Google+ Followers

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Siamesas passam por cirurgia de separação e pais louvam a Deus: “Jesus cuidou de tudo”

As gêmeas siamesas foram separadas com sucesso em uma cirurgia que durou 11 horas e contou com mais de 30 profissionais de saúde.


Gêmeas Erin e Abby Delaney no Hospital Infantil da Filadélfia, em setembro de 2016. (Foto: AP)
Gêmeas Erin e Abby Delaney no Hospital Infantil da Filadélfia, em setembro de 2016. (Foto: AP)

As gêmeas siamesas Erin e Abby Delaney foram separadas com sucesso em uma cirurgia que durou 11 horas e contou com mais de 30 enfermeiros, médicos e profissionais de saúde.

A cirurgia bem sucedida foi encarada como um milagre pela mãe das meninas, Heather Delaney, que é uma cristã devota.

“Deus tem grandes planos para estas meninas desde que elas vieram ao mundo”, disse ela em seu blog Our Journey With Conjoined Twins (Nossa Jornada Com As Gêmeas Siamesas, em tradução livre). “Elas são um milagre da vida real e eu sou muito abençoada por ser mãe delas”.

As bebês estavam unidas pela parte superior de suas cabeças — uma condição conhecida como “craniopagus parasiticus”, um tipo raro de xifopagia que ocorre de 4 a 6 nascimentos humanos em cada dez milhões.

Até a realização da cirurgia realizada na última semana no Hospital Infantil da Filadélfia, nos Estados Unidos, Erin e Abby nunca tinham olhado uma para a outra devido ao posicionamento de seus corpos.

O hospital anunciou nesta terça-feira (13) que já separou outros 22 gêmeos siameses nos últimos 60 anos, mas nunca havia separado irmãos que estavam unidos pela cabeça.

Os pais das gêmeas, Heather e Riley Delaney, estão planejando uma grande festa após as filhas receberem alta. (Foto: AP)
O procedimento foi um sucesso, embora as gêmeas ainda devam passar por outra cirurgia antes de receberam alta.

“Separar gêmeos siameses é uma cirurgia muito complexa, seguida de uma recuperação longa e complicada. Mas estamos muito esperançosos por um resultado positivo”, disse o cirurgião Jesse Taylor, que liderou a operação junto com o neurocirurgião Gregory Heuer.
Heather e o pai das meninas, Riley, estão ansiosos para levar as gêmeas para casa, pois as bebês nunca conheceram a casa da família na Carolina do Norte. “Vai ser uma grande festa”, disse Heather. “Vamos fazer festas de boas vindas, chá de bebê, aniversário…”

No entanto, a mãe das crianças observou que elas não estão em perfeita saúde e ainda conta com as orações. “As meninas estão fora de risco. Elas ainda estão em estado crítico, mas os médicos estão tomando providências para elas se recuperarem todos os dias. O processo de desmame vai ser longo e pedimos orações”.

O casal afirmou em seu blog que eles são “100% apaixonados pelo nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo e acreditamos que Ele está cuidando de tudo em nossas vidas”.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE FAITHWIRE