Google+ Followers

sábado, 14 de maio de 2016

ITÁLIA: HISTÓRIAS QUE SE ENCONTRAM

italia cross


A causa da igreja sofredora toca o nosso coração. É por isso que, diariamente, nos envolvemos, erguemos nossa voz e buscamos ser apoio aos nossos irmãos em situação de perseguição, guerras e catástrofes. Porém, só quem passa por uma situação assim sabe, realmente, o que é isso.

Quando nossos missionários conheceram o pastor paquistânes, Latif, na Itália, houve uma empatia com a história dele e sua família, refugiados na Europa. Embora o Paquistão não reconheça oficialmente seguir a sharia (preceitos da lei islâmica), a maioria dos cristãos no país são acusados de “blasfêmia” por não seguirem-na. Nos últimos meses, a história de outro paquistânes encontrou com a de nossos missionários, que buscam apoiá-lo e caminhar juntos.

Depois de ficar 4 anos separado de seus 6 filhos, ele conseguiu que chegassem à Itália. Hoje, porém, ele vive outros desafios. Pela condição de refugiado e a situação econômica no país, é difícil arrumar emprego, complicando a possibilidade de prover um lugar para sua família. “Acho que o maior pedido de oração é que Deus conserve o coração desse nosso irmão livre de mágoas e cheio de esperança; e que nós possamos servi-los e ser benção para eles”, compartilham nossos missionários.


Ore conosco pela vida dos paquistaneses na Europa e no Sudeste Asiático, para que Deus os fortaleça e que eles mantenham-se firmes na fé. Para fazer parte desse e outros projetos, seja parceiro da MAIS. Fonte: https://maisnomundo.org

sexta-feira, 13 de maio de 2016

CONVERSANDO SOBRE AS FALHAS – POR LUCIANO SUBIRÁ




Para minha esposa a forma de falar tem um poder que, pra mim, é imensurável. A Kelly descobriu (e eu também) que, na definição de Gary Chapman das linguagens emocionais em seu extraordinário livro “As Cinco Linguagens do Amor”, ela se encaixa na linguagem descrita como “Palavras de Afirmação”.

Recordo-me do dia em que descobri o quanto isso era relevante para ela. Éramos recém-casados e a Kelly estava no último ano da faculdade e tinha que entregar uma monografia. O prazo estava chegando ao fim mas ela estava com dificuldades de concluir o trabalho; embora tivesse escolhido um excelente tema a ser abordado, respaldado por muito boas literaturas, corroborado por uma extraordinária pesquisa de campo, ela simplesmente não conseguia terminar. Ela olhou para mim, profundamente desanimada, e disse que estava pensando em desistir pois não se achava capaz de levar a monografia ao fim. Levei um choque com as palavras dela e, sem pensar em nada, sem premeditar nenhum momento de incentivo ou coisa do gênero, sem usar nenhum tipo de psicologia motivadora, apenas retruquei com indignação:

“Você é elogiada pelos professores em suas apresentações na escola desde a infância até a faculdade. Já é professora há anos e excelente comunicadora. Escolheu um dos melhores assuntos possíveis e, respaldou seu argumento com literatura de respeito, com pesquisas de campo e tantas inovações. Você conseguiu me impressionar e cativar com o assunto de forma impressionante e deixou sua orientadora ainda mais impressionada. Meu amor, se há alguém capaz de fazer bem este trabalho nesta terra, é você!”

Chegou a ser divertido a instantânea transformação da sua fisionomia e olhar. É como se, sem palavra alguma, ela estivesse gritando: “É verdade, eu sou capaz! Eu posso, eu consigo!” Naquele instante ela correu para o computador do escritório e ficou por ali algumas horas. Quando levantou-se bradou com ares de celebração: “Terminei! Está pronta! e ficou muuuuuuuuuito bom!”

A FORMA CORRETA DE FALAR

Ao falarmos sobre os deveres dos cônjuges também precisamos reconhecer que, se uma responsabilidade é negligenciada por um dos cônjuges, o outro tem todo o direito de reivindicar seus direitos. Mas há uma forma correta de fazê-lo. Críticas contínuas, reclamações repetitivas e cobrança ininterrupta certamente não irão ajudar o casamento de ninguém a ser aperfeiçoado. A melhor maneira de ajustar a questão dos deveres de cada um é através de conversa franca e de encorajamento!

Portanto, devemos aprender a falar com o cônjuge de forma correta. Não estou dizendo que nunca podemos criticar o comportamento do outro, pois falar a verdade é bíblico, bem como repreender a quem está no erro. Contudo, as Escrituras nos ensinam a seguir a verdade EM AMOR (ef 4:15) e é justamente aqui que encontramos o grande diferencial! A orientação bíblica é que nossas palavras sejam SEMPRE agradáveis:

“A vossa palavra seja sempre agradável, temperada com sal, para saberdes como deveis responder a cada um.”Colossenses 4:6
Além de agradável, nossa palavra deve ser temperada com sal. Isto fala de sabedoria de medir as palavras antes de serem ditas. Temperar a comida é uma arte; com pouco sal ela fica sem graça, com muito fica ruim. Assim como o sal tem que ser bem dosado, a nossa forma de falar também o deve. E o “tempero” não é generalizado; precisamos saber como responder a cada um. Cada pessoa tem a sua própria estrutura e jeito de ser; cada um tem seus limites e emoções diferenciados. Portanto, o “tempero” na hora de falar também deve ser personalizado.

Quero destacar que o propósito de compartilhar estas verdades não é trazer peso de culpa ou condenação a ninguém. Sei que tenho progredido nesta área desde o início do meu casamento até agora; mas também sei que ainda preciso crescer muito! Porém, se não chegarmos a conhecer estas verdades e não nos mantermos conscientes delas depois de tê-las conhecido, não seremos moldados por Deus em nossa forma de agir. Precisamos gastar tempo em meditação nestes assuntos da Palavra do Senhor; precisamos orar para que haja amadurecimento nesta questão. Portanto, espero encorajá-lo no Senhor a buscar mudança e transformação em vez de despertar o desânimo por não ter ainda alcançado o alvo.

“Palavras agradáveis são como favo de mel: doces para a alma e medicina para o corpo” Provérbios 16:24
Descobri também, com o tempo, que não eram apenas as palavras de elogio e incentivo que exerciam grande influência sobre minha esposa. As críticas eram devastadoras para sua alma. Eram o tipo de palavras que exerciam o tipo de resultado inverso ao da monografia. Porém, ainda assim, eu sempre argumentava com ela e defendia a ideia de que a verdade tem que ser dita e que quem está errado te que ser corrigido. A Kelly, por sua vez, dizia que não era contra a crítica e a correção em si, mas com a maneira como eu fazia aquilo. E repetia sempre:

“Não é o que você fala que me aborrece, é como você fala”.

Confesso que, para mim, era muito difícil entender isto. Um dia ela me pediu:
“Quando você quiser me corrigir, bem que você poderia começar e terminar com um elogio. Ficaria bem mais fácil”.

Retruquei imediatamente que isto era psicologia barata e que eu me recusava a jogar este tipo de jogo e fazer aquilo. Porém, um tempo depois, em meu momento de oração tive uma experiência constrangedora com Deus. Enquanto orava, tive uma forte impressão em frase muito nítida ecoava dentro de mim:

“Por que você Me acusou de usar de psicologia barata no trato com as pessoas?”

Rapidamente respondi que não tinha feito aquilo com o Senhor. Mas a impressão continuava ‘falando’ dentro de mim:

“Você disse à sua esposa que elogiar antes e depois de corrigir é usar de psicologia barata. E, se você examinar as sete cartas às igrejas da Ásia no livro de Apocalipse, vai descobrir que Eu agi exatamente desta forma. Logo, você me acusou de usar de psicologia barata!”

Fiquei chocado. Pedi perdão a Deus. Fui ler as cartas do Apocalipse e constatei a forma como Jesus se dirigiu às igrejas da Ásia: elogio primeiro, correção depois e elogio para finalizar! Por exemplo, veja a carta dirigidaà Igreja de Éfeso:

 ELOGIO: “Conheço as tuas obras, e o teu trabalho, e a tua perseverança; sei que não podes suportar os maus, e que puseste à prova os que se dizem apóstolos e não o são, e os achaste mentirosos; e tens perseverança e por amor do meu nome sofreste, e não desfaleceste”  (Ap 2.2,3).
CORREÇÃO: “Tenho, porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor. Lembra-te, pois, donde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; e se não, brevemente virei a ti, e removerei do seu lugar o teu candeeiro, se não te arrependeres.” (Ap 2.4,5).
NOVO ELOGIO: “Tens, porém, isto, que aborreces as obras dos nicolaítas, as quais eu também aborreço.” (Ap 2.6)
Você vai encontrar o mesmo princípio do elogio ou encorajamento antes da correção sendo aplicado por Jesus nas demais cartas às igrejas da Ásia. Precisamos aprender a usar nossas palavras para produzir encorajamento. Muita gente só causa ruína quando abre sua boca! Mas os justos tem uma forma de falar que fortalece:

“As palavras dos justos dão sustento a muitos, mas os insensatos morrem  por falta de juízo”. Provérbios 10:21
Tenho aprendido muito destas verdades com o Pastor Abe Huber que, mais do que apenas ser um cavalheiro, alguém polido e bem educado,  reflete Jesus na sua forma de tratar as pessoas. Ele, na condição de líder e discipulador, também tem que corrigir as pessoas. Mas ensina a melhor forma de fazê-lo dando o exemplo do sanduíche. Ele diz que a correção deve ser algo parecido com o hambúrguer: deve ser servido no meio do pão. Assim como o hambúrguer tem um pedaço de pão de cada lado, a correção deve ser acompanhada de elogios antes e depois da correção…

Isto, além de nos levar a praticar o falar de modo agradável (que é uma ordem bíblica, não uma mera sugestão – Cl 4.6), também vai encorajar a pessoa corrigida — em vez de só desanimá-la. Pois como disse Charles H. Spurgeon, conhecido como o príncipe dos pregadores: “A repreensão não deve ser um balde de água fria para congelar o irmão, nem água fervente para queimá-lo”.

Nenhum relacionamento sobrevive só de elogios. As pessoas são falhas, imperfeitas, portanto erram. Quando alguém erra precisa ser corrigido! Porém, ninguém precisa ser desagradável, mesmo que tenha correção ou críticas a fazer. A orientação bíblica não limita o quê falar ao seu cônjuge, mas modera como você falará com ele!

“A boca do justo produz sabedoria, mas a língua da perversidade será desarraigada. Os lábios do justo sabem o que agrada, mas a boca dos perversos, somente o mal”. Provérbios 10:31,32
ENCORAJAMENTO

Lamentavelmente alguns realmente acreditam que ninguém precisa de incentivo e encorajamento, mas não é isso que o Criador pensa – e ninguém questiona que Ele entende bem sobre o homem (melhor que o próprio homem).

Basta perceber quantas vezes as Sagradas Escrituras mostram o próprio Deus encorajando seus servos para entender isto! Observe, por exemplo, como o Senhor fala com Josué:

“Ninguém te poderá resistir todos os dias da tua vida. Como fui com Moisés, assim serei contigo; não te deixarei, nem te desampararei. Esforça-te, e tem bom ânimo, porque tu farás a este povo herdar a terra que jurei a seus pais lhes daria. Não to mandei eu? Esforça-te, e tem bom ânimo; não te atemorizes, nem te espantes; porque o Senhor teu Deus está contigo, por onde quer que andares.” Josué 1:5,6,9

O que o Senhor está dizendo a Josué, seu servo, é basicamente o seguinte: “Você pode, você consegue! Você não está sozinho para cumprir esta missão, Eu estou contigo e te capacito. Seja forte e se atreva a confiar que Eu te usarei para levar este povo a desfrutar da promessa que está nação aguarda por séculos…”. Isso é que é encorajamento! Quase consigo ouvir um brado dos céus a Josué: “Você é o cara!”

Também deveríamos levar em conta que Deus trabalha a questão motivacional. É só olhar para as abundantes promessas de recompensa aos que O servem! Além do Senhor encorajar-nos ao trabalho mostrando-nos que podemos cumprir aquilo que nos foi confiado (nossa capacidade de resultado), Ele também motiva-nos lembrando continuamente que haverá galardão, recompensa (que ao final olharemos para trás reconhecendo que valeu a pena todo esforço e dedicação).

Se o Senhor demonstra (em suas conversas e promessas) que o ser humano precisa de encorajamento e motivação para realizar a Sua obra, precisamos entender que isto revela não apenas uma característica divina – que devemos imitar (Ef5.l) como também uma necessidade humana de receber encorajamento e motivação – que devemos compreender melhor.

O PODER DE NOSSAS PALAVRAS

Nossas palavras tem o poder de curar e de ferir. Mas não podemos usá-las de qualquer forma. O justo e o ímpio se distinguem em muitas coisas e, de acordo com a Palavra de Deus, não é só no seu caráter e atitudes, mas também na forma de falar:

“A boca do justo é manancial de vida, mas na boca dos perversos mora a violência”. Provérbios 10.11
Da boca do justo jorra vida; ou seja, palavras que vivificam, que comunicam vida espiritual (e mesmo emocional). Por outro lado, da boca do ímpio flui violência (palavras que ferem, que matam). De acordo com este texto, a violência no lar não é só física, mas também verbal. E pior: é uma característica do comportamento do ímpio. Confirmando esta verdade (que palavras ferem ou curam) a Bíblia ainda afirma:

“Alguém há cuja tagarelice é como pontas de espada, mas a língua dos sábios é medicina”. Provérbios 12.18
Nossas palavras possuem um poder maior do que conseguimos mensurar. Elas podem produzir vida ou morte! E isto se aplica a qualquer área da vida de alguém, embora aqui estejamos chamando atenção para o poder das palavras em nossa relação conjugal:

“A morte e a vida estão no poder da língua; o que bem a utiliza come do seu fruto.” Provérbios 18.21
Precisamos ter o cuidado com a forma de falar, pois, a maneira errada de falar não trará dano só a quem nos ouve. O problema também nos atinge! O livro de Provérbios mostra que guardar a boca (as palavras) é conservar a alma; por outro lado, o muito abrir os lábios (falar demais) traz ruína para quem fala:

“Do fruto da boca o homem comerá o bem, mas o desejo dos pérfidos é a violência. O que guarda a boca conserva a sua alma, mas o que muiito abre os lábios, a si mesmo se arruína” Provérbios 13.2,3
Há momentos em que o silêncio é a maior expressão de sabedoria. Falar com o coração irado ou exasperado nunca fará bem a ninguém (nem ao que fala). Na hora das emoções alteradas devemos reter as palavras; quando o espírito estiver sereno, aí é inteligente falar:

“Quem retém as palavras possui o conhecimento, e o sereno de espírito é homem de inteligência”. Provérbios 17.27
As Escrituras ainda nos revelam que falar de modo sereno traz cura, enquanto que a língua perversa, por sua vez, traz mal trato ao íntimo (quebranta o espírito):

“A língua dos sábios adorna o conhecimento, mas aboca dos insensatos derrama a estultícia. A língua serena é árvore da vida, mas a perversa quebranta o espírito”. Provérbios 15.2,4
“O homem se alegra em dar resposta adequada, e a palavra, a seu tempo, quão boa é”. Provérbios 15.23
CONSEQUÊNCIAS DA NOSSA FORMA DE FALAR

A maneira que adotamos de falar, produzirá consequências. A consciência deste fato pode nos ajudar a refletir sobre a forma correta de falar e, assim, evitarmos muitos transtornos e dissabores nos relacionamentos.

“A reposta branda desfia o furor, mas palavra dura suscita a ira” Provérbios 15.1
Quando alguém já está emocionalmente alterado, a maneira branda de falar irá aplacar seu sentimento e, de acordo com a Palavra de Deus, desviar seu furor. Por outro lado, uma palavra dura irá suscitar a ira. Portanto, precisamos aprender com a sabedoria bíblica (bem como com a humildade de Cristo) a sermos brandos em nossa forma de falar.

É por isso que a maior parte das tentativas de discutir a relação terminam em briga. As emoções já encontram-se carregadas e, para piorar, as palavaras duras só aumentam a ira já represada dentro do cônjuge.

Depois de muitos anos de ministério pastoral comecei a entender um pouco mais do porque as mulheres se queixam
tanto com seus maridos sobre a forma de falar. A célebre frase “não é o quê você fala e sim como fala que incomoda” repetida pelas esposas em todos os lugares, é mais do que uma grande coincidência. É um fato! A forma de falar tem sido um grande problema para os relacionamentos, especialmentea forma de falar dos maridos!

Não adianta ser excessivamente duro em exercitar direitos e opiniões. Muitas vezes, as consequências de nossa falta de sensibilidade no falar são desastrosas! Como disse antes, tenho aprendido muito nesta área com o
pastor Abe Huber, meu discipulador. Primeiramente tenho aprendido muito através de sua conduta exemplar nesta área, mas também tenho crescido por meio dos preceitos ensinados. Nunca esqueço o dia em que, pela primeira
vez, o ouvi ensinando sobre este assunto. Ele falou acerca dos efraimitas e sua forma tempestiva de agir e também falou sobre como dois líderes em Israel lidaram de forma tão diferentes com estes homens da tribo de Efraim.

A primeira situação acontece com Gideão, logo depois dele vencer os midianitas e trazer livramento a Israel. Os homens da tribo de Efraim reclamaram com ele por não terem sido convocados para a guerra, mas ele os abrandou com a sua palavra:

“Então os homens de Efraim lhe disseram: Que é isto que nos fizeste, não nos chamando quando foste pelejar contra Midiã? E repreenderam-no asperamente. Ele, porém, lhes respondeu: Que fiz eu agora em comparação ao que vós fizestes? Não são porventura os rabiscos de Efraim melhores do que a vindima de Abiezer? Deus entregou na vossa mão os príncipes de Midiã, Orebe e Zeebe; que, pois, pude eu fazer em comparação ao que vós fizestes? Então a sua ira se abrandou para com ele, quando falou esta palavra.” Juízes 8.1-3
Em outra ocasião, Jefté, também juiz em Israel, teve que lidar com a mesma atitude dos efraimitas. Porém, sua maneira de falar com eles e lidar com a questão foi bem diferente da de Gideão. O resultado? Uma tragédia nacional! Uma guerra civil que custou a morte de mais de quarenta mil pessoas:

“Então os homens de Efraim se congregaram, passaram para Zafom e disseram a Jefté: Por que passaste a combater contra os amonitas, e não nos chamaste para irmos contigo? Queimaremos a fogo a tua casa contigo. Disse-lhes Jefté: Eu e o meu povo tivemos grande contenda com os amonitas; e quando vos chamei, não me livrastes da sua mão. Vendo eu que não me livráveis, arrisquei a minha vida e fui de encontro aos amonitas, e o Senhor mos entregou nas mãos; por que, pois, subistes vós hoje para combater contra mim? Depois ajuntou Jefté todos os homens de Gileade, e combateu contra Efraim, e os homens de Gileade feriram a Efraim; porque este lhes dissera: Fugitivos sois de Efraim, vós gileaditas que habitais entre Efraim e Manassés. E tomaram os gileaditas aos efraimitas os vaus do Jordão; e quando algum dos fugitivos de Efraim dizia: Deixai-me passar; então os homens de Gileade lhe perguntavam: És tu efraimita? E dizendo ele: Não; então lhe diziam: Dize, pois, Chibolete; porém ele dizia: Sibolete, porque não o podia pronunciar bem. Então pegavam dele, e o degolavam nos vaus do Jordão. Cairam de Efraim naquele tempo quarenta e dois mil.” Juízes 12.1-6
Gideão, com sabedoria, conseguiu abrandar o coração dos efraimitas e evitou derramamento de sangue. Jefté se viu na obrigação de se defender e sustentar o seu direito e causou um grande banho de sangue.

No Novo Testamento também vemos que a inflexibilidade trouxe grande dano à Igreja de Jesus, separando dois gigantes do apostolado aos gentios: Paulo e Barnabé…

“Decorridos alguns dias, disse Paulo a Barnabé: Tornemos a visitar os irmãos por todas as cidades em que temos anunciado a palavra do Senhor, para ver como vão. Ora, Barnabé queria que levassem também a João, chamado Marcos. Mas a Paulo não parecia razoável que tomassem consigo aquele que desde a Panfília se tinha apartado deles e não os tinha acompanhado no trabalho. E houve entre eles tal desavença que se separaram um do outro, e Barnabé, levando consigo a Marcos, navegou para Chipre. Mas Paulo, tendo escolhido a Silas, partiu encomendado pelos irmãos à graça do Senhor.” Atos 15.36-40
Barnabé queria dar uma segunda chance a João Marcos, uma vez que, na primeira viagem missionária, ele havia desistido logo no começo. Paulo, por sua vez, acreditava que, justamente por ter desistido, Marcos não poderia
ir nesta segunda viagem missionária. Vejo gente advogando a causa dos dois lados. Há quem defenda o coração de Barnabé como quem acredita nos outros e há quem defenda a coerência de Paulo de que viagem missionária
não é brincadeira e que, pelo comportamento errado da primeira viagem, Marcos ainda não estava pronto para a nova convocação.

Eu, particularmente, vejo um pouco de razão em cada um. Mas a questão não é quem tem a razão; trata-se de sensibilidade. Cada um foi inflexível em seu posicionamento e, pela discussão de quem seria (ou não) um ajudante a mais, perderam a companhia principal, a parceria que Deus havia gerado desde o início (At 13.2). É preciso entender que o relaciona mento vale mais do que se ter a razão na discussão.

Sabemos que depois houve algum concerto entre eles, pois Paulo, muitos anos depois, fala de Marcos como tendo sido reintegrado à equipe:

“…Toma a Marcos e traze-o contigo, porque me é muito útil para o ministério” (2 Tm 4.11).
Que o Senhor nos dê graça e nos ensine a comunicar com nosso cônjuge segundo o Seu coração e os princípios da Sua Palavra.


(Extraído do livro “O Propósito da Família“, de Luciano Subirá)

Doutrinas Falsas

 Foto Salvatore Gerace

Norbert Lieth

“Partindo eu para a Macedônia, roguei-lhe que permanecesse em Éfeso para ordenar a certas pessoas que não mais ensinem doutrinas falsas, e que deixem de dar atenção a mitos e genealogias intermináveis, que causam controvérsias em vez de promoverem a obra de Deus, que é pela fé” (1Tm 1.3-4 – NVI).

Se há doutrinas falsas, então obrigatoriamente precisa haver uma doutrina conhecida e reconhecidamente correta. Na verdade, há uma doutrina sem par e há outras doutrinas. Quando existe uma sã doutrina, é notório que existam doutrinas insanas ou que causam insanidade. A sã doutrina fortalece, enquanto as outras enfraquecem e causam enfermidade. As falsas doutrinas causam confusão, a sã doutrina, por outro lado, proporciona a certeza. De um modo geral, as falsas doutrinas se ocupam principalmente de coisas secundárias. Os falsos mestres procuram vincular as pessoas a um personagem ou à sua organização.

“E que, dentre vós mesmos, se levantarão homens falando coisas pervertidas para arrastar os discípulos atrás deles” (At 20.30). Esta é a origem de todas as seitas e de todos os grupos de natureza sectária. Elas se baseiam em lendas, mitos, fábulas, fantasias. Além disso, trata-se também de conteúdo exotérico e de filosofias extra-bíblicas. São acréscimos humanos à Palavra de Deus. Timóteo deveria estar atento para que não fossem ensinadas “falsas doutrinas” (ver v.3-4), como também Tito foi intimado a fazer: “e não se ocupem com fábulas judaicas, nem com mandamentos de homens desviados da verdade” (Tt 1.14).

No que se refere às genealogias, os judeus provavelmente estavam interessados em saber de que patriarca eles descendiam. No Novo Testamento, no entanto, isso não tem a menor importância. “Evita discussões insensatas, genealogias, contendas e debates sobre a lei; porque não têm utilidade e são fúteis” (Tt 3.9). Em algumas seitas, como entre os Mórmons, por exemplo, a genealogia também é valorizada. O Novo Testamento, porém, não trata de descendência, mas de vocação, de fé e de conversão.

As falsas doutrinas normalmente são agressivas e ofensivas. Elas geram discussões e brigas, e não promovem a edificação divina. Muitas vezes elas giram em torno de algumas ênfases que são transformadas em itens principais. Fica difícil conversar sobre outros assuntos com essas pessoas. Podem ser as questões quanto ao sábado, a doutrina sobre a perda da salvação ou sobre Israel; também se incluem temas como alimentos ou outras regras do legalismo.

“Alguns se desviaram dessas coisas, voltando-se para discussões inúteis” (1Tm 1.6 – NVI). Os falsos mestres sempre se portam de modo presunçoso e prepotente, são orgulhosos, arrogantes e não aceitam ensinamentos, chegando a ignorar qualquer contra-argumento bíblico. É impossível manter um diálogo edificante com eles, sendo que normalmente o contato resulta em rusga e fofoca (ver v.6).

“querendo ser mestres da lei, quando não compreendem nem o que dizem nem as coisas acerca das quais fazem afirmações tão categóricas. Sabemos que a lei é boa, se alguém a usa de maneira adequada. Também sabemos que ela não é feita para os justos, mas para os transgressores e insubordinados, para os ímpios e pecadores, para os profanos e irreverentes, para os que matam pai e mãe, para os homicidas” (1Tm 1.7-9 – NVI).

Uma característica típica dos falsos mestres é que eles consideram uma lei como o ponto básico, sem levar em consideração o seu cumprimento. Outra atitude típica é que eles se manifestam com muita firmeza e apresentam sua doutrina como verdadeira sem, no entanto, terem realmente compreendido a doutrina da justificação.

Uma pessoa que tenha sido justificada através do Evangelho do Senhor Jesus não está mais sujeita a qualquer lei. As instruções do Novo Testamento atendem a todos os requisitos e o cumprimento dessas instruções é um sinal para a justiça. Nesse sentido, encontramos mais de 30 recomendações pessoais em 1Timóteo.

A lei é boa (ver Rm 7.12) quando ela for aplicada legalmente, isto é, se ela for considerada e aplicada da maneira para qual ela realmente foi promulgada (ver Gl 2.16,21; 3.10-13,23-25; Rm 3.20). A lei...

não pode transformar alguém numa pessoa justa;
traz maldição;
proporciona o reconhecimento do pecado;
coloca limitações para a proteção;
não provém da fé;
conduz à fé em Jesus;
é um mestre que orienta para Jesus;
não foi dada como meio para a redenção, porém, conduz para a salvação.
Nesse aspecto, a lei é boa e quem a aplica desse modo e alcança a graça de Jesus Cristo através dela, é justificado. Assim, por ter sido justificado, a lei perdeu o efeito sobre ele – ela perdeu a validade. A lei foi dada principalmente para o convencimento dos que viviam sem lei. Alguém certa vez disse: “A lei ensina três coisas: a) Nós devemos; b) Nós não temos; e c) Nós não podemos”.

Pastorais - Article
“Também sabemos que ela não é feita para os justos, mas para os transgressores e insubordinados, para os ímpios e pecadores, para os profanos e irreverentes, para os que matam pai e mãe, para os homicidas, para os que praticam imoralidade sexual e os homossexuais, para os sequestradores, para os mentirosos e os que juram falsamente; e para todo aquele que se opõe à sã doutrina” (1Tm 1.9-10 – NVI).

Muitas pessoas vivem de modo perverso, sem se importarem com a lei, mesmo não sendo justificadas. A intenção da lei é convencer justamente estas pessoas da sua vida em pecado. Assim, por exemplo, o vindouro Anticristo é denominado “o iníquo” (ver 2Ts 2.8).

Rebeldes são pessoas que vivem em franca contrariedade à vontade de Deus.

Expressões como ateu, pecador, ímpio, ou mau, descrevem tudo o que resulta de uma vida sem Deus.

Aqueles que desrespeitam ao pai e à mãe transgridem o quinto mandamento: “Honra teu pai e tua mãe...”. Os assassinos transgridem o sexto mandamento: “Não matarás”.

A prostituição e a pedofilia são mencionadas separadamente, pois referem-se a coisas distintas. A prostituição é qualquer relacionamento sexual mantido antes ou fora do casamento. A Bíblia fala claramente sobre a união conjugal, quando relata o encontro de Jesus com a mulher samaritana, junto ao Poço de Jacó: “ao que lhe respondeu a mulher: Não tenho marido. Replicou-lhe Jesus: Bem disseste, não tenho marido; porque cinco maridos já tiveste, e esse que agora tens não é teu marido; isto disseste com verdade” (Jo 4.17-18). A mulher vivia com um homem, sem um vínculo matrimonial e Jesus não considerava isso como uma união conjugal. A denominação “pedofilia” é derivada de uma palavra do grego antigo (arsenokoites), que se refere a um homem que mantém relações sexuais com outro homem ou com garotos (ver 1Co 6.9). Por isso a Standard Version Bible inglesa traduz essa expressão por “Men who practice homosexuality” (homens que praticam homossexualismo).

Raptos tem ligação com mercadores de escravos e sequestradores e certamente também pode ser relacionado com seitas.

Mentiras e perjúrios são praticados por pessoas que não falam a verdade, que negam ou resistem contra a verdade, ou que destroem com a verdade.


Tudo o que contraria a sã doutrina provoca o enfraquecimento do Corpo de Cristo e o deixa enfermo. Por um lado, não se deve pregar o legalismo e, por outro, não se deve minimizar o pecado. Paulo exorta que se evite tanto o legalismo, bem como a anarquia, ou a falta de lei. Fonte: (Norbert Lieth — Chamada.com.br)

quinta-feira, 12 de maio de 2016

“Deus quer que a gente seja como criança e peça ajuda a Ele”, diz Lucas Lucco sobre depressão

Lucas Lucco falou no programa “Encontro” sobre as lições que ele aprendeu durante o período de depressão. (Foto: Reprodução/TV Globo)
Lucas Lucco falou no programa “Encontro” sobre as lições que ele aprendeu durante
o período de depressão. (Foto: Reprodução/TV Globo)

Criado em um lar cristão, Lucas começou a cantar na igreja logo na infância na cidade de Patrocínio, interior de Minas Gerais. No entanto, o cantor relata que se afastou da fé quando teve que lidar com a fama.

Depois passar meses lutando contra a depressão e a síndrome do pânico, o ator e cantor Lucas Lucco falou no programa “Encontro” desta quarta-feira (11), sobre as lições que ele aprendeu durante esse período.

Criado em um lar cristão, Lucas começou a cantar na igreja logo na infância na cidade de Patrocínio, interior de Minas Gerais. No entanto, o cantor relata que se afastou da fé quando teve que lidar com a fama.

“Quando a gente começa a crescer, seja em qual área for, não que a gente se esqueça de Deus, mas a gente começa a ficar um pouco distante Dele. A gente começa a pensar que cresceu e consegue andar sozinho”, disse ele à Fátima Bernardes.

“É como se eu ligasse para o meu pai — no caso, Deus — e dissesse assim: ‘pai, está tudo certo, eu estou andando, eu estou crescido, mas eu estou aqui. Eu te amo, tá?’. E Deus não quer isso. Deus quer que a gente seja uma criança para Ele todos os dias. Deus quer que a gente seja humilde e peça ajuda para Ele, como criança, que a gente deite no colo Dele”, disse o cantor.

Compaixão

Em janeiro, Lucco fez um desabafo sobre a doença nas redes sociais, depois faltar no show onde seria gravado seu próprio DVD em Curitiba, no Paraná. "Me sinto distante de Deus mesmo falando com ele diariamente como sempre fiz. Desenvolvi síndromes, saudade acumulada, medo acumulado, trabalho acumulado", explicou, na ocasião.

Conhecido por seu impactante testemunho de vida, o cantor Felipão (ex-Forró Moral) publicou um vídeo em sua página do Facebook, comentando as confissões de Lucas Lucco. O cantor cristão assumiu que não tem muito contato com Lucco, mas afirmou que se identificou com desabafo postado pelo jovem.

"Eu vivia vazio, angustiado, depressivo... Eu usava a bebida para preencher o grande vazio que eu sentia, pela minha família destruída, pelo meu casamento destruído, pela falta que eu sentia da minha esposa, dos meus irmãos, dos meus pais. Eu passei a ser um alcoólatra com apenas 24 anos de idade. Eu acordei naquele dia com uma vontade grande de morrer", relatou Felipão.


O cantor contou que o desespero o levou a orar e abrir o seu coração para Deus. "Eu disse: 'Deus eu não aguento mais! Não sei o Senhor está me escutando, mas a partir de agora, eu vou tomar uma decisão. Eu vou parar de beber se o Senhor mudar a minha vida'. Ali se iniciou o processo da minha conversão", disse ele.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE GLOBO

quarta-feira, 11 de maio de 2016

Após ser esfaqueada 13 vezes na cabeça, idosa crê na conversão do criminoso: “Parte do milagre”

Após levar facadas na cabeça durante um assalto, Angela Burks causou impacto ao declarar que está preparada para perdoar o criminoso. (Foto: Reprodução/BBC)
Após levar facadas na cabeça durante um assalto, Angela Burks causou impacto ao declarar que
está preparada para perdoar o criminoso. (Foto: Reprodução/BBC)

Depois de ser perfurada na cabeça por repetidas vezes, Angela Burks, de 68 anos, acreditou que fosse morrer — mas sua sobrevivência é atribuída a um milagre.

Uma idosa britânica, que levou 13 facadas na cabeça durante um assalto, causou impacto ao declarar que está preparada para perdoar o criminoso, caso ele se volte para Deus.

Angela Burks, de 68 anos, foi atacada por Lee Greenall durante um assalto em Derbyshire, na Inglaterra. Depois de ser perfurada na cabeça por repetidas vezes, ela acreditou que fosse morrer — mas sua sobrevivência é atribuída a um milagre.

Lee, de 39 anos, foi preso por tentativa de assassinato, mas se declarou culpado por ferir a vítima intencionalmente. Ele foi condenado a 10 anos de prisão com uma sentença estendida de 4 anos por ter cometido outros crimes, como roubo e porte de arma.

"Pessoalmente, eu gostaria que ele se voltasse a Deus, claro. Eu gostaria que ele viesse ao arrependimento completo", disse Angela. "No entanto, tem que ser um verdadeiro arrependimento. Não vai ser como um pedido de desculpas — 'sinto muito' — porque ninguém pode apenas dizer que está arrependido”.

"Ele teria que transformar a sua vida e se voltar para Deus, e ele teria que provar para mim que ele fez isso", disse Angela. A idosa indica que gostaria que o criminoso começasse a participar de cultos e reuniões da igreja regularmente. "Se ele fizer isso, aí sim vou perdoá-lo", disse ela.

Angela foi atacada por Lee ao se recusar a entregar sua bolsa. Quando ela finalmente entregou seus pertences, o criminoso continuou a atacá-la. A idosa sentiu que estava sendo perfurada, mas não sentiu a lâmina da faca.


"Eu tive que aceitar tudo o que teria que enfrentar, e eu tenho certeza isso foi parte do milagre", disse ela. "Eu não estava ciente de que ele estava me esfaqueando. Ser esfaqueada 13 vezes e não sentir, é simplesmente incrível que eu esteja viva."

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE BBC

terça-feira, 10 de maio de 2016

Fé e política: deputados ligados à "bancada da Bíblia" avançam e esperam crescer em eventual governo Temer

Imagem redimensionada

Manhã de quarta-feira em Brasília. Um grupo de homens e mulheres se dirige a uma sala para rezar. A cena é comum em milhares de igrejas pelo Brasil, mas, neste caso, seus participantes são deputados – e o local é um dos auditórios do Congresso Nacional. É o culto semanal dos membros da Frente Parlamentar Evangélica (FPE), um grupo multipartidário que afirma reunir 92 deputados evangélicos. Seus membros são a principal vitrine da mistura de política e religião no Brasil.

Se considerada como bloco homogêneo, a frente conta na Câmara com mais membros que o PMDB, que tem 68 deputados. A bancada existe desde 2003 e surgiu no início do governo Lula e, à época, afirmava reunir 58 deputados. Segundo o deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), um dos membros, a formação foi uma reação “ao confronto ideológico do PT, que queria promover valores ateístas de esquerda”.

“Eles buscaram um confronto, e nós respondemos com a defesa dos valores cristãos”, diz à DW. Ele afirma que a bancada está otimista com um eventual governo Michel Temer. “Esperamos que seja um governo com mais diálogo e menos viés ideológico”.

Na atual legislatura da Câmara – iniciada em 2015 –, a frente contou com incentivos de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), um membro da Assembleia de Deus que comandou oficialmente a Casa até esta semana.

Seus membros se especializaram em combater projetos que pretendem ampliar direitos de homossexuais, expandir o aborto e promover a educação sexual nas escolas. “Esses grupos são uma articulação que pretende retroceder avanços de modernização social no Brasil. Nesse sentido eles são reacionários”, afirma Dawid Bartelt, diretor da Fundação Heinrich Böll no Brasil.

Segundo a professora de psicologia Bruna Suruagy, da Universidade Mackenzie, que fez uma pesquisa sobre o tema, diversos assessores ligados à frente e a igrejas costumam pesquisar projetos que podem servir de alvos para os deputados.

“Eles identificam que algo ligado ao aborto, por exemplo, está tramitando em uma comissão. Aí acionam algum deputado evangélico que esteja na comissão para combater o projeto. Eles se veem como soldados de um exército”, afirma.

Ainda segundo Suruagy, a bancada agiu nos últimos anos mais como uma articulação do “contra” para combater projetos progressistas, mas recentemente resolveu abordar pautas mais propositivas.

No momento, dezenas de projetos de cunho conservador ligados aos deputados da frente estão tramitando no Congresso. Segundo Cavalcante, entre os projetos considerados prioritários estão a aprovação do “Estatuto da Família”, o “Estatuto do Nascituro” e a PEC 99/2011. Os dois primeiros são projetos que centram na defesa da chamada “família tradicional” e no combate ao aborto, respectivamente.

Já a PEC 99/2011 deseja que uma série de igrejas sejam incluídas na lista de entidades com prerrogativa de propor ações diretas de inconstitucionalidade ao Supremo Tribunal Federal (STF). Hoje, isso só é prerrogativa de partidos políticos, chefes do Executivo e Legislativo e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), entre outros.

No ano passado, a frente já articulou a aprovação do aumento da isenção tributária para igrejas e permitiu a anistia de multas aplicadas pela Receita contra igrejas – o valor passava de 300 milhões de reais.

A FPE é presidida pelo deputado João Campos (PRB-GO), autor do projeto da “cura gay”, que surgiu em 2013 com o objetivo de autorizar tratamentos para combater a homossexualidade. A proposta gerou revolta entre a comunidade gay e psicólogos, e acabou arquivada.

Membros e processos

Vários membros da frente respondem processos na Justiça. Em 2012, um levantamento da Transparência Brasil mostrou que 57% dos 56 deputados que compunham a frente à época estavam respondendo a processos. Na atual bancada, três deputados aparecem entre os investigados pela Lava Jato: Eduardo Cunha, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) e Missionário José Olímpio (DEM-SP).

O deputado Cavalcante afirma que não há nada especial nisso, e que as acusações de corrupção são instrumentalizadas contra a fé dos deputados. “Ninguém destaca a religião de um deputado católico ou judeu quando ele é acusado de algo”, afirma.
Alguns deputados são filiados a siglas com fortes ligações com igrejas. O PSC, por exemplo, é ligado à Assembleia de Deus. O PRB, por sua vez, é ligado à Igreja Universal, do bispo Edir Macedo e tem o senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) como seu representante mais conhecido.

"Eles tem um projeto político, algo extremamente mundano. É um reflexo do profundo conservadorismo que existe na sociedade brasileira. Na Alemanha existe algum tipo de choque, mas ele está mais no plano simbólico, como a discussão sobre crucifixos em prédios públicos. No Brasil, as igrejas tentam uma interferência clara na política e em um universo maior de assuntos.”, afirma Dawid Bartelt.

Expansão pelo Brasil

O fenômeno de políticos que misturam religião e política não está restrito ao Congresso: deputados evangélicos também formam blocos em assembleias e câmaras municipais pelo país. A bancada da Assembleia Legislativa de São Paulo surgiu ano passado e afirma reunir 12 dos 94 deputados da Casa.

Imagem redimensionada

Nos estados, os projetos propostos seguem o tom conservador. Em 2015, o deputado Fábio Silva (PMDB) propôs que o Rio de Janeiro adotasse uma espécie de lei contra a blasfêmia, proibindo piadas contra qualquer religião. No Paraná e no Rio Grande do Sul existem projetos para promover o ensino do criacionismo nas salas de aula e proibir o ensino a “ideologia de gênero” na educação sexual.

Já nas câmaras municipais, vereadores agem para beneficiar templos. No município de Serra (ES) uma proposta aumentou em 2012 a tolerância ao barulho provocado por cultos, subindo o limite de 30 para 85 decibéis. Em Manaus, uma vereadora propôs autorizar que pastores possam pregar em terminais de ônibus. Em Fortaleza, surgiu um projeto para conceder gratuidade no transporte público pra missionários. Já em Curitiba, um vereador quer que todas as placas inaugurais de obras do município tenham a frase “Deus seja louvado”.


Fonte: DW Worl Fonte: folhagospel.com

Cristãos malianos são atingidos com a quebra dos acordos de paz

10-mali-0430100797.jpg
MALI

Grupos jihadistas que operam na região continuam a ser uma ameaça para a paz e a estabilidade do país, além de comprometer as nações vizinhas
  
Recentemente, houve um confronto entre manifestantes que protestavam contra as tropas francesas, na cidade de Kidal, que fica no norte do Mali. O motivo foi a prisão de supostos militantes islâmicos por soldados franceses. De acordo com informações do France24, uma pessoa morreu e seis ficaram feridas. Em notícia relacionada, há informações de que três soldados franceses também foram mortos quando o comboio foi atingido por uma mina terrestre. A agência de notícias Reuters disse que as autoridades malianas apreenderam um suspeito de participar do ataque contra um resort de praia, na Costa do Marfim, em março, que se acredita ter sido comandado pela Al-Qaeda, no Magrebe islâmico.

Todos esses acontecimentos mostram que a segurança no Mali é precária. "Enquanto a missão francesa apoiada pela ONU, no Mali, conseguiu recuperar territórios capturados por grupos jihadistas que operam na região, esses grupos continuam a ser uma ameaça para a paz e a estabilidade do país, além de comprometer as nações vizinhas", comenta um dos analistas de perseguição. Segundo ele, mesmo a cooperação entre os governos da região não tem sido suficiente para vencer a luta contra os grupos jihadistas. "Os cristãos locais também estão sendo atingidos e a situação é alarmante", afirma o analista.


A igreja no Mali vive sob crescente pressão. A situação do país não é boa e a perseguição religiosa tem aumentado depois que os extremistas islâmicos passaram a quebrar os acordos de paz feitos com o governo. O país ocupa a 44ª posição na atual Classificação da Perseguição Religiosa, onde 95% da população é muçulmana. O sul do país é um pouco mais tranquilo, enquanto que a região norte apresenta uma perseguição mais acentuada, por isso, muitos cristãos malianos fogem para lá na tentativa de salvarem suas vidas. Apesar de tantas dificuldades, a igreja continua crescendo. Interceda pelos nossos irmãos.
Fonte: https://www.portasabertas.org.br

segunda-feira, 9 de maio de 2016

CONVITE SESSÃO SOLENE HOMENAGEM CIRCULO DE ORAÇÃO DA ASSEMBLÉIA DE DEUS

Todas as irmãs estão convidadas

Feridas da alma – Você quer ser curado?


Hoje é o dia em que Jesus lhe convida a ter vida e vida em abundância.

por Jocinei Godoy
Existem vários tipos de feridas que marcam profundamente a alma humana. Feridas abertas por pais despreparados, filhos ingratos, cônjuges imaturos, amigos interesseiros e até por alguém em si mesmo. Não temos o poder de evitar ou sumir com estas feridas, mas temos o poder de deixá-las cicatrizar ou de mantê-las abertas, quando evocamos traumas passados para dirigirem nossos pensamentos e ações do tempo presente.

Deus não está preocupado em fechar a minha ou a sua ferida. Ele já concedeu o poder [em Cristo] para optarmos por mantê-las sangrando ou cicatrizadas de uma vez por todas.

Não há desculpa para aqueles que optam por viver no erro sob a “muleta da fraqueza” e, consequentemente, em constante sofrimento. Atribuir culpa e responsabilidade dos nossos erros e fraquezas a outras pessoas que nos fizeram sofrer em tempos passados, nos traz alívio e um senso de justiça própria.

Com isso, acreditamos ingenuamente que podemos continuar na mesma condição de pecados e fraquezas, sob o pretexto de que a culpa por nossos atos reside sempre nos outros.
Quando recebemos a Cristo pela fé, nossa consciência é transformada de maneira que os traumas e angústias passados são lançados aos pés da cruz com a morte da velha humanidade. Se vivemos em Cristo, Ele nos faz nova criatura para andarmos em novidade de vida, sem sermos afetados negativamente pelos traumas passados.

Pecar sob a condição de fraquezas constantes tira de nós a esperança e limita o nosso campo de visão a ponto de não enxergarmos o milagre que se coloca, todos os dias, bem debaixo do nosso nariz. A cura para aqueles que estão em Cristo, normalmente, se encontra disponível bem mais próximo do que se pode imaginar.

Podemos ilustrar isso melhor com a história do paralítico do tanque de Betesda.

Em João 5.1-15 vemos um homem que havia 38 anos estava paralítico, aguardando que fosse colocado no tanque, quando as águas fossem agitadas por um anjo que descia periodicamente. Quando alguém entrava no tanque era curado pela ação milagrosa da água agitada pelo anjo. Este homem estava cansado e provavelmente acomodado à condição da sua limitação.

Jesus ao encontrar com este homem prostrado próximo do tanque, pergunta: “Você quer ser curado?”. O paralítico diz: “Senhor, não tenho ninguém que me ajude a entrar no tanque quando a água é agitada. Enquanto estou tentando entrar, outro chega antes de mim”. Então Jesus lhe disse: “Levante-se! Pegue a sua maca e ande”.

Quase dois mil anos se passaram e esta situação continua se repetindo dia após dia na vida do povo que se diz cristão. Jesus Cristo está, incansavelmente, perguntando diariamente, não para o mundo, mas para o seu próprio povo: “Você quer ser curado?”.

As pessoas dizem que são de Jesus, creem n’Ele, vão a igreja todos os cultos, fazem a obra de Deus com esmero, mas quando se refere às feridas que as fazem pecar ou sofrer constantemente, agem como este homem paralítico. Tornaram-se tão acostumadas a reabrirem suas feridas por meio de retornos ao passado, que quando indagadas por Jesus se querem a cura, insistem em apresentar desculpas ou culpar os outros por ainda não terem sido plenamente restauradas.

Não importa qual a sua debilidade, fraqueza ou limitação. Talvez seja o vício em drogas, imoralidade sexual, guardar rancor, falta de perdão, inveja, alcoolismo, ciúme excessivo, complexo de inferioridade, etc. Independente qual seja a situação, Jesus lhe pergunta: “Você quer ser curado?”.

Mais do que ser curado, Jesus quer que você tenha n’Ele vida em abundância. Não a abundância que têm sido deturpada pela “peudo Teologia da Prosperidade”. Mas, abundância de alegria e de contentamento por fazer parte da família de Deus, ainda que peregrino nesta terra de sofrimento, tendo a certeza de que a cada momento Jesus está conosco nos preparando para morarmos eternamente com Ele em sua glória.

Pare, respire e pense! Só você tem o poder de deixar a sua ferida cicatrizar de uma vez por todas ou de abri-la periodicamente. Mesmo sendo salvo em e por Jesus, tenha fé e aceite esta última palavra de Jesus a você: “Levante-se! Pegue a sua maca e ande”.

A maca é a sua cicatriz. Ela te acompanhará por todo o tempo, entretanto, sem lhe trazer dor. Ela será o sinal do seu crescimento e a prova de que Jesus é infinitamente maior do que qualquer sofrimento que tente persistir ou dominar a sua vida.

Conte a todos o que Jesus fez por você e não olhe para trás. Assim como os judeus falaram ao paralítico curado que ele não poderia carregar a sua maca (era dia de sábado), algumas pessoas “religiosas” ou enviadas pelo inimigo vão lhe dizer que você não pode carregar esta cicatriz sem viver em sofrimento. Não caia no engano do diabo ou em suas falsas acusações. Siga em frente!

Hoje é o dia em que Jesus lhe convida a ter vida e vida em abundância. O passado já se foi e com ele seus traumas e dores. Por isso o dia de hoje se chama “presente”. É um dom de Deus a todos que n’Ele creem para a plena salvação em Cristo Jesus.

Então, qual será sua resposta?

Fonte: https://artigos.gospelprime.com.br


domingo, 8 de maio de 2016

Ore você também pela Síria no dia 8 de maio

7-dia-oracao-siria


Há cinco anos que os sírios são aterrorizados com uma guerra que parece não ter fim. Muitos já perderam as esperanças, mas existem aqueles que insistem em ficar para evangelizar os que ainda não conheceram Jesus

Nos últimos dias recebemos pedidos urgentes de oração pela Síria, vindos de Alepo, cidade que fica ao norte do país. Depois de uma longa semana, triste e sangrenta, que chamou a atenção da comunidade internacional, os cristãos decidiram se unir amanhã, dia 8 de maio, para jejuar e orar por todos eles. No momento, as ruas estão vazias e os mísseis estão caindo feito chuva sobre diversas localidades, até mesmo nos hospitais. Há cinco anos que os sírios são aterrorizados com uma guerra que parece não ter fim. Muitos já perderam as esperanças, mas existem aqueles que insistem em ficar para evangelizar os que ainda não conheceram Jesus.

"Apesar da nossa situação miserável, a verdade é que temos esse tesouro em nossas mentes e corações: ‘Jesus ressuscitou’ e nenhuma guerra poderá mudar isso", disse um cristão de Alepo que não foi identificado por motivos de segurança. Os cristãos locais de todas as denominações estão se organizando para estarem unidos, em uma só voz, pedindo a Deus para que salve os que permaneceram na Síria e que dê paz a essa nação. "Pedimos para que os cristãos livres de perseguição também participem desse movimento e que nos ajudem em oração, pois vivemos um momento muito delicado e perigoso. Nossas vidas estão em risco e precisamos de ajuda", pede um dos colaboradores.

Interceda você também pelos cristãos perseguidos e pelas famílias enlutadas. Muitos pais perderam suas crianças, pessoas que mais amavam e famílias inteiras foram dissipadas. Os cristãos sírios já não pedem por bens materiais, mas por saúde física, emocional e espiritual, além de forças para suportar tamanha dor. Eles já não possuem um teto para morar, vivem em barracas e dependem de doações tanto de alimento como de remédios. Eles perderam tudo, só não perderam a fé. Amanhã, ajude-os em orações e interceda por eles.

DIP 2016
No dia 22 deste mês, milhares de igrejas de todo o Brasil se dedicaram em um tempo destinado a intercessão e ajuda aos nossos irmãos perseguidos na Síria e no Iraque. Você não pode ficar de fora. Aproveite a oportunidade de poder abraçá-los realizando o Domino da Igreja Perseguida na sua igreja. Leve a realidade dos nossos cristãos perseguidos para os seus irmãos livres. Cadastre-se agora mesmo.


Pedidos de oração
  • Ore para que Deus dê um fim no derramamento de sangue de tantos inocentes que tem acontecido em Alepo e em outras regiões da Síria.
  • Peça a Deus para que dê sabedoria a todas as pessoas envolvidas no ministério da igreja que continua instalada nesse país e que todos os líderes continuem fortes e ousados na pregação da Palavra.
  • Ore também para que os corações dos perseguidores sejam quebrantados e suas vidas tocadas milagrosamente pelo amor de Cristo.
  • Muitos perderam suas casas, seus entes queridos e estão vendo um cenário assolador, ore para que eles sejam restaurados e curados de seus traumas, apesar de tudo. Aos que decidem ir embora, ore para que Deus dirija suas decisões.