Google+ Followers

domingo, 1 de julho de 2018

Em defesa da profecia bíblica - VOLTA DE JESUS

Resultado de imagem
Norbert Lieth
Escrevo essas linhas durante uma longa viagem missionária através da Alemanha. Durante o trajeto observamos que, nos mais diversos locais, somos confrontados com a importância e a necessidade que muitas pessoas atribuem à nossa revista, já que a profecia bíblica quase não é mais proclamada e que a volta de Jesus se tornou um tema secundário. De modo algum isso nos deixa orgulhosos, muito antes nos entristece, mas ao mesmo tempo nos incentiva a cumprirmos ainda mais efetivamente a nossa missão.
A última afirmação de Jesus na Bíblia é: “Sim, venho em breve!”. E a última oração da Bíblia é a reação adequada dos crentes diante dessa afirmação: “Amém. Vem, Senhor Jesus!” (Ap 22.20).
Uma das últimas coisas que o apóstolo Paulo escreveu pouco antes de sua morte foi: “Eu já estou sendo derramado como oferta de bebida. Está próximo o tempo da minha partida. Combati o bom combate, terminei a corrida, guardei a fé. Agora me está reservada a coroa da justiça, que o Senhor, justo Juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amam a sua vinda” (2Tm 4.6-8).
Assim, Paulo confirma que toda a sua batalha de fé, todo o seu trabalho e esforço foram motivados pela visão da volta de Jesus e seu desejo evidente é que – assim como ele – também nós amemos a volta do Senhor e trabalhemos nesse sentido.
Também o apóstolo Pedro escreveu pouco tempo antes da sua morte: “Porque sei que em breve deixarei este tabernáculo, como o nosso Senhor Jesus Cristo já me revelou. Assim, temos ainda mais firme a palavra dos profetas, e vocês farão bem se a ela prestarem atenção, como a uma candeia que brilha em lugar escuro, até que o dia clareie e a estrela da alva nasça no coração de vocês” (2Pe 1.14,19).
Temos, assim, a confirmação através de duas ou três testemunhas sobre a importância e urgência em nos preocuparmos adequadamente com a profecia bíblica e com a volta de nosso Senhor Jesus (ver Mt 18.16; Jo 8.17). Se Deus posiciona essas afirmações em três passagens tão importantes, então ele deve considerar isso como sendo muito importante. Isso soa como se fosse um legado, como o último desejo de um testamento.
Não podemos determinar o dia da volta de Jesus, mas deveríamos contar sempre com ela. No Novo Testamento somos incentivados a nos envolvermos com a profecia bíblica, a amar a sua volta, esperar ansiosamente por ela, a vigiar, a orar por ela e a nos consolarmos com ela. O ensino sobre a volta de Jesus não deve cair em segundo plano diante das demais doutrinas importantes da Bíblia.
Nós comemoramos a Páscoa, a morte e a ressurreição de Jesus, bem como a sua ascensão. Tão certo como ele subiu ao céu, tão certo ele voltará (At 1.11). E quando celebramos a Ceia do Senhor, proclamamos a morte do Senhor até que ele venha (1Co 11.26). Justamente no Apocalipse, o livro profético do Novo Testamento, o Cordeiro de Deus nos é apresentado quase 30 vezes. Nele encontramos o Cordeiro, que foi sacrificado para nos salvar – mas também vemos a adoração ao Cordeiro, o pleno poder do Cordeiro, a ira do Cordeiro, o sangue do Cordeiro, o cântico do Cordeiro, o trono do Cordeiro, o livro do Cordeiro, a vitória do Cordeiro, as bodas do Cordeiro e a noiva do Cordeiro.
A primeira vinda de Jesus como o Cordeiro de Deus e sua obra redentora no Gólgota não podem ser separadas da sua glória e sua volta. Assim como olhamos retrospectivamente para a sua obra consumada, para vivermos a partir dela, deveríamos olhar firmemente para a sua volta, pois assim se torna visível a vida eterna.
Fonte: https://www.chamada.com.br