Google+ Followers

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Judeu incrédulo se entrega a Cristo e declara: "Deus não está no mundo da fantasia"

O escritor Andrew Klavan explica que descobriu que Deus não é apenas uma fantasia da mente humana, mas é real e pode senti-lo nos momentos cotidianos.

Andrew Klavan apresenta programas sobre a arte e o pensamento humano. (Imagem: Youtube)
Andrew Klavan apresenta programas sobre a arte e o pensamento humano. (Imagem: Youtube)

Um judeu incrédulo acabou entregando sua vida a Cristo e hoje afirma que a sociedade não reconhece o quão poderosa é a atual corrente intelectual da descrença, uma cultura onde o ateísmo é a configuração padrão e alertou que "essa corrente intelectual está levando as pessoas para um um mar de mentiras".

Em uma recente entrevista ao site 'Christian Post' o autor Andrew Klavan falou mais sobre como ele teve uma experiência pessoal com Deus e sobre o seu novo livro "The Great Good Thing: A Secular Jew Comes to Faith in Christ" ("A Grande Coisa Boa: Um Judeu Incrédulo que se Entregou a Cristo", observa que ele está fazendo muito mais do que simplesmente compartilhar o testemunho de sua conversão ao cristianismo.

Os críticos têm inequivocamente elogiado seu trabalho — alguns o têm chamado de um "mestre contador de histórias".

"Minha história não era só a minha história", disse Klavan. "Foi realmente uma história que afetou um monte de gente".

"Como, obviamente, nem todo mundo é judeu, nem todo mundo tem a minha educação", continuou ele, "estamos vivendo em um mundo onde a suposição é que se você é uma pessoa inteligente, uma pessoa perspicaz, uma pessoa sofisticada, você não acredita em Jesus".

Aqueles que procuram uma leitura inteligente, perspicaz e sofisticada não precisam ir mais longe do que as memórias de Klavan. Pungente e muito bem escrito, Klavan descreve sua jornada para até a fé cristã, narrando suas perguntas profundas e emoções em um livro cativante.

Klavan, de 62 anos, foi criado em Great Neck (Long Island, EUA), mas agora reside em Hollywood Hills, Califórnia, com Ellen, sua esposa de 36 anos, com quem tem dois filhos. Depois de ter passado a maior parte de sua vida profissional como um roteirista de novelas, hoje Klavan investe seu tempo como roteirista e é o anfitrião da 'Amostra Klavan Andrew', um podcast de cultura e política no site do jornal 'The Daily Wire'.

Apesar de não ser de uma família judia religiosa — seus pais nem sequer acreditavam em Deus — seu pai garantiu que ele estava ligado à sua herança. Mas Klavan entendeu que o judaísmo em sua maioria era sem sentido; os rituais religiosos não significavam nada para ele. Como ele relata no livro, suas objeções eram contra o bar mitzvah e ele disse que via a Páscoa judaica ("Pessach") como algo "cômico".

Desde que se entregou a Cristo, observa o autor — e muito a contragosto de seus amigos judeus — Jesus permitiu que Klavan experimentasse o seu judaísmo.

Como um adolescente curioso, para grande desgosto de seu pai, ele começou a ler o Novo Testamento e seu interesse intelectual no cristianismo acompanhou a então nova leitura.

"Eu achava que a religião importava, porém eu pensei nisso como um mito vivo que forma a mente humana e expressa os nossos medos e desejos mais íntimos. Muitos dos pensadores que eu conhecia e lia rejeitavam o poder da religião sobre a vida das pessoas. Eles achavam que a fé era apenas uma relíquia do passado, algo supersticioso da humanidade".

Ao contrário de seu pai, Klavan não está particularmente preocupado com o anti-semitismo, crescente nos Estados Unidos, mas está mais preocupado com a crescente hostilidade contra os judeus na Europa.
Andrew Klavan. (Imagem: Youtube)

A resposta, Klavan opina, é bastante evidente: "As pessoas odeiam os judeus, porque elas odeiam a Deus".

"Os judeus são o povo escolhido de Deus e que trouxe a noção de Deus de volta para a humanidade, depois que ela foi perdida após a queda. Eles eram a porta para Deus voltar a entrar no mundo e as pessoas os odeiam por isso. Indo um pouco mais longe, as pessoas odeiam os judeus, porque eles odeiam a Deus e você [ateu ou incrédulo] odeia a Deus porque você se odeia. Eu realmente acho que essa é a incapacidade de aceitar o pecado original, essencialmente", destacou.

Klavan destacou o quão importante é experimentar mais de Deus, enquanto a cultura contemporânea julga que apenas o que fazemos "racionalmente" é válido, enquanto o sentimos é "inválido".

Entre outras coisas, Klavan observou que a experiência subjetiva de se apaixonar por sua esposa ao longo de muitas décadas foi uma espécie de "epifania". O amor mostrou-lhe que só porque algo pode ser subjetivo, isso não significa que não seja real.

"Isso me levou a começar a pensar: 'Agora, espere um minuto, talvez se você pode se enganar em suas percepções subjetivas, então talvez você pode estar certo em suas percepções subjetivas", disse Klavan.

Ao longo do caminho, a rejeição ao ateísmo por parte de Klavan foi, em parte porque ele descobriu verdades importantes em lugares onde muitos cristãos devotos raramente olham. Klavan disse ao 'Christian Post' que um dos compromissos mais importantes que teve com uma obra de arte foi do autor e filósofo francês Marquês de Sade.

"De Sade escreveu alguns dos livros de pornografia mais sádicos, algumas das coisas mais repugnante que já li. Seus livros são atados à filosofia ateísta e quando eu li aquela filosofia ateísta e eu vi que a pornografia que a acompanhava, eu disse a mim mesmo 'isso é o ateísmo honesto. Isso é simplesmente o verdadeiro ateísmo, o mais verdadeiramente fundamentado que eu já vi'. Eu entendi que se você quisesse ser um ateu, aquela era a lógica e ela me deu as costas. Então virei as costas e afastei-me dele", contou.

Klavan também destacou que os cristãos podem ser mais atenciosos sobre como eles se envolvem com os intelectuais e com a cultura em geral.

"A única coisa que eu gostaria de ver os cristãos fazerem é: parar de condenar a arte que não ecoa imediatamente suas crenças mais profundas. Porque eu realmente acredito que toda grande arte está falando a verdade. Deus é o Senhor no mundo real, ele não é Deus da terra da fantasia. Quando você fecha as pessoas, escondendo feiúra da vida, desde o aspecto físico da vida, a paixão, a luxúria que estão na Bíblia e nas artes, você fecha as pessoas fora do verdadeiro Deus", ele disse.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN POST