica dela. A primeira coisa que Sonya disse foi: "Quero pegar um avião para o Canadá e abraçar minha mãe". Naquele momento, a pandemia da Covid-19 os forçou a adiar a reunião.

Morando na Inglaterra, Sonya Grist entrou em contato com sua mãe biológica por e-mail. A filha adotiva disse à CTV News que sabia que Gerda era sua mãe quando ela respondeu: "Você tem que entender que este computador não gosta de mim", durante sua primeira correspondência. Mais tarde, ela organizou a reunião e a festa de aniversário, segundo o The Sun.

"Minha filha, meu neto, Stephen, obrigado por esta oportunidade. Significa muito poder viver para ver este momento", disse Gerda.

"Obrigada a todos por terem vindo e compartilhar esta experiência maravilhosa comigo. Estou muito feliz por poder dizer 'minha filha'", disse Gerda em um comunicado separado publicado pela CTV News. "Significa muito poder viver para ver esses momentos."

A mãe e a filha teriam passado o dia da reunião conversando e comemorando. Gerda também ofereceu algumas palavras sábias para sua filha e neto.

"Não espere até amanhã antes que seja tarde demais", disse ela. "Se você quer viver, viva agora, não amanhã ou depois. É todo o conselho que tenho para dar."

quarta-feira, 18 de maio de 2022

Membro morreu como herói tentando deter atirador em igreja na Califórnia

A ação corajosa de John Cheng, um médico esportivo, impediu que o número de vítimas fosse maior.


FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE CHRISTIANITY DAILY


John Cheng, um médico esportivo, morreu tentando proteger sua congregação. (Foto: Twitter/OC Sheriff Don Barnes).

Um membro da Igreja Presbiteriana atacada no domingo (15), na Califórnia, morreu tentando deter o atirador e agora está sendo aclamado como herói. A ação corajosa de John Cheng, um médico esportivo, impediu que o número de vítimas fosse maior.

O tiroteio aconteceu na Igreja Presbiteriana Geneva, em Laguna Woods, durante um almoço para homenagear o antigo pastor de uma congregação de Taiwan, que usa a igreja para fazer seus cultos.

De acordo com o xerife local, John atacou o atirador para impedi-lo de atirar contra a congregação, mas acabou sendo baleado.

Neste momento, enquanto o suspeito parou para recarregar a arma, o pastor Billy Chang aproveitou a oportunidade, pegou uma cadeira e atingiu o criminoso com ela.

Logo depois, outros membros conseguiram o mobilizar, ataram suas pernas com um fio elétrico e o desarmaram, conforme o Los Angeles Times. Cerca de 30 a 40 pessoas estavam presentes na igreja.

"Dr. Cheng é um herói", afirmou Donald Barnes, xerife do condado de Orange. Segundo ele, o ato heróico de John impediu que mais pessoas fossem mortas ou ficassem feridas no ataque.

Tiroteio aconteceu na Geneva Presbyterian Church. (Foto: Twitter/Travis Rice/FOX Los Angeles).

“Uma verdade fundamental da fé desta igreja é que não há amor maior do que dar a vida por seu amigo”, completou Barnes.

Uma pessoa morreu e quatro ficaram gravemente feridas no tiroteio. Segundo informações da polícia, todas as vítimas são idosos. Entre eles estão quatro homens asiáticos, de 66, 75, 82 e 92 anos, e uma mulher asiática de 86 anos.

“Esse grupo de fiéis mostrou um heroísmo excepcional ao interferir ou intervir para deter o suspeito”, disse o subxerife do condado de Orange, Jeff Hallock, à CNN.

O suspeito, um homem asiático de 60 anos, está sob custódia da polícia e a investigação busca saber se ele tem alguma conexão com a igreja ou seus fiéis e ainda não determinou qual a motivação do crime.

Autoridades reagem

O governador da Califórnia, Gavin Newsom, se pronunciou no Twitter após o tiroteio: “Ninguém deve ter medo de ir ao seu local de culto. Nossos pensamentos estão com as vítimas, a comunidade e todos os afetados por este trágico evento”.

A congregação taiwanesa, que se tornou uma congregação irmã da Igreja Presbiteriana Geneva cerca de cinco ou seis anos atrás, sempre realiza um almoço após o culto de domingo de manhã, disse a prefeita pro tempore de Laguna Woods, Cynthia Conners, à CNN.

“Vamos ver o que podemos fazer para nos encontrar com os membros da congregação, vamos trazer alguém da Comissão de Direitos Humanos do Condado de Orange e tentar garantir que os membros asiáticos de nossa comunidade se sintam o mais seguros possível”, disse Conners.

O governo de Taiwan diz que seu Escritório Econômico e Cultural em Los Angeles ativou planos de resposta a emergências. “O Ministério das Relações Exteriores envia nossas mais profundas condolências às vítimas e suas famílias”, disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Joanne Ou.

segunda-feira, 16 de maio de 2022

Tiroteio em Igreja Presbiteriana na Califórnia deixa 1 morto e 4 feridos

O tiroteio aconteceu durante um almoço para homenagear o antigo pastor de uma igreja de Taiwan.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA CNN NEW


Tiroteio aconteceu na Geneva Presbyterian Church. (Foto: Twitter/Travis Rice/FOX Los Angeles)

Pelo menos uma pessoa está morta e quatro estão gravemente feridas após um tiroteio no domingo (15) em uma igreja em Laguna Woods, na Califórnia.

O tiroteio aconteceu na Igreja Presbiteriana Geneva durante um almoço para homenagear o antigo pastor de uma congregação de Taiwan, que usa a igreja para fazer seus cultos, de acordo com Tom Cramer, líder do Presbitério.

Segundo informações da polícia, todas as vítimas feridas no tiroteio são idosos. Entre eles estão quatro homens asiáticos, de 66, 75, 82 e 92 anos, e uma mulher asiática de 86 anos.

“Uma vítima morreu no local”, informou no Twitter o Departamento do Xerife do Condado de Orange, que ainda não revelou sua identidade e idade.

O suspeito foi detido no local depois que um grupo de pessoas na igreja conseguiu amarrar suas pernas com um cabo de extensão e confiscar pelo menos duas armas dele, disse o presbítero Hallock.

“Esse grupo de fiéis mostrou um heroísmo excepcional ao interferir ou intervir para deter o suspeito”, disse Hallock, de acordo com a CNN.

O suspeito está sob custódia da polícia, disse o subxerife do condado de Orange, Jeff Hallock, a repórteres na noite de domingo. De acordo com o presbítero Hallock, ele é um homem asiático na casa dos 60 anos que não mora na área.

A investigação busca saber se ele tem alguma conexão com a igreja ou seus fiéis e ainda não determinou qual a motivação do crime.

Policiais e bombeiros na Geneva Presbyterian Church. (Foto: Twitter/Bill Melugin/FOX Los Angeles)

Cerca de 30 a 40 pessoas estavam presentes na recepção, de acordo com Hallock.

Autoridades reagem

O governador da Califórnia, Gavin Newsom, se pronunciou no Twitter após o tiroteio: “Ninguém deve ter medo de ir ao seu local de culto. Nossos pensamentos estão com as vítimas, a comunidade e todos os afetados por este trágico evento”.

A congregação taiwanesa, que se tornou uma congregação irmã da Igreja Presbiteriana Geneva cerca de cinco ou seis anos atrás, sempre realiza um almoço após o culto de domingo de manhã, disse a prefeita pro tempore de Laguna Woods, Cynthia Conners, à CNN.

“Vamos ver o que podemos fazer para nos encontrar com os membros da congregação, vamos trazer alguém da Comissão de Direitos Humanos do Condado de Orange e tentar garantir que os membros asiáticos de nossa comunidade se sintam o mais seguros possível”, disse Conners.

O governo de Taiwan diz que seu Escritório Econômico e Cultural em Los Angeles ativou planos de resposta a emergências. “O Ministério das Relações Exteriores envia nossas mais profundas condolências às vítimas e suas famílias”, disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Joanne Ou.

sexta-feira, 13 de maio de 2022

Mais de 600 mil crianças aceitam Jesus durante cruzada em Ruanda

O ministério “Cristo para todas as Nações” realizou mais de mil Cruzadas Kids para alcançar a nova geração.


FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE CHRISTIAN NEWS WIRE

O ministério “Cristo para todas as Nações” realizou mais de mil Cruzadas Kids em Ruanda. (Foto: Cristo para Todas as Nações).

Neste outono, as equipes evangelísticas da “Cristo para todas as Nações” (Christ For All Nations – CfaN) realizam mais de mil Cruzadas Kids em Ruanda, para alcançar as crianças da nação africana.

O país que já foi palco de conflitos sangrentos, registrou uma grande colheita para o Reino de Deus entre a nova geração. Durante nove semanas de evangelismo, mais de 695 mil crianças receberam Jesus.

"Para mim, pessoalmente, meu momento favorito é quando vejo crianças levantando as mãos para receber Jesus como Senhor e Salvador", declarou o evangelista Samuel Hörnle, em vídeo publicado nas redes sociais da CfaN.

A visão das crianças levantando as mãos para aceitar Cristo se repetiu durante todas as Cruzadas Kids, na região de Kigali.


"É um privilégio ver como uma geração inteira é transformada pelo Espírito Santo. Temos visto tantas crianças seguindo o chamado do Pai para voltar para casa. Milhares de crianças estão proclamando e confessando Jesus como Senhor. Ver isso é um dos maiores privilégios de nossos tempos”, testemunhou Samuel.

O trabalho evangelístico com crianças faz parte da estratégia do evangelista Daniel Kolenda, líder da “Cristo para todas as Nações”, de quadruplicar o número de pessoas alcançadas pelo Evangelho nos próximos dez anos.

Chamada de “Colheita Dupla”, a estratégia missionária também inclui treinar novos evangelistas em programas, como o Evangelism Bootcamp, e colocá-los para pregar as Boas Novas nas cruzadas do ministério.

Nos últimos meses, a CafN também distribuiu mais de 110 mil cópias do livreto evangelístico “Ele Ressuscitou” em todo o mundo, levando milhares a Jesus.

quarta-feira, 11 de maio de 2022

Promotor da Corte Internacional visita a Nigéria

Investigação de crimes contra a humanidade é uma das motivações da visita


Fonte: Portas Abertas

 

O promotor Karim Khan conversou apenas com oficiais do governo (foto: World Watch Monitor)

O promotor da Corte Internacional de Crimes (ICC, da sigla em inglês), Karim Khan, fez a primeira visita à Nigeria para discutir os próximos passos na investigação de crimes contra a humanidade e crimes de guerra. Evidências desses delitos foram coletadas desde 2010 e mostram ações do grupo extremista islâmico Boko Haram e outros, além da própria Força de Segurança Nigeriana (NSF, da sigla em inglês) no Norte do país. A visita é bem vista por alguns, mas envolve controvérsias. Como a Nigéria é signatária do Estatuto de Roma, que fundou a ICC, essa intervenção demorou mais de oito anos para acontecer, custando muitas vidas. 

Em 2009, o Boko Haram começou os ataques recorrentes no país. Primeiro nas delegacias e acampamentos do exército no estado de Borno. Depois, o grupo organizou novas linhas de ataque quando sequestrou 275 meninas na escola fundamental em Chibok em abril de 2014. A hashtag #BringOurGirlsBack se espalhou pelo mundo e até mesmo a então primeira-dama do Estado Unidos, Michelle Obama, a publicou no Twitter. 

Apesar das promessas de que resgataria todas as meninas na campanha eleitoral de 2015, o presidente Buhari não deteve o Boko Haram e também não conseguiu levar o líder deles, Abubakar Shekau, à justiça. Muitos acreditam que em 19 de maio do ano passado, Shekau explodiu a si mesmo com um colete suicida para evitar a captura pelo grupo rival, o Estado Islâmico da Província da África Ocidental (ISWAP). A morte de Shekau piorou a insegurança no país. O grupo se separou e formou alianças com outros extremistas, como Ansaru, alguns ligados à Al-Qaeda no Magreb Islâmico. 

Recorde de mortes e sequestros 

A Corte deve ser um recurso de última instância para intervir em crimes contra a humanidade e genocídios, por isso o promotor afirma que concedeu esse tempo para que o governo nigeriano tentasse resolver suas demandas por conta própria. No entanto, pelo menos 38 pedidos de investigação de crimes, dez crimes com prova e a negligência do governo nesse período poderiam ter adiantado a visita do promotor. 

Juntos, Boko Haram e ISWAP, mataram mais de duas mil pessoas em 2021; e em 2020, o triplo desse número. Além disso, mais de quatro mil mulheres e meninas foram raptadas pelo Boko Haram apenas no Nordeste da Nigéria. 

Em uma breve visita ao palácio do governo em abril deste ano, oficiais nigerianos afirmaram não poder informar o número de nigerianos mortos por causa das eleições do próximo ano. “Pessoas de dentro do governo acreditam que a prioridade é a imagem pública, não a transparência e prestação de contas.”

Causa dos cristãos perseguidos é ignorada

A Associação Cristã da Nigéria (CAN, da sigla em inglês) disse que apesar das tentativas de contato com o promotor Karim para tratar a causa dos cristãos perseguidos, eles não foram ouvidos e ficaram sabendo da visita do ministro pela grande mídia. Não foram notificados ou convidados para conversar com o promotor. 

Karim se encontrou apenas com membros do governo nigeriano, ou seja, está ouvindo apenas um lado da história, como afirmou a imprensa do país. A Associação Cristã da Nigéria se incomoda, pois nenhum dos últimos governos protegeu os 25 mil cristãos que perderam suas vidas por causa da violência religiosa no país. O promotor não conversou com nenhuma das vítimas ou seus representantes. 

Na lista dos crimes investigados, apenas um se refere à “perseguição motivada por gênero e crenças” que é o caso dos raptos e abusos sexuais, como a situação vivida por Leah Sharibu, as meninas de Chibok e outras. 

A CAN também afirma que os cristãos do Noroeste e Centro da Nigéria são alvos recorrentes dos extremistas islâmicos e por isso pede uma investigação e ação específica para essa questão. A Corte Internacional considera esses crimes menos urgentes e que a motivação não é a fé das pessoas. Ao que parece, o novo promotor seguirá o passo dos antecessores e não levará a sério os cristãos perseguidos. 


Em 2022, o tema do DIP será “A igreja sob ataque”, intercedendo em especial pela Nigéria e Oeste Africano. Inscreva sua igreja e participe. Ao se cadastrar como organizador do DIP, você terá acesso aos materiais para realizar o evento. Prepare sua igreja para interceder pelos irmãos perseguidos do Oeste Africano no dia 12 de junho de 2022.



 

segunda-feira, 9 de maio de 2022

“O cristianismo progressista pode mandar uma pessoa para o inferno”, diz Franklin Graham

O pastor explica por que os cristãos progressistas têm minado princípios da Palavra de Deus.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA DECISION


Franklin Graham, fundador da Samaritan's Purse. (Foto: BGEA)

O pastor Franklin Graham acredita que há uma guerra sendo travada contra o cristianismo bíblico por meio do “cristianismo progressista”, em um artigo publicado em 1 de maio na revista Decision, vinculada à Associação Evangelística Billy Graham

“Surgiu nos salões dos seminários, se infiltrou nos púlpitos de milhares de igrejas e foi propagado por uma mídia liberal ímpia”, disse o pastor. Ele acredita que o cristianismo progressista está empenhado “em lançar dúvidas e minar os princípios fundamentais da Palavra de Deus.”

Graham lembra que uma das maiores críticas do apóstolo Paulo aos Gálatas é que eles estavam seguindo “outro Evangelho”. Ele disse: “Algumas pessoas os estão perturbando, querendo perverter o evangelho de Cristo.” (Gl 1:7)

O pastor afirma que o mesmo se aplica hoje aos defensores do cristianismo progressivo. “Eles enganosamente promovem o que eu acredito ser claramente um ‘outro evangelho

que, na realidade, não é o Evangelho’ (Gl 1:6-7)”, disse.

Ele então destacou: “O cristianismo progressista não é o evangelho de forma alguma. Não tem nada a ver com o Evangelho da morte e ressurreição de Cristo. Isso não resulta em nada além de confusão espiritual e caos.”

Pautas de gênero, raça e justiça social

Para Graham, o cristianismo progressista nega a verdade da Bíblia em várias áreas da vida. “Por exemplo, embora as Escrituras digam claramente que o casamento é entre um homem e uma mulher, os defensores do cristianismo progressista distorcem a verdade da Palavra de Deus sobre a sexualidade, se concentrando em tendências sem sentido, como a identidade de gênero.”

“Eles negam a distinção dos sexos feita por Deus e, em vez disso, inventam seus próprios padrões equivocados, não guiados pela Palavra de Deus”, continua. “As influências culturais degradantes que abraçam movimentos como o casamento gay têm mais influência sobre suas crenças do que a Bíblia.”

Quando se trata de pautas raciais e sociais, Graham diz que os cristãos progressistas se esquecem que o maior problema do homem é o pecado. “O cristianismo progressista falha em ver as consequências desastrosas do estado depravado e pecaminoso da humanidade”, afirma.

Por isso, o pastor alerta: “O perigo real é que o cristianismo progressista pode enviar uma pessoa para o inferno”.

“Eu sei que parece duro, mas é verdade”, continua. “Amar as trevas mais do que a luz terminará em uma eternidade no inferno.”

Em uma mensagem aos pastores, Graham diz que é preciso voltar a “pregar a Palavra”.

“Os evangélicos precisam guardar a verdade de uma vida e pregação bíblica, permanecendo verdadeiros e ousados ​​sobre o que a Bíblia ensina claramente”, finaliza. “Não há outra maneira de ser salvo por toda a eternidade.”

sexta-feira, 6 de maio de 2022

No aniversário de Israel, parlamentar pede a construção do Terceiro Templo

Itamar Ben-Gvir é um dos maiores defensores da construção do Terceiro Templo no Parlamento de Israel.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO ISRAEL 365 NEWS

Itamar Ben-Gvir subindo ao Monte do Templo em Jerusalém. (Foto: Temple Mount Heritage Foundation)

Um membro do Knesset (o parlamento de Israel) visitou o Monte do Templo nesta quinta-feira (5), quando as visitas judaicas foram retomadas ao local por causa do Dia da Independência de Israel.

Durante sua visita, o parlamentar israelense Itamar Ben-Gvir declarou: “Chegou a hora de aprovar a construção de uma sinagoga judaica no Monte do Templo”. Segundo o site Israel 365 News, sua declaração faz relação com o Terceiro Templo.

No dia em que o Estado de Israel celebra 74 anos, as visitas de judeus foram retomadas, após terem sido interrompidas durante o Ramadã. No entanto, o clima no Monte do Templo entre árabes e judeus ainda era de tensão.

Segundo a AP News, dezenas de palestinos se reuniram, cantando “Alá é o maior”. A Polícia de Israel tentou conter os manifestantes enquanto alguns palestinos se abrigavam dentro da própria mesquita.

Antes de subir o Monte, Ben-Gvir enfatizou no Twitter a importância de visitar o Monte do Templo: “A ascensão dos judeus ao Monte do Templo hoje só prova que o Hamas é uma organização fraca que pode ser facilmente subjugada”, disse.

“No 74º Dia da Independência do Estado de Israel, é importante que mesmo os governantes se lembrem de que somos um Estado independente”, acrescentou.

Preparação para o Terceiro Templo

Enquanto o “status quo” do Monte do Templo voltou em questão — definindo que apenas os muçulmanos orem lá, e pessoas de outras religiões façam apenas breves visitas — alguns parlamentares de Israel têm se preparado para o futuro Templo.

No ano passado, o Knesset discutiu a substituição da rampa de acesso ao Monte do Templo, sugerindo construir um acesso permanente para o futuro projeto do Terceiro Templo.

Ao longo da discussão, os parlamentares e ativistas ressaltaram a conexão judaica com o Monte do Templo e seu desejo de construir o Terceiro Templo. Também houve apelos para tornar o Monte do Templo mais acessível para os judeus.

“A situação está muito longe do que deveria ser”, reclamou Itamar Ben-Gvir, do Partido Sionista Religioso, que liderou a discussão. “Não estamos satisfeitos com o que temos. [Ter acesso ao Monte do Templo] é uma boa situação, mas pode melhorar.”