Google+ Followers

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Nova embaixadora dos EUA irá defender Israel na ONU

Nikki Haley é cristã e deixou claro o seu apoio ao Estado de Israel. Ela tem criticado as recentes resoluções aprovadas pela ONU e disse que irá apoiar a mudança da embaixada dos EUA para Jerusalém.

Nikki Haley é cristã e está deixando de ser governadora da Carolina do Sul (EUA) para assumir o cargo de Embaixadora dos Estados Unidos na ONU. (Foto: CNS News)
Nikki Haley é cristã e está deixando de ser governadora da Carolina do Sul (EUA) 
para assumir o cargo de Embaixadora dos Estados Unidos na ONU. (Foto: CNS News)
A governadora da Carolina do Sul, Nikki Haley, foi confirmada na última terça-feira (24) para se tornar a próxima embaixadora dos EUA na Organização das Nações Unidas (ONU) e ficará encarregada de representar o novo governo norte-americano em uma instituição cuja eficácia o próprio Donald Trump questionou.

Ela deixará seu posto na Carolina do Sul para assumir um dos cargos diplomáticos de perfil mais alto do país.

Haley ganhou apoio significativo até mesmo entre os democratas, com uma votação de 96 a 4 refletindo que os membros do partido acreditam que Haley seria um diplomata sensata na nova administração.

Os quatro senadores que votaram 'não' foram Bernie Sanders, Christopher A. Coons, Tom Udall e Martin Heinrich.

O Comitê de Relações Exteriores do Senado aprovou a nomeação de Haley com uma votação oral na última terça-feira (24).

Espera-se que Haley seja recebida de braços abertos, não apenas pelo Senado dos Estados Unidos, mas também pelo governo e o povo israelense, que está bem consciente do apoio explícito e publicamente expresso da nova embaixadora ao Estado de Israel.

Na audiência de confirmação do Senado, ela dirigiu suas críticas à ONU, em razão do que ela considerou um "mau tratamento" dado a Israel por parte do órgão mundial, referindo-se à Resolução 2334 do Conselho de Segurança da ONU, aprovada em dezembro de 2016.

A resolução, que exige que Israel pare de construir seus assentamentos em áreas como a Faixa de Gaza, evocou reações furiosas do governo israelense, particularmente do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, que criticou o então presidente Barack Obama e seu governo, por terem escolhido não exercer a sua capacidade de vetar a votação da resolução.

Haley afirmou também que "nunca se absterá quando a ONU tomar qualquer ação que entre em conflito direto com os interesses e valores dos Estados Unidos".

Falando especificamente sobre a questão dos assentamentos, Haley admitiu: "Eu compreendo como eles podem pensar que isso prejudica a paz, mas, ao mesmo tempo, eu sempre estarei com Israel".

Haley também tocou em outra questão premente que tem ocupado palestinos e líderes israelenses iguais nas últimas semanas: a intenção declarada do presidente Trump de transferir a embaixada dos EUA em Israel de Tel Aviv para Jerusalém.

Haley disse que apoiaria "absolutamente" a medida, que o enviado eleito de Trump, David Friedman, deve liderar.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO JERUSALEM POST