Google+ Followers

quinta-feira, 31 de março de 2016

Ex-muçulmano marca história ao conquistar direito de ser cristão na Malásia

O juiz determinou que Yew Rebit não poderia ser considerado como do Islã, porque não era sua escolha abraçar a religião. (Foto: Reprodução).
  O juiz determinou que Yew Rebit não poderia ser considerado como do Islã, porque não era sua escolha abraçar a religião. (Foto:         Reprodução).

Em sua decisão, o juiz determinou que Yew Rebit não poderia ser considerado como muçulmano, porque não era sua escolha abraçar a religião.

O juiz determinou que Yew Rebit não poderia ser considerado como do Islã, porque não era sua escolha abraçar a religião. (Foto: Reprodução).

O juiz determinou que Yew Rebit não poderia ser considerado como do Islã, porque não era sua escolha abraçar a religião. (Foto: Reprodução).

Em uma decisão histórica, um tribunal da Malásia confirmou, na semana passada, os direitos de um cristão convertido do islamismo. A decisão estabelece um precedente em um país onde conversões religiosas, em particular do islamismo ao cristianismo, foram ricas em controvérsia. O veredicto reafirma a supremacia da Constituição Federal, que nos termos do artigo 11 defende o direito de todos os cidadãos da Malásia à liberdade de religião.

Para Rooney Rebit, o autor, a decisão não poderia ter vindo em um momento mais oportuno do que na Semana Santa: ele estava pedindo as autoridades judiciais para declarar que sua crença em Jesus Cristo era um direito humano fundamental. O juiz, Yew Ken Jie, disse: "Ele é livre para exercer o seu direito de liberdade de religião e ele escolheu o cristianismo".

Rebit nasceu em uma família cristã em 1975, mas seus pais se converteram ao Islã quando tinha oito anos de idade. Seu nome muçulmano foi Azmi Mohamad Azam Shah. Em 1999, Rebit abraçou o cristianismo e foi batizado.

Em sua decisão, o juiz determinou que Yew Rebit não poderia ser considerado como tendo professado oficialmente o Islã, porque não era sua escolha abraçar a religião. Mas quando ele se tornou um cristão com a idade de 24 anos, ele era maduro o suficiente para tomar uma decisão consciente.

Apostasia

Casos de conversão na Malásia têm sido atormentados por dissensão e acusações de apostasia por autoridades muçulmanas desafiando vereditos de tribunais seculares em tribunais da Sharia oficial.

A ação mais importante envolvida mostra Lina Joy, que se converteu do islamismo ao cristianismo em 1998 com 26 anos. Seu pedido para que sua conversão fosse legalmente reconhecida pelos tribunais da Malásia foi rejeitado em 2007, após uma batalha legal de seis anos.

Houve outros casos em que um dos pais tenha convertido as crianças nascidas em uma comunidade de fé diferente para o Islã, quando os apelos do outro progenitor, normalmente as mães, foram postas de lado pelas autoridades islâmicas que defendem a supremacia do Islã.

Em um país com dois sistemas jurídicos paralelos, apelos para tribunais seculares para corrigir tais erros são inevitavelmente referidos às autoridades sharia, onde os advogados não-muçulmanos estão proibidos de praticar.

No caso de Rebit, a diferença significativa foi a de que ele não estava desafiando sua conversão ao Islã; pois se ele tivesse feito isso, o caso teria que ser julgado pelo tribunal da Sharia - porque os tribunais seculares têm decidido que eles não têm jurisdição sobre assuntos islâmicos.

Rebit, no seu requerimento, pediu que ele seja declarado oficialmente como um cristão, e que o Departamento Religioso Sarawak islâmico e o Conselho Islâmico de Sarawak possa libertá-lo da fé muçulmana. Ele também queria o tribunal para obrigar o Departamento Nacional de Registro do Governo para alterar o seu nome e de religião no seu bilhete de identidade e seus registros.


Autoridades religiosas islâmicas do estado de Sarawak não se opuseram à emissão da carta de liberdade de sua fé, mas o departamento de registro tinha insistido em uma carta de liberação e ordem do Tribunal Sharia. Mas o juiz Yew, em sua decisão, ordenou que o Departamento Nacional de Registro fizesse as mudanças para o cartão de identidade de do RebitFONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN HEADLINES