Google+ Followers

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Brasil deve ter mais equilíbrio em decisões sobre Israel, dizem líderes evangélicos

Em uma reunião articulada pelo deputado Roberto de Lucena (PV - SP), pastores pediram ao ministro das Relações Exteriores que o Brasil se oponha à perseguição sofrida por Israel na ONU.


Líderes evangélicos se reuniram com o ministro das relações exteriores, Aloysio Nunes. (Foto: Assessoria de Imprensa)
Líderes evangélicos se reuniram com o ministro das relações exteriores, Aloysio Nunes. (Foto: Assessoria de Imprensa)

Na última quarta-feira (5), o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes recebeu lideranças evangélicas nacionais para debater sobre a postura do Brasil nas votações realizadas pela Organização das Nações Unidas (ONU) que afetam questões relacionadas a Israel.

O encontro articulado pelo deputado federal Roberto de Lucena (PV-SP), antecede a 201ª Sessão Deliberativa do Conselho Executivo da Unesco, que se realizará nos dis 26 e 27 de abril, em Paris (França).

Justificando a relevância do encontro entre pastores e o ministro, Lucena explicou que esta é uma importante manifestação do sentimento dos cristãos brasileiros com relação à resolução 199 da UNESCO, que ignorou os laços do povo de Israel com locais historicamente importantes de Jerusalém, como o Monte do Templo e o Muro das Lamentações.

“Viemos aqui trazer ao nosso chanceler e à diplomacia brasileira o apoio de parcela significativa do povo evangélico que se sente representado por essas lideranças - e temos a compreensão de que nosso sentimento é compartilhado pela grande maioria dos cristãos nacionais, com relação ao esforço do Brasil para que o texto da resolução 199 da Unesco sofresse importantes evoluções no sentido de ser mais justo, equilibrado e imparcial, até chegar à resolução 200. Ainda não é o texto ideal. Nossa expectativa é de que a resolução 201 avance ainda mais nessa direção. A maioria da população brasileira é cristã e os cristãos tem Israel como sua segunda Pátria”, destacou Roberto de Lucena.

Durante a reunião, o apóstolo Paulo de Tarso Fernandes expôs ao ministro que, mesmo reconhecendo a realidade dos árabes e mulçumanos que vivem na região, diversas questões históricas têm sido desrespeitadas no texto da resolução.

“Notadamente a ONU tem se posicionado contra Israel, por isso é importante que o governo brasileiro passe a considerar esta importante parcela de nossa população que apoia a nação Judaica”, disse Fernandes, buscando esclarecer que a maioria dos evangélicos defendem Jerusalém como a capital indivisível de Israel.

Aloysio Nunes respondeu aos pastores que o Brasil vai continuar se empenhando em combater qualquer possibilidade de desequilíbrio em suas decisões de voto.

"Nosso esforço é para que as próximas resoluções sejam mais equilibradas e justas. Temos uma posição suprapartidária de mais de 30 anos de busca de paz entre palestinos e israelenses", disse o ministro, que reconheceu a contribuição do movimento evangélico na construção do posicionamento brasileiro.

Orando pelo Brasil e por Israel

A apóstola Valnice Milhomens Coelho apontou a reunião como um avanço e lembrou que os pastores aproveitaram a oportunidade para orar pelo ministro.

“Começamos a ser ouvidos e isso é muito importante para os cristãos. Além disso, foi uma grata coincidência ser o aniversário do ministro e podermos orar por ele”, disse.

Responsável pelas igrejas G12 no Brasil, o apóstolo Laudjair Carneiro Guerra ecoou a opinião de Valnice Milhomens.

"Achei que a reunião foi muito produtiva, pois o ministro tomou conhecimento do carinho e do amor do Brasil por Israel e ouviu nossos argumentos para que o país se posicione a favor dos nossos irmãos”, concluiu.

Contextualização

Em abril de 2016, o voto do Brasil durante a 199ª Sessão Deliberativa do Conselho Executivo da Unesco - ainda sob o Governo do PT - foi frontalmente contrário a Israel.

Já na 200ª sessão do Conselho Executivo da Unesco, realizada em outubro do mesmo ano, se tornou mais nítida uma nova postura na condução do tema pelo atual governo, que atuou para a revisão do texto aprovado.

O encontro com o ministro das Relações Exteriores também contou com a presença dos apóstolos Francisco Maia Nicolau, Joaquim José da Silva Jr, Neuza Itioka, Paulo Tércio Lopes Silva, Leoníldio Lima de Oliveira e Marcus Arrais Fima. A representante da Ordem dos Advogados do Brasil seccional do DF, Clarita Costa Maia acompanhou toda a audiência no Itamaraty.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA ASSESSORIA DE IMPRENSA