Google+ Followers

domingo, 18 de setembro de 2016

#SWXP2016: Um culto à serviço da família da fé

noticia-swxp-josil-orando.jpg
noticia-swxp-josil-orando.jpg

A 3ª edição do SHOCKWAVE Experience aconteceu ontem (17) em São Paulo/SP e mais de mil pessoas estiveram presentes

Jovens tiveram a oportunidade de ouvir o testemunho de Josil, correspondente internacional da Portas Abertas, participar de campanhas de cartões para cristãos perseguidos, cantar com Adhemar de Campos e PC Baruk, além de realizar um percurso pelos países representados no espaço de vivência: Coreia do Norte, Eritreia, Irã, Iraque e Síria.

De acordo com Josil, 462 cristãos são mortos diariamente. O único crime que cometeram foi ter um compromisso com Jesus Cristo. Ele relembrou que a vida cristã é uma vida de desafios e que como parte da nossa família, nosso dever é servir, amar e cuidar dos nossos irmãos.

Para Maria Carolina, que organiza o Domingo da Igreja Perseguida (DIP) há anos em sua igreja, participar desse evento de jovens foi uma experiência incrível: "Esta é a primeira vez que participo e gostei muito. No próximo ano, vou trazer a galera toda da minha igreja. O evento envolve muita oração por pedidos específicos dos países e foi impactante ver a realidade que muita gente não conhece. Mas tudo isso acontece e temos que ser sensíveis e fazer alguma coisa".

Organizado pelo ministério de jovens da Portas Abertas, underground, o SHOCKWAVE Experience tem como objetivo aproximar jovens brasileiros da realidade da perseguição religiosa, a qual atinge mais de 100 milhões de cristãos ao redor do mundo.

Mateus Rogério é voluntário do underground há 1 ano e meio. Neste SHOCKWAVE Experience ele participou da vivência de perseguição atuando como uma autoridade da Coreia do Norte. Ao ser questionado sobre o que o motiva a se envolver como voluntário, ele responde: "Compartilhar com outras pessoas a realidade dos cristãos perseguidos é emocionante e uma forma de conscientizá-las a respeito da perseguição. O amor ao próximo e o serviço à causa é o que me motivam a estar aqui e não largo isso por nada – a obra não pode parar".

Fonte: www.portasabertas.org.br