Google+ Followers

sábado, 23 de julho de 2016

Morador de rua supera dificuldades e entra na faculdade: "Posso tudo naquele que me fortalece"

Fred Barley experimentou muito da generosidade dos moradores de Barnesville, Georgia, nos EUA. (Foto: Facebook)
Fred Barley experimentou muito da generosidade dos moradores de Barnesville, Georgia, nos EUA. (Foto: Facebook)

Aos 19 anos de idade, Fred Barley não se importou em pedalar por horas sob um sol escaldante e dormir em uma barraca armada no campus da Universidade para realizar o seu sonho de se tornar médico.

Pedalar em uma pequena bicicleta durante seis horas sob um sol escaldante? Sem problemas. Se abrigar em uma tenda por dias à espera para a abertura da escola? Sem problemas. Se alimentar com uma caixa de cereal e dois litros de água até que encontre um emprego? Sem problemas.

Para o jovem Fred Barley, de 19 anos de idade, esses são apenas pequenos inconvenientes que não poderiam impedí-lo de perseguir seu sonho de se tornar médico um dia.

Na semana passada, ele deixou Conyers, sua cidade natal, usando a bicicleta de seu irmão e dirigiu durante durante seis horas sob o calor de 37 graus do verão do estado da Georgia (EUA) para se inscrever para as aulas para o segundo semestre do curso de biologia da Faculdade Estadual Gordon, em Barnesville, Georgia. Ele carregava duas mochilas que incluíam uma caixa de cereais e dois litros de água, segundo relatos da 'WSB-TV 2' Atlanta.

No entanto, quando chegou ao campus da escola, ele descobriu que os dormitórios não abririam até o próximo mês. Então Barley decidiu esperar do lado de fora, armando uma barraca, apoiada em alguns arbustos do campus.

O rapaz começou a procurar por qualquer tipo de trabalho que pudesse ajudá-lo a comprar comida. Quando ele voltou para a sua barraca na noite de sábado, ele foi surpreendido por policiais, que o abordaram e ordenaram que ele saísse com as mãos para cima.
Mas os oficiais rapidamente perceberam que Barley não representava uma ameaça, quando se sentaram e ouviram a sua história.

Os oficiais disseram-lhe que não podiam permitir que ele permanecesse com sua tenda armada no campus da Universidade. Mas em vez de simplesmente expulsá-lo dali, os oficiais fizeram algo extraordinário: Levaram-no para um hotel local e pagaram - de seus próprios bolsos - por duas noites de hospedagem.

Isso foi apenas o começo das boas notícias para Barley. A esposa de um dos oficiais postou sua história em uma página da comunidade de Barnesville no Facebook e centenas de pessoas começaram a ajudá-lo de diversas formas.

Casey Blaney, um residente local, ouviu a história de Barley e ajudou a encontrar um emprego na pizzaria de Debra Adamson, que contratou Barley instantaneamente.

Além disso, o rapaz também recebeu doações de roupas, material escolar, sapatos e uma bicicleta nova. As pessoas também se apresentaram como voluntárias para cuidar de suas necessidades médicas e dentárias.

Casey ainda criou uma página no Facebook chamada "Sucesso para Fred" e também lançou uma página no site colaborativo 'GoFundMe', que arrecadou mais de 184.000 dólares para pagar os estudos de Fred Barley, segundo relatou a CBN News.

Barley disse que sente-se extremamente grato por toda a bondade da população, mesmo que todas essas pessoas nem o conhecessem antes.

"Alguns dos presentes não são tão importantes quanto os amigos que fiz. Mais importante que as roupas e os sapatos, as relações significam muito mais para mim", disse ele.

Ele disse que Deus tem sido a força motriz que o mantém firme em seu propósito.

"A Bíblia diz: 'Posso todas as coisas naquele que me fortalece'. Então eu sei que posso", disse ele. "Minhas pernas podem trabalhar. Milhões de pessoas vão trabalhar à pé ou de bicicleta todos os dias. Eu definitivamente acho que eu posso pedalar por algumas horas para chegar ao meu futuro".


FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN TODAY 

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Malásia cria "centro de purificação" para forçar novos cristãos a negarem a sua fé

Um dos ex-detentos que escapou de lá, diz que ele fugiu para a Índia porque sabia que seria morto se voltasse. (Foto: Reprodução).
  Um dos ex-detentos que escapou de lá, diz que ele fugiu para a Índia porque sabia que seria morto se voltasse. (Foto:      Reprodução).

Seguindo a lei da sharia, os juízes muçulmanos pode condenar com a morte, o abandono da fé Islã. O local tem características de prisão, mas o fato tem sido negado pelo governo.

Um relatório da “CBN News Channel” investigou alegações de que o governo da Malásia estava internando muçulmanos que se converteram a Jesus. O local, que tem o nome oficial de "Centro de Tratamento de Fé" está no meio de uma floresta e é muito parecido com uma prisão.

Quando um ex-muçulmano é denunciado, ele pode ser forçado a ir para este lugar por um período indeterminado. Embora oficialmente o local seja relatado como um lugar onde as pessoas podem ir de forma voluntária, as alegações feitas por líderes cristãos é que esta é uma "pena alternativa" para as pessoas que são condenadas por apostasia.

Seguindo a lei da sharia, os juízes muçulmanos pode condenar com a morte, o abandono da fé Islã. Desde 2013, Mohd Adib Al Samuri da Universidade Nacional da Malásia, tem publicado relatos de pessoas que foram detidas pela polícia e que foram levadas para o centro, que é gerido pelo governo.

Um dos ex-detentos que escapou de lá, diz que ele fugiu para a Índia porque sabia que seria morto se voltasse. Seu nome não foi revelado por razões de segurança. Ele chegou a pedir um advogado, mas as autoridades disseram que ele não precisa de um, porque o lugar era como uma escola de "re-educação".

De acordo com relatórios divulgados pela emissora, há pelo menos três destes centros, que operam em regime quase militar. Os presos têm horários rígidos e passam horas ouvindo sobre o Islã e sendo perguntados sobre os ensinamentos do Profeta Muhammad. Muitos deles são criminosos ou viciados em drogas, mas os cristãos recebem o mesmo tratamento. Para sair, eles devem dar provas concretas de que seguem a lei islâmica.

O professor Samuri disse que entre as atividades que são absolutamente necessárias, eles são obrigados a receber: aulas do Alcorão, sessões de reorientação da fé, orações coletivas, terapia de grupo, serviços comunitários, ginástica e oficinas, tais como jardinagem e agricultura.

Aqueles cristãos que se recusam a negar sua fé são espancados e ameaçados. Um dos ex-detentos que conseguiu sair, descobriu que as autoridades confiscaram sua casa e seu local de trabalho. Ele disse que deve de se esconder das autoridades, mas foi ajudado por outros cristãos.

O governo da Malásia nega oficialmente afirmando que não há perseguição religiosa, mas apenas a tolerância para as pessoas nascidas em famílias de tradição cristã. De acordo com o Portas Abertas, a Malásia é um dos países que perseguem cristãos no mundo. Embora a conversão seja proibida por lei, eles estimam que há agora 10% da população convertida.



FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO SITE NOTICIA CRISTIANA 

quinta-feira, 21 de julho de 2016

Canal infantil apresenta casal gay e psicóloga alerta: "Só confunde a identidade das crianças"

A dupla aparece em apenas uma cena, quando levam o filho até a residência de Lincoln. (Foto: Reprodução).
   A dupla aparece em apenas uma cena, quando levam o filho até a residência de Lincoln. (Foto: Reprodução).

Em entrevista exclusiva ao Portal Guiame, a psicóloga Marisa Lobo ressalta que há uma pressa em determinar na criança, algo que pode ser considerado apenas uma curiosidade.

A Nickelodeon exibe nesta quarta-feira (20), pela primeira vez na história de uma emissora de TV dos Estados Unidos voltada para público infantil, um episódio em que aparece um casal homossexual. A série tem como trama a vida do personagem Lincoln Loud e suas dez irmãs.

Intitulado de “Overnight Success” (sucesso durante a noite - em tradução livre), o episódio apresenta o casal formado pelos personagens Harold e Howard McBride, um homem negro e outro branco, que são os pais de Clyde, um dos amigos do protagonista.
A dupla aparece em apenas uma cena, quando levam o filho até a residência de Lincoln, onde o deixam para passar sua primeira noite fora de casa.

Na última terça-feira, a imprensa internacional repercutiu a estreia do primeiro casal gay do canal infantil Nickelodeon. Apesar dos usuários das redes sociais terem passado o dia discutindo sobre a novidade, no Brasil, o capítulo em questão foi exibido no último dia 30 de junho e parece ter “passado batido”, não havendo nenhuma crítica pelos espectadores do desenho.

“Não fomos procurados por ninguém para comentar o episódio”, afirma a assessoria do canal, que monitora a reação do público em cada programa exibido. Em um episódio futuro, vai acontecer uma participação maior do casal, com previsão de ser exibido no Brasil em setembro, em que a trama será inteiramente ambientada dentro da casa de Clyde.

Contraponto
Sobre o assunto, a psicóloga Marisa Lobo, especializada em Direitos Humanos e conhecida por militar pelas causas pró-família, conversou com o Portal Guiame. Em entrevista exclusiva, ela ressalta que há uma pressa em determinar na criança algo que pode ser considerado apenas uma curiosidade.

“Eu vejo uma precipitação dos movimentos LGBTs, dos defensores da homoafetividade, em precipitar algo que eles nem sabem se é definitivo em uma criança ou não”, comenta. “A orientação sexual como gênero pode ser simplesmente, na infância, uma confusão ou uma curiosidade. Eles querem mostrar para as crianças que a heterossexualidade e a homossexualidade estão em pé de igualdade extrema. O que não é verdade”, disse.

“Quando falamos em respeito às diferenças, nós temos que respeitar. As crianças devem viver como elas querem e como as suas famílias querem. Mas, o fato de uma criança ter curiosidade sexual com o sexo oposto ou do mesmo sexo, não significa que ela seja homossexual ou que ela tenha um gênero diferente do gênero em consonância do sexo dela”, continuou.

Para Marisa, tal precipitação só causa desequilíbrio humano nas crianças. “Isso só faz aumentar o desequilíbrio da natureza humana. Sem juízo de valor, mas a verdade é que esses desenhos mostrando pares homoafetivos, só confundem a identidade sexual e a identidade de gênero das crianças. É uma confusão”, pontuou.

 
     “O que eles querem é tornar a homossexualidade igual à heterossexualidade", disse a psicóloga. (Foto: Reprodução).

Complexo de Édipo
De acordo com Marisa, as crianças passam, em determinada idade, por um processo de descobertas e curiosidades pelo sexo, seja ele oposto ou não. “As crianças estão no final da elaboração do ‘Completo de Édipo’, por exemplo, onde a sexualidade infantil aflora no sentido de curiosidade. Não é uma curiosidade que envolve o sexo em si, mas descobertas do sexo oposto e eles descobrem muitas vezes o sexo oposto com curiosidades do mesmo sexo”, diz.

“Tudo curiosidade da criança que ainda não tem juízo de valor e uma moralidade definida. Então ela não sabe ainda o que está acontecendo com ela. Ela segue a natureza humana dela e os hormônios e a curiosidade, mas não está definido o que é a homossexualidade”.

Insistência da classe LGBT
“O que eles querem é tornar a homossexualidade igual à heterossexualidade e nós sabemos que isso não é possível, até mesmo pelas diferenças que existem entre os sexos, biologicamente falando. E se você for levar em conta a teoria da evolução, então há a necessidade de um macho e de uma fêmea para a perpetuação da espécie e o instinto animal segue essa norma”, comenta.

“Por isso que eles falam que é ‘heteronormatividade’. Então, eu vejo como preocupação essa insistência em tornar o que pode ser apenas um conflito da criança, forçando ser algo igual a heterossexualidade. Não é igual, é diferente. Podemos respeitar as diferenças, mas não podemos mentir para as nossas crianças dizendo que é igual, porque o movimento feminista LGBT decidiu que a sociedade tem que aceitar dessa forma. Isso não é ciência, isso é imposição”, finalizou.


FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO O POVO ONLINE



quarta-feira, 20 de julho de 2016

Diagnosticados inférteis, pastor e esposa celebram o nascimento de trigêmeos: "Confie sempre em Deus"

Jeremiah Johnson é pastor, pesquisador e agora testemunha mais uma vez o milagre em sua família, com o nascimento de trigêmeos. (Imagem: Instagram)
  Jeremiah Johnson é pastor, pesquisador e agora testemunha mais uma vez o milagre em sua família, com o nascimento  de trigêmeos. (Imagem: Instagram)

O pastor Jeremiah Johnston e sua esposa haviam sido diagnosticados como inférteis anos atrás, mas confiaram que a última palavra não seria a dos médicos.

Um casal cristão supostamente estéril acaba de ser abençoado por Deus com não apenas um ou dois, mas três bebês saudáveis ​​no mesmo dia! Além disso, em um período de sete anos, eles têm realmente recebido cinco bênçãos como essas.

Em postagens do Facebook e Twitter, o pastor e estudioso do Novo Testamento, Jeremiah Johnston anunciou em 08 de julho que sua esposa Audrey deu à luz trigêmeos (ambos meninos) no hospital 'Texas Children's Pavilion for Women', em Houston, Texas. Os recém-chegados à família Johnston são Ryder, que nasceu com cerca de 1,7 kg, Abel, com com 2 kg e Jaxson, com 2,5 kg, relatou o jornal local 'KPRC'.

O que tornou os partos ainda mais especiais foi um diagnóstico anterior, dado pelos médicos, de que o casal que não poderia gerar filhos.

Mas o casal manteve a sua fé e confiança de que Deus - e não os médicos - teria a palavra final sobre o assunto, conforme relato do Christian Post.

Com a ajuda da fertilização in vitro e muita oração, os Johnstons são agora os pais de cinco filhos. Antes de Audrey dar à luz três meninos, o casal também celebrou este ano o sétimo aniversário de sua filha, Lily Faith e o quarto aniversário de seu filho, Justin.

A fertilização in vitro é considerada a forma mais eficaz de tecnologia de reprodução assistida, de acordo com a Clínica 'Mayo'.

Johnston afirmou que a forte fé de sua esposa também teve parte importante nas bênçãos que receberam de Deus. Antes de seu primeiro filho nascer, o pastor disse que houve momentos em que ele mesmo deixou de acreditar que algum dia sua mulher teria um bebê. Mas a fé de Audrey ajudou a reforçar as suas esperanças, segundo afirmou ao 'Christian Post' em uma entrevista anterior.

"Ela foi a única que permaneceu acreditando, se manteve confiante, apesar de todas as probabilidades", disse ele. "Apesar de as pessoas dizendo 'você nunca vai ficar grávida'. O mais bonito é que, como casais - especialmente como casais que seguem a Jesus - temos que tomar uma decisão quando tivermos problemas: 'Vamos permitir que esses problemas para nos separem ou nos aproximem mais?".

Johnston disse que Deus finalmente respondeu as suas orações, quando seu primeiro filho nasceu depois que ele e Audrey tinha resolvido "a confia sempre em Deus, não importa a situação".

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN POST



terça-feira, 19 de julho de 2016

Milhares de sírios e egípcios clamam por Bíblias: "Estão sedentos por Jesus"

A organização “Portas Abertas” dos Estados Unidos espera enviar milhares de bíblias para a Síria e seus arredores. (Foto: Reprodução).
  A organização “Portas Abertas” dos Estados Unidos espera enviar milhares de bíblias para a Síria e seus arredores.
 (Foto: Reprodução).

Em meio a um cenário de perseguição religiosa, muitos novos convertidos ao cristianismo estão ansiosos por conhecer Jesus Cristo e aguardam por bíblias, que precisam ser enviadas de forma sigilosa por serem consideradas ilegais.

Apesar da terrível devastação e destruição, pessoas que estão sofrendo perseguição religiosa tem chamando por Deus. E essas pessoas pedem aos cristãos para ajudá-las a receberem bíblias em suas línguas. Há relatos de que nos países islâmicos, novos cristãos estão sedentos por saber quem é Jesus Cristo, e eles anseiam por mais.

Em quase todos os países islâmicos é ilegal ser cristão ou se converter ao cristianismo. Bíblias, igrejas e pessoas orando a Jesus, são coisas ilegais nesses locais. Além disso, elas podem ser punidas sendo presas e até com pena de morte.

Cristãos iranianos foram recentemente presos e colocados numa prisão, porque eles estavam orando dentro de suas próprias casas, com portas e janelas fechadas. Cada novo convertido nessa região precisa receber uma Bíblia. Eles têm sede de saber mais sobre quem é o verdadeiro Jesus.

A organização “Portas Abertas”, dos Estados Unidos, espera enviar milhares de bíblias para a Síria e seus arredores. Outras organizações também podem distribuir bíblias, mas o Ministério Portas Abertas tem ministrado especificamente a igreja perseguida em mais de 60 países ao longo de décadas.

O “Portas Abertas” define perseguição aos cristãos como "qualquer hostilidade contra um cristão por causa de sua fé ou identificação cristã”. Espancamentos, tortura física, confinamento, isolamento, estupro, punição severa, prisão, escravidão, discriminação na educação e no emprego e até a morte são apenas alguns exemplos da perseguição que esse povo experimenta diariamente.

Ajuda em meio ao caos
O Departamento de Estado relata que cristãos em mais de 60 países são perseguidos por seu governo e por governos vizinhos apenas porque acreditam em Jesus Cristo. O Ministério Portas Abertas dos EUA ajuda na distribuição de Bíblias e estudos da bíblia, além de evangelismo, ensino e formação, apoio aos órfãos, organização da formação e alfabetização das mulheres, capacitação para o trabalho, reconstrução de igrejas e casas, além do apoio as necessidades dos refugiados.

Dos milhões de refugiados que entram no país ao longo do último ano, menos da metade é cristã. Para ajudar a cumprir a meta de 10 mil dólares, qualquer pessoa pode fazer doações online por meio do site do Portas Abertas.


Em média, custa cerca de 30 dólares para entregar seis bíblias. 60 dólares para entregar 12 bíblias. 120 dólares para entregar 24 bíblias e 600 dólares para entregar 120 bíblias. De acordo com a “Charity Navigator”, o Portas Abertas dos EUA tem uma pontuação de 97% na prestação de contas e transparência.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO SITE CHRISTIAN HEADLINES

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Aldeia cristã no Líbano é atingida por ataques suicidas


Resultado de imagem para community

LÍBANO

O país tem recebido muitos cristãos sírios, que buscam refúgio em solo libanês, por conta da intensa guerra civil que já dura vários anos na Síria


Recentemente, a cidade libanesa de Al-Qaa, conhecida por ser predominantemente cristã, foi surpreendida por uma série de ataques suicidas que mataram cinco pessoas e feriram pelo menos trinta. No total, oito militantes se explodiram. Embora nenhum grupo tenha ainda se responsabilizado formalmente pelos ataques, as autoridades libanesas apontam claramente para o Estado Islâmico (EI). 

Segundo informações locais, o primeiro ataque começou quando um homem-bomba detonou sua carga diante de uma casa e vários moradores correram para ver o que estava acontecendo, então outros três fizeram o mesmo. Houve o segundo ataque em frente a uma igreja, com os outros quatro suicidas, enquanto as vítimas ainda lamentavam o ocorrido. Um deles foi baleado, mas logo em seguida detonou seu cinto de explosivos, os demais cronometraram suas bombas para explodir em intervalos de 10 em 10 minutos. Há relatos de que antes de morrer, eles gritaram “Allahu Akbar” (Deus é grande). 

A região onde ocorreram os incidentes fica perto da fronteira com a Síria, onde os confrontos entre o exército libanês e o grupo Frente Al-Nusra ou Jabhat Al-Nusra, como também é conhecido, são frequentes. Esse grupo sunita, cujo nome quer dizer “Vitória para a Síria” é um braço do Al-Qaeda, que tem liderado também vários combates contra o governo. O Líbano tem recebido muitos cristãos que vêm da Síria, por conta da guerra civil no país. Mas, tanto numa nação quanto na outra, eles estão cada vez mais vulneráveis. 

Fonte: https://www.portasabertas.org.br

domingo, 17 de julho de 2016

Crianças são proibidas de frequentar a igreja na China

Crianças são proibidas de frequentar a igreja na China

Governo comunista retoma prática histórica de repressão

por Jarbas Aragão 

O Partido Comunista da China vem demonstrando que está disposto a impedir o avanço do cristianismo, que continua tendo um crescimento significativo. A denúncia da Missão China Aid, reportada pelo Christian Today, é que qualquer pessoa que levar uma criança para a igreja poderá ser processada.

Os membros das Igrejas na província central de Guizhou foram ameaçados por funcionários do governo que seus filhos não podem mais assistir aos cultos. Caso desobedeçam, no futuro não seriam autorizados a frequentar a faculdade ou a academia militar.

Nas últimas semanas, os cristãos foram impedidos de participar dos cultos de domingo. O pastor Mou, que lidera uma Igreja independente na cidade de Huaqiu, explica que as novas regras foram enviadas a todas as escolas. “Eles pretendem nos ‘purificar’ e querem que nos mudemos para a Igreja das Três Autonomias [controlada pelo governo]”, explicou.

A legislação chinesa proíbe que crianças menores de 18 anos recebam qualquer tipo de educação religiosa, uma prática histórica nos regimes comunistas. Com as mudanças na economia e na sociedade chinesa nas últimas décadas, o controle havia abrandado. Contudo, desde que Xi Jimping assumiu o poder, a perseguição religiosa ficou sete vezes maior.

Acirra-se a perseguição
Segundo relatórios da missão China Aid, desde 2008 é possível ver um aumento constante nos casos de prisões de líderes, fechamento e demolições de templos. De fato, as comunidades religiosas na China vivem o mais intenso ano de perseguição desde a Revolução Cultural (1966-1976), quando o país passou a adotar o sistema comunista.

Nos tempos de Mao Tsé-tung, o ateísmo foi um dos pilares para o estabelecimento da República Popular da China. Contudo, sua tentativa de exterminar toda forma de religião no país fracassou.
Ao longo das décadas seguintes, houve uma tentativa do Estado de assumir o controle das igrejas do país. A questão religiosa passou para segundo plano, enquanto o país mais populoso do mundo passava por profundas mudanças sociais e econômicas. Na década de 1970, Pequim anunciou que desistiria de tentar erradicar a religião organizada.

Com a ascensão do presidente, Xi Jinping, o discurso mudou. Segundo ele mesmo, a “gestão da religião é, em essência, a gestão das massas”. Atualmente, o país está entre os que mais perseguem os cristãos no mundo, segundo a missão Portas Abertas.

Estima-se que 90% das cruzes de igrejas consideradas “não oficiais” tenham sido retiradas à força. Pastores e os advogados que se opunham a campanha foram presos sob a acusação amplamente considerado como inventado pelas autoridades.

https://noticias.gospelprime.com.br