Google+ Followers

quinta-feira, 2 de junho de 2016

“Jesus seria proibido de falar nas universidades se estivesse vivo em 2016”, diz especialista

O professor Timothy Garton Ash é especialista de estudos europeus pela Universidade de Oxford. (Foto: Profimedia)
O professor Timothy Garton Ash é especialista de estudos europeus pela Universidade de Oxford. (Foto: Profimedia)

Segundo denúncia do professor Timothy Garton Ash, o governo britânico está incentivando universitários a se protegerem de "extremistas não-violentos", como Jesus Cristo e alguns pensadores.

“Jesus Cristo seria proibido falar nas universidades se ele estivesse vivo em 2016, juntamente com outros ‘extremistas não violentos’”, advertiu o professor Timothy Garton Ash nesta terça-feira (31) durante o evento Hay Festival, no País de Gales.

Garton, que é especialista de estudos europeus pela Universidade de Oxford, lamentou a fraqueza daGrã-Bretanha em garantir a liberdade de expressão, e insistiu que o público se levantasse contra a autocensura.

"Na nova legislação antiterrorista, os sociocratas do governo estão tentando impor sobre as universidades uma espécie de prevenção para evitar que os alunos comentem sobre os feitos de extremistas não-violentos no campus”, disse Ash, de acordo com o jornal britânico Daily Telegraph.
“Agora, extremistas não-violentos? Estes são Karl Marx, Rousseau, Charles Darwin, Hegel, e mais claramente Jesus Cristo, que definitivamente não foram extremistas não-violentos”, acrescentou o professor. "O Ministério do Interior não quer que eles sejam pregados nos campus. Esta é uma ameaça real”.

O discurso do professor Ash aconteceu uma semana depois de serem divulgados os dados de uma pesquisa do Instituto de Política do Ensino Superior. O estudo revelou que, para a maioria dos estudantes, formadores de opinião com pontos de vista ofensivos deveriam ser proibidos palestrar em universidades.

De acordo com um porta-voz do Ministério do Interior, garantir a liberdade de expressão e evitar a radicalização extremista dos alunos, são assuntos diferentes. "Proteger aqueles que são vulneráveis ​​e estão sob risco de radicalização é uma tarefa para todos nós. Este Governo continua trabalhando em parceria com as comunidades de todas as origens para desafiar aqueles que espalham o ódio e a intolerância."



FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE DAILY MAIL