Google+ Followers

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Cristãos podem enfrentar 5 anos de prisão por comemorarem o Natal, em Brunei


Cristãos e outras minorias podem celebrar o Natal, mas devem fazer isso de modo privado. Além disso, eles precisam antes avisar as autoridades.

A proibição de Natal é justificada sob as novas leis. (Foto: Reprodução).
A proibição de Natal é justificada sob as novas leis. (Foto: Reprodução).

Qualquer pessoa que seja encontrada celebrando o Natal em Brunei (que fica no Sudeste Asiático) poderá enfrentar até cinco anos de prisão, segundo uma declaração do sultão do estado que é rico em petróleo. Brunei firmou sua proibição de Natal no ano passado por temer que a celebração aberta leve a população muçulmana a ser expulsa.

Cristãos e outras minorias podem celebrar o Natal, mas devem fazer isso de modo privado. Além disso, eles precisam antes avisar as autoridades. Os líderes religiosos islâmicos da região promoveram a proibição, advertindo que adotar as “armadilhas do Natal” equivale a imitação de outra fé, proibida em algumas interpretações do Islã.

Funcionários do Ministério de Assuntos Religiosos também teriam visitado empresas locais para garantir que eles não estão exibindo decorações de Natal, incluindo chapéus de Papai Noel e banners com saudações natalinas.

O sultão Hassanal Bolkiah, que governou a antiga colônia britânica por quase 50 anos, introduziu a proibição do Natal em 2014, no mesmo ano em que Brunei adotou um código penal mais rígido, baseado na sharia islâmica e incluindo punições como a amputação.

A proibição de Natal é justificada sob as novas leis. A punição por celebrar a data é uma multa de 20 mil dólares até cinco anos de prisão. Ou ambos.

A proibição encontrou resistência - a campanha de mídia social #MyTreedom, que incentiva os cristãos em países como a Arábia Saudita e o Irã a postar imagens de si mesmos comemorando o Natal, inclui várias contribuições de moradores de Brunei. Pelo menos 65% da população de 420 mil habitantes de Brunei são muçulmanos.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO INTEPENDENT.CO