Google+ Followers

sábado, 3 de setembro de 2016

Noiva paralítica caminha até o altar no dia do casamento: “Deus me permitiu viver isso”

Jaquie conseguiu caminhar até o altar pela primeira vez no dia do seu casamento. (Foto: Reprodução/Instagram)
Jaquie conseguiu caminhar até o altar pela primeira vez no dia do seu casamento. (Foto: Reprodução/Instagram)

Para a surpresa dos convidados, Jaquie conseguiu caminhar até o altar pela primeira vez no dia do seu casamento. A jovem atribui essa conquista a um milagre de Deus.

Aos 17 anos, a americana Jaquie Goncher quebrou o pescoço em um acidente causado por um mergulho na piscina. A lesão resultou em uma grave paralisia que, segundo os médicos, não permitiria que ela voltasse a andar pelo resto de sua vida.

Para a surpresa dos especialistas, Jaquie se casou aos 25 anos e conseguiu caminhar até o altarpara encontrar seu noivo. No entanto, ela não acredita que sua recuperação sucedeu pela sorte ou competência da medicina — e sim, por um milagre de Deus.

"Quando eu recuperei o movimento inicial, eu sabia que era Deus, porque a minha pressão arterial era tão baixa que eu não conseguia sair da cama. Quando o cirurgião descobriu que eu tinha começado a movimentar meu dedo do pé, ele ficou em choque”, disse ela ao site Christian Today.

"Desde o início, quando eu consegui recuperar alguns movimentos, até chegar a cura completa, eu tenho visto um milagre", acrescentou.
Jaquie se prepara para deixar a cadeira de rodas. (Foto: Reprodução/Instagram)


Dúvidas
Embora a fé de Jaquie tenha ajudado a superar sua deficiência, ela admite que teve momentos de dúvida. Certa noite, ela estava lendo os trechos da Bíblia que falavam sobre cura, e questionou a Deus de que nada estava mudando nela.

"Em alguns momentos eu me 'esquecia’ do que Deus tinha feito por mim, e me senti sozinha. Mas acho que é isso que torna o Evangelho tão incrível. Deus sempre continuava me procurando, mesmo quando eu estava fugindo Dele", disse ela, que tinha a esperança renovada cada vez que abria sua Bíblia.

"Jesus curou a todos, então pensei: ‘Se Ele curou todos esses, por que Ele mudaria? Ele não muda, então Ele vai me curar também’", afirma.

No caminho até a recuperação, Jaquie também teve de lidar com decisões importantes. Depois de ouvir seu pastor pregar sobre "santidade”, a jovem sentiu o desejo de subir ao altar.

Há um ano e meio, ela morava junto com seu noivo, Andy. Em um momento de intimidade do casal, ela sentiu Deus dizendo a ela que as coisas não deveriam acontecer desse modo. Dias depois, ela voltou para a casa de sua mãe.

"Ele [Andy] me apoiou de diferentes maneiras... Ele sempre esteve lá. Ele concordava com o que eu estava fazendo e com as minhas escolhas", disse ela.
Com a ajuda da mãe e do avô, Jaquie fica de pé. (Foto: Reprodução/Instagram)


Casamento
Quatro meses depois, Jaquie literalmente caminhou até o altar no dia de seu casamento — algo que surpreendeu familiares, amigos e ela mesma.

"Me lembro de estar chocada porque eu não só andei pelo corredor, mas fiquei toda a cerimônia em pé e consegui dançar durante o meu casamento”, relembra. "Eu sequer me senti cansada ao longo da noite. Eu estava tão animada e aproveitei o momento. Eu acredito que Deus me permitiu viver isso".

Jaquie tem esperança de recuperar ainda mais força e movimento nas pernas, mas também espera atrair pessoas ao amor de Jesus Cristo através de sua história.

"Busque a Deus acima de tudo. Quando você O busca apenas por quem Ele é, Ele te diz o que fazer, Ele dá o que você precisa. Eu acho que a coisa mais importante é perseverar. Você tem que continuar tendo esperança e fé que Deus é quem Ele diz que é. As promessas de Deus são suas. Leve elas com você”, aconselha a jovem.
O noivo, Andy, se emociona ao ver Jaquie caminhando. (Foto: Reprodução/Instagram)


O casal comemora o milagre junto com os convidados. (Foto: Reprodução/Instagram)


Jaquie deixou a cadeira de rodas vazia durante a festa. (Foto: Reprodução/Instagram)


A noiva conseguiu até mesmo dançar após a cerimônia. (Foto: Reprodução/Instagram)


O casal entendeu o princípio da santidade meses antes do casamento. (Foto: Reprodução/Instagram)


FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE CHRISTIAN TODAY

  

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Astronauta fortalece sua fé em dias no espaço: “Vi o trabalho de um Deus infinito"

Quando Jeff retornar à Terra, terá alcançado a marca de 534 dias navegando pelo cosmo. (Foto: NASA)
Quando Jeff retornar à Terra, terá alcançado a marca de 534 dias navegando pelo cosmo. (Foto: NASA)

O astronauta Jeff Williams, que já quebrou o recorde americano de dias acumulados no espaço, tem tido marcas profundas em sua fé durante sua jornada.

A jornada no espaço do astronauta Jeff Williams está sendo traçada não apenas por recordes históricos, mas também por marcas profundas em sua fé.

Quando Jeff retornar à Terra, no dia 6 de setembro, terá alcançado a marca de 534 dias navegando pelo cosmo, quebrando o recorde de dias acumulados por um americano no espaço. Mas este não é o único motivo que deixou registros na vida do astronauta.

A visão privilegiada do universo que Jeff tem tido a partir da janela da estação espacial, serviu para aprofundar sua fé cristã, segundo compartilhou em entrevista concedida ainda em órbita ao Seminário Teológico Batista do Sul, nesta terça-feira (30).

"Quando eu olho pela janela e vejo isso — todos os elementos são como você poderia imaginar, você pode ver o trabalho criativo de um Deus infinito", disse ele. "Você vê o design, você vê a beleza, você vê o propósito, você vê todos esses elementos, você vê ordem em todos os detalhes".

Jeff conversou com o presidente do seminário, R. Albert Mohler Jr., durante 15 minutos em 402 quilômetros acima da Terra, enquanto sua estação espacial transitava sobre a América do Norte.

Jeff conversou com o presidente do seminário batista durante 15 minutos. (Foto: Emil Handke/SBTS)


"Estar aqui dentro, olhar pela janela e ver os elementos da criação de Deus no espaço, assim como o planeta, é outra coisa. Agora você se define dentro deste processo que sustenta a sua vida e você pode ver através desse visor não só a vastidão e a majestade do mundo, mas todo o espaço”, disse ele.

“Isso só aprofunda a compreensão do que conhecemos através das Escrituras sobre o trabalho criativo e surpreendente de Deus. É uma experiência que me fez ver o quanto sou pequeno", acrescentou o astronauta.

Ao final da entrevista, Jeff deu um mortal com a gravidade zero e acenou para o público que acompanhava a conversa. Mohler disse que o astronauta era um "querido irmão em Cristo" e "amigo do seminário".


FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE BAPTIST PRESS



quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Judeu relata sofrimento no Holocausto: "Se não fosse Deus, não teria sobrevivido"

Junto com seu envolvimento na comunidade judaica local, Abraham também deixou um legado inspirador como professor. (Foto: Reprodução).
Junto com seu envolvimento na comunidade judaica local, Abraham também deixou um legado inspirador como professor.
 (Foto: Reprodução).

Em uma família judia de 90 pessoas, apenas sete sobreviveram à guerra: Abraham Peck e seis primos. Conheça essa história completa de fé e superação.

Residente em Nova Jersey (EUA) Abraham Peck foi conhecido por ter desafiado bravamente a morte e ter firmado a si mesmo e sua família nos Estados Unidos. O sobrevivente que sofreu em novecampos de concentração liderados pelos nazistas, morreu de insuficiência renal, na semana passada aos 91 anos.

Nesta semana a mídia americana contou a história de vida do judeu de origem polonesa que havia imigrado para os Estados Unidos após a Segunda Guerra Mundial.

Abraham, era o único membro de sua família vivo que sobreviveu ao Holocausto. Era também o único sobrevivente da cidade polonesa de Szadek. Ele morreu em sua casa na última quinta-feira (25) a noite.

Ele lembrou sua infância na década de 1930 com carinho. “Éramos muito religiosos, eu tinha muitos amigos onde falávamos de Deus”, disse em entrevista em março desse ano. “Juntos, a gente construiu um caiaque para os verões, usando folhas de compensado, unhas e alcatrão. No inverno, construíamos trenós”, relatou.

Mas, na adolescência, ele foi transportado por vários campos de concentração nazistas, incluindo o de Auschwitz. Recebeu o número de identificação 143450 que foi tatuado em seu braço esquerdo.
Durante os anos de sofrimento, sofrei de inanição por comer apenas pedaços de pão. Ele também suportou o trabalho forçado e doenças. Abraham viu seu pai morrer. Ele lembrou em uma entrevista, há alguns meses, como eram os dias de atrocidades horríveis nas mãos dos nazistas.

"Até hoje, eu não sei onde meu pai está enterrado", relata a mídia explicando que ele havia implorado a um guarda nazista para ajudar com o enterro, mas em vez de receber ajuda foi atingido por um cano da arma para voltar ao trabalho. "Se não fosse por Deus, eu não teria sobrevivido", continuou.
"Ele venceu ao sobreviver", disse a biógrafa Maya Ross. Sua biografia foi publicada em março de 2016. (Foto: Reprodução).

No dia 30 de Abril de 1945, Abraham foi liberto pelas forças norte-americanas. Depois de procurar por sobreviventes de sua região na Polônia, ele descobriu que tinha sobrevivido apenas com sete primos da família que lá estava.

De acordo com sua biografia, sua família incluia 90 pessoas - quatro avós, dois pais, uma irmã, 14 tias, 14 tios e 54 primos - dos quais apenas sete sobreviveram à guerra, ele e seis primos.

Junto com seu envolvimento na comunidade judaica local, Abraham também deixou um legado inspirador como professor. Apesar de sua experiência angustiante durante a Segunda Guerra Mundial, ele bravamente sobreviveu com a missão de informar ao mundo sobre o Holocausto, além de se levantar contra a injustiça.

"Ele venceu ao sobreviver", disse a biógrafa Maya Ross. Sua biografia intitulada “Abe-vs-Adolf: The True Story of Holocaust Survivor Abe Peck” (Abe contra Adolf: A Verdadeira História de Abe Peck, um Sobrevivente do Holocausto, em tradução livre), foi publicada em março de 2016.

Abraham casou Helen, que também sobreviveu ao Holocausto. Eles tiveram um filho. A família emigrou para os EUA em 1949, onde ele chegou a possuir uma empresa de fabricação de estofados. Ele deixa seu filho, dois netos e três bisnetos.

Confira o vídeo sobre a biografia de Abraham (em inglês):


FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO SITE THE JERUSALEM POST


quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Educação em Israel deve ser baseada no estudo da Bíblia, diz Netanyahu

Primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, na Comissão de Controle do Estado. (Foto: Marc Israel Sellem)
Primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, na Comissão de Controle do Estado. (Foto: Marc Israel Sellem)

O primeiro-ministro ressalta a importância implantar na educação de Israel o sionismo, baseado no estudo da Bíblia e no conhecimento do patrimônio judaico.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, afirmou que uma revolução na educação do país só pode acontecer se houver uma ênfase no estudo da Bíblia.

Sua declaração foi feita em uma reunião de gabinete realizada nesta terça-feira (30), dois dias antes do início do ano escolar israelense.
"Nosso objetivo é iniciar uma revolução na educação", disse Netanyahu. "Essa revolução será baseada em duas coisas: na excelência e no sionismo [nacionalismo judaico]".

O primeiro-ministro explica que a excelência visa permitir que todas as crianças percebam o seu potencial; e o sionismo, com base no estudo da Bíblia e no patrimônio judaico, é importante para que elas compreendam porquê os judeus estão em Israel.

"Primeiramente [devemos focar no] estudo da Bíblia, devemos fazer um grande esforço”, disse ele. “Este é o motivo pelo qual estamos aqui, pelo qual retornamos a este país, e pelo qual ficamos aqui."

Além disso, Netanyahu afirma que é importante ensinar aos alunos sobre a contribuição judaica para a civilização, bem como o conhecimento histórico geral.

"O conhecimento é uma palavra crítica. Queremos dar isso a cada criança em Israel — judeus e não-judeus, religiosos e seculares. Esta é a base do novo mundo, e a base de Israel como uma forte nação no mundo", disse ele.

Religião em Israel
De acordo com a pesquisa realizada em 2011 pelo Instituto Central de Estatísticas de Israel, 75,3% da população total do país é constituída por judeus (5.837.000). Fora estes, 20,5% são seguidores do Islã (1.587.000) e as demais religiões somam 4,2% da população (322.000 pessoas).

Diferentemente do que ocorre em outros países, os israelenses tendem a não se alinhar com um movimento de judaísmo, mas sim, a definir sua filiação religiosa por diferentes graus de prática religiosa.

Vinte e cincos por cento dos judeus israelenses se definem como "não-religiosos"; 42% como "seculares" (observando apenas as principais datas sagradas); 13% como "religiosos-tradicionalistas" (cumprindo apenas alguns mandamentos religiosos); 12% como "religiosos" (seguindo a maioria das leis e celebrando as datas religiosas) e 8% dos judeus israelenses se definiram como "haredim" (ortodoxos).

Além disso, 65% dos judeus de Israel declaram acreditar em Deus e outros 85% participam das celebrações anuais do Pessach (Páscoa judaica). No entanto, outras fontes indicam que entre 15% e 37% dos israelenses identificam-se como agnósticos ou ateus.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE THE JERUSALEM POST



segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Dispostos a ter suas cabeças cortadas para testemunhar Cristo na Síria


Dispostos a ter suas cabeças cortadas para testemunhar Cristo na Síria

Freira está divulgando o drama da guerra que o mundo se nega a ver

por Jarbas Aragão 

Milhares de cristãos fugiram da Síria desde o início da guerra que devasta o país. Pressionados pelo avanço dos jihadistas do Estado Islâmico, depois de mais de 4 anos de conflito a comunidade cristã no país é uma fração da que existia.

Maria de Guadalupe, missionária argentina que vive há 18 anos no Oriente Médio está desde 2011 na Síria. Ela teve a possibilidade de sair do país quando a guerra começou, mas decidiu ficar. Residente em Aleppo, testemunha há 5 anos o drama da perseguição cristã nas mãos dos extremistas.

Recentemente, em viagem ao Chile, deu um detalhado relato da situação que vivem os que permanecem na região. Os cristãos que continuam na Síria e no Iraque “estão dispostos a dar suas vidas – mesmo que suas cabeças sejam cortadas – para testemunhar Jesus Cristo”, afirmou.

Para a freira católica, eles mantêm “a alegria, a esperança e a paz”. Diz acreditar que “isso Deus lhes dá como um dom em retribuição à sua generosidade a sua fortaleza para manter o testemunho até as últimas consequências”.

Ela vem pedindo que os cristãos do mundo todo continuem lembrando dos perseguidos em suas orações. São “mártires de nossos tempos, dispostos a entregar tudo, inclusive seu bem mais precioso que é a própria vida”, resumiu a religiosa. Esclarece que não faz diferença a confissão, membros de todos os ramos do cristianismo estão unidos e se ajudam mutuamente.

Seu desejo é que a situação deles seja mais conhecida, pois eles necessitam de todo apoio possível. Ela já falou na ONU sobre o assunto, mas não teve nenhuma manifestação de apoio.

Apesar do Ocidente fazer vistas grossas, Maria acredita que a entrada da Rússia no conflito, dando apoio ao exército nacional sírio trouxe alguns avanços positivos. “Pela primeira vez em alguns anos, vemos o Estado Islâmico retrocedendo e a recuperação de algumas cidades”.

Por outro lado, a missionária reconhece que a medida em que vão perdendo espaço, os jihadistas geralmente voltam sua fúria para os cristãos. Ela se queixa dos meios de comunicação internacionais mais importantes. “Eles não estão divulgando as notícias e isto não é uma casualidade”, dispara.

No seu entendimento, “tudo relacionado à perseguição aos cristãos é muito escondido”. A solução seria os cristãos ocidentais procurar se informar por outros meios e divulgar o que realmente ocorre. Finaliza fazendo um apelo “para que os cristãos no ocidente possam se unir a esta causa. Os cristãos perseguidos na Síria e no Iraque confiam nas orações do resto do mundo”.

Fonte: noticias.gospelprime.com.br Com informações deAciprensa

Assista o depoimento da missionária:




domingo, 28 de agosto de 2016

Com Bíblia nas mãos, homem é resgatado após acidente com caminhão em MG

Homem foi resgatado com Bíblia nas mãos e sem ferimentos graves. (Foto: Aislan Henrique / Patos Agora)
Homem foi resgatado com Bíblia nas mãos e sem ferimentos graves. (Foto: Aislan Henrique / Patos Agora)

O homem dirigia um caminhão, que acabou perdendo o controle e destruiu o muro de um estabelecimento, na BR-365 em Patos de Minas (MG).

A imagem de um homem sendo resgatado pelo Corpo de Bombeiros, após um acidente com um caminhão na BR-365 em Patos de Minas (MG), tem chamado a atenção de muitos internautas por um fator um tanto inusitado: no momento em que foi retirado das ferragens, a vítima apareceu segurando uma Bíblia e sorrindo.

O veículo estava sendo conduzido pela vítima, quando derrubou uma árvore e bater no muro de um motel, na tarde da última quarta-feira (24). Suspeita-se que o veículo tenha perdido o freio, mas o motorista foi resgatado sem ferimentos graves.
Além do Corpo de Bombeiros, uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) também esteve presente no local, para prestar apoio.

Apesar dos ferimentos leves, o motorista do caminhão foi encaminhado ao Hospital Regional.



FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO G1