Google+ Followers

sábado, 28 de janeiro de 2017

Os inimigos de Israel poderão acabar na lixeira da história, diz Benjamin Netanyahu

Netanyahu fez seu discurso na véspera do Dia Internacional da Lembrança do Holocausto, em Jerusalém.

Benjamin Netanyahu em discurso no Memorial do Holocausto, em Jerusalém. (Foto: Amos Ben-Gershom/GPO)
Benjamin Netanyahu em discurso no Memorial do Holocausto, em Jerusalém. (Foto: Amos Ben-Gershom/GPO)
Em discurso na véspera do Dia Internacional da Lembrança do Holocausto, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, advertiu que os inimigos que ameaçam a nação judaica poderão acabar no "cinzeiro" da história.

“O regime que promoveu o Holocausto acabou na lixeira da história. Essa é uma lição para o Irã. É uma lição para todo inimigo do povo judeu e do Estado judeu”, disse Netanyahu num encontro no Memorial do Holocausto Yad Vashem, em Jerusalém, nesta quinta-feira (26).

Netanyahu afirmou que, apesar de surgir no Ocidente um movimento de antissemitismo (hostilidade contra judeus), o maior perigo "vem do Irã". “O Holocausto, graças a Deus, ficou no passado, mas o ódio e a intolerância que deram surgimento a isso, não”, lamentou.
Durante sua mensagem, o premier disse que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, entende o "perigo" do acordo nuclear com o Irã. Ele ainda disse que Israel irá tomar as medidas necessárias para impedir que a capital iraniana, Teerã, obtenha armas atômicas.

“Nós não pretendemos simplesmente ficar nas palavras, mas tomaremos todas as medidas para nos defender e impedir que o Irã obtenha os meios de assassinato em massa, para prosseguir com seus planos horríveis. Não podemos e não ficaremos calados diante do objetivo declarado do Irã, de destruir Israel”, disse ele.

Em 2015, o Irã firmou um acordo com as potências mundiais, incluindo os Estados Unidos, para limitar sua capacidade de enriquecer urânio em troca da remoção de algumas sanções econômicas internacionais.

Durante a campanha eleitoral de Trump, o republicano prometeu, por diversas vezes, que irá afastar os EUA do acordo ou renegociar sua relação, mas não há indícios claros de que isso será feito em seu cargo.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE AP E JEWISH PRESS

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Professores são treinados para evangelizar crianças

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Preso por evangelizar, cristão sofre hemorragia cerebral após sair de delegacia

Swamy, um evangelista de 47 anos foi interrogado pela polícia por ter distribuído Bíblias e outros livros cristãos na cidade onde ele trabalha como professor de engenharia.

Ele foi liberto seis horas mais tarde, mas sofreu uma hemorragia cerebral em seu caminho para casa. (Foto: World Watch Monitor).
Ele foi liberto seis horas mais tarde, mas sofreu uma hemorragia cerebral em seu caminho para casa. (Foto: World Watch Monitor).
Um cristão indiano sofreu uma hemorragia cerebral depois que ele foi interrogado pela polícia sobre estar distribuindo Bíblias e outras literaturas cristãs na cidade onde ele trabalha como professor de engenhariaPreso por evangelizar, cristão sofre hemorragia cerebral após sair de delegacia. K.A. Swamy, de 47 anos, foi levado à delegacia por volta das 10h do dia 21 de janeiro, por um grupo de moradores irritados que o encontraram distribuindo os livros perto do lago Hussain Sagar em Hyderabad, capital do sul do estado de Telangana.

Ele estava perto do Templo Kattamaisamma, que é dedicado a uma divindade local hindu de Telangana. Os habitantes locais o acusaram de tentar converter as pessoas na área do templo.

Ele foi liberto seis horas mais tarde, mas sofreu uma hemorragia cerebral em seu caminho para casa. Ele está agora em coma. Sua esposa, Sujatha, disse que não houve nenhuma mudança em sua condição desde o dia 21 de janeiro e pediu orações. O governo do estado prometeu cobrir suas despesas médicas depois que os cristãos locais pediram ajuda ao Ministério Home.

Seu cunhado disse ao World Watch Monitor: “Várias vezes, no passado, ele foi pego por extremistas de Vishwa Hindu Parishad [um grupo nacionalista hindu] e foi ameaçado. Ele também foi levado à delegacia para verificação por muitas vezes. Desta vez, ele não conseguiu sair bem de lá”, ressaltou.

“Quando perguntei a alguns membros da Vishwa Hindu Parishad, que conheço por causa da minha profissão de empresário, sobre o motivo pelo qual o detiveram na delegacia durante todo o dia, disseram-me que tinham mais de 200 fotos dele distribuindo Bíblias e outros livros. Estas são as evidências de que ele era ‘culpado’”, pontuou.

Swamy, que tem duas filhas, havia se voluntariado para o Gideões Internacional, uma organização cristã que distribui Bíblias gratuitamente em todo o mundo. Da delegacia de polícia, ele ligou para o presidente do grupo local do Gideões, que ajudou a garantir sua libertação.

Um pequeno vídeo tem circulado amplamente nas mídias sociais, mostrando que Swamy foi questionado pelos moradores sobre o porquê de distribuir a literatura cristã. Uma fonte local disse ao World Watch Monitor que o vídeo foi gravado por membros do Vishwa Hindu Parishad, que desejavam usá-lo como prova de que Swamy era culpado de de evangelizar.

Confira o vídeo:

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Nova embaixadora dos EUA irá defender Israel na ONU

Nikki Haley é cristã e deixou claro o seu apoio ao Estado de Israel. Ela tem criticado as recentes resoluções aprovadas pela ONU e disse que irá apoiar a mudança da embaixada dos EUA para Jerusalém.

Nikki Haley é cristã e está deixando de ser governadora da Carolina do Sul (EUA) para assumir o cargo de Embaixadora dos Estados Unidos na ONU. (Foto: CNS News)
Nikki Haley é cristã e está deixando de ser governadora da Carolina do Sul (EUA) 
para assumir o cargo de Embaixadora dos Estados Unidos na ONU. (Foto: CNS News)
A governadora da Carolina do Sul, Nikki Haley, foi confirmada na última terça-feira (24) para se tornar a próxima embaixadora dos EUA na Organização das Nações Unidas (ONU) e ficará encarregada de representar o novo governo norte-americano em uma instituição cuja eficácia o próprio Donald Trump questionou.

Ela deixará seu posto na Carolina do Sul para assumir um dos cargos diplomáticos de perfil mais alto do país.

Haley ganhou apoio significativo até mesmo entre os democratas, com uma votação de 96 a 4 refletindo que os membros do partido acreditam que Haley seria um diplomata sensata na nova administração.

Os quatro senadores que votaram 'não' foram Bernie Sanders, Christopher A. Coons, Tom Udall e Martin Heinrich.

O Comitê de Relações Exteriores do Senado aprovou a nomeação de Haley com uma votação oral na última terça-feira (24).

Espera-se que Haley seja recebida de braços abertos, não apenas pelo Senado dos Estados Unidos, mas também pelo governo e o povo israelense, que está bem consciente do apoio explícito e publicamente expresso da nova embaixadora ao Estado de Israel.

Na audiência de confirmação do Senado, ela dirigiu suas críticas à ONU, em razão do que ela considerou um "mau tratamento" dado a Israel por parte do órgão mundial, referindo-se à Resolução 2334 do Conselho de Segurança da ONU, aprovada em dezembro de 2016.

A resolução, que exige que Israel pare de construir seus assentamentos em áreas como a Faixa de Gaza, evocou reações furiosas do governo israelense, particularmente do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, que criticou o então presidente Barack Obama e seu governo, por terem escolhido não exercer a sua capacidade de vetar a votação da resolução.

Haley afirmou também que "nunca se absterá quando a ONU tomar qualquer ação que entre em conflito direto com os interesses e valores dos Estados Unidos".

Falando especificamente sobre a questão dos assentamentos, Haley admitiu: "Eu compreendo como eles podem pensar que isso prejudica a paz, mas, ao mesmo tempo, eu sempre estarei com Israel".

Haley também tocou em outra questão premente que tem ocupado palestinos e líderes israelenses iguais nas últimas semanas: a intenção declarada do presidente Trump de transferir a embaixada dos EUA em Israel de Tel Aviv para Jerusalém.

Haley disse que apoiaria "absolutamente" a medida, que o enviado eleito de Trump, David Friedman, deve liderar.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO JERUSALEM POST

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Cristãos não devem deixar de ir à igreja para ouvir pregações ​​em casa, alerta Billy Graham

Segundo o evangelista, por mais que a mesma mensagem seja entregue pela televisão e pela igreja, um cristão pode perder muitas coisas por escolher ficar em casa.

Segundo o evangelista, um cristão pode perder muitas coisas por escolher ficar em casa. (Foto: Reprodução)
Segundo o evangelista, um cristão pode perder muitas coisas por escolher ficar em casa. (Foto: Reprodução)
Os cristãos não devem deixar de ter comunhão na igreja para assistirem as pregações ​​em casa, segundo o evangelista Billy Graham. Se os cultos forem acompanhados apenas pela televisão ou internet, ele afirma que as pessoas irão perder a oportunidade de fazerem parte da congregação e se unir a seus irmãos.

O evangelista abordou o assunto em resposta à dúvida de um leitor, publicada no site da Associação Evangelística Billy Graham no dia 14 de janeiro. Nela, a pessoa confessou que  não gosta de frequentar os cultos da igreja e questionou se teria problema em apenas acompanhar os sermões na televisão, já que mostra as mesmas mensagens pregadas na congregação.

Em resposta, Graham ressaltou o valor da transmissão dos cultos pela televisão, porque beneficia os idosos e pessoas com problemas de saúde, que querem ouvir a Palavra de Deus. No entanto, por mais que a mesma mensagem seja entregue pela mídia e na igreja, um cristão pode perder muitas coisas por escolher ficar em casa.

Uma delas é perder a oportunidade de fazer parte da obra de Deus e de trocar seus aprendizados com outros cristãos, de acordo com o evangelista. Citando Hebreus 10:24-25, ele lembrou o que a Bíblia diz às pessoas: “E consideremo-nos uns aos outros para incentivar-nos ao amor e às boas obras. Não deixemos de reunir-nos como igreja, segundo o costume de alguns, mas encorajemo-nos uns aos outros, ainda mais quando vocês vêem que se aproxima o Dia”.

"Você pode perder a oportunidade de servir a Cristo ao lado de seus companheiros cristãos", avalia Graham. "Uma igreja vital não é aquela que apenas olha para dentro, ela também olha para fora e procura servir aos outros em nome de Jesus".

Em 2012, o líder do Seminário Teológico Batista do Sul, Albert Mohler, também lamentou sobre a escolha de pessoas que deixam de estar presentes nas igrejas para se alimentarem da palavra por uma plataforma digital. “Embora seja bom ver que a tecnologia pode difundir o Evangelho, ela também acaba permitindo que a tecnologia substitua o culto na igreja”, observa.

Mohler lembra que Jesus Cristo sempre indicou que seus seguidores devem frequentemente se reunir, em comunhão. “Através da frequência à igreja, os cristãos poderão se aproximar de outras pessoas de forma que eles não poderiam fazer usando a tecnologia”.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE CHRISTIAN DAILY

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Testemunhos de cristãos somalis

“Meu coração foi se enchendo do amor de Jesus; recebi a luz num momento de escuridão e essa luz brilha mais a cada dia”
20-somalia-homem-sorrindo
Foto ilustrativa

A igreja na Somália costuma ser forte e perseverante. Confira aqui alguns testemunhos de cristãos somalis perseguidos que são verdadeiros exemplos de fé e coragem.

“Pouco antes de eu completar 11 anos de idade, a guerra estourou na Somália. Depois de alguns anos, quando minha mãe morreu no fogo cruzado, meu pai decidiu me enviar para parentes distantes. Eles me trataram muito mal e eu acabei fugindo. Consegui voltar para casa depois de uma semana. Durante esse tempo, todos os meus irmãos haviam sido mortos. Meu pai estava chorando muito quando o encontrei. Ele implorou que eu deixasse a Somália e então eu obedeci. Vivi em campos de refugiados cristãos e me senti bem com o modo de vida deles e com as músicas que cantavam. Foi quando aceitei Jesus e senti paz de espírito pela primeira vez em minha vida”, compartilha Mohammed.

“Minhas muitas dificuldades fazem-me amar a Deus que se tornou minha proteção. Quando testemunho sobre minha fé, sinto comigo um poder que me impede de cair. Sinto-me diferente e não sou a mesma pessoa de antes. Após encontrar uma Bíblia escrita em somali e outra em inglês, encontrei a cura de muitas formas. Sei que minha situação de mudança se estabilizará um dia”, disse outro cristão somali perseguido.

“Até agora estamos conscientes de que 18 cristãos somalis morreram de fome nos últimos três meses, nas cidades de Afgoye, Baidawa e Kismayo. Isso acontece porque o Al-Shabaab não lhes dá alimentos e por isso eles precisam se deslocar para conseguir ajuda. Qualquer um que seja suspeito para os islâmicos, quer seja cristão ou até amigo de um cristão, não recebe os alimentos. No entanto, negar-nos o alimento não é a pior coisa que pode nos acontecer. Esses homens já mataram muitos de nossos membros de igreja e podem matar ainda mais. Estamos extremamente preocupados com a fome na Somália”, disse um líder cristão somali de uma igreja clandestina, em 2011, quando foi negada ajuda alimentar aos que estivessem seguindo o cristianismo.

“Numa noite, no hospital, eu tive um sonho, vi um homem sorrindo e chorando ao mesmo tempo. Eu sabia que ele chorava por mim. Então, me ajoelhei diante dele e implorei para que me mostrasse o caminho que me levasse para longe daquela doença”, conta uma jovem que estava enferma. Quando ela teve alta médica, foi procurar ajuda para entender o sonho. “Para minha surpresa, um líder religioso disse que o único que chora pelos pecadores é Jesus e então me deu uma Bíblia, secretamente, que eu passei a ler todas as noites. Meu coração foi se enchendo do amor de Jesus. Recebi a luz num momento de escuridão e essa luz brilha mais a cada dia”, compartilha a jovem que se converteu ao cristianismo.

"Eu gostaria de poder apenas estar dentro de uma igreja e gritar o nome do Senhor Jesus Cristo, bem alto!", disse um cristão somali em meio ao desespero diante da situação.

Em suas orações, lembre-se dos cristãos perseguidos na Somália e interceda por eles, para que permaneçam fortes, que perseverem em sua fé e que sintam a presença, a consolação e o conforto do Espírito Santo em todo o tempo.

Fonte: www.portasabertas.org.br

domingo, 22 de janeiro de 2017

Agenda 2017 do Ministério São Paulo





Ex-morador de rua encontra Jesus e funda ministério “para servir os pobres”

Canadense cogitava suicídio quando uma visita à igreja mudou sua vida

Resultado de imagem para photograph

Um sacerdote católico canadense relata sobre a transformação de sua vida: de sem-teto para líder de um ministério dedicado a servir os mais pobres.
Claude Paradis era enfermeiro, mas sua dependência de álcool e drogas custaram caro. Por causa do vício, acabou perdendo emprego, família e foi morar nas ruas de Montreal, Canadá. Durante muitos anos ele mendigou e conta que perdeu toda a esperança, chegando a cogitar o suicídio.
Ele encontrou Deus em meio a esta profunda crise. “Tive o privilégio de encontrar Deus no momento em que eu mais estava duvidando dele. Estava passando por uma pequena rua atrás de uma igreja em Montreal. Não havia ninguém. Assim que passei pela velha igreja, fui impelido a voltar”.

Paradis lembra que entrou no templo e ali teve um profundo encontro com Deus. Sentiu-se movido a se tornar “um homem da Igreja”. Voltou muitas vezes e ouviu a mensagem do evangelho, que oferecia uma nova vida. Viciado em crack e cocaína, lutou contra isso por um tempo.
Decidido a sair das ruas, foi apoiado pelos padres locais. Tempos depois, foi estudar e se tornou “um ministro para aqueles que enfrentam as mesmas lutas”. Aos 57 anos de idade, ele se dedica a servir prostitutas, ex-condenados e os mais pobres da sociedade.
Em dezembro do ano passado, o padre Paradis conta que voltou a dormir algumas noites com os sem-teto de sua cidade. Assim poderá servi-los e viver em solidariedade ao lado deles. Ele está à frente do ministério Notre-Dame-de-la-rue [Nossa Senhora da Rua], que oferece comida, abrigo e leva o evangelho para pessoas em situação de rua.
“A rua me trouxe para a Igreja e a Igreja no final me levou de volta à rua”, resumiu o padre em entrevista recente. Destaca que muitas vezes as pessoas não querem sair da rua, mas aceitam orações e uma palavra de esperança.
“Antes, o isolamento e o desespero tomavam conta de mim”, sublinha. “Mas agora, é na rua  onde quero estar, até eu morrer”. Ele tem recebido intenso apoio do arcebispo de Montreal,  Christian Lépine, que elogia a iniciativa, considerada por ele “a necessária presença da Igreja para oferecer encorajamento”, em especial àqueles que possuem muito pouco.
Fonte: noticias.gospelprime.com.br